Shigekuni Nandaba

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Shigekuni Nandaba é um velho louco metido a Vanderlei Luxemburgo.

Ele foi um grande terinador de beisebol no passado, mas atualmente tem que conviver com o filho comunista e o neto depressivo.

Biografia[editar]

Shigekuni e sua cara de macaco.

Shigekuni era padeiro em um bairro pobre de Tóquio. Como naquela época não havia Bolsa Família, ele não tinha outra oportunidade a não serficar assando roscas.

Por causa disso, ele nunca teve inteligência o bastante para cursar a faculdade, fazer um supletivo ou completar as palavras cruzadas.

A única coisa em que ele era bom era no beisebol, esporte que se especializou ao ficar assistindo jogos quando devia cuidar da padaria, o que geravam pequenos acidentes com as roscas.

Depois de colocar um anúncio nos classificados, espalhar cartazes nas ruas e ir de porta em porta, Shigekuni conseguiu emprego num time de várzea, que aceitou contratá-lo como cozinheiro.

Não satisfeito, ele se resignou, mas a morte do técnico causada por infecção devido a um pãozinho abriu as portas para que Shigekuni iniciasse sua carreira como treinador.

Na primeira temporada atuando como técnico, o time dele acabou em 35º[1], mas isso não o desanimou, não.l Shigekuni, depois de cinco anos assim, foi contratado por um time da 3ª divisão japonesa.

Mais um tempo e ele foi contratado pela Seleção Brasileira de Beisebol, o que não foi um grande avanço(na verdade, é um retrocesso).

Cansado do beisebol, voltou para Tóquio viver com o filho e, pouco depois, foram morar em Mabase, onde ele passou a terinar o time da cidade.

Times já treinados por Shigekuni[editar]

Cquote1.png Toca essa bola direito!!! Cquote2.png

Shigekuni se destaca por treinar apenas times de qualidade.

Depois da série[editar]

Shigekuni voltou um time profissional chamado Curintcha, mas os péssimos resultados ocasionaram sua demissão.

Atualmente ele vive como todo velho aposentado: dormindo 50 horas por dia e jogando bingo.

Referências[editar]

  1. Eram 20 times.