Tazo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
60px-Bouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: Tazo.

Cquote1.png E aê?! Vamos Bater...os TaZ0Z...não cincar... Cquote2.png
Ditado impopular
Cquote1.png My Precious! Cquote2.png
Gollum antes de ser rapelado pelo Bilbo
Cquote1.png Tazo in the Hole! Cquote2.png
Jogador de counter-strike sobre Tazo

Cquote1.png Vou bater.. Cquote2.png
Mike Tison sobre Tazo
Tão pequeno, e tão desejado

Cquote1.png Na União Soviética, o Tazo bate VOCÊ! Cquote2.png
Reversal Russa sobre Tazo
Cquote1.png You win! Cquote2.png
Mortal Kombat sobre Tazo
Cquote1.png You lose! Cquote2.png
Mortal Kombat sobre Tazo
Cquote1.png Você quis dizer: Tesão Cquote2.png
Google sobre Tazo
Cquote1.png Quem vai casar? Cquote2.png
quem não teve infância sobre Tazo
Cquote1.png Duas palavras definem a minha infâcia: TA , ZO Cquote2.png
Carla Perez sobre Tazo
Cquote1.png Tazinho é o caralho, meu nome é Zé Pequeno porra !!! Cquote2.png
Zé Pequeno sobre Tazo
Cquote1.png Até eu já tive. Cquote2.png
Chuck Norris sobre Tazo

Tazos eram pequenos brindes que viam di gratis nos salgadinhos da microcontroladores Elma, durante boa parte da década de 1990, quando ainda se podia exibir propagandas do tipo nos intervalos do Sábado Animado.

Início de tudo[editar]

"Primeira geração de tazos"

Magnífico objeto causador de várias brigas, roubos e espancamentos. Ná década de 90 foi sucesso nas principais escolas de todo Brasil, para obter um tazo era muito simples, bastava comprar um salgadinho da Elma Chips (que custava uma merreca, até o ano 2000) que dentro da embalagem vinha como surpresa um tazo aleátorio. No começo, mas bem no começo mesmo, 1º e 2º dias após a estreia, eles eram apenas para coleção, porém após isso, foram objetos de jogatina desvairada, como menores de idade não podiam jogar baralho, sinuca, etc., o tazo foi o escape para a situação.

A verdadeira revolução escolar começou, alunos e mais alunos se aglomeravam em volta de duelos, trielos, quadrielos, pentelhlos, e assim por diante, todos torcendo para alguem ganhar, ou para alguem perder, é claro, havia aqueles que torciam para alguem dar uma dormida para roubar mesmo(sim, assim como em qualquer outra jogatina, no tazo havia roubo sim)..

Guerra do Tazo[editar]

Grupos foram se formando, pessoas ficando com os bolsos cheios, não era mais preciso gastar com salgadinhos, alías no auge do Tazo ninguém comia o salgadinho. Porém com o alto índice de criminalidade a guerra foi iminente. Todo dia, na diretoria da escola haviam alunos assinando o livro negro, tudo tornou-se um caos, os fabricantes vendo uma oportunidade única lançaram o atira-tazo, uma arma que atirava Tazos (não diga...), pode não existir em livros de história, mas a Guerra do Tazo, foi a maior guerra já travada pelos menores de idade.

Fim da Era Tazo[editar]

Com o passar do tempo, surgiu o tráfico de Tazos, o sequestro de Tazos, e as recompensas eram caras, variavam de balas até lanches da mamãe. As escolas recorreram até os fabricantes, pedindo o fechamento das fábricas.

Assim, após anos de luta e soberania do Tazo, o fechamento das fábricas acabou com a ditadura, impérios caíram, e a guerra terminou, hoje em dia apenas colecionadores possuem alguns desses objetos em seus cofres. Quem vivenciou nunca esquecerá, Lonney Tunes, Animaniacs, Master Tazos, Pokémon, Máscara,Yu-gi-oh(esses eram modernos feitos de metal, perfeitos para a "Guerra de tazos"), Animais em extinção, Tazos Americanos(que só vinham em Baconzitos), serão nomes que jamais serão esquecidos.

Utilidades[editar]

"Palhetazo"

Hoje em dia, algumas pessoas que ainda possuem tazos, transformaram esse pequeno objeto em palhetas para instrumentos de corda, o que torna o som muito mais bonito e agradável, é uma palheta colorida e com desenhos, sem falar que é personalizada. O que deixa o ambiente muito mais agradável aos olhos.

Vocabulário Tazo[editar]

  • Bater tazo: A Expressão usada para iniciar um jogo de tazo. ex.:"Vamo bate tazo?"
  • Casear: Ato de apostar uma quantidade de tazos.ex.:"Vamo casear 3 tazo!"
  • Gasear: Forma errada de dizer casear, mas todo mundo falava dessa forma.ex.:"Vamo gasea 3 tazo."
  • Montinho: Era o montante de tazos, ficavam dispostos um em cima do outro.
  • Fianco: Era uma jogada ridícula, sem a mínima chance de virar algum tazo, só era utilizada por jogadores desesperados.
  • Martelada: Essa era A jogada, era bem pouco eficiente, mas era humilhadora, apenas jogadores trogloditas executavam a martelada perfeitamente.
  • Puxada: A jogada mais efetiva, virava vários ou todos os tazos, bater puxando era extremamente apelativo.
  • Mãozada: Jogada de porco, era uma puxada só que desleal, o jogador batia com a mão ao mesmo tempo, caiu em desuso porque normalmente quem fizesse isso apanhava na hora.
  • Fazer a rapa:Técnica usada por jogadores noobs, sem tazos e mediocres. Era comum ocorrer um ato de luta ou carnificina após o uso dessa técnica. ex.:"Olha o RAPA?"
  • Rapelar: O sonho de qualquer jogador, rapelar nada mais é que você ganhar TODOS os tazos de seus adversários, seu moral subia a cada rapelada, agora se você fosse rapelado podia esquecer, ninguém nunca mais te emprestaria algum tazo.
  • Bundiar: Pra quem tinha medo de joga, ou caseava 1 ou 2 tazos, normalmente esse tipo de atitude também era digna de soco na cara, os cdf's e retardados mentais eram os maiores bundiadores.
  • Peidolar: O mesmo que bundiar, só que mais suave, você podia peidolar, mas não bundiar, peidolar era para jogadores mais experientes, que após várias partidas tinham que descansar, ou que tinham que parar porque não cabiam mais tazos no bolso.
  • Afinar: O cara que fizesse isso apanhava no ato, e muito, afinar era a pior de todas as coisas a ser feita, era fugir antes mesmo de jogar uma partida, geralmente quem fazia isso eram os emos, eles compravam seus salgadinhos e não batiam o tazo.
  • Fiscal: Talvez jogador mais difícil do Tazo, ele chega de canto nos jogos e quando a um montinho pega tudo e sai correndo gritando "fiscal fiscal fiscal!!!!", fazendo correr pelo colégio todo atrás dele, os mestres nessa arte nunca são pegos sabendo todos os cantos mais sorrateiros do colégio.
  • Catiça: Tentativa de distrair os jogadores, para que eles errassem sua jogada. Sempre feita com um gesto parecido com Hang Loose, seguido de vários "Catiça".
  • ventinho: manobra muito rara nos jogadores de tazos, somente os melhores conseguem executar o ventinho com perfeição, apartir do ponto em que o ventinho vira todos os tazos ele foi bem utilizado. Exitiam alguns noobs que usavam utencilios para aprimorar o seu ventinho. o ventinho quando digivolve vira o furacão que manda um vento tão forte que levanta e gira tudo até a saia da sua amiga gostosona.

Pastelão: Unia as duas mãos para rapelar todo mundo, com ventinho embaixo.

Tipos de Jogadores[editar]

Batedô
Esse é o fodão, simplesmente o melhor jogador que existia, ser um batedô de tazo era o ápice pra qualquer jogador, eram fáceis de serem identificados entre a multidão, bastava olhar o bolso das calças, ou, se ele estivesse sem jogar dava pra perceber pela quantidade de emprestadores a sua volta.

Jogava apenas com puxadas perfeitas.

Furacão
uma variante do batedô, era o cara que só jogava com ventinhos ja evoluídos em furacões, eles viravam tudo em uma rodada, nunca perdem um jogo

Jogava com ventinho estilo furacão

Batedor
Não confundir com o Batedô, o Batedor era um jogador amador, que jogava de vez em quando, nem perdia, nem ganhava, mas era um bom adversário.

Jogava com puxadas e marteladas.

Cacetero
Era um bárbaro quando jogava, pouca inteligência e muita força, incrivelmente esse tipo de jogador se deu muito bem, batendo de frente com os Batedô. Porém se cansavam rapidamente, e o nivel de rapelação era consequentemente menor.

Jogava apenas com marteladas perfeitas.

Bafer
Era mais um jogador de bafo do que de tazo, dificilmente virava algum tazo, jogador tosco.

Jogava com marteladas muito fracas.

Mão rápida
Era o filha da puta, bancava o espertão, muito ágil era capaz de criar ilusões de ótica para conseguir vencer, felizmente esse tipo de jogador sempre era esmurrado, não duraram muito tempo.

Jogava com Mãozadas.

Bocó
Jogador que não sabia jogar, apostava muito pouco, e não sabia bater tazo definitivamente, não tinha nenhum estilo, não acertava o montinho, não sabia nada, era um inútil, era um ótimo adversário pois sempre perdia.

Jogava sem jogadas.

Cagado
Jogador naturalmente ruim, mas que as vezes fazia milagres, capaz de realizar jogadas impossíveis, mas com muita raridade, um jogador cagado geralmente era um cdf, fazia um milagre e só bundiava, eram jogadores espertos, sabiam se controlar, e vendiam seus tazos.

Jogava com fiancos, marteladas, puxadas e algumas jogadas inexistentes.

Cagão
Não confundir com cagado, esse era o jogador que cansava de ganhar e sempre peidolava, muitos caceteros eram cagões, sempre que eram desafiados demasiadamente corriam, bundões também eram cagões.

Jogava com marteladas e puxadas em geral.

Afinão
Os jogadores mais detestados, se é que da pra se chamar um afinão de jogador, eram os emos do jogo, sempre apanhavam, levavam chá de cueca, afogamento na privada, entre outros. Perdiam seus tazos na base da porrada e assaltos, estudiosos afirmam que afinões só compravam o salgadinho por causa do salgadinho mesmo, ao contrário dos outros.

Nem jogava.

Pescoço
Quase tão detestados quanto os afinões, eram os ladrões, viviam na espreita esperando uma marcada na fita de alguém para poderem surrupiar os tazos, a maioria hoje cresceu, e são políticos, ganhava sem fazer nada. Porém, a justiça nas escolas era muito melhor, e os pescoços sempre apanhavam, perdiam dentes, levavam pedradas e linxamentos.

Não jogava, roubava.

Bancário
Era O Maior jogador do passado, mas tinha se aposentado e vivia apenas de empréstimos, para apenas aumentar sua coleção, já que não jogava mais. Muitos possuem suas coleções até hoje.

Nos dias atuais[editar]

Nos dias atuais, o tazo é como uma guerra fria, os que ainda possuem como colecionadores continuam jogando na clandestinidade, e a Elma Chips continua vendendo os Tazos no Mercado Livre Negro e na PoliShop. Até hoje existem provas de assasinatos por causa de Tazos, sendo o segundo maior tráfico do Brasil, perdendo apenas para o tráfico de gatinhos.