Rosa Weber

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
100malafaia.jpg Rosa Weber
Ministra stf rosa weber.jpg
A MILF da terceira idade esbanjando sensualidade
Ministra no Supremo Tribo anal Federal
Período 19 de dezembro de 2011 até hoje
Partido Ainda não tomou partido
Nível de honestidade Médio-cre Mais ou menos, mais ou menos...
Perfil
Origem POA, link={{{3}}} Rio Grande do Sul
Alma mater UFRGS
Profissional
Profissão Magistrada
Professor
Pessoal
Sexo link={{{3}}} Feminino
®Desciclopédia

Rosa Maria Weber Candiota da Rosa Maria Weber Candiota da Rosa Maria [...] (Porto Triste, 2 de outubro de 1948) é uma mulher sul-estadunidense que integra a trupe de árbitros da Suprema Corte brasileira e que já emparedou diversos patrões no Tribunal Regional do Trabalho, até 2006. Não fede nem cheira, por isso ninguém sabia de sua existência até integrar de fato o tribunal em 2011.

Grande amiga pessoal da ex-presidanta Dilma Du'Cheff, foi indicada por ela (ou intermédio dela) duas vezes, para a mamata no TST e depois para integrar a turma de intocáveis do STF.

Biografia[editar]

Rosa Weber começou sua carreira se formando no curso de Direito na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi aprovada passando em primeiro lugar no SiSU.

Assim que pegou seu diploma, ela enviou o currículo para várias instituições particulares, já que precisava urgentemente trabalhar. Apenas uma instituição que disse a ela que retornaria sexta-feira com o resultado retornou de fato, sendo esta a PUC gaúcha. Contratada, ficou lá apenas um ano, pois os alunos a assediavam bastante — pense numa professora gostosa, meu. Foi então que ela decidiu partir para a tranquilidade do funcionalismo público, quando tentou concorrer uma vaga para mandar na porra toda como quarto árbitro do juizado trabalhista.

Não obstante, Candiota da Rosa Maria resolveu se candidatar a juíza do Tribunal Regional do Trabalho daquelas bandas sul-riograndenses. Foi de funcionária da limpeza à auxiliar de almoxarifado no depósito de processos do tribunal, até finalmente, depois de dez longos anos, receber o convite de algum tarado superior para mandar naquela joça. Então a juíza ficou mandando fazendeiros e outros tipos de escravagistas gaúchos irem tomarem em seus respectivos orifícios anais, em processos trabalhistas movidos por seus ex-escravos fugidos. Isso até receber uma ligação (gravada) da gerentona Dilma, então ministra da Casa Civil na época, que convidou a juíza à fazer parte da iniciava de ministros vingadores na instância superior daquela bodega.

Quando chegou no TST a ministra se assustou com o número de mato-grossenses e paraenses réus. Temendo por julgar um deles e algum capataz fazer dela o mesmo que fez com Dorothy Stang a ministra se viu obrigada a procrastinar até que sua amiga que a colocou naquele buraco arrumasse um jeito de tirá-la dali.

Depois da eleição presidencial de 2010 e com a aposentadoria súbita da faixa preta Ellen Gracie, Dilma Rousseff conseguiu promover Rosa Weber ao cargo de ministra do Sanitário Tribunal Federal no fim do ano seguinte.

Como ministra do STF[editar]

Indicada para integrar o STF, Rosa Weber passou por uma leve conversa entre amigos na Comissão de Constituição e Justiça, no antro da pederastia nacional como é conhecido o Senado Federal. O rito é obrigatório e todo mundo que quiser sentar naquele assento moreno e macio do STF precisa passar por ele um dia.

Na sabatina, alguns senadores com ânimos mais exaltados votaram contra a aprovação da magistrada para o Supremo Tribunal Federal justificando que ela estava tímida porque não sabia de porra nenhuma da constituição (e nem eles sabem), enquanto outros mais cortejadores diziam que Rosa estava fazendo apenas seu papel de waifu diante de tantos machos naquele recinto e que seria normal ficar extremamente tímida do jeito que ela ficou. Apesar da cena descrita ser quase um roteiro genérico de algum filme pornô, a Rosa Wever diz que não rolou nada de mais naquele recinto (a TV Senado não transmitiu nada na época).

Depois daquele gostoso bate-papo, finalmente a ministra pôde assumir no dia a uma semana do natal de 2011, integrando a cota destinada às mulheres no STF.

E parece que isso é só. A ministra não tem integrado escândalos iguais alguns de seus colegas contemporâneos de STF. Por isso não tem mais nada que possa ser escrito nessa seção.

Vida pessoal[editar]

A ministra é casada com seu filho, Telmo, coisa que é permitida segundo a constituição do Estados Unidos do Sul. Com ele, a ministra tem dois filhos que nasceram muito bem, obrigado, de saúde.

Ver também[editar]

Precedido por
Ellen Graça
Ministro do Supremo Tribunal Federal
2009 – atualidade
Sucedido por

(sim, ele mesmo)