Silvânia

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Quem é Silvania? Cquote2.png
Resto do mundo sobre Silvânia
Cquote1.png Cadê o lago? Cquote2.png
Habitantes indignados do Bairro Beira Lago
Cquote1.png Vianópolis? Adoro Vianópolis Cquote2.png
Silvaniense falso sobre Vianópolis

Silvânia é mais uma cidade do interior de Goiás localizada no conhecido "Triângulo das Bermudas de Goiás" (entre Brasília-Goiânia-Catalão). Sua população, conforme estimativas da Radio Rio Vermelho, é de 19.500 habitantes e o número não varia, pois de acordo com as estatísticas, para cada novo habitante que nasce, um se muda pra Vianópolis.

História[editar]

Um dos bairros nobres de Silvânia que conta com modernas ruas de terra batida.

Silvânia é uma dessas cidades de história completamente desinteressante, assim como 99% de todas cidades de Goiás, onde lá pelo século XVIII algum grupo de bandeirantes bem loucos entrou no interior do Brasil para caçar capivaras pokémons. Em 1774 o povoado de Silvânia foi milagrosamente estabelecido.

Em 1863 passa a ser considerado um município, e mais de 100 anos de história não contribuíram em nada para qualquer avanço de Silvânia. Na verdade é uma cidade humilde onde recentemente chegou a tecnologia do telégrafo, máquina de escrever e outros avanços que estão maravilhando a população local até os dias de hoje.

Com o tempo, diversos vilarejos e distritos foram se desmembrando para se verem livre de Silvânia, entre eles Vianópolis, Leopoldo de Bulhões, São Miguel do Passa Quatro e Gameleira de Goiás.

Só foi conhecer (ligeiramente) o que é avanço, após a construção de Brasília nas proximidades, já que daí Silvânia teria para quem vender sua pamonha e seu tijolo, os principais produtos feitos na cidade.

Economia[editar]

Economia totalmente baseada no mercado de pamonha e tijolos, muito vendidos em Brasília. Além dos botecos de esquina ou aqueles espalhados na única avenida do vilarejo, onde cachaceiros se reúnem de segunda à segunda.

Silvânia também tem grande parte de sua economia baseada na soja (que nenhum habitante da cidade consome) plantada por diversos aristocratas gaúchos para revender no exterior, e em um abatedouro de frangos (ou cães) da prefeitura que ninguém sabe onde fica (se é que isso existe).

Em sua principal avenida estão todas as lojas da cidade: Dois supermercados à beira da falência, 1 trilhão de pamonharias, lojas de implementos agrícolas, lan houses, uma cerâmica, um posto com gasolina batizada, duas lojas que vendem mangueiras e um estádio que serve de heliponto.

Cultura[editar]

O Espaço Cultural não passa de um local onde as vezes tem um teatro amador de péssimo nível ou uma sessão de cinema com filmes inéditos para os nativos, como Lagoa Azul.

Educação[editar]

O estudo de qualidade mais próximo doc entro de Silvânia são as universidades particulares de Anápolis, onde a meia-dúzia de playboys de Silvânia vai estudar para depois voltarem se achando os donos de Silvânia.

Saúde[editar]

O único serviço prestado pelo hospital da cidade é a lamentável transmissão, numa televisão velha, da novela Maria do Bairro na sala de espera. Para as pessoas doentes, só viajando para Goiânia.

Bairros[editar]

Quase extinta, a população silvaniense é distribuída em 16 bairros (que se comparados a bairros de outras cidades são apenas quarteirões).

  • Nossa Senhora de Fátima - 1 trilhão de pamonharias, o único clube da cidade (que só tem uma piscina e cobra R$15,00 para o seu uso) e várias casas em ruas esburacadas. A principal rua do bairro é a 2ª Av. que tem aproximadamente 2 quilômetros de extensão, e é nessa avenida onde se gasta mais piche para tapar os buracos que são abertos devido a água que desce da Avenida Dom Bosco.
  • Park Anchieta - Bairro residencial, onde a maioria de seu território é ocupado por mansões megalomaníacas copiadas entre seus habitantes desprovidos de criatividade.
  • Setor Sul - Bairro residencial, onde a maioria de seu território é ocupado por mansões megalomaníacas ainda melhores do que o Park Anchieta.
  • Vila Mutirão - (O Quê? Onde?) Quarteirão que tem uma praça como definição (ninguém na cidade sabe o nome desse quarteirão, opa é um bairro)
  • Bairro Pedrinhas - "famoso escorrega cachorro" Setor responsável pela poluição da cidade com suas incríveis três cerâmicas de tijolos. É onde fica o extinto Clube Atenas, menina dos olhos dos saudosistas habitantes silvanienses e local onde ocorreram alguns episódios macabros.
  • Santo Antônio - Bairro que parece uma "cabaça" e tão distante da cidade que faz ter a impressão de que ele fica no município de Gameleira de Goiás. Para quem não mora no bairro é muito difícil encontrar o lugar, pois ele fica em outra dimensão onde não existem asfaltos e nem tinta para casas.
  • Beira Lago - Bairro que deveria se chamar 'Beira do Buraco', é onde ficam as mansões de milionários fazendeiros e donos de empresas que não se localizam em Silvânia, mas em todo o estado.
  • Centro - Área responsável pela movimentação de capital da cidade, com algumas pequenas lojas que fecharão em alguns meses, 151531 mercados que acabam falindo e se vendendo entre si, e uma agência dos Correios que não se cansa de ser assaltada.
  • São Sebastião - Bairro só lembrado na época das festas municipais, dividido do resto da cidade por uma íngreme ladeira. Longe de tudo, dá até pra se ver Vianópolis de lá. O mesmo faz divisa com o Maria de Lourdes (Di Lurdão) sendo caracterizado com a faixa de gaza, linha vermelha entre outros termos e adjetivos incontáveis que fazem alusão a incrível segurança do local...
  • Sapolândia A tal ladeira que antecede o bairro acima descrito. Durante todo o ano percorrido apenas por pedestres e algumas bicicletas, se torna rota de peregrinação durante as festas de São Sebastião e a Exposição Agropecuária.
  • Maria de Lourdes (Di Lurdão) ou Espanha - O maior bairro de Silvânia, que recentemente recebeu uma fina camada de asfalto, que sempre que chove, descasca, formando enormes crateras nas descidas. Os moradores na maioria são traficantes, maconheiros, cheiracola, ladrões, baianos, maranhenses, imigrantes da zona rural, eu já citei ladrões?
  • Bairro Manuel Conselheiro Caetano - Ah??
  • Resd. Jardim Ipê - O que?

Lazer[editar]

Durante a semana, a partir das cinco e meia da tarde (quando o sol "isfria un tiquin"), mulheres gostosas}} jovens e velhas fazem caminhada passando pela Avenida, para deleite dos cachaceiros que ficam secando essas mulheres.

Nos finais de semana à noite a diversidade de lugares para ir em Silvânia é enorme. A rái soçaiti silvaniense frequenta todo tipo de bar e boate para assistir ao mesmo DVD sertanejo por uns 4 ou 5 finais de semana. Ou mesmo pagar fortunas pelo sanduíche em lanchonetes exclusivas da cidade só porque o lugar é "famoso".

Turismo[editar]

As casas residenciais também tem mais de 200 anos (sem reforma).
  • Estátua de Nosso Senhor do Bonfim (Cristo) - Um pouco acima da Estrada de Ferro, conta com uma ampla área para que novos portadores de CNH façam "zerinhos" para estrearem os carros do papai. Lugar perfeito pra quem não tem dinheiro pra pagar motel, é só ir ali atrás da estatua e iniciar o intercurso sexual.
  • Igreja de Nosso Senhor do Bonfim - Uma igreja de mais de 200 anos que atrai muitos estrangeiros por causa das histórias que tratam de uma cobra gigante que reside abaixo da cruz do altar.
  • Estação do Trem de Ferro - Uma estação ferroviária de mais de 200 anos (e que já ocuparam e fizeram de casa).
  • Crateras nos arredores da cidade - Não estamos falando dos buracos na GO-010, mas são crateras abertas por mineradores atrás de ouro a mais de 200 anos atrás.
  • Buracos nas ruas do Centro da Cidade - Buracos sem idade definida (tentaram datar com Carbono-14, sem sucesso).
  • Estádio Municipal - Um dos lugares mais visitados em Silvânia, conta com jogos que demonstram o péssimo nível de habilidade dos jogadores locais e é utilizado por políticos para estacionarem seus helicópteros que impressionam os nativos silvanienses.