Santana do Manhuaçu

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
"A princesa do rio Manhuaçu", Me responda uma coisa agora: Você gosta de morar em uma cidade com esse título? Princesa de Mendigo do Rio Manhuaçu?

Santana do Manhuaçu é uma cidadezinha pequena pra cacete e cheia de mato em Minas Gerais. Santana do Manhuaçu é um bairro que conseguiu se emancipar e ser considerado um município. A cidade é como qualquer outra cidade pequena pra cacete de Minas Gerais com o diferencial que tem no nome o nome de uma "grande" cidade da zona da mata.

História[editar]

Pouco importa a história de um fim de mundo como Santana do Manhuaçu. É sempre a história de um bravo desbravador que veio e achou o cu do mundo. Ficando encantado com aquele fim de mundo ele vai atrás de uma moita e funda uma cidade, depois, quase que automaticamente, cresce uma igreja.

Logo, sai dos pés de alface um bando de velhos que vão entrar na igreja. É quase lei: primeiro se funda a merda, quando você funda algo, automaticamente surge a capela e depois traz idosos para lá. O desbravador, vendo a merda que tinha feito se vê obrigado a ficar naquele fim de mundo pois cagou tem que limpar.

No fim, ele acabou se matando. Manhuaçu acabou pegando Santana do Manhuaçu como distrito (O RLY?) e depois largou a cidade por meados dos anos 40 junto outra cidade do fim do mundo, chamada Simonésia. No fim das constas, Simonésia largou Santana na década de 60, porque mesmo sendo um fim de mundo, quase todos dos prefeitos de Simonésia vinham de Santana. O povo da cidade fez festa porque ao que parece alguém dessa cidadezinha tenha dito que eles poderiam se emancipar e que se eles se emancipassem tudo daria certo para a cidade.

Atualmente, a cidade é um misto de mato, com um bairro, com uma cidade sem asfalto, com zona rural, com caipiras, com playboys, com carolas, com uma igreja, uma prefeitura no banheiro público cuja nhaca pode ser sentida na Praia do Morro em Guarapari, onde os Santanenses vão comer farofa e brincar de bife à milanesa nas areias da praia.

Economia[editar]

Toda cidade pequena tem que inventar coisas que não possuem. Você sabe, obrigação. Você acha que uma cidade no meio do nada e como Santana do Manhuaçu vai ter economia? Óbvio que não, é como perguntar se tem ar no vácuo, uma coisa contradiz a outra, é quase um Pleonasmo. No caso de Santana do Manhuaçu a prefeitura teve que usar a imaginação.

Como a cidade era pequena demais para ter sequer uma fazenda eles foram no mato e procuraram o que acharam lá. O que eles acharam virou a economia deles:

O município "produz":

Turismo[editar]

Outra coisa que não existe em Santana do Manhuaçu. Fala-se que lá tem o turismo de "olhar o mato", apreciar as belezas do mato, apreciar a grama no mato, se divertir no mato, ficar com coceira do mato. É o matoturismo, bem evidente em Santana do Manhuaçu, capital desse tipo de turismo.