The Hunting Party

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Charlemagne-4.jpg Este artigo se trata de um álbum

E com certeza tem uma cópia pirata no camelô da esquina.

Conheça o resto da playlist clicando aqui.

USB logo.png God Ble$$ De$ciclopédia!!

Este artigo é gringo! Ele usa eletrônicos da Apple, tem um Chrysler poluidor, não joga futebol e acha que é privilegiado..

The Hunting Party é o sexto álbum da banda Limpe o Parque. Causou uma certa esperança entre os ouvintes de bom gosto, porque dessa vez eles conseguiram músicas que chegam perto de algo que lembra rock.

Emblem-sound.svg.png The Hunting Party
Lixo Park
Thp.jpg
Capa
Lançamento 13 de Junho de 2014
Produtora Warnew Bosta.
Tipo Nu Metal (ou não)
Featuring Page Hamilton, Hakim Alston, o Machine, Daron Malucão, Tom Morello
Duração 45:12
Album Anterior: Recagada
Album Seguinte: Mais Uma Luzinha


Faixas[editar]

1. Chaves no Reino - O álbum já começa de cara com a porra da gritaria. Esta faixa fala sobre um episódio perdido do Chaves. O título original era "Chaves no Reino Maligno da Bruxa do 71", mas não colou.

2. Tanto Trabalho pra Nada - O título é autoexplicativo. Querendo fazer algo que não fosse uma merda, a banda tentou e tentou mandar um rock, mas como ninguém ali sabe como se faz isso, eles tiveram que pedir a ajuda de Page Hamilton (Quem?). O resultado, pra variar, foi ruim (Sacou o título agora?). Essa é aquela música que tocava de 15 em 15 minutos no PES 2015.

3. Gay é tudo a mesma Coisa - Numa tentativa de dar uma de revoltados, os caras do Linkin Park aqui falam mal de tudo e de todos, desde as indústrias de música até você e sua mãe. Conta com a participação do rapper Hakim Alston, o Machine, um dos mais famosos da atualidade (ou não), segundo a banda.

4. O Sumô - Pra quem achou que tinha se livrado dos instrumentais sem sentido, tomou trouxa! Esta é uma versão remixada da musiquinha que o japa Joe Hahn ouvia em suas aulas de sumô quando era mais gordo ainda. A faixa dura o tempo que Hahn aguentava em pé antes de ser nocauteado por E. Honda... Alguns segundos.

5. War Valendo o Toba. Nesta variação de truco valendo o toba, Chester perde a partida de War e tem que pagar a aposta (Por que você acha que esta faixa tem os gritos mais histéricos do álbum?).

6. Agreste - Homenagem do Limpe o Parque para a região mais importante do nosso Brasil: O nordeste.

7. O Tio da Goma - E quando você achava que o álbum estava razoavelmente bom, eis que vem uma foragida de Metendo até a Meia-noite. Considerada uma versão piorada de Segunda Divisão misturada com Esperando por 2012, faz a gente lembrar que eles ainda não melhoraram tanto assim...

8. Rebelião na Febem - Música que fala sobre as rebeliões feitas no depósito de trombadinhas Febem Fundação Casa. A faixa é cheia de guitarras malucas e aceleradas (Claro, com a presença de Daron Malucão, lógico que ia dar nisso).

9. Marquem as Greves - Tentando dar uma de banda hard rock revoltadinha, Limpe o Parque quer incentivar o quebra-quebra das greves que estão ocorrendo por aqui.

10. Barra de Cereal - Outro instrumental com título sem noção (O quê, de novo?! Mas que porra!), ou melhor, uma canção de ninar chata de dar dó. É, desta vez nem a participação de Tom Morello salvou a pátria...

11. O Fim de Mascherano - Uma das músicas mais emo que esta banda já gravou em toda a sua existência. Se você estava pelo menos aturando este álbum, esta faixa acaba com todas as suas esperanças.

12. Uma Carreira de Pó - A faixa menos ouvida do álbum (Já que todo mundo lança o CD pela janela quando começa a ouvir O Fim de Mascherano). Só pelo título, dá pra ver que fala de drogas pesadas. Não à toa, percebemos só pela voz que Mike já está muito cheirado enquanto canta esta faixa.