João Evangelista

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de São João Evangelista)
Ir para: navegação, pesquisa
Rabbimetal.jpg Cadê o moedinha?

Este artigo é judeu! Ele odeia alemães, foi escolhido por Javé e não come camarão porque é caro e anti-kosher. O autor deste artigo provavelmente é contador e deve estar cuidando da lujinha.

Santaceia.jpg E nomine patris et filii et spiritus sancti!

Este artigo foi criado por um cristão devoto. Ele vai à igreja todos os domingos com o intuito maior de tomar vinho louvar o SENHOR. Se você vandalizar, Javé Deus te mandará sem hesitar para o inferno!

João Evangelista (São João para os íntimos) foi um grande fã de forró, quentão, fogueira, bandeirinhas, balão e barracas do beijo, foi então que ele decidiu juntar tudo e inventou a Festa de São João, pelo o que ele é tão famoso.

João Evangelista foi também um discípulo de Jesus, metaleiro e por isso tinha cabelão headbanger, o que junto com seu jeito meio afeminado de usar roupas coladas e ficar tocando muito em Jesus, frequentemente causa confusões entre quem é ele e quem é Maria Madalena nos retratos.

Era o apóstolo preferido de Jesus porque era o mais imaginativo nas seções de RPG que jogavam toda noite na cabana, era pensativo e introspectivo o que era suficiente para Jesus que podia ler pensamentos, e era pouco falador porque tinha senso do ridículo e frequentemente viam seus amigos apóstolos sendo ownados por Jesus fazendo as suas perguntas parecerem idiotas graças à excelente retórica do mestre em suas respostas imediatas repletas de metáforas, mesóclises e falácias.

Apóstolo de Jesus[editar]

São João Evangelista sofrendo de fortíssimas alucinações para escrever uma de suas maiores fanfics que chamou de "Livro do Apocalipse".

Inicialmente João trabalhava em Betsaida como costureiro de redes, pois era o pior pescador dentre seus amigos e sócios Pedro, André e Tiago, e por isso era designado para essas funções mais furrecas.

Quando encontrou Jesus pela primeira vez, João era o único ainda virgem, e quando viu Maria Madalena a puta de seus sonhos eróticos mais íntimos, e a fama do Messias em atrair mulheres, João decidiu seguir Jesus para ver se saía da miséria. Aos poucos foi mudando seu pensamento, descobriu que Madalena virou freira, foi se desinteressando por mulher e se interessando mais pelos ideais comunistas de seu chefe, virando seu braço direito. O "Apóstolo Virgem", como ficou conhecido, virou teólogo.

Todo mundo fala que Judas Iscariotes foi um baita de um traíra, mas ninguém fala que na hora que a casa caiu para Jesus com o cerco de soldados romanos, João foi o primeiro a dar no pinote e fugir sem nem ligar para o que poderia acontecer a Jesus.

Arrependido de ter deixado Jesus na mão, João ainda tentou salvar seu mestre sendo o único apóstolo presente no calvário de Jesus, mas a segurança estava muito reforçada, os romanos sabiam que não é todo dia que se mata um Messias, e ele poderia a qualquer momento invocar raios, chuva de fogo, anjos armados, esse tipo de coisa. E assim, João infelizmente não conseguiu salvar Jesus, que em seu leito de morte mandou ele virar pai de família, deixar aquela vida de vagabundo, e cuidar de sua mãe Maria.

Evangelização na Ásia Menor[editar]

João ignorou o último desejo de Jesus completamente, largando Maria na Galileia e indo viajar por aí desfrutando de sua aposentadoria. Começou a evangelizar na Ásia Menor até se estabelecer em Éfeso na Turquia onde começou a espalhar aquelas história dos poderes jedi de Jesus.

João acabou preso e torturado por falsidade ideológica, o Imperador Romano Domiciano em pessoa trouxe João para Roma. Na masmorra do Coliseu João foi flagelado e colocado num caldeirão de azeite fervendo, mas saiu de lá rejuvenescido tal qual uma pegadinha do Zeca Urubu para cima do Pica-Pau. Dominicano havia trocado o caldeirão de óleo fervendo por sua banheira de sais com óleo relaxante. Envergonhado, Dominicano decidiu apenas condenar João a prisão perpétua em Patmos.

Exílio[editar]

Antigo cartaz promocional de uma quermesse em Betsaida com João Evangelista e Maria Madalena retratados. Daí surge a origem da festa junina conhecida também como São João.

João passou os últimos momentos de sua vida preso e exilado na Ilha de Patmos.

Na falta total e absoluta do que fazer, para combater o tédio e por ser o mais nerd dentre os 12 apóstolos, João escreveu uns duzentos Evangelhos, mas nem todos foram preservados ou incluídos na Bíblia, senão, o Novo Testamento passaria a se chamar "Auto-bioagrafia de João".

Certo dia, cansado de escrever sobre o seu dia-a-dia, João decidiu inovar e escreveu uma fanfic muito boa, digna de roteiro de anime, com cavaleiros, anjos, trombetas, guerra, punição, salvação, Jesus num trono julgando uma fila de almas e várias outras coisas de um bom filme de ação e aventura. Embora apenas alguns fragmentos desse texto tenham sobrevivido, eles acabaram sendo transformados no último livro da Bíblia, o Apocalipse.

Morte[editar]

João nunca morreu, Jesus o banhou com sangue de um dragão que ele havia matado o que tornou São João imortal e disse: "Você só vai morrer no dia do Apocalipse". E assim surgiu o primeiro zumbi da humanidade. Essa tese é corroborada pelo fato de que vasculhando os cartórios de Éfeso, Patmos, ou mesmo Jerusalém, não foi possível encontrar qualquer atestado de óbito de João em lugar algum.