São José do Sul

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gauchodanc.jpg Mas bah, tchê!

Este artigo buenaço e tri-legal é do mais puro humor gaudério dos pampas, vivente, então veste tua bombacha, recolhe teu pelego no galpão e toma um mate amargo com a gente, macanudo!

Chima.jpg
São José do Sul e sua prefeitura chiquérrima.

São José do Sul é uma cidade que fica nos confinsfinsfins do Rio Grande do Sul e que mesmo sendo considerada um município grande, as pessoas não a reconhecem e nem sabem o que a droga da cidade produz: ou é milho, sagu ou então ervilhas... Ei... Como se planta ervilhas?

Cquote1.png Deve ser colocar sementes na... Ei! Não desvie do assunto! Quero ver se a minha cidade tem algo de ruim para falar! Cquote2.png
Cidadão São Josésense

Origem[editar]

Após grupos rebeldes alemães que queriam emancipar algumas regiões do Rio Grande do Sul se instalaram em um bairro de Montenegro, conseguiram molhando a mão do prefeito separar aquele bairro da cidade em um município próprio.

Aquilo mais tarde teria dado tão certo que Montenegro haveria feito essa diminuição de território para grupos rebeldes mais vezes até ter um território completamente reduzido, menor do que um ponto de uma palavra nas entrelinhas.

São José do Sul continuo seguindo seu rumo, vieram os colonizadores emos-alemães para meter o bedelho lá e acabaram até hoje enchendo o saco da população.

É uma área em que a inteligência era tão reduzida que os portugueses que viviam lá nem sabiam que estavam em território de sua pátria e começavam a considerar que estavam no Paraguai e que a capital do Brasil não era Rio de Janeiro e sim Berlim.

Características[editar]

A cidade tem como características os grupos políticos que se refugiam lá até hoje. A cidade apenas usa como disfarçe seu trabalho honesto para salvar os anarquistas e nacionalistas extremistas que vivem lá secretamente. Suas verdadeiras intenções são claramente malignas e querem apenas se aproveitar do povo do Bra-sil-sil-sil-sil.

Enfim, além de aparentar ser uma pacata cidadezinha que refugia foragidos políticos, é apenas mais um lugar onde OVNIs usam para fazerem experiências e depois levarem humanos para a Galáxia do Sombrero. Suas principais fontes de renda (além da prostituição alemã, e jogos de azar), é a produção de linguiça e cuca (gado). 50% da cidade é composta por mata e os outros 50% alemães, que eram escravos no Itália, e fugiram de lá montados em porcos e segurando a linguiça. Uma cidade tranquila, que nem cozinheiro de hospicio. De noite da até para escutar o barulho das gramas crescendo. Os bailes de kerb, são as principais atrações da cidade, que consegue atrair muitos visitantes, entre alemães, italianos, israelenses, paquistanezes, tchecos, homo sapiens, ETs, etc... todos juntos, dançando valsa, maxixe, forro, rap, funk, xote, rock,forom fom fom, sem preconceito e liberdade de expressão,e tomando chopp até cair nas valetas.

Segundo o Expressão Regional, família de Adolfinho ((Hítler)), esta refugiada em uma antiga trincheira, que tambem foi usada como esterqueira por criadores de suínos da Cooperativa Ouro do Sul , estúdio da Lúcia Luft, Willmuth e dona Heda,foi onde fundaram a Sociedade Cultural Esportiva e Recreativa Botafogo, lugar aonde ocorre competições esportivas (futsal, frescobol Salto com vara), bailes, que sempre terminem em briga, tapas e beijos. Os quase 4273 habitantes, (contando com os 37 cachorros do caníl da dona Ívoneuza Shupenpauzer, 715 cabeças de gados do Frigorífico São José do Sul, e os 2539 foragidos da Penitenciária Modulada do Pesqueiro, de Montenegro, NUNCA reclamaram do pacato pequeno grande e promissor município do Vale do Caí (no vaso).

PRINCIPAIS FEITOS=[editar]

São José do Sul, foi cenário de um episódio do Tropa de Elite 2, que não foi exibida por ordem de uns lenhadores e plantadores de fumos alemães que ameaçaram colocar todo o elenco em um saco gigante e pegar os cabos das enxadas e bambus, e fazer xucrute. Tambem foi palco da maior humilhação gremista, que veio fazer pré-temporada em 2011 e levou 17X0 de uma seleção de pedreiros locais. E recentemente, foi invadida por uma quadrilha especializada em roubo de esterco, mas foram capturados pelo Tenente Cullmann vorazmente.

ANIMAIS DOMÉSTICOS [editar]

O típico animal doméstico alemão, é o cachorro, sendo as raças preferidas o Pastor Alemão (Cão Luterano a serviço de Deus) e o Dobberman, além óbvio, o cão chef da culinária alemã o cão-salsicha (mistura de Pincher com hot-dog e temperamento explosivo de Dobberman)

== BEQUENA TISCIONÁRRIA ALEMÃ==

APELHA:(subst.) Inseto foador que faprica o mel. Vive en colméis. Ter cuidada com o ferrón bois quando bicam doe pastante. O mel é muito abreciado, bara vazer remédio, em doces, e bara golocar na cachasa. BALHA: Balha te milha, muito utilizada em cicarros. BALHEIRA: Um cicarro feito de balha te milha. Que os mais velhas costumam guardar em cima ta orrelha, formando uma coloração amarela, e cheira característica que non sai mais. Pode tomar quantos panhos quizer que non sai mais... CATOFLA: Patata. Xeralmente preparada, assada, cosida ou vrita. CHÁ: Logo, agorra, Neste momenta. DOALHA: Tem 2 tipos: parra colocar na mesa, e parra se secarr após o panho. FUSSPAL: Um esporte muito abreciada, e que se usa uma pola de couro. e tem once barra cata lato. GACHASA: Depóis da pía, a pepida mais consumida pela alemoada. Geralmente pepida bura, ou com limom. LOMPINHO: Carne muito abreciada do borco, assada ou vrita. PANDA: É um conxunto te amigos que se una afim te fazer música que tem bor nome pandinha. PARALHO: Xogo te cartas. Muito aprecidas em pares e casa te famílias. PIÇA: Do verbo piçar. Ex: Non piça no meu grama seu vagapunda. REBUCHO (subst): Força exercida belas ondas do mar. TIARÉIA: Certo disturbio intestinal muito comum para quem come panana com cachasa, pía galada com linguiça quente, torresmo gom chimarróm. XOTA: Décima letrra do alfabeta. XUNTO(subs): Estar acomnpanhado te algo ou alguem, ato de xuntar alguma coisa. Ex.: O Fritz xuntou a carta do paralho do chon. ZIM: Sim, concorda, aceita, consente.

Ver também[editar]