Rota do Incenso - Cidades do Deserto do Neguev

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Rota do Incenso - Cidades do Deserto do Neguev é um monte de deserto, pedras, areia e nada em Israel que foram considerados pela Unesco patrimônio mundial por retratarem muito bem o estilo de vida dos antigos nabateus, um povo aí que ninguém conhece.

Rota do Incenso[editar]

Beduínos da Rota de Incenso cantando o seu tradicional refrão Churi Churin Fun Flays.

A Rota do Incenso era o codinome para a mais antiga rota de muambas da história da humanidade. Ligando o oriente e o ocidente, a rota recebeu esse nome pela grande e imensa quantidade de ópio que era exportada da China, e para enganar a alfândega, os piratas acendiam incensos para disfarçar o cheiro de maconha.

A Rota do Incenso, durante os século III a.C. ao século II d.C. foi responsável pelo grande desenvolvimento do rico comércio mundial de incenso, maconha, crack, olíbano, heroína, mirra, CDs de PlayStation 2, rolex, pimenta e queijos.

Depois que Vasco da Gama encontrou o caminho para a série B as índias, e a Ponte da Amizade foi construída, a Rota do Incenso foi abandonada.

Deserto do Neguev[editar]

O fantástico Deserto de Negev e sua abundância de nada.

O Deserto de Neguev é aquele deserto que ocupa 160% de Israel e você não sabia o nome. Nesse deserto você pode encontrar areia, pedras, ruínas, palestinos refugiados, minas terrestres, e com sorte algum tanque blindado israelense.

Esse deserto é um grande símbolo do avanço hebreu nos sistemas de irrigação, produção de leite de camela, construções urbanas, fortes, prostíbulos e caravanserais.

Cidades[editar]

Quatro ruínas se destacam no Deserto do Neguev:

Haluza[editar]

Cidade das antigas que hoje não passa de um punhado de dunas com arqueólogos cavando não sei o que.

Foram encontrados apenas por enquanto antigas duas igrejas (uma católica e outra crente), um teatro, uma boate gay e uma torre.

Sabe-se também que foi realizado um porco trabalho de arqueólogos nessa cidade, que mais destruíram do que preservaram a história local, entre os líderes desses arqueólogos estava Joselito.

Mamshit[editar]

Mamshit (Inglês: Man Shit), popularizado pelo biólogo, historiador, proctologista e comentarista esportivo Marco Bianchi de: "Mamshit! A Massachussets dos Nabateus!!" foi mais uma daquelas cidades das antigas exportadora de muamba.

A cidade ficava no meio do caminho dos dois grandes centros do Oriente Médio, Petra e Gaza, gozando então de uma antiga estrutura de bordéis e cabarés cheios de garotas de programa para os viajantes.

Avdat[editar]

Um ativista palestino.

Antiga cidade que foi uma colônia de férias de Xerxes, as explorações arqueológicas de Avdat encontraram um grande tesouro repleto de raridades, avaliado em 10 mil moedas de prata, 16 mil moedas de ouro e uma raríssima playboy da Daniela Sarahyba.

Foi em Avdat que Asterix derrotou o último dos romanos.

Shivta[editar]

Cidade sagrada da Rota do Incenso, é muito citado no livro sagrado de Contos Cthulhu como local do Apocalipse. Foi lá que Cthulhu devorou a cabeça de 100 camelos e criou a esfinge de acordo com a antiga lenda.

A cidade fica entre Santa Catarina e o Monte Sinai, locais chaves no livrinho de ação/ficção científica bíblia, o best seller mais vendido no mundo.