Senado

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Nota: Se você estiver procurando órgão legislativo brasileiro, sugiro que vá ver Senado Federal do Brasil.


Cquote1.png Desta vez, vote nas putas... porque nos filhos não adianta Cquote2.png
Eleitor brasileiro sobre o senado dele
Cquote1.png Solta o som DJ! Cquote2.png
Algum senador sobre sessão privada no senado.
Cquote1.png Se eu pudesse eu matava mil! Cquote2.png
Jeremias sobre senadores de brasília

É todo dia na TV agora...

O Senado é um local público onde são votados interesses privados, uns dos lugares mais odiados pela população, por motivos íntimos. Atualmente, é composto por renomados senadores oriundos dos mais diversos locais, lugares e Estados do país. Sempre alvo de injustiças, o Senado Nacional já sofreu grandes abalos devido a escândalos relacionados aos mais diversos tipos de corrupção.

Hoje, graças à seriedade desta instituição, os escândalos não abalam mais ninguém. E isso acontece no mundo todo, exceto na Chinané?, onde só o ditador pode roubar sendo oferecido a outros larápios a forca.

O senado é o local onde se reúnem os senadores para realizar as mais diversas tarefas, todas para o bem do país e o zelo dos direitos dos cidadãos.

O grande reino do grande democrata era dividido entre três principais reinos ,eram eles, o parlamentar , o executivo e o legislativo.O reino parlamentar possuía em seu centro a grande catedral do democrata,onde todos se juntavam nessa "hora santa", para lamentar, eles podiam lamentar tudo,inclusive a morte de algum parente que foi morto no reino executivo. No grande reino executivo o seu líder, o rei Jasmim , executava todos que não seguia perfeitamente as regras implantadas pelo Deus lula conhecido também como "Lulinha meu bem",ou que também não fizeram o trabalho direito no reino legislativo, o grande reino do deus Legis, onde o papel era fazer, fuxicos e barquinhos de papel.

Taxonomia de um Senado[editar]

Senado
Exemplo de um senador em dois momentos de sua vida
Exemplo de um senador em dois momentos de sua vida
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Annelida
Classe: HeráclitellaTorres
Subclasse: Hirudinea

Taxonomia é a ciência que lida com a descrição, identificação e classificação dos organismos, individualmente ou em grupo, quer englobando todos os grupos. A taxonomia política é a arte de comparar os políticos a animais, de acordo com seus comportamentos.

O Senado é facilmente reconhecível pela essência das atitudes e comportamentos de seus componentes. São todos répteis: grande classe de animais vertebrados, originada durante o Carbonífero (sistema do erátema Paleozóico Superior).

Senado, na origem, era a assembleia dos patrícios que constituía o Conselho Supremo de governo na antiga Roma. Um colegiado de um segmento privilegiado da população que detinha a mais alta direção daquela república. Hoje o senado justifica debilmente sua existência como casa revisora, destinada a passar o processo legislativo pelo crivo da federação – algo que não existe na prática.

Os senhores (e senhoras) senadores, sob a ótica da taxonomia, agrupam-se na classe dos répteis, como qualquer um que deitar olhos sobre a questão há de convir. As classificações mais modernas tendem a não tratar mais os répteis como um grupo natural, pois nada há de menos natural que aquele coletivo de 81 do senatório – podendo mesmo a maior parte ir dalí ao sanatório sem muito esforço.

Dos répteis sabe-se que variam em formas bastante distintas como tartarugas, serpentes, lagartos e crocodilianos; seu corpo é coberto por pele seca e cornificada, dotada de escamas ou placas, coração com três câmaras e respiração pulmonar. Dado o grande leque de adaptações sofridas pela classe, e às contínuas mutações que sofrem, são encontrados répteis nos mais diversos hábitats: uns vêm dos pampas, outros da caatinga; há os da tundra e os litorâneos – não havendo região do país que de que eles não advenham ou unidade da federação não nos forneça pelo menos três deles.

Voltando à taxonomia, os répteis do Senado se dividem em três subordens: sáurios, quelônios e ofídicos com alguns hibridismos e quimeras momentâneas. Vamos a eles.

Répteis sáurios[editar]

São seres escamados, compreende os lagartos, com cerca de 3.700 subespécies, encontradas em todo o mundo, em regiões tropicais e temperadas. São os predadores, aqueles senadores que vivem à espreita de uma presa, podendo ser uma benesse ou vantagem política, sem descartar eventual numerário abrigável nas ilhas Caimãs. Os representantes da subordem dos sáurios no senado são dominantes em relação aos demais.

Exemplos no Brasil: Sarney, Calheiros, Mercadante, Virgílio, Collor.

Répteis quelônios[editar]

São ordem de répteis anapsidas, conhecidos como tartarugas, cágados ou jabutis, com cerca de 250 subespécies, aquáticas ou terrestres, encontradas em quase todo o mundo. São lentos, longevos, se protegem com carapaças e carapuças, fingindo que a tempestade não os alcança. São senadores que se omitem, que se eclipsam e que dão todos os bois para não entrar em briga nenhuma: a sobrevivência política é prioridade.

Exemplos no Brasil: Suplicy, Mão Santa, Tuma, Maciel, Eliseu, Cristovam, Jarbas.

Répteis ofídios[editar]

São subordem de répteis escamados, também chamados de ofídicos, que inclui cerca de 2.300subespécies, conhecidas vulgarmente como cobras. São senadores que habitam o seio da terra, considerados entre certos povos, sobretudo em sociedades matriarcais, como vitais e benéficos. Designam as cobras, venenosas ou de aspecto ameaçador ou gigantesco e pessoa má, pérfida, traiçoeira; víbora. Possuem veneno próprio ou mandam destilar em bodegas bolivarianas. São senadores que emprestam sua retórica (quando têm) sua verborragia ou seus estertores à causa do momento ou eternamente à mesma, com reconhecível virulência, mas não tem mais que isso a oferecer.

Exemplos no Brasil: Ideli, Wellington Salgado, Paim, Duque.

Sinônimos de Senado[editar]

Aguaçal, alagadeiro, alagadiço, alagado, alberca, almargeal, alverca, anoque, apicu, apicum, atascadeiro, atascal, atasqueiro, atolador, atoladouro, atoledo, atoleiro, bamburral, banhadal, banhado, bexiga, borraçal, brejal, brejão, brejeiro, brejo, burara, cafofo, casa-da-mãe-joana, casa-de-nóca, Casa-do-caralho, ceno, cenosidade, charco, charneca, chepe-chepe, choqueiro, enxurdeiro, enxurreira, enxurreiro, giriquita, ipueira, lamaçal, lamaceira, lamaceiro, lamarão, lamedo, lameira, lameirão, lameiro, lenteiro, lodeira, lodeiro, ludreiro, mangal, mangrove, mangue, manguezal, marnel, mondongo, mundongo, palude, pantanal, pântano, patameiro, paul, peri, picum, pizzaria, privada, sapa, sapal, tremedal, varga, volutabro.

Muitos destes sinônimos plenamente aplicáveis em países subdesenvolvidos e com altíssimos índices de corrupção, como o Brasil.

Veja também[editar]