Santa

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Santa é, antes de tudo, uma mulher que se manteve completamente virgem, e que se dedica com todo amor de seu frágil ser (óóoóh...) a ajudar outrem, mas também pode ser a Virgem Maria, que mesmo sendo mãe de Jesuis, não deixava de ser virgem, confirmando a regra que serve de inspiração para as santas que surgiram após ela.

Como surgem[editar]

Aqui ela só está vendo se a garoa parou, não é nenhuma prece.

Apesar de algumas teorias de que as santas nascem da água cristalina, como se fossem peixes, algas ou piranhas, outros dizem que elas nascem igual à todo o mundo, e a família é bastante importante na formação da santa virgem. Os pais e familiares devem fazer algum tipo de opressão contínua para que a bichinha (não essa) fique preocupada, com medo e ares de adulta logo cedo, mas se ela for muito peste por natureza, nem isso pode funcionar, ou ela ser serva, mas de outro ser.

Ela pode então tentar suicídio e algum familiar apresentar como sendo as chagas de Cristo, qualquer um que olhar para o semblante frustrado da guria vai acreditar. Depois disso deve se cuidar para que ela dedique todo o seu tempo a assuntos da , de preferência um convento, embora seja possível versões hard protestantes, nesse caso se tornam pastoras, mas por hora vamos às santas que ao menos são silenciosas.

Gestos[editar]

As santas devem sempre ou olhar o alto com devoção, ou olhar o chão com humildade. Suas mãos devem estar ou junto ao coraçãozinho, ou nas laterais do corpo com as palmas meio viradas.

Ao menos podemos ter certeza que as Santas não tem essa prática.

Não conseguindo fazer mais nada da vida devido a seus muitos traumas, elas quando não estão dedicadas à fé e veneração ao altíssimo, todo seu tempo restante se voltará à caridade, até quando a caridade for desnecessária.

Depois de morta, claro só restam seus bustos (não esses), para que possamos lhes fazer as preces, olhando aquela carinha de sofrimento, mas não faz mal, no céu ela estará na presença do altíssimo, sendo ou não baixinha. Terá toda sua dedicação devidamente compensada.

Padroeiras[editar]

Nada muito consistente a declarar sobre isso, porque não sei porra nenhuma desse negócio de padroeira, mas incrivelmente o Brasil tem uma padroeira cor de carvão, isso, porque ela não é uma santa qualquer, mas a Aparecida, que ora, é a aparição da própria Maria mãe de Jisuis. Também não manjo muito de aparições, mas ao que parece, toda vez que uma ocorre, seja por oloforte, ou uma mancha de algo, a mesma Maria vira outra santa diferente, mas é a mesma... nem vou tentar explicar isso.

Ela só não pode inventar de aparecer numa igreja protestante evangélica, correndo nesse caso o risco de morrer novamente da forma mais selvagem que se possa imaginar. Mas uma santa não vai em lugares assim, porque costuma preferir o silêncio.

Até mesmo porque depois da canonização, elas se comunicam através de canos, não propriamente falar com um cano na boca, mas falar como se estivesse dentro de um túnel.

Opinianta de "especialistas" em religião[editar]

Segundo o teólogo ateu (judeu apenas com as piranhas filipinas, já que ele gosta só de mulheres kosher) Caio Blinder, elas poderiam ser até capa destas revistas frufru, mas politicamente elas são intragáveis, sendo que elas tem uma fachada ocidentalizante (não querendo que pareça realeza parasita nem mulher judia/cristã submissa (sendo que isso era para vender para os imperadores romanos em luta contra a Cleópatra, enquanto seu maridos estavam matando, roubando e destruindo)). Para ele, a Virgem Maria é pior, pois ela funda este sistemão, vem de uma dinastia davídica, é bonita (foi estuprada por Javé), bem-educada, se alfabetizou, era preocupada com a comunidade, já trabalho ajudando seu marido na carpintaria, e ela é mãe de Jesus (caso pior para ele, já que ele veio para trazer espada e não paz, é um profeta islâmico, expulsou os banqueiros judeus da porta da Sinagoga e gerou uma religião que batia muito mais no "zé-povinho" nobiliárquico). Ainda segundo ele, a Joana d'Arc tinha perdido a parada, perdendo o cargo de primeira-perua da França, porquê era ligada ao Rei Francês, mas a dinastia colateral dançou na disputa do poder. Ele posteriormente se corrigiu dizendo que estas mulheres deviam ser apedrejadas e não crucificadas além de escolher as santas de acordo com o sexo e assumindo que é ecumênico sobre mulher.