Street Fighter Brasileiro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

{{#logotipo:http://images.uncyc.org/pt/b/b7/Capcompédia.png}}

P ronaldinho.jpg Ordem para os pobres, progresso para os ricos.

Aê, meu, este artigo é verde-amarelo, mano! Só fala de futebol, come feijoada, exporta diplomatas, puxa o saco dos EUA, paga imposto pra caralho e põe a culpa no governo pela ausência do Prêmio Nobel.

Virtualgame.jpg Street Fighter Brasileiro é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Kain bebe o sangue de mais um condenado.

Cquote1.png Sai da freeeeeeeeente, Satanás!! Cquote2.png
Pastor Zangief sobre sua aparição no jogo.

Cquote1.png Vamos fazer ele gritar algo como BOLADEFOOOGUU Cquote2.png
Desenvolvedor do jogo sobre Hadouken genérico
Cquote1.png Então! Aí tem o Blanka né... Cquote2.png
Desenvolvedor do jogo sobre enredo
Cquote1.png Mas que merd...O que você pretendia fazer? Cquote2.png
Atari sobre Street Fighter Brasileiro
Cquote1.png Mermão! Senta e ouve. Saca só, tem o Blanka né...aí... Cquote2.png
Desenvolvedor do jogo sobre sua ideia de enredo

358.gif

Street Fighter 2 Brasileiro para o Zeebo é um remake do jogo Street Fighter II lançado originalmente para as máquinas de fliperama, onde molequinhos idiotas te pediam uma ficha ou lhe mandavam soltar Hadouken, e que foi feito 100% na República das Bananas com supervisão da Capcom. Acreditem se quiser, a Capcom maldita autorizou a produção dessa pérola tupiniquim.

O Jogo[editar]

Capa do game com a inscrição "Lady" da versão especial com Carla Perez

Os sprites foram feitos em cima dos originais de arcade, isto é, todas as latas de sprite consumidas durante a produção do jogo deixou os produtores malucos, achando que colocariam num Master System os gráficos de um Fliperama. Os quadros de animação são grotesco de ruim, comparáveis ao Street Figther II de Game Boy (com quatro cores: preto e branco, branco e preto), mas o de Game Boy ainda é mais rapidinho. A jogabilidade, como é marca registrada da Tec Toy é uma mercadoria sem limites, sem limites para a raiva de apertar pra cima e chute e seu personagem abaixar e dar um murro. E a maior das delícias: Você perde mais HP (impressoras) defendendo do que levando o golpe na cara! Isso é que é trabalho bem feito... Sem falar no som. Versões piadas dos temas do Street Fighter II para Arcade e Super Não Entendo que já eram repetitivos. A Tec Toy devia mandar essas maravilhas pra algum museu pra ser preservado como patrimônio da humanidade. Daí o mundo todo conheceria a capacidade do programador de games brasileiro.

Ah, as vozes são cretinas demais. Quem viveu aquela época sabe que a Tec Toy dava a bundinha pro Mortal Kombat. Aí sob a influencia do seu sodomizador colocou um velho rouco pra falar o nome do lutador que você escolhe. Se escolher o Ryu, o velho fala Gryuuuuuuu!

Única Merda?[editar]

Esses são os belíssimos jogos nacionais... Viram quanta coisa boa o Brasil pode produzir?! E essa não foi a única porcaria que a Tec Toy resolveu "importar" para nossa terra. Por isso que a Tec Toy quebrou e os seus antigos donos sobrevivem da venda do Polystation com 666 jogos na memória. Ah alguém pode ficar perguntando: AUUU cadê os jogos da Turma da Mônica e bla bla bla?! Em tempo: a Tec Toy lançava muitos hacks. O que é hack você me pergunta. É mais ou menos isso: Pegue um jogo japonês, remova o personagem do jogo (ou até inimigos) e cole qualquer merda no lugar. Assim, 3 jogos da série Wonder Boy (Monster Land) viraram turma da Mônica, Ghost House virou Chapolim, Teddy Boy virou Geraldinho, e o grande Psycho Fox virou E.T. de Varginha.

Vídeos[editar]

Trilha sonora do jogo Um gameplay do jogo
<YouTube>

movie_url= http://www.youtube.com/watch?v=BZurDfhSiuc embed_source_url= http://www.youtube.com/v/BZurDfhSiuc width= 390 height= 325