São Francisco de Goiás

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

São Francisco de Goiás é um distante curral de Anápolis que acha que é uma cidade. Próximo de tanto lugar melhor e mais desenvolvido (Brasília, Pirenópolis, Anápolis), é claro que só fica em São Francisco de Goiás quer quer (pessoas de pouca visão).

História[editar]

Só em São Francisco de Goiás você encontra essa espécie de carnaval misturada com festa junina e show de sertanejo.

Desgraça já existia em 1740, quando uns fazendeiros de Jaraguá foram dar uma cagada, e acabaram se perderam no mato. Depois de largar o barro, decidiram usar aquela obra como "pedra fundamental" de uma nova cidade que tiveram a ideia de criar.

Com a construção de uma capela de palafita, lavradores, mineradores, viajantes, marginais e prostitutas se reuniam em São Francisco de Goiás aos domingos para movimentar a cultura.

Em 1911 passa a ser um distrito de Jaraguá, com o nome Chagas, porque aquele bando de fazenda cheia de pobre era uma verdadeira chaga ao município jaraguaense.

Depois de muito tentar, em 1953 São Francisco de Goiás é elevado a município graças a Vovó Mafalda que comandou a revolução armada e a greve dos plantadores de milho, que gerou um profundo impacto econômico em todo Goiás devido ao aumento do preço da pamonha.

Atualmente é uma cidade bostinha qualquer...

Economia[editar]

A economia de São Francisco de Goiás é oficialmente inexistente, o pouco do dinheiro que a população ganha sempre provêm da prostituição das mulheres da família.

Existe um ou dois fazendeiros que ganham trilhões vendendo milho, pepino, soja, alho e palmito.

Transportes[editar]

São Francisco de Goiás está exatamente no cruzamento das duas maiores e mais podres rodovias da América Latina. A BR-153 que liga o Uruguai à Guiana Francesa, e a BR-070 que liga a África à Macchu Picchu.

Devido ao intenso tráfego dessas rodovias, São Francisco de Goiás parece que possui apenas postos de gasolina, motéis, cafeterias e puteiros, para sugar assim breves trocados dos inúmeros caminhoneiros que param por ali.