Skol

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Carro pessoal.jpg Esty artygo é dy pobry!

Esty artygo é sobry koyzas dy póbry, peçowas póbrys y o dono
taméyn dévy dy sê un pobretãwn do karáy!

Cquote1.png Você quis dizer: Mijol Cquote2.png
Google sobre Skol

Cquote1.png Você quis dizer: água Cquote2.png
Google sobre Skol

Cquote1.png O cão foi quem botou pra nois beber! Cquote2.png
Jeremias sobre Skol

Cquote1.png Desce, Redondo! Cquote2.png
Clodovil sobre Skol

Cquote1.png Não me venha com essa de desce! Cquote2.png
vascaíno após o rebaixamento sobre Skol

Cquote1.png O que é redondo? Cquote2.png
Hebe sobre Skol

Cquote1.png Na União Soviética, quem desce redondo é VOCÊ'''!! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Skol

Cquote1.png O redondo de bêbado não tem dono! Cquote2.png
Jorjão Guindaste, o dono do bar sobre Skol

Cquote1.png Prefiro ƒinqüenta e um! Cquote2.png
Lula sobre gorós em geral

Cquote1.png Uma skol pra mim é pouco, eu só tomo se for dez caixas Cquote2.png
Aloísio Chulapa sobre Skol

Cquote1.png Macho bebe cachaça Cquote2.png
Chuck Norris sobre bebidas fraquinhas para frutas idem

Cquote1.png Cerrveja??? Isso parrrece mais mijo com água do prrraia!! Cquote2.png
Alemão sobre Skol

A Skol é uma bebida fermentada, feita a partir de cereais maltados como a brachiária, o colonião e o capim gordura. Idealizada por portugueses, roda-se a garrafa para colocar a tampinha (daí a alcunha de Redondo) Muito consumida no Brasil, tem-se tornado um hábito cultural (no bom sentido, é claro) muito embutido nos jovens, em geral.

História[editar]

Esquematização ensinando como fazer uma Skol em casa. Misture uma colher de açucar em um copo de água. Beba que isso desce redondo.

Segundo reza a lenda, o transportador de lenha Obdúlio Varella, um descendente de paraguaios que vivia no Brasil clandestinamente nos tempos que Dercy Gonçalves era virgem e fazia testes para o RBD, um dia reclamou:

— De que vale toda essa lenha nas costas se não tenho uma cerveja pra descer no Redondo?

Dito e feito, Obdúlio saiu pelo mundo de buteco em buteco perguntado como fazer aquilo. Como o brasileiro é um povinho sem vergonha que só, ensinaram cada coisa cabeluda, longa e cilíndrica para o aquilo que o pobre do Obdúlio passou pelo menos um ano sem poder sentar e entrou para o livro Guinness dos Récordes e foi imediatamente invejado pela Dercy Gonçalves e pelo C&A de Pégasus.

Mais a verdadeira historia é de alienigenas que foram ajudados por um cara muito velho veio e gordo que disse (Yeahh) ao dar um descarga de energia na maldita nave redonda dos ets redondos e eles entregaram a formula redonda da skol duma veis e sumiram... e o resto, ah! Veja a porra do comercia da skol caralho!

Andanças[editar]

Desce Redondo

Numa de suas andanças, conheceu Almeidão Carvoeiro, um rapaz alto, forte, musculoso e peludão que adorava fazer churrasco. Como não podia ver um pedaço de carne que já queria enviar o espeto, entrou num acordo com Obdúlio. Ele entraria com a garrafa e ele entraria com o espeto. Assim, depois de uma festança daquelas em que começaram falando de mulher, depois passaram a falar de futebol e daí pra frente começaram a se emocionar, chorar, dançar, pular, pisar na tampinha, queimar a rosca enfim, tudo aquilo que homem faz em churrasco, Almeidão incutiu-lhe na alma os mais profundos segredos da cevada.

A Bedida[editar]

De posse de tão miraculoso segredo, Obdúlio vendeu tudo o que tinha, comprou um galpão e começou a produzir seu líquido milagroso. Nos primeiros dias ninguém levou fé que aquela coisa com uma espuma branca tivesse alguma utilidade, mas bastou que o primeiro filme de Asterix e Obelix fosse lançado para a turminha do fundão começar a achar que beber coisas feitas por velhos barbudos servia para alguma coisa.

Segredo de fabricação[editar]

Grandes porcarias empresas como a Coca-cola e o guaraná com nome de ovelha clonada, Dolly Guaraná possuem um lorota segredo de fabricação e alguns destes fabulosos e misteriosos segredos foram desvendados através de estudos efetuados por estudiosos que fizeram estudos e estudaram em grandes posilgas laboratorios que trazem atona o que todos ja suspeitava. No caso da Skol, um fermentado muito apreciado por alcoolatras inveterados populares e que traz em sua formula cereais maltados como a brachiária, o colonião e o capim gordura bosta de rato e barata e alguns grãos de cevada. Estes igredientes em sua primeira fase deve estar devidamente estocado em galpoes limpos e com muito ratos higiene, limpos, pois isto faz parte fundamental do processo de fabricaçao deste liquido precioso. Entram também o sabão Emo o qual gera a iconfundivel e sem graça espuma. Estes sao algus dos segredos que esta por traz desta merda grandiosa bebida.

Acompanhamento[editar]

Constituída de água, cereais, aditivos, álcool e uma boa dose de sabão em pó para fazer a espuma, o líquido rapidamente se espalhou por entre as gentes, sendo sempre servido gelado. Se você for ator de propaganda, a bebida costuma ser acompanhado por mulheres jovens com pouca roupa. Se você for um ser humano normal, a cerveja costuma ser acompanhada por amigos barrigudas, quatro ou cinco lambisgóias que até cigano rejeita e uma patroa reclamando.

Posologia[editar]

Apesar de muita gente tomar de qualquer jeito, a Skol é um líquido que precisa de alguns cuidados para ser ministrada nas pessoas. O ideal é juntar uma turma de desocupados que ficam no bar enchendo o rabo de cerveja enquanto o padeiro arruma o encanamento da patroa. Deve ser tomada no mais legítimo copo de massa de tomate, para manter o aroma e a temperatura apropriada.

Skol: a cerveja que te deixa redondo.

Ideal para[editar]

Bebados

Hidratação[editar]

Como a cerveja é constituída, aproximadamente, de 90% de água, ela traz o benefício de hidratar o corpo.

Alimentação[editar]

A cerveja é feita a partir de cereais, portanto, traz um grande quantidade de fibras, absolutamente necessárias ao bom funcionamento do corpo humano, em especial dos intestinos.

Resistência[editar]

Conforme comprovado por inúmeras pesquisas científicas, a Skol aumenta consideravelmente a resistência do glúteos. Só assim seus adeptos conseguem ficar mais de quatro horas sentado nas cadeiras que os butecos oferecem.

Contra indicações[editar]

Mantenha fora do alcançe dos evangelicos

Surdez[editar]

Quem usa constantemente a Skol pode vir a ter problemas de audição. Conforme já foi constatado, sempre que seus apreciadores estão juntos, eles tem que gritar para se comunicar.

Dores pelo corpo[editar]

Segundo alguns usuários, o uso desta bebida pode causar dores em lugares estranhos, como as nádegas. Ainda não se sabe as causas desse paradoxo, pois todos os doloridos afirmaram categoricamente ter dormido de barriga para baixo, o que deveria, em tese, causar dores no ventre.

Feminilidade[editar]

A Skol, utilizada por longos períodos, deixa o homem mais feminino e sensível. É por isso que, depois da milésima, começam a dançar, se abraçar, chorar e dirigir mal.

Pessoas que bebem Skol[editar]

Pessoas que NÃO bebem Skol[editar]

HINO DA SKOL[editar]

Ouviram num boteco um berro mágico,
De um bêbado, um pedido refrescante.
A Skol da liberdade em raios fúlgidos,
Brilhou na mão do dono nesse instante.
Se o Senhor, tiver vontade,
Vem beber com a gente até ficar de porre.
Copo Cheio, e liberdade,
Aprecie este líquido a vontade.
O Skol amada, idolatrada,
Salve, Salve,
Bebendo todo dia desse líquido,
Tem vezes que parece, a terra desce.
Meu Deus do céu, só penso nesse líquido,
Não existe nada mais que me interesse.
Gigantes depois de três, que beleza,
Chorão depois da décima e tristeza.
No dia seguinte dor de cabeça,
Skol dourada,
Entre outras mil, és tu Skol,
Cerveja amada.
Dos filhos deste bar és mãe, gentil,
A Skol do meu Brasil.

Sentado eternamente em bar esplendido,
Falando sobre a vida de um pinguço.
Saiu daqui e foi beber na América,
Bebeu cerveja de primeiro mundo.
Mas a terra, parece um imã,
Caiu de cara num jardim cheio de flores.
Mijou no poste, de uma vila,
Apanhou do guarda e foi dormir cheio de dores.
O Skol amada, idolatrada,
Salve, Salve.
Saiu pela manhã buscando o líquido,
Que o sustenta todo dia alcoolizado.
Se em teu formoso bar tiver o líquido,
Fará a felicidade de um coitado.
Por mais que a cerveja seja forte,
Verás que um bêbado não foge a luta.
Eu sei que vou beber até a morte,
Skol dourada.
Entre outras mil, és tu Skol,
Cerveja amada.
Dos filhos deste bar és mãe, gentil,
A Skol do meu Brasil.

Ver também[editar]