Samael (Silent Hill)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Night creature.JPG Samael (Silent Hill) surgiu das trevas!!

E adora assustar criancinhas!

Puro osso.gif

Cquote1.png Experimente também: Satanás Cquote2.png
Sugestão do Google para Samael (Silent Hill)

Samael na infância, quando fazia parte do plantel da agência de modelos do Gugu.

Samael, conhecido em algumas culturas como Jashin, é o nada ilustre primo de septuagésimo-sétimo grau de Baphomet, e aproveita-se desse parentesco insignificante para controlar uma grandiosa parte do inferno, que fica localizada abaixo da gloriosa megalópole Silent Hill, que é quase tão grande quanto Nova Iorque e Tangamandápio. Quando está sem nada de bom para fazer, ou seja, sempre, Samael se diverte vendo seus sacerdotes botando sacrifícios humanos na churrasqueira, temperando com molho inglês e comendo com farofa temperada. Alessa Gillespie teria sido um desses sacrifícios, com a diferença que seria assada dentro da própria casa em chamas ao invés da churrasqueira, porém, como a guria possuía poderosos poderes de la parapsiquê que nón ecsistem, ela conseguiu-se safar-se, estourando pela primeira vez o ódio em Samael.

História[editar]

Parido no quinto dos infernos (não estou falando em sentido literal), Samael teve uma infância difícil, pois seus pais, que eu nem faço ideia de quem sejam, lhe mandavam trabalhar no lixão, para obter o próprio sustento. Então, comendo apenas carne humana estragada que ele encontrava nesse lugar fétido, Samael cresceu raquítico, pois como todos sabem, demonhos precisam de carne humana fresca oferecida em sacrifícios para crescerem fortes, saudáveis e destrutivos. Apesar deste começo de vida um tanto quanto difícil, Samael acreditava que, algum dia, ele conseguiria dominar alguma cidade do mundo dos humanos, estabelecendo nela uma ditadura de desonra e inglória jamais vistas.

Samael e todo o seu charme, que o tornou um sex-symbol do inferno.

Durante o período educacional, que cursou em alguma escola pública de nona categoria localizada em um dos becos do inferno, Samael matava aula com seu grande parceiro Satã, que aparentemente era a única criatura que o compreendia, e compartilhava alguns ideais, sendo o principal deles o grande amor pelos humanos, que eles expressavam matando e torturando eles, apenas para não sofrerem mais no Planeta Terra. Depois de alguns anos, essa dupla do barulho, que tinha tudo para aprontar altas confusões no mundos dos humanos, acabou sendo separada pelo destino, enquanto Satã foi para a faculdade cursar Métodos de Tortura e Execução II, Samael resolveu apenas vagabundear, e procurar alguns sacerdotes humanos para oferecer-lhe sacrifícios humanos, pois ele estava precisando de alguma diversão.

Após uma pequena procura, que durou cerca de 80 anos, ou 3 dias terrestres, Samael encontrou uma pacata cidadezinha caipira, onde o povo era composto por vagabundos, que ficavam sentados na calçada o dia inteiro fofocando sobre a vida alheia. Não, essa cidade não era Araponga, mas sim Silent Hill, que era considerada um dos melhores resorts dos Estados Unidos, estando atrás apenas de Washington, Nova Iorque, Califórnia e outras 785 cidades do país. Depois de Samael fazer uma pequena aparição por lá, que apenas destruiu todas as ruas e incendiou metade das construções, Dahlia Gillespie aceitou serví-lo por livre e espontânea cacetade e tortura. Enfim, agora com a primeira sacerdote em seu plantel, Samael estava pronto para relaxar e aproveitar os sacrifícios.

Apesar de ser impaciente, característica herdada de seus pais (que repito, nem faço ideia de quem sejam), Samael esperou pacientemente Dahlia encontrar uma vítima perfeita para ser sacrificada na churrasqueira, o que não foi nada rápido, já que, se a velha nem aguentava andar direito, devidos aos 890 anos nas costas, quanto mais encontrar algum mané, matá-lo e oferecê-lo em sacrifício. Enfim, após muita demora, Dahlia finalmente encontrou a vítima perfeita, que era a própria filha pirralha, Alessa Gillespie, a única pessoa que ela conseguiria matar. Como não tinha forças para colocar a guria na churrasqueira, o que seria o ideal para agradar a Samael, Dahlia resolveu usar o método mais sujo e rápido, que consistiu em trancar a filha dentro de casa e tacar fogo no barraco. Mas Dahlia não contava que a filha herdara os poderes psíquicos de seu pai, Fábio Puentes, e conseguia proteger-se das chamas usando os poderes da mente.

Já de saco cheio da incompetência de Dahlia, que não conseguia sacrificar nem uma mosca, Samael resolveu divertir-se de seu próprio modo, entrando no corpo da menina, executando assim a antiga possessão do mal. Apesar de estar em um corpo frágil, pequeno e sem nenhum sex-appeal, Samael até que se divertiu, pois pela primeira vez ele pode andar no mundo dos humanos. Nosso amigo ficou no corpo de Alessa por muito tempo, mais precisamente até Michael Kaufmann expulsá-lo a força, usando uma dose de Lico de Cair Pinto, líquido que assusta até Satanás. Na hora desse exorcismo, Samael resolveu matar todos os que estavam presentes no recinto, porém, mas, entretanto, todavia, como é um completo inútil, acabou sendo morto por outro inútil, Harry Mason, o escritor fracassado.

Poderes[editar]

Apesar de toda a babação de ovo por parte de Dahlia Gillespie, que afirma que o seu mestre é um dos afudês do inferno, Samael não é lá grande coisa, as únicas coisas que ele sabe fazer são voar (habilidade básica conhecida por qualquer um de Dragon Ball) e soltar choquinhos pelas mãos, outra inutilidade, pois qualquer humano idiota pode executar isso aí, basta tacar no inimigo algum fio desencapado da Eletropaulo.

v d e h
Silent Hill logo.png