Tales of Rebirth

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Tales of Rebirth é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Sephiroth mata a Aeris.


Cquote1.png KUREAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA Cquote2.png
Veigue Lungberg sobre Claire

Tales of Rebirth
Tales of Rebirth.jpg

Uma das capas mais feiosas e pouco carismáticas de toda série Tales

Informações
Desenvolvedor Namco Tales Studio
Publicador Manco
Ano 2004
Gênero RPG
Plataformas Play2
Avaliação 60%
Idade para jogar Não Jogue Essa Merda!!


Tales of Rebirth foi a primeira tentativa de um jogo de Tales of para PlayStation 2. O sucesso do RPG atrás de Final Fantasy, Shin Megami Tensei , Tales of Rebirth é mais um daqueles RPGs que não vendeu, ninguém conhece, e ninguém jogou.

Jogabilidade[editar]

Preconceito carregado do jogo.

O jogo é baseado na clássica jogabilidade de ficar meia hora procurando coisas no Menu mais complicado de entender que a história do jogo. Depois ficar vagar por cidades e calabouços conversando papos clichês com quem aparecer pela frente, e depois enfrentar infinitos inimigos num fantástico sistema de Linear Motion Battle System, onde você nunca sabe para onde seu nariz está apontando, e cada golpe arranca 70% de sua magia.

Enredo[editar]

O protagonista Veigue, morava em Moscow quando a cidade é atacada pelos nazistas, que matam a sua família. Por algum azar Veigue sobrevive e é adotado por uma família da Romênia. Nutrindo uma terrível vingança contra os nazistas, Veigue parte em sua jornada contra o preconceito racial e sexual.

Veigue junta um bando de pirralhos retardados, cada um vítima de algum tipo diferente de preconceito, e esse grupo deve lutar contra as forças do mal para conseguirem viver em um mundo onde todos sejam iguais.

O jogo transmite uma série de mensagens positivas para as crianças, incentivando o combate ao preconceito, mostra todo o lado colorido de ser um gay. O jogo defende todas as minorias representadas pelos personagens jogáveis, como emos, retardados, gays, transsexuais, furries, prostitutas e macumbeiros. Todas essas classes são representadas pelo grupo de protagonistas, resultando em relevantes abalizados educativos ensinamentos para as crianças, como por exemplo, saber que as raposinhas devem tomar todo cuidado do mundo com os cavalos.

Personagens[editar]

Considerado o grupo de protagonistas mais eclético de todos os jogos da série Tales. Cada personagem pertence a alguma classe marginalizada da sociedade, e durante o jogo briga por seus direitos:

  • Veigue Lungberg - Protagonista do jogo. É órfão depois que seus pais foram cruelmente assassinados por alguns nazistas da Ku Klux Klan (as facções antagonistas do jogo). Foi adotado pela família Bennett, com quem demonstra enorme desrespeito se tornando um emo antissocial com tendências ao goticismo. Possui um amor proibido por Claire, sua irmã. Em combate usa uma espada para cortar os próprios pulsos. Incestuoso e emo, é um dos que mais sofrem de preconceito no jogo.
  • Claire Bennett - A guria retardada que tem que ter em absolutamente todos jogos da série Tales. Não serve para nada além de encher linguiça nas tediantes historinhas do jogo. Não serve para combate. Todo mundo faz chacota da guria.
Mao, a bichona do grupo que luta pelos direitos dos homossexuais.
  • Mao - Um guri complexado que possui uma grave crise de identidade sexual, algo comum para a época da adolescência. É o que mais sofre com o preconceito no jogo, já que parece uma menina tirada de um hentai de lolicon, todos acreditam fielmente que aquilo é uma menina mimada. No final do jogo se torna um travesti e começa a tomar hormônios femininos.
  • Eugene Gallardo - Uma pantera e o furry do grupo. Parece ser pedófilo também, já que nunca sai do lado de Mao. Tudo isso faz de Eugene o cara mais marginalizado do grupo. Os cavalos são seus piores inimigos.
  • Annie Barrs - Uma pirralha que usa magia, além de ser acompanhante. Também sofre na sociedade.
  • Tytree Crowe - Um gayzão assumido que usa muita purpurina verde. Tudo graças a influência de sua irmã mais velha com quem aprendeu a usar o esmalte. Luta contra o preconceito racial e sexual usando flechas achando que é o Arqueiro Verde.
  • Hilda Rhambling - A gótica do grupo, por isso não fala muito. Em combate usa cartas de Magic como arma.
v d e h
Tales logo.png