São João do Pacuí

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Um morador de São João do Pacuí saindo de manhã para ir ao trabalho.

São João do Pacuí é um ninho de rato localizado lá no interiorzão de Minas Gerais, que a população local insiste em chamar de "cidade". Porém, com uma população de cerca de 3.000 habitantes, São João do Pacuí está longe, longe de se tornar uma "cidade" propriamente dita. A Favela da Rocinha está mais próxima de atingir tal feito.

História[editar]

São João do Pacuí é conhecida mundialmente devido a sua bem-estruturada coleta seletiva.

Acha mesmo que essa desgraça tem uma história? MWAHAHAHAHAHA! Não existe nada documentado sobre a história desse verdadeiro fim do mundo que não sabe se é um território baiano ou mineiro. A única coisa que existem são variados relatos, que são contados pelos matutos da região. Como esses relatos não provam nada, normalmente, nem iríamos postá-los aqui, pois só iria ocupar espaço a toa. Porém, como precisamos encher linguiça para que o artigo sobre essa cidadezinha pantaneira não seja deletado por algum moderador malvado, que alegará "conteúdo insuficiente", vamos relatar todas essas lendas passadas de geração para geração.

De acordo com o mais confiável dos relatos, que nos foi dado pelo matuto Jacinto Leite Aquino Rego, um famoso drogado e bêbado de São João do Pacuí, a cidade foi fundada por alguns alienígenas provenientes de Marte, que estavam procurando por um cantinho para estabelecer a sua base e assim começar com a sua dominação mundial.

Após terem levantado a sua base em São João do Pacuí, os alienígenas já estavam prontos para começar uma verdadeira invasão ao Planeta Terra. Para isso, eles pegaram as suas modernas e potentes escopetas e começaram a percorrer todo o sertão mineiro, procurando por formas de vida para escravizar. Porém, após terem andado cerca de 666 quilômetros, os alienígenas, que já não estavam mais aguentando o calor infernal proporcionado pelo sertão mineiro, perceberam que não encontrariam sequer uma forma de vida em um raio de, pelo menos, 8000 quilômetros. Por conta disso, eles resolveram esquecer de toda essa história de invasão, e queriam apenas voltar para o seu planeta.

Porém, como São João do Pacuí era apenas um grande deserto, exatamente igual a todos os outros territórios do sertão mineiro, os alienígenas acabaram se perdendo no meio do caminho, vítimas de desidratação. Alguns anos mais tarde, os corpos desses alienígenas foram encontrados por um típico vagabundo pacuiense e levado até uma base militar brasileira na dimensão do Acre. Porém, isso não vem ao caso.

A nave espacial que tinha ficado em São João do Pacuí começou a atrair diversos CUriosos, que iam até esse fim do mundo apenas para observar a construção alienígena. A CUriosidade dos brasileiros é tão grande que alguns CUriosos resolveram montar algumas barracas por lá mesmo, para observarem melhor o menumento monumento. Esses foram os primeiros moradores "reais" de São João do Pacuí. Como CUrioso é o que não falta, em pouco tempo, mais alguns caipiras foram morar na cidade, até São João do Pacuí se tornar o que é hoje.

Cidade[editar]

Atualmente, São João do Pacuí continua a mesma merda de antigamente. Os pouquíssimos habitantes da cidade são apenas caipiras curiosos que não tem mais nada para fazer da vida.

Economia[editar]

Apesar de São João do Pacuí não produzir nada (o que é bem compreensível, visto que nada que se planta na cidade nasce), a economia da cidade até que se mantém estável, graças ao turismo - Sim, sempre aparece algum doido na cidade pensando que São João do Pacuí é um grande ponto turístico. Antes de perceber que na cidade não tem nada de bom, ele é forçado a gastar todo o seu dinheiro nas caríssimas pousadas da cidade, que cobram cerca de 100 reais em barras de ouro que valem mais do que dinheiro por dia - E nem se dão ao trabalho de oferecer um café-da-manhã.