São Domingos (Santa Catarina)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: A cidade das araucárias? Cquote2.png
Google sobre São Domingos (Santa Catarina)
Cquote1.png Você quis dizer: Cidade vizinha daonde apareceu os et's? Cquote2.png
Google sobre São Domingos (Santa Catarina)
Cquote1.png Você quis dizer: Pra lá de puta que o pariu?? Cquote2.png
Google sobre São Domingos (Santa Catarina)

Cquote1.png Lugar aonde mtas maes nao tem a responsabilidade de cuidar dos seus filhos nem ao menos dando atençao pra eles, aonde se prostituem para comprar drogassss Cquote2.png
Moradora de São Domingos indignada com a sociedade
Cquote1.png Um dia seremos maiores que Xanxerê!! Cquote2.png
São Dominguense delirando enquanto toma seu chimarrão a tardinha
Cquote1.png Seremos eternamente lembrados por ser a cidade das araucárias! Cquote2.png
morador idoso sobre o efeito dos alucinógenos


História, cidade e sociedade

Tudo começou principalmente quando Diogo Ribeiro e Balduino Scheffer , vindos do Rio Grande do Sul, instalaram-se como primeiros moradores e desbravadores, desbravando muitas coisas. Apartir dai, muitas pessoas que podemos considerar paga-paus sentiram muita inveja e foram vindo para cá. Então foi criado um distrito pertencente a cidade de Chapecó (SC) e depois virou independente com o nome de São Domingos, em homenagem a fazenda que funcionava como sede do projeto de cidade, de propriedade do Srº Domingos. Sua população passa as tardes de domingo assistindo Domingão do Faustão ou suas fitas que foram gravadas de filmes da sessão da tarde como por exemplo, a lagoa azul, na falta de ter algo melhor para se divertir. Consequentemente, sua população é totalmente retardada, mesmo assim se orgulha de morar em uma bela cidade, sempre contribuindo para sua melhora. Em dias de semana, as pessoas se reunem na casa dos outros para que suas crianças não quebrem brinquem com as coisas de sua casa. As pessoas que ali moram não tem nenhuma escolaridade, por isso acham que seus filhos também não devem ter, por isso as colocam nas escolas da cidade, porque elas oferecem uma boa educação. As meninas acreditam que o projeto de vida é casar com um cara rico. O cara rico acredita que o projeto de vida é morar em Balneário Camboriú. Apesar de que em São Domingos não existe homem rico, apenas alguns playboyzinhos, filhinhos de papais, mas já estão comprometidos com suas putinhas escravizadas namoradas comportadas.


Economia e política

São domingos é uma cidade pobre, com pessoas pobres fazendo coisas pobres porque são dominguenses nunca gostaram de trabalhar mesmo, pois estão contente com o nome: Cidade das araucárias (que estão pensando em retirar, pelo falo de não existir mais araucárias na região). Com seu prefeito e seus belos funcionários, São Domingos é motivo de chacota para cidades vizinhas como por exemplo como Xanxerê(L) e Chapecó.


Gangues e bairros

Só quem mora no centro da cidade pode ser considerado "rico", apesar de não possuir dinheiro algum. Isso se dá pelo simples falo de que um bairro bairro esperança, mas que de esperança não tem nada moram pessoas um tanto quanto pobres, algumas negrasmorenas que dão um ar de violência pelos constantes assassinatos e brigas nos finais de semana, onde costumam beber e brincar de roleta russa.


Dicionário São Dominguense

Percebi que nosso sotaque é um pouco dificil quando estava contando para as pessoas que a alemoa atoro o garrão do guri com uma naifá e fez o guri de patiá perto do oio-d´água. Bem, é sabido que o sotaque mais xucro, grosso e assustador de todo o universo conhecido (e do desconhecido também) é o nosso, oriundo do oeste bravio. Esse dicionário é quase perfeito, especialmente para quem não é 'nativo' deste chão. Muitas pessoas reclamam por nosso 'idioma' ser diferente colono, então ai vai algumas dicas para não se atrapalharem, apesar do fato que vocês nunca virão para este fim de mundo.


Alemoa: loura

Apinchá: jogar

Atorá: cortar

Avil: isqueiro

Baita: grande

Baruiando: no cio

Boleá: jogar, entrar

Bostiá: incomodar

Briquiá: trocar, de mano ou não

Cagar a pau: bater

Camassada de pau: apanhar

Campiá: procurar

Catrefa: pessoas que não valem nada

Charanga: bicicleta

Chumaço: conjunto de alguma coisa

Cóça de laço: apanhar

Comedor de carvão: morador de Criciúma e Tubarão

Comedor de siri: morador do litoral

Crêendios pai: exclamação quando algo dá errado

De revesgueio: de um tal jeito

De vereda: rápido

Fincá: cravar

Fóque: lanterna

Fuque: fusca

Garrão: calcanhar

Gatiá: roubar

Gavioná: sair na festa para caçar

Guampiá: trair

Guentá: roubar

Incebando: enrolando, fazendo cera

Ingrupi: enganar

Ínôzá: amarrar (já viu palavra com todas as sílabas com acento?)

Inprenhá: engravidar

Insúcia: em conjunto

Intertê: fazer passar o tempo com algo

Inticá: provocar

Intrevêro: bagunça

Intuiado: cheio

Invaretado: nervoso

Japona: jaqueta de nylon

Jóssa: coisa

Judiá: mal tratar

Kakedo: pessoas que não valem nada

Lasarento: xingamento, como filho da p….

Lotcha: ônibus coletivo

Luitá: brigar

Malinducado: mal educado

Mata-cobra: soco de cima para baixo, golpe marcial

Murcilha: morcela

Náifa: faca

Ôio-d´água: nascente

Paiêro: fumo de palha

Pânca: modo de se portar, por exemplo: panca de motoqueiro (jeito de motoqueiro)

Pare, home do céu: parar, o mesmo que 'se par de bobo' e 'deusolivre home'.

Patiá: ser enganado, pagar de bobo

Pelhor: o contrário de melhor

Peral: declive acentuado no relevo no solo como um canyon

Perna de salame: peça de salame

Pescociá: olhar para os lados, matar tempo

Pestiado: com alguma doença

Pexada: acidente

Piá pançudo: guri bobo

Podá: ultrapassar, ou cortar, o mesmo que apodá

Pozá: dormir em algum lugar

Pruziá: conversar

Rafuage: vagabundo, malandro

Rancho: compra do mês

Ratiá: incomodar

Réco: zíper

Relampejando: trovejando

Resbalão: escorregar

Revertério: dor de barriga

Rinso: sabão em pó

Sai fincado: suma daqui

Sinalêra: semáforo

Sóga: corda

Sólinha: voadeira, golpe marcial

Táio: corte

Tchuco: bêbado

Te atraca: faz isso

Tentiá: filar

Trupicá: tropeçar

Tunda de laço: apanhar

Uso campião: usucapião

Vareio: vencer fácil

Veiáco: mal pagador

Vortiada: passeio

Ximia: doce de passar no pão

Zóiudo: impertinente