Salvador

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Perdedor
"A cidade da preguiça"
Bandeira de Salvador.png Brasão de Salvador.png
Bandeira Brasão
Aniversário 29 de março
Fundação 29 de março de 1549
Gentílico salvadorenho soteropolitano
Lema Não faça hoje o que pode deixar para amanhã
Prefeito(a) ACM
Localização
Localização de Perdedor
Estado link={{{3}}} Bahia
Mesorregião Salvador e suas Favelas
Microrregião Salvador para Turistas
Região metropolitana Caos Urbano Soteropolitano
Municípios limítrofes Aparentemente só Lauro de Freitas e Simões Filho
Distância até a capital 0 Km quilômetros
Características geográficas
Área uma península km²
População 3 milhões de axezeiros hab. ontem
Idioma baianês
Densidade altíssima hab./km²
Altitude 0 metros
Clima tenso pqp
Fuso horário UTC (+)3
Indicadores
IDH 0,7 aparentando 0,1 1500
PIB R$ acarajé² 1500
PIB per capita R$ 1 acarajé por habitante 1500
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.
Cquote1.png Você quis dizer: Carnaval Cquote2.png
Google sobre Salvador

Cquote1.png Se o cabra conseguir sair do corpo em Salvador, ele consegue sair em qualquer lugar do mundo. Cquote2.png
Saulo Calderon, falando sobre sair do corpo para o astral em Salvador
Cquote1.png Tudo que o Chico Science criou, eu já havia criado antes, ele copiou de mim Cquote2.png
Daniela Mercury sobre os filhos da puta baianos não sentirem inveja dos pernambucanos
Cquote1.png O Carnaval de Olinda é melhor que o de Salvador. Cquote2.png
Pernambuco sobre Salvador
Cquote1.png O Carnaval de Salvador é mais cultural que o de Recife. Cquote2.png
Baiano lesado sobre Recife
Cquote1.png Caga, cagar, cagou. Cagou em Salvador!!! Cquote2.png
Grande sucesso da banda Coração Melão
Cquote1.png Salvador tá brega. Ops, é linda... Cquote2.png
Caetano Veloso sobre Salvador
Cquote1.png Perto de Feira de Santana... Cquote2.png
Bira sobre Salvador
Cquote1.png Badalo, badalo, badalo, olha o badalo do negão!!! Cquote2.png
Pagodão-Axé Swingue, Trilha Sonora de Salvador
Cquote1.png Prequiça não é coisa de baiano, e sim de soteropolitano, porra!!!! Cquote2.png
Baiano sobre soteropolitano
Cquote1.png Paz, Carnaval, Futebol.... Não mata não engorda e não faz mal Cquote2.png
Babá cantando a cantiga de niná para o bebê
Cquote1.png Passa a "boussa" tia, passa também o "relojo", "oclus" e "pulsera" Cquote2.png
Típico trabalhador honesto de Salvador
Cquote1.png Que porra, essa porra de trânsito é uma porra na porra da minha vida, Porra.... Cquote2.png
Soteropolitano sobre trânsito de Salvador
Cquote1.png Vocês sabiam que preguiça é pecado? Cquote2.png
Qualquer um que não nasceu na Bahia sobre sobre soteropolitanos
Cquote1.png E você num sabe que inveja é pecado?? Cquote2.png
Baiano sobre carnaval
Cquote1.png 70% dos baianos preguiçosos são oriundos de outros estados... O resto eu não sei porque deu uma lezeeeeria... Cquote2.png
IBGE Baiano sobre os dados coletados sobre a Malemolência
Cquote1.png Na União Soviética a preguiça fica com VOCÊ!!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Salvador
Cquote1.png Baiano só toca berimbau por que só tem uma corda. Se tivesse mais de uma, não ia conseguir tocar porque ia achar complicado... Cquote2.png
Diretor do curso de Medicina da UFBA sobre soteropolitanos

Salvador é o nome de um núcleo de caos urbano, poluição sonora e apinhamento de toneladas de seres humanos com preguiça crônica, que por acaso foi considerada capital de um estado, a Bahia. A cidade é meramente apenas um 'Rio de Janeiro que esqueceu os traficantes', sendo similar em todo resto, como a existência de praias sujas, gente mal educada, morros, favelas, times de futebol ruins e o fato de já ter sido capital do Brasil.

Quem nasce em Salvador é... Oxe, não é Salvadorenho? Para quem já teve essa dúvida, ó pá cá que eu vou ensinar. Salvadorenho é quem nasce em El Salvador (que país é esse?) aquele país mínimo do Sub-México. Quem nasce em Salvador é salvadorense (segundo o Dicionário Aurélio) ou soteropolitano para parecer mais chique e único.

História

Cquote1.png eu era um bebado que vivia drogado encontrei jesus encontrei jesus na casa do senhor não existe satanas Cquote2.png
Durval Lelys, grande historiado baiano sobre ? sobre o quê mesmo?

Salvador, visto de longe nem dá para ver o lixo todo, faz até parecer um lugar bonito.

Fundada em 1300 a.C. por um índio tupaia pescador de 94 anos de idade, quando na Baía de Todos os Santos após capturar um peixe de 23 metros cujo nome científico correspondia por sauvadoris peixis, criando laços afetivos com o mesmo e adotando-o como filho para o resto sua vida. Após esse acontecido, aquele local litorâneo passou a chamar-se Salvador, em homenagem ao peixe querido do velho pescador que pessoas desconfiam ser ACM ainda jovem, mais conhecido na mitologia escocesa como Highlander, o guerreiro imortal. Más línguas dizem que o peixe ainda vive e habita as profundezas do Dique do Tororó e alimenta-se de pedaços de ferro dos Orixás e de flores jogadas no mar em todo réveillon.

A pré-história soteropolitana (salvadorense) foi portanto um período muito conturbado da cidade, até que os Tupinambás expulsaram os Tupaias da região e iniciou-se a Era de Paz, marcada pela invenção mais importante da história baiana: a rede, muito utilizada por Dorival Caymi, grande historiador. Época esta caracterizada pela alta densidade de lixo no chão.

Na Idade Média, Salvador estava dividida em feudos entre os caciques Tupinambás que exploravam os camponeses num regime conhecido como vassalagem. Foi a época dos grandes torneios de miserês, piriguetes em perigo e lagartixas. Essa época também foi marcada pela inquisição, que levou à fogueira milhares de Tupinambás acusados de bruxaria e xamanismo. Época esta caracterizada pela alta densidade de lixo no chão.

Em 1505 os portugueses chegam trazendo para os índios espelhos, armas de fogo, cavalos, laptops, celulares e iPods, basicamente em troca de pau-brasil, índias nuas e ouro. Não demora muito e em 1549 a cidade do São Salvador é fundada aos moldes europeus e tem seu primeiro governador eleito: ACM Pai. São construídos sob sua liderança o Farol da Barra, o Elevador Genival Lacerda, todos os fortes (São Marcelo, Santo Antônio Carlos Magalhães, São Quinze pras duas, São Longuinho, etc...), o Pelourinho, todas as igrejas (menos a Universal, conhecida como Casa da Moeda e a de Quase-são Frei Galvão) e o primeiro shopping da cidade: o Mercado de Modelos, onde você pode comprar uma Cicarelli ou uma Ana Hickman. Como tais obras foram feitas por baianos, levaram uns 100 anos para ficarem todas prontas, o shopping por exemplo levou quase 500 anos, mas isso são detalhes.

Após a fundação da cidade, para alegrar os habitantes locais em 1550 um português chamado Luis Caldas, um dos primeiros moradores de Salvador, inventa um ritmo de música lírica chamado Axé Music. Época esta caracterizada pela alta densidade de lixo no chão.

Ainda no século XVI, em 1591 começam as obras do metrô de Salvador visando proporcionar aos turistas a infra-estrutura necessária para a Copa do Mundo de 2014.

O século XVII foram anos de relativa tranquilidade para os soteropolitanos, a cidade foi particularmente invadida por turistas neerlandeses nos anos de 1624 e 1625, ma suma tribo de guerreiros local, chamada de Timbalada, com sua pintura de guerra, foi convocada e expulsou os invasores na base de muita música de má qualidade.

Em 1763 a capital do Brasil foi transferida de Salvador para o Rio de Janeiro, o imperador leva consigo Caetano Veloso, Daniela Mercury e várias outras celebridades baianas que vão morar na nova capital num grande palácio chamado Projac. Com a transferência da capital para um lugar melhor e com times de futebol mais vitoriosos, Salvador fica com um vácuo de poder e uma sensação de abandono, isso culminaria em 1798 na famosa Conjuração Baiana, uma famosa revolta popular na qual descontentes com um decreto da rainha que obrigada que em toda Bahia que o expediente só terminaria às 18h e que o Carnaval só ocorreria em fevereiro.

O século XIX é caracterizado pelo crescente de um aporte exagerado de axezeiros africanos em Salvador, praticamente todo o mês navios lotados de turistas, sobretudo angolanos, chegavam na cidade trazendo sempre enormes grupos de marombados de academia, quase sempre negros, procurando confusão nas ruas da cidade. Um ano em especial foi 1835, quando é inventado o trio-elétrico e o carnaval é descoberto. Naquele ano, ainda um evento novo e desconhecido, aquele caos urbano, promiscuidade pública, música ruim e gente feia se esfregando em ruas lotadas ficou conhecida no restante do Brasil como a Revolta dos Malês. Foi neste ano de 1835, resultado dessa balbúrdia sexual, que nasce Joaquim Sangalo, que 20 anos depois em 1855 muda de sexo e passa a se chamar Ivete iniciando assim uma estrondosa carreira de sucesso cantando o estilo lírico conhecido como Axé Music.

Em 1899 um grande marco na história da cidade, nasce o Esporte Clube Vitória, primeiro time de futebol baiano que durante a Copa do Nordeste de 1912 perdeu a final para o Sampaio Corrêa pelo placar de 10x0 num evento que ficou conhecido como o Bombardeio de Salvador em 1912. Assim, numa tentativa de apagar os vexames do passado, em 1931 cria-se o Esporte Clube Bahia, mas este perderia de 9x2 para o Santos em 1968, então não seria grandes coisas.

O século XX seria de grande avanço da cidade, com uma maior industrialização e o fim da escravidão, favelas começam a surgir em toda parte até transformar Salvador no que conhecemos hoje, um loca, apinhado e sem mais nenhum espaço livre. Para tornar a vida de todos ainda mais insuportável, é nessa época que inventam o carnaval fora de época, trazendo ainda mais caos para a cidade, num maldoso programa de eugenia que visava deixar vivo apenas aqueles que pudessem suportar altíssimos níveis de músicas ruim, mulher feia e cerveja quente por praticamente todo o ano.

O ano de 1990 entra para a história de Salvador como aquele em que a Ivete Sangalo lança seu primeiro CD. Logo em seguida, o ano de 1991 entra para a história de Salvador como aquele em que a Ivete Sangalo lança seu segundo CD. Seguidamente, , o ano de 1992 entra para a história de Salvador como aquele em que a Ivete Sangalo lança seu terceiro CD. E claro, , o ano de 1993 entra para a história de Salvador como aquele em que a Ivete Sangalo lança seu quarto CD.

Em 1997 surge na cidade um novo Messias, Deusjan Petkovic desembarca em Salvador prometendo levar o Vitória a ser campeão mundial, mas em 2003 as obras do metrô são interrompidas.

Uma revolução cultural ocorre em 2004 quando é lançada em Salvador a primeira música que não é de Axé. Nasce então, em Cajazeiras o Arrocha. Em 2005 o Arrocha é, porém esquecido e em 2006 a Ivete lança seu décimo sétimo CD.

Em 2007 o Estádio da Fonte Nova finalmente tem sua construção finalizada, mas como foi feito por baianos, desaba e mata um bando de infeliz. Percebendo a precariedade e a falta de seriedade com que tudo é feito na cidade, em 2008 a Disney inicia as negociações para a comprado Metrô de Salvador, já que esta seria a a maior montanha russa do mundo.

Com a morte de Antônio Carlos Magalhães, a Dinastia ACM se mobiliza para continuar sue domínio sobre a Bahia. Neste breve período de vacância, Jaques Wagner assume o poder e em 2009 resolve parar de beber embora tenha sido flagrado bêbado em pleno carnaval baiano. Mas em 2013 ACM Neto voltaria ao poder transformando a Salvador inteira num imenso canteiro de obras inacabado

As obras do metrô e do Shopping Barra, ambas iniciadas em 1591 por ACM Bisavô, são intensificadas em 2013 na esperança de ainda serem entregues para a Copa de 2014, mas o Ministério Público embarga todas as obras porque os baianos tiveram preguiça de preencher os formulários e estava nítido que a falcatrua estava muita. E assim, os turistas que vieram acompanhar os jogos da Copa do Mundo de 2014 em Salvador encontraram uma cidade que era só canteiro de obra, um estádio inacabado e um povo mal educado.

Com o fim da Copa do Mundo, a cidade regressa ao seu estado letárgico de abandono. A única instituição que passa a verdadeiramente funcionar no município é o IPHAN, porque é um órgão não necessariamente baiano, criado pelo governo federal justamente para ficar monitorando Salvador e proibir as pessoas de cometerem baianices, como por exemplo erguer um prédio de 30 andares imediatamente em frente a acanhadas construções antigas que são patrimônio mundial.

Geografia

A vegetação (que restou) da cidade consiste em coqueiros nas áreas das praias em que já não foram derrubadas para virar algum quiosque. O principal rio, que mais parece uma canaleta, é o Rio CocôBeach que atravessa o bairro do Costa Azul. Depois do fracasso do Bahiazul em se livrar do lixo do carnaval, as praias do Costa Azul/Amaralina encontram-se inabitáveis (pelo menos por seres que já foram classificados pela biologia).

Enquanto algumas ilhas já tomaram vergonha na cara e viraram município, como Itaparica e Madre de Deus, outras, por preguiça típica, continuam sendo pertencentes ao município de Salvador, os casos da Ilha dos Frades e da Ilha da Maré. Ambas, por preguiça típica, também não possuem nada, sendo desabitadas, pois nem favelados se arriscam ir morar lá, afinal deve dar uma preguiça danada ter que remar toda vez na Baía de Todos os Santos quando quiser assistir um jogo do Bahia ou Vitória.

Clima

Salvador possui quatro estações do ano bem definidas, um outono quente e chuvoso, um inverno quente e chuvoso, uma primavera quente e chuvosa e um verão... Existem portanto três situações climáticas em Salvador ao longo do ano: calor, pouco calor e muito calor. A temperatura média é assim de de 30º sendo recomendado aos turistas antes de visitar a Bahia fazer uma climatização visitando o Inferno, ou então ao chegarem em Salvador não sair do hotel com ar-condicionado.

O verão e o carnaval frequentemente coincidem, momento em que pessoas fedidas vão para o meio da rua se esfregar em outras completamente suadas gerando um efeito surpreendente chamado calefação. Hoje cientistas antropólogos percebem que aquela balbúrdia toda nada mais é do que um ritual de chuva e de acasalamento ao mesmo tempo.

Economia

Salvador é cidade polo na exportação de coco, cantoras de axé (os discos são produzidos em São Paulo), Obina, berimbaus, abadás, dendê e sotaques para novelas da globo, destacando-se os sotaques de paraibano, pernambucano e cearense.

Já o principal produto de importação da cidade são os turistas, vindos principalmente de São Paulo, Rio Grande do Sul, Acre, Espanha, Papua-Nova Guiné e República Tcheca.

Política

Num audacioso projeto, a prefeitura de Salvador decide levar a orla marítima até para os menos favorecidos, basta chover um pouco.

Salvador funciona, desde 1500, na base da monarquia. A cada quatro anos o povo via conferir se a Dinastia ACM ainda está no poder, e após confirmado todos podem voltar para casa. Como ainda acham que são a capital do Brasil, frequentemente acham que devem ser sustentados pelo Governo Federal, por isso ninguém faz nada por lá.

Todos os órgãos públicos funcionam até às 17:00, mas o baiano faz questão de comparecer às 3:00 ou 4:00 da madrugada para dizer que chegou cedo. Tudo gira em torno de chegar cedo, independentemente de resolver ou não o problema. Pela tarde ninguém vai a órgão público sob pena de ser chamado de safado, vagabundo e sem-vergonha porque não chegou cedo. Chegar cedo em órgão público ou banco independe da cultura, estado civil, profissão e nível econômico.

População

As praias de Salvador sempre foram as mais famosas do Nordeste.

Salvador é composta por átomos de hidrogênio, Axé e dendê que unidos formam seus habitantes. O município sozinho, sem contar favelas adjacentes tipo Lauro de Freitas, Simões Filho, Camaçari, etc, contabiliza uma abusiva quantidade de 3 milhões de habitantes o que torna Salvador uma das maiores cidades do Brasil. O carnaval que vai de 2 de janeiro até 22 de dezembro é talvez o grande responsável pela altíssima taxa de natalidade do município, já que a putaria é grande e desenfreada. A influência da alta taxa de natalidade é tão alta que Salvador conseguiu um feito até hoje inédito no mundo: Todo soteropolitano quando fica rico ou famoso vai para o Rio de Janeiro. Já os soteropolitanos pobres vão todos pra Sum Paulu (baianês pra "São Paulo"). Sempre 11 onze meses depois (tempo de gestação do baiano) do carnaval, a taxa de natalidade sobe uns 100% (não existem casos de soteropolitanos nascendo em outras épocas do ano).

Demograficamente, Salvador tem um índice de 51% de cantores de Axé, 47% de turistas e 2% de cearenses. Alguns dizem que é possível encontrar pernambucanos em Salvador, mas isso não foi comprovado, pois eles têm vergonha de admitir que trocaram Pernambuco pela Bahia, então sempre mentem quando indagados em pesquisas demográficas.

Os soteropolitanos constituem cerca de 50% da população brasileira (sendo que 49,55% moram em São Paulo), dos quais 98% só retornam a sua terra de origem durante o Carnaval ou através do "De volta a Minha Terra" do Programa do Gugu. Segundo o IBGE, 80% dos soteropolitanos são baianos e 72% são brasileiros. O número absoluto da população ainda não foi descoberto, já que os estatísticos ficaram com preguiça de contar.

A maior parte da população de Salvador é descendente de imigrantes alemães, por isso só tem loiro de olho azul lá. Isto é notado quando se vai para o Shopping Barra ou para o Iguatemi isto fica bem evidenciado. A Bahia também exporta capoeiristas para Europa e EUA, que ficam lá ilegalmente até arrumar uma loira pra casar.

Bairros

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Deslistas:Bairros de Salvador

Salvador, divide-se em cidade alta (99% da cidade) e cidade baixa (1% da cidade) cuja população é formada por 80% de ex-escravos libertos pela Lei Áurea editada por ACM e habitantes de favelas dos quais 5% são "ex-feirenses" (habitantes de Feira de Santana que sofrem de síndrome de inferioridade frente a soteropolitanos e que não se declaram feirenses) e 5% são Elfos de Valinor que se retiraram da Terra-Média após a queda Sauron e ascensão dos homens.

Educação

A FUBÁ - Federal University of Bahia é a universidade federal mais concorrida da cidade (a única que presta em meio a tantas por particulares existentes em toda esquina da cidade nas quais se entra com um quilo de alimento não perecível). É também a mais estruturada universidade de Salvador, com suas salas bem (mal)equipadas e banheiros impecáveis sem papel higiênico. Nesta universidade se tem um rigoroso sistema de limpeza e higienização sanitária, tanto que, para se ter uma noção da higiene local, é terminantemente proibido o uso de papéis higiênicos (não existe papel higiênico em nenhum WC da UFBA) já que este, em mãos erradas, torna-se uma arma letal para o entupimento de privadas. Aliás, no quesito banheiro, a federal da Bahia tem se destacado pois até as tampas dos vasos sanitários foram retiradas, bem como as descargas, para que não haja inundamento do pavilhão.

O termo "Festa estranha, gente esquisita" usado na música Eduardo e Mônica foi cunhada por Renato Russo após este conhecer as festividades do Campus de Filosofia/Sociologia/Antropologia e demais "ias" que o seu vizinho maconheiro cursa por não ter conseguido passar em mais nada.

O mais interessante é o porque de a faculdade de Direito ser próxima da de Medicina: por cheirar tanta cocaína, o povo de Direito requisitou a tranferência da faculdade de Medicina do Terreiro de Jesus (também conhecida como Terreiro da Macumba, Praça do "sempre eu sou assaltado", etc) para o Vale do Can-nela, de modo a realizar cirurgias de reparação nasal o mais depressa possível, antes que a July (sim, aquela do jornal "A Tarde") fotografe a mais alta nata sapoteropolitana devidamente drogada. Por isso que Medicina da dinheiro e é o curso mais concorrido da UFBA, onde você só passa se comprar a prova.

Raul Seixas foi reitor da Universidade, mas foi destronado pelo atual reitor (O "Careca Cabeludo") que se auto intitulou o Imperador da Federal.

Segurança

Salvador é um verdadeiro antro de turismo sexual, desemprego, violência e precariedade de iluminação e saúde pública, tudo regado por um crescimento desordenado (favelização) e desrespeito ao meio ambiente elevado, o que resulta em elevadíssimas taxas de homicídios. A polícia soteropolitana tem redes como viaturas policiais, o que explica a demora em atender as ocorrência e o fato de que 90% dos crimes da cidade não são desvendados (os demais 10% são desvendados pela polícia federal ou IPHAN).

Transportes

Baianos com preguiça de sair do congestionamento.

Os soteropolitanos contam com um sistema de transporte público extremamente pontual e que nunca se atrasa (para o dia seguinte), claro isso se não houver nenhum estudante parado na frente dele. O Metrô, por exemplo, não teve até agora nenhum caso de atraso, a não ser os 10 anos da obra, ainda não concluída, mas é tanta tecnologia, que pra você ver, compraram um trem de metrô que não cabe no tunel, mas se preocupa não que daqui a mais uns 20 anos este metrô chega! e quando isso acontecer o metrô já estará precisando de reforma!

Os soteropolitanos também contam com a mais alta tecnologia náutica de deslocamento: os Ferry Boats. Antes de adentrar o intimamente chamado de ferry, deve-se curtir uma fila de algumas horas aproveitando um delicioso churrasquinho (de gato), a Skol (mesmo que a cerveja não seja dessa marca) e "réfri" para as crianças. Para se ter ideia de quão pouco estão conservados, uma das embarcações se chama Maria Bethânia. Já existe um acordo com a Companhias Náuticas Internacionais para autorizar os baianos viajarem de Ferry para Tóquio quando o Bahia for para a Libertadores e com vários torcedores gritando desesperadamente "Rumo a Tóquio" (ou seja, nunca!!).

O trânsito de Salvador é quase que por si só um ponto turístico a parte. Acostumados a viverem sob maciças quantidades de música ruim desde que nascem, músicas desprovidas de qualquer harmonia ou ritmo, quando um baiano tem a sorte de poder dirigir o seu próprio carro ele acha que a buzina do automóvel é algum tipo de instrumento musical, e tal qual o berimbau, só de uma nota musical. Isso resulta numa verdadeira sinfonia infernal na qual absolutamente todos baianos estão sempre buzinando, não importa o horário ou o local, pode ser de madrugada ou em frente a um hospital. O semáforo vai levar ainda uns 30 segundos para abrir e o carro de trás já está buzinando impaciente.

Comunicação

A fofoca é o grande meio de comunicação responsável por atualizar toda a população e forma a maior universidade de comunicação a céu aberto no mundo. Os iniciantes nesta fantástica cultura ficam na porta de suas casas olhando quem entra e quem sai, quem vai e quem fica, fazendo silêncio para escutar os vizinhos e fazendo barulho para ser escutado pelos vizinhos quando raramente fazem silêncio. Através desse processo a população inteira se atualiza sobre o que cada um faz, o que come, quem come quem, o que fez, o que deixou de fazer. Então, quando notam algo de suspeito nos seus parentes, vizinhos, amigos, chefes e governo em geral, comunicam toda a população da Bahia sobre as suspeitas de que fulano é viado ou que ciclano trai a mulher no carnaval. Os comentários mais comuns são, puta, careca, desempregado, bebum (para quem não sabe, todo indivíduo careca na Bahia é popularmente conhecido como safado, independentemente da sua conduta - isto também é relacionado a velhos - pessoas acima de 20 anos).

Cada vez que uma mulher sai de casa recebe o adjetivo de puta. Todo homem que fica em casa é vagabundo. Quando o homem sai de casa é para procurar mulher e quando a mulher fica em casa é para ficar com amante.

Cultura

Salvador é uma cidade com muita cultura. Desde Gregório de Matos os baianos gostam de rir das outras pessoas e da própria condição de miséria, sendo este talvez uma das maiores características culturais deste povo amistoso. Castro Alves foi quem depois popularizou a mania de ser comedor, transformando o carnaval baiano num imenso bacanal sem limites. O tempo passou e Salvador nunca viu a qualidade cultural de sua cidade decair, inúmeras bandas de grande renome no antro erudito frequentemente fazem shows na cidade, a exemplo de Pagod'art, Fantasmão e Psirico.

Porém, o maior símbolo da cultura desta cidade é a rede e o sentimento que este item valoroso desperta nas pessoas, a preguiça. Um forasteiro, chegando na cidade, já percebe a morosidade de seus habitantes, os assuntos são só sobre festa e vagabundagens vadiagens em geral, sendo quase impossível ver um baiano falando sobre trabalho ou estudo, todos seguidores do maior mandamento baiano que diz "Nunca faça amanhã, o que você pode fazer depois de amanhã". Trabalham o menos possível, o que tiver que ser feito, ficam esperando cair do céu dado pelo governo ou deixam que outra pessoa faça, e sempre que você vê aquele soteropolitano a toa, parado, sentado fazendo nada, é porque geralmente ele está esperando que a vontade de trabalhar passe.

A preguiça do baiano reflete diretamente no gosto cultural das atividades exercidas na cidade. Estima-se que 99,9% da população baiana jogue capoeira. Isso inclui tetraplégicos, portadores de deficiência visual e torcedores do Galícia. A capoeira é tão popular porque o berimbau com sua corda única não requer o menor estudo para ser tocado, e a capoeira não é feita para acertar nenhuma porrada, também sendo possível ser praticada sem qualquer treino.

Durante os finais de semana, toda a cultura de Salvador gira em torno de colocar o som alto no carro para ensurdecer toda a vizinhança (isto 24 horas no dia) e encher a cara de cerveja. Nos ferrados costumam tomar um copo de cachaça que tem o mesmo efeito e perturbam todo mundo durante todo o final de semana. Esta cultura envolve toda a população, desde recém nascidos à velhos à beira da morte.

Carnaval

Todo o clima de alegria e limpeza do carnaval baiano.

Não se pode esquecer, claro, que Salvador sedia a maior manifestação de moda popular do mundo na Terra, a Salvador Fashion Week (mais conhecido como Carnaval). As pessoas vão para a rua exibir os modelitos que serão usados durante todo o ano, sendo roupas bem coloridas e vendidas a preços exorbitantes. É nessa época que o soteropolitano gasta as energias que guardou o ano inteiro sem trabalhar, gastando toda sua energia correndo atrás do trio, correndo atrás de mulher e, principalmente, correndo da polícia após mijar na rua. É no Carnaval que o soteropolitano tem a chance de escutar mais uma vez as inovações do Axé que ele já ouve o ano inteiro, desde que nasceu, sendo sempre uma grande ansiedade qual será o hit do ano, sempre músicas que se tornam sucessos internacionais devido à sua alta qualidade como Rebolation (2015) e Paredão Metralhadora (2016).

O Carnaval é tão importante para esse povo que ele começa antes do Natal como uma espécie de litúrgica da Quaresma do nascimento de Jesus (ou não). Para não ter que esperar o ano inteiro eles criaram uma série de festas como o Festival de Verão, o Bonfimlight, o Babado Elétrico, o Trivela, o Ensaio Geral, o Asa + Rappa, Asa + Aviões, Asa + Waldique Soriano, Asa + Dercy Gonçalves e Silvio Santos, o São João, o Carnaval do Natal, o Carnaval do Ano Novo, o Carnaval da Páscoa, o Carnaval do 7 de Setembro, o Carnaval de 2 de Julho, o Carnaval de Dia de Nossa Senhora de Fátima, o Carnaval do Dia do Trabalho (só se trabalha nesse dia do ano, atrás de um trio elétrico), o Carnaval do Dia da Mulher e o famoso Carnaval Fora de Época realizado em janeiro.

É durante o Carnaval que, na cidade, pode-se encontrar o maior banheiro público a céu aberto da história da humanidade, superando até Ypres durante a Primeira Guerra Mundial, quando cobrindo toda área metropolitana da cidade (menos na Graça, senão os seguranças de ACM te descem o sarrafo) pessoas urinam, cagam, vomitam e gozam em qualquer muro que avistar, deixando um suave e saudável aroma de ureia com cerveja semi-digerida perfumando a festa.

Durante o Carnaval de Salvador, algo lindo acontece quando nota-se que todas as barreiras preconceituosas são quebradas, menos a barreira do cordão dos trios-elétricos na qual inspirado no Apartheid a regra é clara: branco e rico pra dentro e preto e pobre para fora. Fora isso a democracia rola solta numa festa na qual homens e mulheres casados não são de ninguém. Vale tudo, desde comer mulher bonita, feia, sua mãe, prostituta, bixa, boi, vaca, outro brother e de preferência sempre sem camisinha que é recomendada apenas para o sexo anal, prevenir o pau da caganeira alheia. Daí a explicação da grande população baiana ter entre 8 e 15 filhos por média familiar. Geralmente casamentos instantâneos são feitos nestes eventos, o matrimônio é concluído com um beijo na boca de língua e a população de Salvador dobra a cada término de carnaval (todas as mulheres engravidam após o carnaval), e 3 meses depois a taxa de divórcios sobre uns 100%.

Centro Histórico

Em 1985 a UNESCO havia sido recém-criada, e tomados por aquele ânimo inicial que sempre temos ao entrar num trabalho novo, decidiram visitar Salvador, que disseram ter sido a primeira cidade do Brasil e portanto deveria ter algo histórico nela. Chegando lá, se está ruim hoje, imagine como estava a situação em 1985, ficaram horrorizados com as condições da cidade e como poderiam pessoas habitar tal caos urbano. Delimitaram um Centro Histórico e disseram que seria proibido passar trio-elétrico por ali, criando o patrimônio mundial.

O Centro Histórico consiste em Ondina, Barra, "A Avenida", Pelourinho, Sé, Terreiro de Jesus, Largo do São Francisco e Santo Antônio Além do Carmo. Apesar de o nome do bairro histórico ser "Centro", há muito tempo não tem mais as características que se costuma observar nos centros da maioria das cidades, pois lá não existe mais nenhuma empresa legalmente constituída. Os únicos negócios que prosperam hoje em dia no Centro de Salvador são tráfico de entorpecentes, prostituição e assalto a turista desavisado.

O local é particularmente invadido uma vez por ano, no Carnaval. Durante o resto do ano, somente turistas desavisados têm a disposição para subir as ladeiras do local para verem o Elevador Genival Lacerda que liga o nada ao lugar nenhum. Outras atrações são o Farol da Barra (que se trata de um farol de verdade, e não de um semáforo, que os paulistas costumam chamar erroneamente de farol - muitos paulistas, fanáticos por trânsito e congestionamentos, vão até o famoso Farol e ficam decepcionados, pois não é um semáforo), o Mercado Modelo (o mercado mais zoneado da cidade, que não se sabe porque é chamado modelo e que já pegou fogo misteriosamente devido a revolta dos espíritos dos escravos que foram vendidos lá e posteriormente se foderam nas mãos do homem "branco". É também um ponto muito utilizado por capoeristas que arrancam dinheiro de turistas "brancos" como forma de pagamento pelos anos de tortura e escravidão), a Igreja de São Francisco de Assis, a Igreja de Santo Antônio de Jesus, a Igreja de São Judas Tadeu, a Igreja de São Cosme e Damião, a Igreja de São João Batista, a Igreja de Santo Expedito, a Igreja de São Pedro, a Igreja de São Paulo, a Igreja de São Jorge, a Igreja de São Mateus, a Igreja de São Longuinho, a Igreja de São Francisco de Assis II, a Igreja de São Bernardo, a Igreja de Santa Maria de Deus, a Igreja de Santa Rita de Cássia, a Igreja de Nossa Senhora da Luz, a Igreja de Nossa Senhora da Piedade, a Igreja de Nossa Senhora de Lurdes, a Igreja de São Francisco de Assis III, a nova Igreja de Quase-São Frei Galvão, e outras milhares de Igrejas, já que Salvador é capital das Igrejas. Alta densidade de lixo no chão.

Festas

Em Salvador existe uma grande mistureba de ritmos e sons. Atualmente o que predomina é o pagodão arrocha com tecno-funk e axé music. Além do Carnaval, grandes festas e micaretas são organizadas com bandas e cantores internacionais como Calypso, Silvano Salles (o cotó apaixonado), Bruno and Marrone, Zezé de Camargo and Luciano.

Durante e após as festas, todos podem verificar a hospitalidade baiana através de dialetos próprios, dentre os quais: "Eu vô ti matá!", "Eu vou fazer uma misera nim você!", "Eu vou arrancar sua língua fora!", "Sai da minha frente disgraça!", "E aí disgraça!", "E aí miseravão!", "Eu vou lhi matá!

Nisto se comprova a receptividade do baiano. O baiano é mais ainda receptivo quando encontra algum corpo desovado em algumas áreas perigosas como o norte, centro, leste e oeste (o pelourinho é o principal foco) da qual centenas de pessoas vão recepcionar o novo visitante do inferno. Em alguns casos a receptividade do baiano é tão grande que às vezes eles chamam a mídia, o Varella e o Bocão. Tudo na mídia e televisionado, mas ninguém sabe quem matou. Ainda na receptividade do baiano, ele é muito receptivo, principalmente se você pisou no pé dele, ou olhou na cara dele, ou está vestindo uma camisa que não é a cor preferida dele. Geralmente você será recepcionado com várias facadas no buxo ou 15 tiros na cara (como o baiano é muito superticioso ele não dá treze tiros).

Nota: o chumbinho para matar ratos foi proibido à venda na Bahia- Motivo: Estavam usando na comida das pessoas para levá-los à presença do ACM, e devido ao grande uso, aumentou a população de ratos na cidade e no momento o produto está em falta.

Uma nova onda em Salvador são os tais de ensaios. Antes fossem de literatura, são na verdade os ensaios das bandas que de segunda e quinta se apresentam ensaiando o que vão tocar na sexta. É impressionante como as bandas passam O VERÃO TODO ensaiando... E APENAS ENSAIANDO... Porque você não vê mais a palavra "show". Engraçado que esses ensaios quase intermináveis, vêm muito de cantores/bandas que não estão em alta, e com o tempo você percebe que ele não faz mais do que ensaios.

Música

Salvador é uma cidade única do mundo, a sua população evoluiu de uma tal forma que musicalmente ninguém precisa mais saber tocar instrumentos, saber afinar a voz ou ser alfabetizado para escrever alguma letra. Todos conseguiram atingir uma espécie de Nirvana (não a banda) no qual batuques sem ritmo cantados por vozes desafinadas berrando "Eeee ooo aaaeee oooo eaa eaaa oooo" é o suficiente para trazer alegria a milhões, algo denominado de axé.

Grupos musicais famosos de Salvador incluem: Asa de Pato Roco, ChiCretão, Pagodart, Psirico, Babado Novo, Fantasmão, Parangolé, Psirico, Harmonia, Xandy, Jammil, Calypso, Amado Batista, Lairton e Seus teclados, Taiorone "o Cigano", Os Sungas, Os Camaradas, Os Bambaz, A Bruxa Misturation, Os travessos, NiRa Guerreira, Silvano Salles (o cotó apaixonado), Nara Costa, Swing do P, Bonde do Maluco e no styllo, A Bronkka, Fantasmão e todas as bandas conhecidas do Brasil. Nãão esquecer da Chatiela Mercury, da Sapatão Sangalo, Pitty.

O pagode baiano é um novo estilo musical emergente na cidade, tocado por uns magricelos que moram em Itapuã, Canabrava e outros bairros mostrarem que são "miseráveis" ao balançarem seus órgãos genitais. Dizem que é uma dança de acasalamento, onde a fêmea balança o cu dizendo: "eu sou piriguete mermo, eu sou a bruuxa *_*". Esse ritmo é também um dos motivos de Salvador ser esculachada pelo resto do Brasil.

Moda

Salvador é a única cidade do mundo em que o Reveillón está sempre na moda. Todo mundo se veste de branco o ano inteiro, especialmente as tiazonas gordas vendedoras de acarajé. Somente no Carnaval a indumentária muda, quando a única vestimenta usada é o abadá (quando usada, sendo comum ver malandros sem camisa e de bermuda baixa frequentemente). A cada ano as roupas se tornam cada vez mais curtas e mais caras. A previsão de serem extintas é para o ano de 2012.

Já para os homens a moda é bermuda jeans, bem surrada, cabelo comprido e não usar camisa. Não usar sapatos ou sandálias também é moda e em muitos casos, o baiano se arruma quando vai a algum lugar. Geralmente põe uma chinela e sua melhor bermuda quando vai para um banco ou para o juiz. As mulheres por sua vez se produzem todas de modo a parecerem piriguetes do mais baixo nível intelectual, caso sejam magras, se forem obesas aí vestem uma enorme cortina branca e conseguem emprego de vendedora de acarajé.

Culinária

A tal punheta.

Salvador é a única cidade do mundo em que existe uma rede de fast-food de comida baiana. Nele você pode pedir um combo acarajé (hambúrguer baiano) que vem com vatapá (mostarda baiana), salada, camarão e pimenta, batata frita e água de coco. Outros pratos muito servidos são: abará, moqueca, caruru, sarapatel, feijoada, rabada, escondidinho, arrumadinho e lambreta.

Salvador é também a única cidade do mundo em que você pode pedir num restaurante uma punheta sem ser expulso do estabelecimento. A punheta vem de um produto roliço, quente e é doce. Da mesma maneira que se você for na padaria e pedir uma vara ou um cacetinho você estará pedindo um pão. Não vem com esta de pedir um francesinho que é a mesma coisa do padeiro achar que você é viado.

Destaque para degustação do combo "acarajé-água de coco": um manjar dos deuses na opinião dos turistas de camisas havainas, câmeras nos pescoços, chapéuzinho fora de moda e hipoglós nas bundas maçãs do rosto para proteção do sol. Aliás, absolutamente toda a culinária da orla é feita exclusivamente para o mercado externo (os turistas) e geralmente comem as comidas que os soteropolitanos em si rejeitam (camarão, lagosta, rodízio de churrasco) tanto que lá se você disser que é de Salvador será pessimamente atendido, mesmo que gaste hum mil reais lá. Se você disser que é turista, será bem recepcionado com todos com um sorriso no rosto.

Geralmente a comida tradicional do baiano soteropolitano é pão com manteiga com café de café-da-manhã. Um copo inteiro de café atolado até a metade de açúcar de lanche. Farofa de ovo com pimenta e cerveja de almoço. Outro copo inteiro de café atolado até a metade de açúcar de lanche da tarde. E de jantar uma variável com o mesmo copo de café com duas gotas de leite (Alimba - com chumbinho, soda cáustica, água oxigenada, xixi de rato e soro para tirar o gosto do leite). Durante o final de semana o baiano é sustentado somente na cerveja.

Idioma

Crystal Clear app xmag.pngVer artigo principal: Baianês

Em Salvador é falado o Baianês, que conta com seu próprio analfabeto:

A Bê Cê Dê É Fê Guê Agá Í Ji Lê Mê Nê Ó Pê Quê Rê Si Tê U Vê Xis Zê

Ao contrário do que muitos pensam, o baianês não é falado lentamente, mas sim cantando. Não existe o gerúndio, mas sim o gerúnio.

Em baianês, uma frase nunca é concluída. Existem alguns verbos novos, como "bora" ou apenas "bó", que significa "vamos" (acompanhe a evolução: originalmente "vamos em boa hora" - "Vamos embora" - "Vumbora" - "'Bora" - "Bó") e também pode ser dito em forma repetitiva-poética como "borimbora" ("Vumbora embora") . Os exemplos abaixo só corroboram que existe uma capacidade inata no baiano em poupar energia. O caso clássico consiste na evolução do "Vossa Mercê" em "Vosmissê", após no já comum "Você", então no atualmente utilizado "Cê" e já foram encontrados casos de comunicação natural através do "Rummm" (som de grunido).

O Baianês, ao contrário do que se pensa, é uma língua ancestral, cuja raiz linguística vem dos Yorubás, Mouros, Sarracenos e Pelourinhenses do Candeal. Do Baianês originou-se o Francês. Os franceses, por serem viados de natureza e terem herdado a porção Queima-ré da Malemolência, criaram uma gramática mais complexa e pseudo-independente de suas raízes linguisticas ancestrais. Vemos aqui um exemplo de francês arcaico:

"Em Salvador nous parlons francé. É picá la porra dê vatapá, dê acarajé, je suis botá ebó pra Exú e Ogum-megê, jogá flô pra Iemanjá e fazê borí pa Iansã, tu voá. Si num gostô vá si fudê, tome manguá no rebucetê."

Um destaque em particular vai para a palavra PORRA, a palavra mais rica do dicionário baiano. Esta versátil palavra pode mesmo ser considerada um curinga da língua baianesa.

1)PORRA pode ser utilizada para várias situações cotidianas:

  • Se você toma um susto: POOORRA!
  • Se você vê um amigo: legal te ver, PORRA ou Você sumiu PORRA!
  • Se você adimira algo: POOOORRA!
  • Se você está indignado: Que PORRA!
  • Como adjetivo: Você é uma PORRA!
  • Pra mandar alguém se acalmar: Queta PORRA!
  • No diminutivo, pode ser elogio: Gosto muito de você, seu PORRINHA!

2) Como indicação geográfica:

  • Onde fica essa PORRA?
  • Vá pra PORRA!
  • 18:00h - vou embora dessa PORRA!

3)Sentido de quantidade:

  • Trabalho pra caramba e não ganho PORRA nenhuma!
  • Isso é caro pra PORRA!
  • Ela mora longe pra PORRA!
  • Ela é bonita pra PORRA!

4)Substitui qualquer objeto:

  • Não se enxerga PORRA nenhuma!
  • Não ganhei PORRA nenhuma de presente!
  • Vou "picar" a PORRA!(sinônimo de jogar)
  • Deixa essa PORRA ai!

5)Para qualificar determinada ação:

  • O Bahia e o Vitória não estão jogando PORRA nenhuma!!!
  • O governo Lula está uma PORRA!
  • Para você ter lido até aqui, é sinal que não está fazendo PORRA nenhuma...

Turismo

Nana Gouvêa é só mais uma dentre os vários famosos que tem Salvador como destino turístico.

Ainda não se sabe o que leva uma pessoa sã em livre e espontânea vontade visitar Salvador, mas o fato é que são muitas. Psicólogos acham que o fato de muitos turistas visitarem Salvador está numa grande conspiração de lavagem cerebral de brasileiros que passam o dia inteiro sendo bombardeados com merda e realmente se convencem que Salvador é um perfeito destino turístico de férias.

As suas praias imundas são frequentadas exclusivamente por turistas, turistas estrangeiros pedófilos, prostitutas interessadas em turistas e os famosos "farofeiros" (pessoas que almoçam na praia com comida trazida de casa por falta de dinheiro), são locais muito apreciados por antropólogos que podem então estudar o comportamento primitivo de humanos. As praias mais ao norte são as únicas livres dessa estirpe maldita, são frequentadas por barraqueiros ricos filhos da puta, playboyzinhos ricos e maconheiros e gostosas lindas que sonham viver as custas dos playboyzinhos maconheiros para que os mesmos paguem pelo abadá no Carnaval. Tudo isso pra fazer bem às turistas paulistas, cariocas e sulistas que vem pra Salvador atrás de um negão para trair o namorado e depois jurar de pé junto que "ela foi pra um congresso".

Quando não está na praia ou em alguma rua lotada se esfregando em pessoas suadas numa festa de carnaval fora de época (ou no carnaval em si) o turista pode fingir que se interessa pelas 50 dúzias de fortes e igrejas antigas que existem espalhadas pela cidade, enquanto procuram nesses becos prostitutas de todas as idades para movimentar a economia local.