Rurik

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
St Basils Cathedral-500px.jpg РУССКАЯ ВОДКА

Estin artigovski é russki!

Cheeki breeki

Smirnoff.gif
60px-Bouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Rurik.
Uma estátua dedicado ao Rurik, uma perda de grana por ele ter fracassado em seu império

Cquote1.png E sobre essas terras revortos, eu criarei um império! Cquote2.png
Rurik em um dos seus discursos mentirosos

Rurik ou Riurik (Russo: Рюрик; Nórdico Antigo: Roqueiro) foi o mítico fundador varegue da monarquia russa, dando o nome à casa de Rurikovich, primeira dinastia imperial de tsares russos através de muito derramamento de sangue, como os barbaros antigos faziam (ou não).

A sua história[editar]

Há um debate sobre como Rurik passaram a controlar Ladoga e Novgorod e a controlar poderes mágicos que eram tão podderosos quanto os do Hally Potter. A única informação sobre ele está contido no século 12 russo Crônica Primária, que afirma que Chuds, esloveno (uma das tribos do leste eslavos ), Merias, veses e Krivichs (também uma tribo escrava sexual do eslava) "... levou a Varangians para trás além o mar, se recusou a pagar-lhes tributo, e partiu para governar a si mesmos " matando mais de 1000. Posteriormente as tribos começaram a brigar entre si e decidiram convidar Rurik para restabelecer a ordem, através de perseguição e mortes, tipicamente uma ditadura militar arcaica.

Rurik permaneceu no poder até sua morte em 879, mortos pelos seus próprios soldados quando este fracassou na campanha de dominação mundial que ele mesmo planejava;

Há uma grande século 9, carrinho de mão funerária em Novgorod Oblast chamado Shum Gora, primorosamente defendida contra saques (ou não). Ela continua a ser escavizado pelos decedentes de Rurik. Os habitantes locais se referem a ele como é Grave Rurik, o fiasco das conquistas coloniais, ao menos é o que os Novgoroneses diziam sobre ele.


Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!