Santa Bárbara do Leste

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Pá, pá, pá! Cquote2.png
Revolver sobre a cidade
Cquote1.png Ooooo lugar assombrado! Cquote2.png
Juninho Bidula gritando na rua sobre a cidade
Cquote1.png Oa Bidulado! Cquote2.png
Menino mexendo com o Bidula
Cquote1.png Bão, menino! Cquote2.png
Bidula respondendo o menino
Cquote1.png Eu não sei de nada, eu não tava nem aqui, e eu não vi nada! Cquote2.png
Funcionários Públicos conversando
Cquote1.png Minha terra tem palmeiras onde esconde o mandruvá... Cquote2.png
Biro Biro fazendo rimas pela cidade
Cquote1.png onde sempre se ouve um cara falando morre praga Cquote2.png

Santa Bárbara do Leste dizem que é cidade, mas parece um distrito, que mais parece um vilarejo, que ainda parece um povoado, mas tenho certeza que é roça.

Cortada pela BR (abreviação de buraco) 116, é uma roça desenvolvida e linda, tem asfalto, e um belo jardim na entrada (parece uma capoeira mas tem sua beleza). Possui varias sub-roças, córregos pra ser mais preciso, Ferreiras, Vieiras, Martins, Peão(mas não roda, gira) e outras mais, muito mais mesmo. Em fim um lugar ótimo para ser habitados pela fauna brasileira.

História[editar]

Os primeiros nômades chegaram a região quando o planeta ainda era a Pangéia (incrível, este foi o primeiro lugar), a época onde o Brasil fazia divísa com a África; tinham pés peludos e não precisavam usar sapatos, eram semelhantes aos Hobbits de quem os próprios nômades eram fãs, o melhor passatempo desse povo preguiçoso, era ler os livros do Tolkien. Liderados pelo nômade chefe Obi Wan Kenobe e seu incrível sabre de luz, o povo nômade era semelhante aos elfos, belos, espertos e alguns eram gays. Como o lugar tinha alimento em abundância, o povo nômade foi ficando, ficando, ficando e acabou ficando mesmo. Desenvolveram um idioma parecido com o português mineirês. Depois da moradia fixa surgiram as famílias, e devido a brigas pelas melhores terras (ja naquela época, as análises de solo permitiam ter a precisão das melhores terras, feito obitido pela UMR "Universidade Monsenhor Rocha") as famílias foram se isolando e derrubando as matas, daí deixaram de ser nômades e criaram os córregos.

Após muitos anos, já no início do século XX, no auge da incoroparação e misturéba com a população mundial, o povo de Santa Bárbara descobriu a religião, descobriu nada, foram influências que eles tiveram em salas de bate-papo, e por fim comeraçaram a ler a biblía, e a fé surgiu no lugar (ainda bem). Fato importantíssímo! No córrego dos ferreiras até no alto de uma montanha fizeram uma Igreja, uma capela né! Em meio a mata virgem (ui), pois como eu disse, o desmatamento foi pesado, a exportação de grãos tava exigindo terra; a Igreja matriz foi feita onde hoje é o centro da cidade, fixando assim uma sede para o vilarejo.

Durante o século XX várias coisas aconteceram: Teve as guerras, alguns foram, e os mais corajosos se esconderam em montes de palha e nas matas pra não ir, teve também a revolução, mas nessa aí até os medrosos esconderam, a crise de 1929, varias pessoas henriqueceram, de chifre, só se for né, os Barões do café cometiam suicídio e os candangos espertos iam lá e satisfaziam as Baronesas (hahaha), construção da nova Igreja, ensaibramento, calçamento e asfaltamento.

Hoje, o lugar é muito desenvolvido, conta com uma universidade sécular! Universidade Mosenhor Rocha, com sua impressionante estrutura, a mais de 500 anos formando os melhores profíssionais e pessoas! A política também é legal, em vez de puxa-saco aqui tem é mascote (não me pergunte quais), vou dar umas dicas: São Paulo, Rosa, Disney; esses são os mais comuns. E assim vai a cidade, descendente do povo nômade que ninguém sabe de onde véio, só se sabe que eram da época da pangéia.

População[editar]

Com 24,024 habitantes, Santa Bárbara tem uma populção curiosa e interessante para o tamanho da roça. A maior parte tem emprego fixo nas épocas que antecedem e sucedem a colheita de grãos; durante o ano todo eles ficam trabalhando para desenvolver máquinas de ultima geração semelhantes ao acelerador de partículas para a colheita anual, durante a colheita a população entra estado de hibernação, porque não tem mais porra nenhuma pra fazer, e o comércio fica fraco.

Comércio[editar]

Como foi citado no fim do tópico acima, o comércio fica fraco ao fim da colheita, por isso foi inventado na UMR um remédio extraído do cérebro dos ursos da mata da Igrejinha, para hibernar as pessoas, somente Obi Wan Kenobe não bebia, mas devido a protesto contra isso, levou uma pancada na cabeça, foi levado pro cemitério municipal, e lá ta hibernando até hoje. O café é a principal fonte de economia, seguido pela prefeitura e o tráfico de drogas. Pelos esforços da população, Santa Bárbara do Leste, é a única cidade no Brasil onde o tráfico de drogas não fica em primeiro lugar (palmas) Há também um costume da população em épocas derradeiras de vender pamonha na BR, onde toda a população (cerca de 20 pessoas) montam suas barraquinhas vendendo deliciosos quitutes.

Política[editar]

A prefeitura municipal de Santa Bárbara do Leste é uma bela instituição, parece um ovo de tão pequena. Lá ficam (ou não) os caciques da cidade com seus impressionantes sabres de luz; governam a cidade com seus parentes e amigos, por isso ela ta o carinhoso apelido de cabide, vai saber por que né? E como eu já disse, os mascotes aqui rolam soltos, principalmente na útilma eleição, onde a Disney puxou o bonde bolado.Este ano tem nova eleição,e Nero estará na praça com as cornetas dos anjos apóstolos,doido para incendiar o capús da chapeuzinho vermelho que abandonada vai saltitar pela cidade, procurando mascotes para completar a prole.Com vários coelhinhos botando kinder ovo, para que a reprodução de mais amigos aliados a parentes; onde o balofo bobo da corte puxa o bloco e puxa o saco do eunuco.Mas não sai nada!E o povo vai já, formando a fila para ver o desfile com a proteção de uma corda arco-iris para empurra-los de um lado para outro feito marola depois de feijoada. Toda a sobra vai ser vomitada e não terá lixeiro na cidade para limpar.Daí só vai sobrar os vendedores de abacaxi de Marataízes para deixar a boca pinicante dos festeiros ladrões de igreja com seus ministérios de satã que pisam na batina de judas abençoados pela Santa Bárbara do leste.

Posto[editar]

É o pointe da galera, a "razão do meu viver", é pra lá que a galera vai nos fins de semana tomar aquela gelada e se divertir. São reconhcidos pela rapidez no atendimento, é tão rapido, que quando o garçom chega a freiada que ele dá faz cair tudo em cima da mesa, isso quando ele vem né. A música ao vivo é da melhor qualidade, quem toca lá é sempre um gente boa que trabalha numa loja da cidade, e a caixa de som fica fazendo assim ó: zuuuuuuuum, zuuuuuuuuuum, uma safadeza. Por falar em safadeza lá é o lugar certo, seguindo a BR 116 para o sul, existe uma pequena mata habitada, conhecida como Avenida Rio Branco, é quase anexada ao posto, dizem que lá a moita balança e ela geme (ui). No mais é isso aí, é um restaurante conhecido como posto, é tudo a céu aberto, porque a pequena parte onde funciona o estabelecimento é tão pequena, que pra andar la dentro precisa de um microscópio!

Ruas[editar]

Todas muito limpas! O conceito de limpeza do cidadão Santabarbarense é similar ao de um lixão não muito cheio, por isso as ruas são tão limpas; são tão limpas que tem dois "lavajato" dentro da cidade, causando as erosões e a "puta" impaciência dos moradores da cidade, e a satisfação dos caciques.

Vale também destacar a grande TRADIÇÃO do povoado, que é jogar lixo no chão assim que ele foi limpo, contribuindo assim com a geração de empregos daqueles que são pagos para limpa-lás, ou não né... A estrutura das ruas é de outro mundo, de MARTE, pra ser mais exato. Realmente parece marte, cheia de buracos e sujas. O que realmente difere Santa Bárbara do Leste de Marte é que no povoado-roça existem palmeiras plantadas no meio da rua(se houver um carro estacionado so da para passar de avião), e em Marte ainda não se teve noticia de palmeiras. A rua é uma perfeição não tem calçadas, onde a população tem que competir com as carroças que circula na cidade.