São José do Egito

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de São José do Egito
"Pseudo capital da poesia"
Aniversário 9 de "mauço"
Fundação 9 de "mauço" de 1500
Gentílico pueta
Localização
Localização de São José do Egito
Estado link={{{3}}} Pernambuco
Mesorregião Não disponível
Microrregião Não disponível
Municípios limítrofes Num sei, mas acho que é Riacho do Mei, Bom Fim, Mundo Velho
Distância até a capital 500000 Km km
Características geográficas
Área Não disponível
População não sabemos pois o censo é antigo e já nasceu muita criança e chegaram muitos andarilhos. hab.
Idioma pernambucanês, matutês, egipêz
Altitude 3000 metros metros
Clima semiárido tostado
Fuso horário UTC Das Batatas
Indicadores
IDH variável
PIB R$ baixo miserável

Nota: Se procura pelo personagem da novela da Record, consulte José do Egito


São José do Egito é uma decadente cidade de Pernambuco que seria do Cariri Paraibano pelo Tratado de Tordesilhas, mas os espertos dos pernambucanos fizeram uma cerca, colocaram os marcos e tomaram conta do lugar que hoje é Pernambuco.

História[editar]

A povoação do município iniciou-se com a construção de uma casinha de praia dedicada a uma baleia, quando alguém povoou umas terras na beira do riacho, no lugar chamado Cinzas, vale meridional da Serra da Pelada a Quatro e ponto de confluência do riacho dos Preás da índia com o mesmo riacho. Fazendeiros vizinhos, que possuíam outra casa de praia, atacaram e destruíram os forasteiros. Uma nova casa de praia foi erguida. Um novo ataque foi tentado, mas os moradores dessa vez se precaveram e um dia anterior comeram muito feijão, batata, gerimum, buchada e sarapatel e na hora da batalha soltaram muito peidos e o odor ficou pesado e insuportável durante o ataque, então desta vez foi frustrado e nunca mais tentaram atacar a batalha ficou gazes tóxicos na beira do rio.

O povoado foi intitulado por um velho chamado Seu José, que depois de dar golpes de jogo de azar da tampinha no Egito, fugiu para Brasil onde sabia que não ia ser preso pois estava em terras em terras brasileiiiras. E em 1881 se refugiou na cidade onde construiu uma pequena pirâmide em agradecimento a liberdade criando assim o vilarejo de Seu José do Egito, posteriormente erroneamente renomeado para São José do Egito.

Geografia[editar]

Cidade localizada no sertão, na grande região do baixo Pajezão, distante 40.000 km do Recife. Caracterizada pelo solo argiloso, pedregoso, esfareloso e arenoso com limo e rochoso com a ocorrência mineral mais abundante de bauxita, calcário, esterco, húmus e seixos.

A cidade é cortada pelo canal ipiranga onde a flora é caracterizada pelo mau cheiro da caatinga de bosta de bois, cavalos, ovelhas e de esgoto da população. Mas é só fechar os vidros do carro e acelerar. A fauna, é compreendida pelos gatos na praça de cooper com todas a doenças do universo, cachorros descendentes da cachorra "baleia" que estão presentes em toda a cidade,; do besouro do cão, muriçoca, mosquito palha da leishmaniose e mosca varejeira.

Política[editar]

Na política de São José do Egito há uma disputa eterna como se fosse futebol entre dois partidos políticos, os vermelhos e os brancos. Os eleitores não pensam no futuro e para eles quem ganha ou quem perde a eleição é meramente pretexto para ficar debochando do vizinho todos os anos sendo um verdadeiro "SHOW".

Um ponto forte da cidade e que lhe confere um charme ímpar é sua eleição para prefeito e vereadores, que tem sempre um grande foguetório imbecil que é protagonizado por políticos toda vez que conseguem calçar impressionantes X de carros e motos de rua.

Cultura[editar]

É conhecida por "terra da poesia" (terra onde as almas, animais e até postes são poetas) (fonte Desciclopédia Tabira - PE) porque teoricamente todo egipsiense faz poesia, o que não passa de uma grande mentira já que alguns nem sabem escrever o vocábulo "egípcio" para se definirem, imagine então escrever uma poesia inteira. Muito embora tem um poeta que se acha famoso faz livro com dinheiro dele mesmo e é egocêntrico e paga para aparecer em festival de poesia, mas visivelmente só saber fazer poesia de sinônimo e rimas encontradas no computador e por causa disso coloca seus escritos até em saco de pão para aparecer.

Lazer[editar]

Mercado público no dia de sábado é onde você vai encontrar todas a tribos do município, desde as rurais como as da "cidade". O mercado conta com 5 mil bancas que vão do chique ao trash. Vendem almoço, bebida, cereais, carnes, verduras, frutas, roupas originais, tênis, sapatos originais, relógios originais, relógios do Paraguai, feira do rolo, do fumo e etc.

Transportes[editar]

Chegando do Cariri Paraibano para Pernambuco, dependendo da velocidade, você já vai ficar sem pneu já que são 10 km de estrada de barro com várias crateras. Os políticos egiptenses, pensando em possibilidades de pontos turísticos deixam a estrada se acabar para virar trilha de cross. No sentido Sertão da Paraíba a estrada é mais emocionante ainda porque contém partes de asfalto, mas traz centenas de crateras traiçoeiras, animais soltos como bois e cabras, o que te deixa mais seguro na rota.

Turismo[editar]

A rodoviária é um grande atrativo da cidade devido à sua arquitetura ousada. Nunca foi reformada e encontra-se em péssimo estado de conservação, hoje abriga mendigos, deficientes metais e andarilhos embriagados e as vezes até agressivos, com o indistinto adicional de banheiros sem vaso sanitário e completamente deteriorados. Os políticos da cidade nunca deram atenção para o local, o que o torna único.

Outro ponto turístico imperdível são as lojas de material de construção da cidade que contam com um péssimo atendimento, talvez o pior do mundo, com caixas mal educados que te fazer perder o dia inteiro esperando eles responderem o WhatsApp ou mesmo caixas que assediam os homens na cara dura com "meu amor, o que quer meu anjo??" que podem causar até uma separação com tanta intimidade forçada.

Tem ainda festas maravilhosas e a Festa do universitário, que mesmo tendo esse nome não há nenhum estudante universitário envolvido na organização dessa festa, tampouco decidindo sobre o futuro da mesma, bem como opinando sobre as atrações, ficando assim refém do patrocínio do Governo do Estado se os políticos correm atrás é claro (com uma programação que decepciona a cada ano).

Como o carnaval não é digno de comentários, pois nunca ocorreu mesmo, os bares fazem a festa que é muito perigosa, geralmente todo ano ocorre uma morte.

O São João de São José do Egito não é digno de comentários, pois nunca ocorreu mesmo.