João Batista

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de São João Batista)
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Para outros significados, consulte São João Batista (desambiguação).
Rabbimetal.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia alemães, foi escolhido por Javé e não come lagosta porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.

São João Batista é, segundo a revista Rolling Stones, uma das 10 personalidades mais influentes na cultura de fanatismo religioso e filosofia cristã de perseguição aos ímpios e sua conversão. Popularizou o batismo condenando assim milhares de anos de história de humanidade ao Limbo no Inferno por falta de batismo, além de ter inventado também as notas musicais ut, re, mi, fa, sol, la, s. Mais tarde Michael Jackson trocaria o "ut" por "dó" para conseguir cantar Beat it.

João Batista era bem eclético, além de batizar na igreja, também frequentava o centro espírita, a roda de umbanda, a mesquita muçulmana, seguia as tradições do judaísmo e orava para Buda. Ele foi um cara muito esperto, entrou para o máximo de religiões possíveis para reduzir ao mínimo a chance de ir para o Inferno.

Infância e juventude[editar]

São João Batista só não entrou para o time de futebol de Jesus (os 12 apóstolos) porque ele era melhor no basquete.

João nasceu numa família de judeus como reencarnação de Elias, foi castrado com 8 dias de idade como mandava a tradição de sua família, e logo cedo foi mandado para trabalhar como cortador de cana para sustentar a mãe após a morte do pai (Mateus 23:35).

Após uma agitada festa com muita vodka e energético, João Batista embriagado e fora de si teria se relacionado sexualmente com um cadáver careca. No dia seguinte, de volta à sanidade, assistindo o deprimente vídeo da noite anterior, prometeu para si mesmo que nunca mais iria beber cerveja, nunca mais cortaria o cabelo e nunca mais tocaria num cadáver. Dentre outros de seus hábitos adquiridos na infância e juventude está o de alimentar-se de gafanhotos e mel silvestre por ter passado grande parte do tempo assistindo Zé Colmeia quando criança (Marcos 1:5).

Ministério[editar]

Após a morte da mãe João Batista iniciou a vida de sair por aí pregando sobre a vinda de um Messias capaz de soltar raios pelos olhos, cuspir fogo e invocar anjos da justiça com espadas, para que assim ele pudesse terminar o serviço que Abraão deixou pela metade: fundar Israel.

João Batista que era o orador do Mossad, após alguns acordos conseguiu na ONU a autorização para finalmente fundar Israel.

Passava os dias no Rio Jordão dando banho em pessoas, fazendo disso um belo trabalho para a comunidade, teve uma excelente ideia quando abriu um negócio onde até garantia passagem para o Céu com um banhozinho. Futuramente, a tradição tentar afogar pessoas viraria um sacramento no cristianismo (Mateus 3:1-12; Marcos 1:4-11; Lucas 3:1-17).

Essa história de converter gentios gerava grande polêmica, pois havia muita gente que não desejava tantas pessoas assim no Céu, só esqueceram que o egoísmo deles os condenaria para o Inferno, mas quem disse que religião faz algum sentido?

O batismo de Jesus[editar]

São João Batista e Jesus brincam de pique-pega no Rio Jordão num forte dia de calor.

Jesus começou a elogiar e aprovar João Batista, elogiava seus ideais comunistas (Mateus 11:7-15; Lucas 7:18-23).

Quando Jesus estava passando por ali, falou aos seus apóstolos: "Putz galera, que calorzão, vamos pro rio dar uma refrescada?" e lá chegando no Rio Jordão estava João Batista, e enquanto Jesus tomava seu banho e brincava um pouquinho João Batista ofereceu: "Posso lavar suas costas Messias?" e Jesus disse: "Por favor, uma pomba cagou bem aí e não consigo alcançar, aquela ave até falou: 'este é o Meu cocozinho amado no qual ponho toda a minha complacência para que recebas de João o batismo'" o gesto foi interpretado por algumas culturas pagãs como batismo de Jesus (Mateus 3:1-12; Marcos 1:4-11; Lucas 3:1-17).

Na noite daquele dia, quando os apóstolos conversavam sobre o dia divertido no Rio Jordão, Jesus falou bem de João Batista comparando-o a prostitutas e políticos, dizendo que João não era como prostitutas e políticos que falam uma coisa e fazem outra (Mateus 21:32).

Martírio[editar]

João Batista era conhecido por ser uma baita de um fofoqueiro. Certa vez pregou que Herodes Antipas comia sua própria cunhada chamada Herodias, escondido quando a esposa saía. João Batista, claro, recebeu um processo por difamação, foi preso, e não conseguiu provar para a polícia o seu relato. João alegou que havia escrito aquilo para um site de humor chamado Desciclopédia, e que não deveria ser levado a sério.

Herodes engoliu a desculpa e planejava soltar João Batista, também por que temia uma rebelião se executasse um profeta. Mas a filha de Herodias, que era sádica, pediu e cabeça de João numa bandeja, e como Herodes gostava de meninas mais novas, concretizou o pedido de sua sobrinha (Mateus 14:1-12).