The City of Lost Children

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg The City of Lost Children é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, Lara Croft consegue mais uma relíquia.


Cquote1.png Você quis dizer: Siren no pior sentido Cquote2.png
Google sobre The City of Lost Children
Cquote1.png Vá roubar o vibrador no escritório do senhor Goldhand agora! Senão vamos jogá-la no nosso Juicer Philips Wallita! Cquote2.png
Irmãs Pieuvre sobre s "servicinhos" que deve fazer
Cquote1.png MUAHAHAHA! Cquote2.png
Doutor maluco sem criatividade e sua risada maléfica
Cquote1.png Isso é um filme? Cquote2.png
Alguém quando vê The City of Lost Children
Cquote1.png Isso é um jogo? Cquote2.png
Mais alguém quando vê The City of Lost Children
Cquote1.png Isso é um conto de história francês? Cquote2.png
A verdadeira suposição correta e que ninguém teria pensado
Cquote1.png Vou salvar todas as crianças da cidade! Cquote2.png
Miette sobre salvar as crianças no game
Cquote1.png Se só depender de você, a gente tá fudido! Aliás, não exste polícia em Paris? Cquote2.png
Mendigo sobre Miette ter merda na cabeça e não existir polícia em Paris

Os invejáveis gráficos de The City of Lost Children, muito avançados para uma plataforma como o Playstation 1. Note que o cara está com as pernas bem abertas, indicando que deve estar com um caso sério de hemorroida.

The City of Lost Children (Le Citie o' Crianceus Sodomizedes em Francês) é um conto francês escroto que foi adaptado para filme que foi adaptado para jogo por japoneses malucos. The City of Lost Children não se passa de um Resident Evil camuflado de Siren. E é claro que os produtores do jogo nem se esforçaram tanto para fazer o jogo vender, pois uma vez que as pessoas acabam descobrindo que o jogo foi adaptado de um filme, as vendas caem 109%.

O que importa é que o jogo é considerado o mais ilógico do gênero Survival Horror, até aparecer Red Dead Redemption que consegue enlouquecer os jogadores 15 minutos jogando o jogo.

Sobre o jogo[editar]

Basicamente, The City of Lost Children é apenas uma adaptação de filme para jogo. Por isso, já existe um motivo para tão poucas pessoas conhecerem de fato esse jogo de 3 gerações passadas. Sim, The City of Lost Children é um jogo de Playstation 1. Mais outro motivo para não comprar.

No jogo você encarna em uma garotinha órfã chamada Miette que tem que roubar objetos para um par de irmãs siamesas chamadas Pieuvre (na verdade, Pieuvre é um polvo...) que a ameaçam jogar ela no Juicer Philips Wallita delas e sodomizá-la caso Miette não cumprisse tais "missões".

Depois, Miette escaparia do orfanato e começaria a nova vida de sem-teto filiada ao MST. Essa vida não teria durado tanto quando descobriu que quase não havia ninguém da sua idade nas ruas, pois um cientista maluco que não tem criatividade (mas ao mesmo tempo, tem criatividade suficiente para criar a mais alta gama de maquinários) está sequestrando crianças pobres e roubando seus sonhos, transferindo tudo para a sua cabeça (ui!).

E à partir dessa premissa, Miette deve interagir com o cenário (que não se parece nem um pouco com Paris, mas sim mais com Rapture uns 200 anos mais antiga, mal-feita, fedendo a banheiro público e construída pelo governo brasileiro) e tentar resgatar as crianças, procurando ajuda com um dos 20 NPCs que se encontram no jogo.

Agora que você já sabe a história do jogo, pode muito bem saber porque dizem que The City of Lost Children é tão ilógico.

Jogabilidade[editar]

Obviamente, por se tratar de um filme que virou jogo, a jogabilidade é tosca e mesmo você tendo pagado o mico de ter assistido o filme de "The City of Lost Children", isso não irá te ajudar em muita coisa.

Primeiro que é exatamente igual ao Resident Evil. E me refiro aos de Playstation 1, que ainda tinham aquela visão tosca em terceira pessoa.

A primeira coisa que se nota é que os jogadores que gostaram da experiência de jogar "The City of Lost Children" se forçam a dizer que o jogo é bom na hora da visão em terceira pessoa, apenas tentando ver um lado bom naquele monte de merda que era o jogo e o filme. Além do mais, a visão pode ser alterada para ajudar o jogador na exploração, mas mesmo assim, o que foi feito para ajudar apenas faz melar mais ainda a reputação do jogo.

Inimigos? Isso praticamente não existe. O mas perto de inimigos são aqueles enigmas toscos que você fica resolvendo o jogo inteiro e que a guria Miette - que é burra feito uma porta - quando faz algo de errado apenas diz:

Cquote1.png Eu não consigo fazer isso, porra! Cquote2.png
Miette sobre os enigmas estranhos de um jogo estranho

No final, The City of Lost Children é o que exatamente promete ser: você controla uma criança mendiga pelas ruas de Paris, mais perdida que cego em tiroteiro e mais atrapalhada que surdo em bingo. Os inimigos não existem, e quando existem, você consegue derrotá-los com uma escova de dentes e um balde de tinta. O chefão nem se comenta... Era mais fácil colocarem o Dr.Who no lugar dele para uma interpretação à altura.

Análise[editar]

Você recebendo uma missão fuleira em The City of Lost Children dada por duas Olívias Palito.

Pontos fortes[editar]

  • The City of Lost Children proporciona uma diversão à mais para os fãs de Survival Horror que se negaram a evoluir para o Playstation 2 e que estavam na esperança da Capcom, Konami e companhia fabricarem jogos para Play 1.
  • Para quem (tem mal) gosto por filmes que viraram jogos, podem conferir The City of Lost Children. E para quem quer ver como ficam toscos jogos de filmes, este aqui é uma boa pedida.
  • Os produtores se importaram com tanta coisa pequena durante a produção que até mesmo no andar da protagonista deram um jeito de fazer ela parecer pobre, frágil e faminta. Isso seria apenas uma desculpa para os produtores que não conseguiram corrigir os movimentos dos personagens.

Pontos fracos[editar]

  • Um jogo idiota baseado em um filme idiota que foi baseado em uma história idiota.
  • Os gráficos dos personagens se parecem mais dos jogos do Atari atualmente.
  • Não existem armas no jogo. Apenas você que tem que "usar" os itens para tirar um inimigo da sua frente.
  • Muitas vezes, os itens são idiotas e suas funções não são claras... Bem típica da produtora do game. Por exemplo, como se usa um vibrador para abrir a porta?
  • Os objetos não brilham nesse jogo. Por isso, você deve caminhar pelas ruas, clicando "X" por todos os cantos até char alguma coisa. Muitas pessoas espanaram o "X" do controle por causa disso.
  • Por fim, a ausência de fanservice torna o jogo mais estressante que interessante.