Rosa Luxemburgo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Nota: Luxemburgo pode ter outros significados, para chechecá-los, consulte Luxemburgo (desambiguação).


Wecancookit.jpg

Este artigo é feminista!

Provavelmente ele se trata de uma gorda com pelos no sovaco e seu autor é um mangina opressor sem vivência.

O artigo pode conter misandria, então não leia se for omi.

BandeiradaPolônia.jpg Hail Polandball!!

Rosa Luxemburgo joga The Crims e Tibia todo dia, não sabe pronunciar seu próprio nome de 250 consoantes, enche a cara no bar de leite, adora checar putas, não pode ir pro espaço e odeia comunistas.
Se você vandalizar, João Paulo II vai lhe mandar pro Corredor Polonês!

Rosa Luxemburgo, o único comunista sem barba de toda a Europa.

Rosa Luxemburgo (Zamość, 5 de Março de 1871Berlim, 15 de Janeiro de 1919) foi uma militante metida a Che Guevara do pós-guerra na Europa, era ligada à SDKP na Polônia e à SPD na Alemanha (tudo partido comunista. Rosa tinha como sonho ser a primeira mulher a vencer um debate político no mundo. Por ser tão chata e não calar a boca, nem durante a pausa para o cafezinho das reuniões, ela foi morta por ninjas da Alemanha Ocidental.

Infância[editar]

Como toda judaica, Rosa Luxemburgo era uma fanática traumatizada e teve seus pais perseguidos por Hitler, e agora o fantasma do Fuhrer a perseguia toda vez após cheirar LSD. Tudo isso haveria de explicar o seu trauma com nazistas, os quais eram na Polônia relacionados com o capitalismo, uma vez que o governo camarada de Moscou se encarregava de fazer lavagem cerebral espalhar essa não tão mentirosa mentira.

Em sua juventude entrou para a Escola para Mulheres Para-Militares Soviéticas em Varsóvia para aprender coisas que qualquer universitária comunista de ponta precisava saber na época, que era saber atirar, identificar capitaistas, torturar pessoas e falar frases subversivas.

Militância[editar]

Rosa Luxemburgo em um comício pelos direitos das Dona de Casa.

Acabou indo à Suíça, aonde viveu bons dias de paz, ninguém quer invadir esse país.

Depois de estudar muito, arranjou um falso casamento na Alemanha com Gustav Lueck, com o objetivo de ficar 5 anos casada e ganhar a cidadania alemã, passado esse tempo de muito sexo, Rosa ganhou a cidadania alemã e se divorciou de Lueck, o problema é que o seu marido não sabia disso...

Rosa Luxemburgo ficou famosa na Alemanha por ter inventado uma tal de Social-democracia, um termo menos impactante aos capitalistas, mas que significava a mesma coisa que marxismo e comunismo.

Rosa tinha uma mania, que era fundar partidos políticos. Ela fundou mais de 10 partidos esquerdistas diferentes só para se divertir e confundir ainda mais o povo, ela fundou o USP, o USPD, o KPD, o KAPD, o ARENA, o PCO, o PCB, o PT, e o mais recente, o PSOL.

Extremamente rebelde, o seu principal passatempo era discordar de tudo quanto é líder político de sua época, desde Lenin a Churchill a Julio Cesar ela sempre se encarregava de procurar os podres que variavam desde a opção sexual a visão política para difamar seus adversários. Constantemente se candidatava a presidência, mas o povo também não era tão inconsequente de colocar uma maluca no poder (a sua sucessora nos dias atuais é a Heloísa Helena).

Um dia, pensando em como dominar o mundo somado ao seu gosto de ofender, Rosa Luxemburgo fundou a Nonsensopedia, um site na Internet dedicado a essa manifestação política.

Antes de sua trágica morte, fundou o Grão-Ducado de Luxemburgo em algum lugar entre a Bélgica e a Holanda aonde sonhava em criar vacas quando se aposentasse.

Morte[editar]

Cquote1.png Vocês traíram o movimento comunista véio Cquote2.png
Dado Dolabella sobre os comunistas X9 que entregaram Rosa Luxemburgo

Rosa Luxemburgo sofreu uma morte brutal e desconhecida. A equipe de jornalismo investigativo da Desciclopédia está analisando o caso, e a única informação que se sabe é que Rosa Luxemburgo foi sequestrada e assassinada por uns capitalistas que Stalin definiu como "Cretinos".

Mirror2.jpg Conheça também a versão oposta de Rosa Luxemburgo no Mundo do Contra:

Espelhonomdc.jpg