Saltinho (São Paulo)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Se algum caipira estragar esse texto, minha vingança será maligna: te condeno a morar pra sempre em Saltinho


cagando pro que os caipiras de Saltinho vão pensar desse artigo


Saltinho no Google:

Cquote1.png Cidade pequena, prefeito pequeno, ônibus pequeno. Cquote2.png
Saltinhense ingrato, sobre sobre o micro-ônibus que faz a linha Saltinho-Piracicaba, que por sinal, é fornecido por Piracicaba e fazendo uma comparação com o tamanho da “cidade” e a estatura do distinto chefe do executivo.

Cquote1.png Eu aprendi a costurar com quando era minina, pra num virá faxinera. Cquote2.png
Mulher saltinhense, sobre sobre a primeira e segunda opção de profissão feminina em Saltinho

Cquote1.png Minha fia tá estudando em Piracicaba, pra virá professora. Cquote2.png
Mãe saltinhense, sobre sobre a terceira e última opção de profissão feminina em Saltinho

Cquote1.png Meu pai ficô puto quando viu a caminhonete rebaxada. Cquote2.png
Agroboy saltinhense, sobre a cagada que deu melhorada no carro novo ganho do papai.

Cquote1.png Aqui nóis fica só coçando o saco. Cquote2.png
Policial saltinhense, sobre o "sossego" do lugar, onde os roubos, furtos e assaltos aumentam mais rápido que salário de deputado.

Cquote1.png Seria o mió lugá do mundo pra vivê, num fosse esses piracicabano lazarento que vem bagunçá aqui. Cquote2.png
Aposentado saltinhense, sobre os problemas da cidade, que nunca são culpa dos saltinhenses.

Cquote1.png No meu tempo, eu comi metade das moça daqui. Ainda bem que a Craudete Tereza era bem comportada. Cquote2.png
Corno Marido saltinhense, sobre a periguete distinta esposa, e exagerando o número de garotas que pegou.

Cquote1.png Nóis num qué nossos fio andando com esse pessoal de Rio das Pedras, só tem piranha e maconhero. Cquote2.png
Pais de periguete e maconheiro jovens saltinhenses, sobre os jovens da vizinhança, e achando que seus rebentos são boa companhia.

Cquote1.png Só tem uma placa: bem vindo e boa viagem. Cquote2.png
Piracicabano, sobre Saltinho

O nome é Saltinho, mas eles acham que é um "Sartão". Tá mais é pra Sertão


Saltinho, a Las Vegas brasileira"... dá licença pra eu rir um pouquinho?[editar]

Saltinho, ou Sartinho é uma bimboca perdida pequena cidade localizada no interior de São Paulo, antigo distrito de Piracicaba que foi elevado a cidade em 1991, com o único objetivo de criar mais um bando de sanguessugas prefeitos, vereadores e outros bichos parecidos para onerar a União. Lugarzinho calmo, com uma vasta gama de opções, como criar galinhas, sentar na calçada e falar mal do vizinho, reclamar da vida, coçar o saco, etc, etc.

E quando se fala em “pequena”, é bom entender pequena mesmo, pois o lugar tem área média de 100 km², uma população de uns 6000 habitantes e nenhum motivo lógico para existir. Foi apelidada pelos vizinhos de "Las Vegas Brasileira" ou " A cidade que nunca dorme", o que só pode ser gozação, pois o lugar parece ter sido picado pela mosca do sono. Mas como os saltinhenses se acham a ultima coca do deserto (gelada), eles parecem levar o apelido a sério. Ou talvez tenham muito senso de humor.

Economia[editar]

Vive basicamente da agricultura da cana de açúcar, que torna o ar fumacento e fedorento durante os meses da safra, e da extração de calcário, mas possui também umas duas industrias, uma agência bancária, uma escola e um comércio inútil pequeno, já que seus habitantes ainda dependem de Piracicaba para comprar, trabalhar, estudar e se locomover, pois até mesmo o ônibus é fornecido por Piracicaba.

Em dias de chuva, é possível encontrar metade dos saltinhenses matando o tempo passeando por Piracicaba, já que não dá pra trabalhar na roça.

População[editar]

saltinhense padrão

Colonizada por imigrantes, principalmente os italianos que vieram para o Brasil fugindo da fome, é hoje habitada por uma população ignorante, preconceituosa e se achona simpática, que não se considera brasileira e consegue ser ainda mais caipira que os piracicabanos. Possui apenas uma rua de certo destaque, a Avenida Sete de Setembro, cortada por vielas mais animadas do que velório calmas e agradáveis.

Essa mesma avenida é o point dos jovens locais: periguetes, viadinhos gente bonita, agroboys exibindo suas caminhonetes rebaixadas e outras esquisitices.

Possui ainda um grande contingente de ladrões (além dos políticos locais), maloqueiros e afins, mas esses são ignorados pela distinta população, que prefere acreditar que todas as arruaças são causadas por visitantes da região, como se houvesse alguma razão lógica pra visitar Saltinho.

Curiosidades[editar]

A origem do nome é uma incógnita. Dizem que originou de uma certa queda d'água que hoje é o Córrego Saltinho, mas talvez seja porque a cidade fica a apenas um saltinho, ou um pulinho de Piracicaba, Rio das Pedras e Tietê. Ainda bem, porque sem os vizinhos, só restaria aos infelizes saltinhenses chupar cana pra matar a fome.

Turismo e Diversão[editar]

Além da praça central e da Avenida Sete de Setembro, onde a rapaziada se reúne pra procurar encrenca badalar , existe a igreja, que por sinal, é muito bonita. Saltinho possui também um Clube, que só consegue verba no verão, porque no resto do ano os sócios somem (e as mensalidades também). Existe ainda uma pista de Skate superfaturada construída com dinheiro público, mas impossível de usar, por falta de segurança. Dizem que possui algumas outras atrações, como uma gruta, mas isso é como o caviar do Zeca Pagodinho: eu só ouço falar. Mas os saltinhenses não desistem, sacodem o esqueleto no carnaval de rua, ao som daquelas marchinhas do tempo que minha vó era virgem, e como são muito corajosos, vão todo sábado curtir os piores shows sertanejos no Clube Sete Barrocas, enfrentando uma estrada que não foi projetada pra bêbados, loucos e afins. Fazem até Festa de Peão, e acham que estão abafando, como se esse tipo de evento não fosse mais comum que formiga em piquenique.

Informações Finais[editar]

Infelizmente não existe muito o que falar dessa corrutela onde Judas perdeu as botas linda cidade, pois as informações disponíveis fazem jus ao tamanho do lugar: são escassas. Então ficamos assim: cidade pequena, prefeito pequeno, busão pequeno, desconfiômetro pequeno, texto pequeno...