Sertanópolis

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Típica senhora simpática de Sertanópolis, preparada para recepcionar alguns turistas interessados na grilagem.

Cquote1.png Tenho parentes lá. Cquote2.png
Qualquer um sobre Sertanópolis
Cquote1.png Tenho uma chácara lá. Cquote2.png
Qualquer Rico sobre Sertanópolis
Cquote1.png Sertanópolis é do tipo exportação. Cquote2.png
Ex-Sertanópolense sobre Sertanópolis
Cquote1.png Tudo que planta dá. Cquote2.png
Agronomo bisexual sobre Sertanópolis

História[editar]

O revolucionário transporte público de Sertanópolis, que nunca quebra e nem fica sem gasolina.

Durante o ano estelar 2258.42, as terras férteis do Norte do Paraná começaram a atrair inúmeros Cultivadores de cannabis desbravadores e posseiros, porém, foi a partir da queda dos Romulanos que o município de Sertanópolis começou a ser povoado. Embora os historiadores garantem que a cidade começou a ser habitada pela característica fértil da terra, cientistas desoucupados da Austrália alegam que tudo é um mal entendido provocado por um erro em um gerador de probabilidade infinita dos Ewoks.

O primeiro pioneiro que se tem notícia foi Varnisley Ferreira da Silva, que já morava aos fundos do clube dos 31 antes mesmo do dilúvio bíblico. Também se destacam algumas pessoas que vieram em busca do paraíso do "ciclo verde", e, figuram-se entre eles todos e quaisquer maconheiro do Lago Tabocó.

Em 1923 (ano terrestre), vinda do Estado de São Paulo, chega uma comitiva enviada pelo concessionário das terras para iniciar a demarcação dos lotes de Sertanópolis. Dentre essas pessoas, destaca-se o trabalho de Nero de Roma que, em 1925, ateou fogo no mato derrubado e foi feito o alinhamento da primeira praça da cidade, que atualmente chama-se Praça João XXIII, a mais ou menos duzentos metros da margem esquerda da água da Taboca. Assim teve início a constituição da “Cidade Sertão”, isto é, Sertanópolis, denominação pela qual passou a ser conhecida em toda a região por onde passaram os primeiros traficantes de gatinhos.

Em 1926 a Colônia de Sertanópolis possuía cerca de 50 moradias, 5 casas comerciais, uma pensão, uma farmácia, 3 bocas de fumo, 21 puteiros e uma máquina de beneficiar arroz. A pensão foi erguida por Dercy Golçalves, um rancho de maiores proporções que passou a ser a primeira hospedaria, sendo que, já em 1927, outro estabelecimento de hospedagem era inaugurado pela Sra. Hebe Camargo.

O desenvolvimento da Colônia, propiciado pelo grande consumo de drogas, atraiu muitas famílias, o que levou a ser criado, em 1926, um distrito policial e, um ano depois, o distrito judicial. Em 1929, a Colônia já possuía uma população de 500 pessoas e, a 10 de abril, criava-se o município de Sertanópolis através de um decreto estadual.

Concomitante à quebra da bolsa em 1929, as revoluções de 1930 e 1932, geadas, chuvas fortes e prolongadas, inexistência de estradas transitáveis resultaram em um êxodo de grandes proporções. Em 1930, por exemplo, o prefeito teve que devolver seu salário de 650 mil bolinhos aos cofres da prefeitura em decorrência da grande crise financeira. Assim, a estagnação na vila fez com que o município retornasse à categoria de tribo, voltando a pertencer à Comarca de Jataí, hoje Jataizinho, em maio de 1932. Dois anos depois, com as primeiras cargas dos cafezais melhorando a situação financeira de todos, junto à união e trabalho dos moradores que permaneceram, propiciou-se, uma atividade dinâmica e empreendedora: Foram criados mais duas zonas com queijinho e um laboratório químico produtor de loló, se abrindo então para o nascente município de Londrina, mercado acessível para a venda da produção.

Tudo isso, aliado a um comércio atuante, fez com que em 6 de junho de 1934 Sertanópolis recuperasse, em definitivo, seu naufrágo municipal. Congelando no tempo até os dias de hoje.

Reza a lenda que este destino cruel reservado a essa pequena vila de capiais, se deve em grande parte a mediocridade, falta de espirito empreendedor, visão minuscula e sem falar na tremenda falta de interesse de seus governantes, desde os históricos aos atuais. Pois quando surgiu a oportunidade de instalação de uma das primeiras radios da região em terras chimitescas, os fazendeiros e poderosos da época foram totalmente contra pois tinham medo que a torre, ainda de madeira, caisse em suas cabeças (to falando serio, rsrs).

Quando surgiu a oportunidade de ouro de se instalar o trilho do trem em território Sertanopal, mais uma vez os podres poderosos politicos do lugar nao deixaram alegando que o barulho do apito do trem nao ia deixar ninguem dormir. Assim, o trilho desviou por Ibipora - londrina e ai por diante, riscando, de uma vez por todas, o buraco do sertao do mapa!

Não Obstante, seguindo os trilhos da falta de liderança e da falta de representatividade de seu povo, em 1947, Sertanópolis sofreu seu primeiro grande desmembramento com a criação dos municípios de Bela Vista do Paraíso, Ibiporã, Jaguapitã, Jataizinho e Porecatu. Em 1951, uma nova ruptura criava o município de Primeiro de Maio. Mas ninguém sequer se lembra disso ou dá importância.

Afinal, a informação mais importante que se tem noticia sobre sertanópolis é em relação ao salario de 18,000 mil reais que a sua população paga mensalmente ao seu prefeito, sem nem ao menos se dar conta disso, dando continuidade a história desse lugar e dessa gente feliz e desenformada!

População[editar]

  • 10.956 heterossexuais não praticantes
  • 232 estudantes universitários
  • 355 homossexuais
  • 120 putas
  • 2.458 Profissionais do sexo
  • 1 Chimite
  • 1 Tião Discoteca
  • 1 Butina
  • 1 Luizinho
  • 1 Perokito (marcús vinícius)
  • 1 Tete vida louca
  • 1 Dito Bug (Falecido por ser atropelado por uma moto de super-mercado, quando estava batendo punheta no meio da rua)