Sikhote-Alin

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


Sikhote-Alin é uma grande quantidade de mato e nada no leste da Rússia, mais especificamente nos krais de Litoral e Khabarovsk (lugares conhecidos mais como "Vladivostok" por causa do mapa do War).

História[editar]

A KGB dando uma olhada no "meteoro" de Sikhote-Alin.

Local inicialmente explorado por Vladimir Arsenyev, o Marechal Rondon da vodka. O que esse cara fazia ali, não se sabe pelas fontes oficiais, mas de acordo com Rasputin, aquelas montanhas guardavam o tesouro secreto de Ivan, o Terrível, o LP original do Trololo Song, preciosidade que atraia esses aventureiros incautos.

Dizem que em 12 de fevereiro de 1947 um meteoro caiu por ali e abriu uma cratera de 1,3 km² de raio. Após a abertura dos arquivos secretos da KGB em 2010, hoje sabe-se que foi tudo uma trama da União Soviética para ocultar um abate de um OVNI capitalista utilizando uma bomba atômica.

Foram resgatados dois corpos de alienígenas, que foram levados para uma base secreta no Acre onde foi desenvolvido a partir do DNA dessas criaturas os mitológicos seres conhecidos como "acrianos", um deles até escapou e se escondeu numa cidadezinha chamada Varginha.

Em 2001 Sikhote-Alin foi transformada em uma reserva ambiental nacionalizada pela Federação Russa para proibir que curiosos que não fossem do exército vermelho se aproximassem do local e fossem contaminados com radioatividade alienígena. Foi até transformada em patrimônio mundial pela UNESCO.

Biologia[editar]

A flora, é formada em 100% por taiga, e a fauna em 100% por ursos pardos, como qualquer outra paisagem tediosa da Rússia. Com sorte você pode encontrar um ou outro tigre siberiano perdido ou algum alien verde e cabeçudo de olhos vermelhos.