Sociedade do Anel

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Alien.gif
T O P | S E C R E T |!
Alien.gif

Atenção! Este artigo é sobre uma teoria conspiratória, então tome cuidado com o conteúdo que estiver lendo.

Enquanto isso, o exército americano está se comunicando com ETs.

Este esboço parece ter sido inspirado nas teorias de Olavo de Carvalho.
Faça-o se tornar mais verdadeiro.
Nuvola apps atlantik.png Coloque mais dados aqui. Sociedade do Anel merece!

Aqui poderiam estar mais dados relevantes ao invés dessa merda.
Esclareça os fatos, melhore a redação e assim salve uma alma do purgatório.
Seja útil uma vez na vida e contribua para este artigo ou seção melhorar: edite-a


Sociedade do Anel é uma produtora de filmes pornográficos que fez sucesso na década de 10, com seus filmes em slides. Eram filmes populares e baratos, pois a maioria deles era composto por 2 slides somente: um dentro e um fora. Foi fundada por Gandalf Marotaf que era conhecido como mago pelas maravilhas que fazia com o orçamento.

Lançou artistas famosos como Charlie Chaplin, Mazaroppi e Rocky Hudson. Criou também personagens até hoje conhecidos, como: Capitão Gancho, Rocky Balboa e Kid Bengala.

O atual CEO da Sociedade do Anel é o ex-empresário de Mike Tyson, Don King. A principal meta da sua gestão é aumentar o cast de atores. Desde do século XII, quando assumiu o posto, King já contratou, entre outros talentos, Alexandre Frota, Greetchen e Vampeta. Os recursos vieram de uma parceria inédita estabelecida entre a Sociedade do Anel e dois grandes estúdios de Hollywood, a Universal Ex-tudios e a Cristar Pictiures.

Outra marca de sua gestão foi aumentar a quantidade média de slides por filmes. A inovação foi incluir dois novos slides (um dentro e outro fora) da parte de trás das atrizes e de alguns atores destimidos. A implementação dessa política gerou alguns atritos com o corpo de atores da produtora. Muitos deles, não acostumados com as novas formas de filmagens, esqueciam-se de lavar as partes adequadamente, resultando em filmes escatológicos. King, com muito tino comercial, ao invés de engavetar o material bruto, aproveitou essas cenas e entrou com força no setor de filmes de terror.