Sítios Tusi

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Sítios Tusi são um grupo de ruínas abandonadas no meio da China, que por não terem sido transformadas em algum tipo de indústria repleta de semi-escravos, foi tombada pela UNESCO como patrimônio mundial da humanidade, o milésimo patrimônio mundial chinês, provando que naquele país só existe velharia e que tudo Made in China dura bastante tempo.

"Tusi" era o nome chinês para o que os brasileiros chamam de "cacique", ou seja, um chefe tribal de um determinada região inútil e afastada cujo imperador, por preguiça de administrar tal região, dava a autoridade de "tusi" (que significa no dialeto chinês antigo "tosse"). Os tusis eram pequena tribos formadas por etnias rejeitadas pelo imperador chinês, tal qual bolivianos no Brasil.

Todo coberto de mato e devastado pela erosão, algo que a UNESCO sempre gostou ("quanto menos preservado melhor", dizem os especialistas), pois assim há mais possibilidades de conjecturas arbitrárias por parte dos historiadores, algo que eles amam fazer, como bons fracassados escritores de fanfics, tornando um determinado sítio arqueológico mais interessante, mesmo que seja tusi, meros vassalos dos imperadores chineses.

Domínios de Laosicheng Tusi[editar]

O lugar é isso aí. Nada de mais.

Ninguém sabe quem foram ou o que foi Laosicheng, tampouco o que isso significa, portanto fica muito fácil para qualquer historiador e linguísta inventar coisas sobre este sítio, como o fato semi-comprovado de que a palavra "Laosicheng" significa "de ladinho" devido ao fato do povo que ali residiu só saber andar lateralmente, como os siris, devido a um defeito genético nas articulações, algo comprovado por supostas pegadas encontradas sabe-se lá onde de caminhar lateral. Viveu ali a Comunidade de Tujia, que era desconhecida, do contrário eles não seriam uma minoria étnica tusi (vassalo do imperador).

Domínios de Tangya Tusi[editar]

Este aqui foi incluído apenas para fazer número mesmo, pois não existe quase nada na região além de algumas tumbas que mais parecem cova de indigentes e muito mato mesmo (mas nenhum panda). Caso o patrimônio fosse só o de Laosicheng, pareceria muito pouco e sem importância, então as tumbas de indigentes dos Tangyas também foram incluídas pela UNESCO. No local são proibidos rituais satânicos, sabe-se lá o motivo.

Fortaleza Hailongtun[editar]

A Fortaleza Hailongtun é o grande exemplo e símbolo de como a engenhosidade e engenharia chinesa é intrínseca ao seu povo, consequentemente, não foi esquecida pela UNESCO e hoje é um patrimônio protegido, pois um bando de pedras amontoadas no meio do nada é tratada por arqueólogos como uma antiga fortaleza que deram o nome de "Hailongtun" (Heil Mao Tse Tung). Esta fortaleza, por ser produto Made in China, não durou nem 6 meses, e como os arquitetos paraguaios, que ali residiram como minoria étnica tusi, disseram que "la garantía soy yo", a fortaleza nunca foi reerguida.