The Legend of Zelda: Twilight Princess

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Virtualgame.jpg The Legend of Zelda: Twilight Princess é um jogo virtual (game).

Enquanto você lê, alguém usa PSI Rockin.

PeterFurryGabriel.jpg Este artigo foi escrito por furries!!

Por isso, é possível que ele contenha referências a raposinhas, Pokémons ou até mesmo Ursinhos Carinhosos sendo sodomizados por cavalos. Caso você tenha medo de furries, arme-se com um lança-chamas e NÃO leia a pagina abaixo.


The Legend of Zelda: Twilight Princes
The Legend of Zelda Twilight Princess capa.png

Cartaz Capa do jogo

Informações
Desenvolvedor Nãointendo
Publicador Nãointendo
Ano 2006
Gênero RPG/Furry/Hentai
Plataformas GameCube (ninguém jogou)
Nintendo Wii (comprando CD pirata)
Avaliação 9/10 até a parte do espelho do paredão preto. Depois disso é 4,6/10
Idade para jogar 14(?)

Cquote1.png Que merda, o Link é canhoto! Cquote2.png
Canhoto sobre The Legend of Zelda: Twilight Princess adaptado para Wii
Cquote1.png Ficou massa ele destro! Cquote2.png
Destro sobre The Legend of Zelda: Twilight Princess para Wii
Cquote1.png Saco! Porque eu não comprei o do Game Cube? Cquote2.png
Dono de um Wii depois das primeiras horas de jogo
Cquote1.png Dá pra mim! Cquote2.png
pobre sobre comentário acima
Cquote1.png Que lobo fofo! E o rato em cima é ainda melhor! Cquote2.png
Furry sobre Link e Midna
Cquote1.png MAMMA MIA! Cquote2.png
Mario sobre The Legend of Zelda: Twilight Princess
Cquote1.png Na União Soviética, o lobo se transforma em VOCÊ! Cquote2.png
Reversal Russa sobre The Legend of Zelda: Twilight Princess
Cquote1.png ...agora destrói a caixa, aperte "dig" e fale com a Midna Cquote2.png
Gordinho de Locadora sobre Twilight Princess
Cquote1.png Depressa! Use a Fishing Rod! Cquote2.png
Zelda sobre última batalha contra Ganondorf
Cquote1.png Acho que tô começando a entender de onde a Sega teve a ideia de me transformar em lobo Cquote2.png
Sonic comparando The Legend of Zelda: Twilight Princess com Sonic Unleashed

The Legend of Zelda: Twilight Princess é o primeiro jogo da Saga Crepúsculo e o décimo segunda da série The Legend of Zelda, tratando-se de mais uma jogada comercial da Nintendo para ganhar toneladas de dinheiro de otários, com mais um jogo genérico de sua franquia. Originalmente exclusivo para o Game Cube, mas, por motivos desconhecidos, adaptado porcamente para o Nintendo Wii (aquele videogame que te obriga a levantar do sofá para jogá-lo), fazendo com que o jogador tenha que desmunhecar o pulso sempre que vai fazer o Link atacar. Para facilitar a vida da maioria de donos destros do Wii, a versão deste foi invertida horizontalmente fazendo com que tudo que era pra esquerda no Game Cube ficasse para a direita (pode-se dizer que a versão de Game Cube era literalmente COMUNISTA! esquerdista). Mesmo sua história parecendo mais uma cópia barata de A Link to the Past (mudando apenas o fato de Link virar um lobo sombrio ao invés de um mascote da Duracell). O jogo possui repetitivas incríveis 50 horas de gameplay, portanto compre bastante cervejas e tóxicos para dar conta disso tudo...

Em vez de pagar o seu olho da cara para comprar um Nintendo Wii e jogar Twilight Princess, você pode (ou não) usar um emulador muito famoso, chamado Shark Dolphin (que já está na sua versão 32,1546997845126678642). Este emulador é fácil de ser usado com qualquer computador potente fraco como o seu! Necessitando apenas de uma placa de vídeo de 64 bilhões de pixels e polígonos. Se seu computador consegue rodar Mario Kart 64, certamente ele aguenta este jogo (se precisar saber da capacidade gráfica que você precisa para jogar um Mario Kart 64, consulte o artigo do mesmo, ou não).

Desenvolvimento[editar]

Criar Twilight Princess não foi nada fácil para a Nintendo, afinal os fãs de Ocarina of Time e Majora's Mask estavam órfãos de jogos bons e cansados de tanto Zelda merda e caça-níquel. Mas com o GameCube, a Nintendo arregaçou a manga e decidiu começar o seu novo jogo. Hyrule agora está maior do que nunca, mas agora há abismos em todo lugar, muito provavelmente tudo graças à erosão provocada pela água que havia no Wind Waker.

Uma bomba atômica também caiu em Hyrule pouco tempo depois do Ocarina of Time, por isso que não há Lon Lon Ranch, Hyrule Castle Town teve que ser totalmente reconstruída, Death Mountain ficou deformada e Gerudo Desert foi parar incrivelmente perto de Lake Hylia (e não sobrou nenhuma Gerudo, nem o Desert Colossus). Kokiri Village? Esqueça! Agora Link pertence a uma vila chamada Ordon Village, e não possui uma voz tão fina.

Se você é fã da trilha sonora de Zelda, já pode desligar o volume de sua TV ao jogar Twilight Princess, pois a trilha sonora desse jogo foi totalmente criada com o uso de sintetizadores virtuais no PC. Quanto às vozes, a Nintendo até estava morrendo de vontade de colocar vozes de verdade no jogo, mas não conseguiu fazê-lo porque os fãs não permitiriam com um abaixo-assinado, então acostume-se a ouvir uma pseudo-dublagem criada pela Nintendo para que o jogador saiba quem está falando.

Jogabilidade[editar]

Mantendo a tradição da série The Legend of Zelda, Link deve perambular por Hyrule praticando suas malfeitorias de sempre, roubando dinheiro das casas das pessoas, atormentando os outros, capinando jardins e interagindo com uma garota esquisita com um fetiche sexual por insetos. Para fazer essas badernas Link passa a maior parte do tempo montando um cavalo ou sendo montado por Midna.

Ao longo do jogo você vai estar entrando em masmorras com os designs mais surreais que você já viu, os arquitetos estavam inspirados, e lá dentro resolver uma série de puzzles com os seus milhares de itens que você convenientemente encontrou apenas em masmorras anteriores, então no final você enfrenta um monstro cem vezes maiores e mais fortes que Link, mas que vão morrer com cerca de 3 golpes no olho.

Uma das grandes inovações do jogo (além de usar o pedaço de plástico fálico que você tem como comando para mover a sua espada) é a habilidade de Link tornar-se um lobo, afinal "Twilight Princess" tem conexão com a saga Crepúsculo, tudo para satisfazer os estranhos fetiches de Miyamoto, pois na forma de logo Link é capaz de morder seus inimigos nos testículos enquanto salta de um lado para outro como um acrobata, além de ser capaz de falar com outros animais e uivar para a lua para aprender novas técnicas no campo de batalha, que são técnicas tão óbvias que Link ensina para si mesmo como as executar.

Como há uma leve mistura de Dark World e Light Word, reaproveitado de A Link to the Past, volta e meia nos deparamos com um "Paredão Preto" que serve para convenientemente manter o jogo bem linear sobre os lugares a que devemos ir resolver os problemas. Sempre que vê esses paredões pretos, Link vira lobo e vai para o mundo de "Twilight", reconhecível pela música chata, pelos pixels que saem do chão, pelo filtro de cor laranja e pelas dores de cabeça para achar o caminho naquele mundo borrado. Gostaríamos de chamar essas zonas de "Zonas de Crepúsculo", mas aí estaríamos violando os direitos autorais de outra coisa. Não podemos chamar só de "crepúsculo" porque dessa maneira os "mundanos" pensariam que o jogo se trata de uma fantasia idiota sobre um vampiro gay tentando provar sua viadagem pra uma patricinha puta. Então ficou o mundo do "paredão preto", já que aquele paredão preto no começo do jogo é a única coisa que realmente impressionou no Twilight Princess.

Uma coisa que marca muito esse jogo é que a mosca brilhante fada Navi, não fala e NEM FAZ MERDA NENHUMA! Isso mesmo! A única coisa que essa peste faz é servir de mouse!

Entre os vários itens exclusivos destaca-se a Magic Armor, uma armadura feita especialmente para Bill Gates, que permite não morrer nunca porém gasta dinheiro a cada segundo que se passa.

Personagens[editar]

Fãs de Ocarina of Time se recusam a acreditar que Link pode ter tantos polígonos...
  • Link - A quinta reencarnação do herói Link, e que pela primeira vez tem alguma vida social com amigos de verdade e até uma aspirante a namoradinha, sendo basicamente isso a única coisa inovadora nesse jogo sobre a história de Link, porque de resto será tudo a mesma coisa. E pode-se dizer que nem foi tão inovador, pois essa ideia não veio de dentro da Nintendo, mas sim dos milhões de fanfics enviados para a Nintendo durante a produção sobre Link ter amigos e pegar geral. Uma coisa nova em Twilight Princess é a maneira que Link muda suas expressões faciais para cada situação, dando mais vida ao personagem (isso já havia no Wind Waker, mas ninguém quis jogar aquilo...). Com a espada, agora Link pode dar um slash, um stab, um spin slash, um great spin slash, um final blow, um mortal draw, um shield attack e vários outros golpes, diferentemente do Ocarina of Time, que só possuía o aleatory move with an gay scream.
  • Princesa Zelda - Novamente, a tão famosa vadia que governa Hyrule e que por ser antissocial quase não aparece no jogo porque. Habita a Sala do Trono, localizada no topo de um enorme castelo, obrigando os visitantes a morrer de ataques cardíacos no meio do caminho daquela escadaria. Depois que Zant assumiu o controle de Hyrule, Zelda se trancou em seu quarto por cinco horas, e virou emo. Como consequência disto, Link deve salvar Hyrule para restabelecer a sanidade sexual da alma de Zelda. Ela está tão deprimida que chega a cortar os pulsos mais tarde, em um esforço para trazer Midna de volta à vida, se matando no processo. Ela ainda é referida como "Ganon's Puppet", ficando oficializado que ela não passa de uma bitch do Ganondorf, coisa que todo mundo sempre soube, mas agora é oficial. Sabe-se que Princesa Zelda NÃO É a Twilight Princess, apesar de Midna ter alegado que Zelda É a Twilight Princess logo no começo do jogo (inconsistências de enredo). E mesmo quando já esta provado que Midna é a Twilight Princess, descobrimos que na verdade Zelda era a Twilight Princess quando Hyrule foi tomada pelo Paredão Preto. A Nintendo está tentando nos confundir?!?! Porque um jogo não pode ser mais simples? De tantos em tantos anos, Zelda vai diminuindo cada vez mais no ranking de mulheres mais gostosas da série. No Ocarina of Time ela estava em terceiro lugar (logo depois de Saria e Malon) e em Twilight Princess, Zelda está em um dos últimos do raking: atrás do Carteiro, da Beth, da Great Fary e da Midna (em ambas as formas.)
Simpática Midna, uma das personagens prediletas dos fãs.
  • Midna - A personagem que abalou todos os jogadores de Twilight Princess, confundindo-os sobre se devem gostar dela ou odiá-la. Agradou os jogadores de Ocarina of Time pelo fato de Midna não berrar "HEY!" sempre que vai ajudar, ela apenas fala algo como "Gshdajddh", e sem ser tão estridente. Fãs mais afoitos de Twilight Princess tentam esconder seu amor por Midna ao falar que ela é apenas "simpática" ou coisas do tipo, e muitos deles escondem a verdade sobre sua preferência sexual por Midna, que é aliviada através da proliferação da Internet, na forma de hentai da Midna.
  • Zant - vilão de faixada para cobrir a previsível surpresa de que Ganondorf é o verdadeiro vilão do jogo. (-"Puta, que original! Isso deve acontecer em todos Zeldas desde o A Link to the Past "). Zant tem como seus ídolos personalidade como Ivan, o terrível e o Duende Verde. O designer da Nintendo responsável por esse personagem foi cruel na representação de Zant, especialmente depois que ele revela seu rosto, já que ele repentinamente ele deixa de parecer um cara malvado, misterioso e ameaçador e passa a parecer só um palhaço idiota. Ainda bem que Midna acaba com esse desgraçado, pois senão o próprio jogador ia destruir a TV de tanta raiva daquele cara te zoando!
Ganondorf, ainda lutando contra a obesidade e o mal hálito.
  • Ganondorf - Ele perdeu suas características árabes e agora é negro subsaariano (a Nintendo continua preconceituosa pra caramba, mas pelo menos ele não está como estava em A Link to the Past). A mancha branca e brilhante em sua barriga é resultado de uma lipoaspiração mal-sucedida, já que Ganondorf estava muito gordo em Wind Waker, e não conseguiu emagrecer bem para esta sequência. É o verdadeiro chefão do jogo e vilão por trás de tudo, mostrando mais uma vez que a Nintendo não consegue fazer um Zelda sem ele, mas pelo menos a Nintendo foi imaginativa o suficiente para criar quatro batalhas diferentes com nosso querido Ganondorf.
  • Ilia - Guria que possui um estranho fetiche por zoofilia, foi introduzida para os amantes de fanfics terem mais uma guria retardada para usar nas suas shippações, porque para a história em si ela não acrescenta em nada.
  • Beth - Apenas pela aparência é possível identificar o comportamento de Beth, ela é patricinha, burra e vadia, mas vive num vilarejo fodido e por isso tenta esconder sua frustração com sua vida de merda. Quando não está dando pra cima de Link, Beth costuma assediar o príncipe Ralis. É uma clara alusão a uma menina que Shigeru Miyamoto tentou pegar quando tinha 10 anos, e é claro que não conseguiu...
  • Colin - O típico moleque viado que é vitima de bullying pelas outras crianças de Ordon Village. Na verdade, nem os pais do moleque aguentam ele direito, já que vivem dizendo para que ele seja mais corajoso e perspicaz como Link. Que pais malditos.
  • Malo - Um bebê com caxumba. Das crianças de Ordon Village, é o único que conseguiu sair daquela vidinha miserável e brilhar em algum lugar que preste! Pois abriu a sua loja, MaloMart, que possui os preços mais baixos de Hyrule em toda sua história com o logotipo "BUY IT NOW IF YOU'RE SMART! BUY IT AT MALO MART!!!!"
  • Ralis - O desaparecido príncipe dos Zoras, ou seja, o equivalente a Ruto do Ocarina of Time, e até pediu Link em casamento numa cena cortada do jogo.
  • Talo - Um moleque trombadinha que quer ser como Link. Já não basta fingir que sabe manejar uma espada, Talo também usa saia e dá berros bobos para tudo.
Oocca e seu filho Oocca Jr., galinhas de tetas que auxiliam Link a fugir de lugares chatos.
  • Oocca Uma galinha com torcicolo e tetas, e que te ajuda a sair da dungeon quando ela começa a ficar muito chata.
  • Hena - Uma das personagens mais relevantes do jogo, Hena é a dona do Fishing Pound de Twilight Princess. É para tentar agradá-la que Link esquece todas suas missões de salvar o mundo para passar horas pescando e vencendo os 10 níveis do minigame que ela mesma criou, tudo para Link ganhar a sinking lure e pescar um Jabu Jabu a meia noite, para assim ela recompensar Link com um passeio de barco que ela alega fazer somente com seus namorados.
  • Carteiro - Quando o jogo estava para ser lançado após o seu quinto adiamento, Shigeru Miyamoto decidiu que queria tornar o seu jogo ainda mais completo e melhor, exatamente o mesmo processo criativo da época em que criou o Ocarina of Time, no entanto, devido a um episódio psicótico, Miyamoto decidiu que Twilight Princess deveria ter uma falha tão horrível que nunca superaria seu obra prima do N64 (tal qual introduziu o Tingle no Majora's Mask e gráficos de criança para o Wind Waker), por isso decidiu inserir um personagem que pudesse sabotar completamente o jogo, assim incluindo esse maldito carteiro, um homem maluco que decide aparecer em horários completamente aleatórios e interromper todo o jogo para entregar uma correspondência inútil e absolutamente sem sentido. Suas entregas habituais à Link incluem: Lixo, revistas Playboy, quadrinhos e mangás escritos em línguas estranhas que Link não pode nem ler, anúncios (normalmente para porcarias, como sapatos), cupons, contas, processos criminais, notas, carta-bomba, cheques, porcarias de programas de caridade pedindo dinheiro, cartões de aniversário, fanfics e demais coisas sem uso.

Enredo[editar]

[editar]

O jogo começa com Link sendo convidado para ir para Hyrule Castle Town entregar um presente para a princesa vadia, representando seu vilarejo de caipiras. Sem responder ao convite (ele é mudo), Link e o cara que o convidou voltam para Ordon Village, o local onde Link leva uma vida infeliz sendo perseguido por crianças chatas e trabalhando feito um escravo para um rancho. Chegando perto de sua casa, repare no garoto viado que olha para você, esse é Colin, lembre-se dele pois ele não terá importância nenhuma na história.

Sem ter o que fazer em Ordon Village[editar]

Link virjão encarando os peitos da Ilia.

Mal dá tempo de Link descansar e seu chefe já está exigindo ainda mais serviço. Link deve pegar sua égua Epona que foi sequestrada por Ilia, uma menina zoófila que deseja molestar a Epona numa clareira escondida de todos. É claro que Link evita essa pouca vergonha e leva a sua Epona de volta para o Ordon Ranch, onde seu chefe o continuará escravizando e ordenando que coloque uns bichos estranhos em uma cabana.

No dia seguinte, Link é acordado por três pivetes da vila, Beth (uma menina metida a vadia), Talo (moleque inútil que pensa que um dia será como Link) e Malo (um bebê altamente suspeito). As crianças chatas estarão brigando por um estilingue, e como Link é um trombadinha nato, decide ele conseguir o item antes delas, e para isso terá que soprar uma flor para chamar uma águia e usar o pobre animal para matar um macaquinho e depois entregar um cesto de lixo, que o macaco assassinado estava segurando, para a mulher com câncer de estômago, para assim em troca receber uma ridícula vara de pescar com uma linha de comprimento mínimo e nenhum anzol, presente muito ingrato de Colin. Mas é usando essa vara que Link consegue pegar um peixe para dá-lo a um gato, e assim quando entrar na loja de souvenires onde o gato entrou, poder comprar o estilingue que as crianças tanto queriam (é esse o nível de puzzle que o jogo oferece).

Voltando para casa, aquele mané que convidou Link para ir para a suruba no castelo da princesa, avisa que acabou de fazer um arrastão deixar um presente para Link. Os três moleques chatos ainda ficam impressionados com a quantidade de dinheiro que Link possuía (fato estranho, pois o dinheiro desse jogo pode ser achado no mato, embaixo de pedras, dentro da água, acima dela também, dentro de abóboras e vasos e etc...) e mandam Link acertar uns alvos que surgem do nada e depois ainda o obrigam a pegar o presente que o pai de Colin havia deixado, uma espada ridícula, pois é a única espada no mundo feita de madeira. Mas as crianças se empolgam e mandam Link destruir seu tão querido espantalho.

Macacos[editar]

Talo, que é um neonazista e odeia macacos, é quem tem a maldita e brilhante conclusão de que com essa espada eles poderiam agora matar os "macacos" que estavam causando supostos problemas na vila (criminalidade e coisas que fascistas acusam os macacos de fazer), e por uma incrível coincidência, um desses macacos aparece justo naquele momento e as crianças correm atrás dele. Link fica feliz da vida por finalmente se livrar daqueles fascistinhas chatos, mas é encarregado de trazer os "macaquinhos" de volta, então acaba entrando na Faron Woods (em português, Floresta do Farol) e indo procurar pelos moleques, lembrando-se de comprar uma lanterna no caminho. Link acha as duas primeiras crianças mais facilmente, mas o mentor de tudo, Talo, está dentro de uma jaula, capturado pelas criaturas que desejava oprimir, preso junto com outro macaco. E assim Link salva o dia.

Porra, cadê o jogo de Zelda? Isso está uma puta de uma enrolação.

Entrando no Paredão Preto[editar]

No dia seguinte, depois de trabalhar mais como roceiro, colocando aquelas "misturas de touro com bode" dentro de uma casinha, Link perceberá que a vadia da Ilia estará levando sua égua Epona outra vez para um lago, e Link acaba indo atrás para impedir que zoofilia lésbica aconteça. Mas para flagrar a vadia, Link decide usar uma passagem secreta para chegar no tal lago, quando flagra Colin e Ilia conversando putaria com animais. Tudo parece calmo quando repentinamente um bando de maloqueiro cheirado nas drogas passa fazendo um arrastão, estes meliantes são os "Bulblins", e podem ser executados e mortos à vontade no decorrer do jogo. Neste grupo específico de maloqueiros, o mais feio dos três toca uma daquelas flautas de judeu e faz pixels pretos aparecer no céu, formando um vortex de glitches. Link, o único que não foi sequestrado pelos maloqueiros, que são também uns pedófilos filhos da puta que sequestram criancinhas para sabe-se lá o que corre sem nenhum motivo aparente para o outro lado da ponte, onde encontra o Paredão Preto, e então é puxado pra lá.

Conhecendo a Midna[editar]

Link e Midna se dando muito bem após primeiro encontro.

Dentro do paredão preto, onde tudo fica inexplicavelmente laranja e chove pixels pretos, Link é estuprado por um bicho preto, de modo que a vergonha é tanta que ele se transforma num lobo e então é preso. Na cadeia do Mundo do Contra Link-lobo encontra Midna, uma criatura que se identifica como a Rainha perdida dos Oompa Loompas e que fala de um jeito aiuansaj atvbemso pohnbkh, além de usar na cabeça um chapéu em formato de buceta de aço. Ao ver Link acorrentado, Midna ri e zomba, mas faz uma promessa interessante: "Se Link sair dali sozinho, ela a ajudaria virar humano!". O que seria um puzzle vira na verdade como se fosse uma fase de Crash Bandicoot, para chegar no final e encontra a Princesa Zelda que revela ter se tornado gótica e assexual, o que é um verdadeiro choque para o fã tradicional da série. Ela explica a Link que Hyrule foi tomada pelo Paredão Preto quando Zant, o vilão da história, fez uma ação terrorista em seu castelo e deixou todo muito depressivo e com frigidez. Ela pede ajuda à Link, pois deseja ter sua libido de volta.

Depois dessa baita baboseira, Midna zoa ainda mais e transporta Link de volta para o lago onde foi atacado. Infelizmente, Link ainda está na forma de lobo e deve obedecer a tudo que Midna fala, que o tomou como escravo para si. Link até volta para Ordon Village para tentar arrumar uma espada e um escudo. Midna avisa que para restaurar a libido perdida da Princesa Zelda, eles devem encontrar e coletar as Fused Shadows (em português, as "Sombras Fudidas") que possuem o poder de restaurar o tesão em qualquer um. Depois de conseguir os equipamentos Link ainda tem que ouvir as sábias palavras de Ordona, um Pokémon de luz que fala algo realmente importante para o enredo do jogo (mas que nem percebemos porque dormimos nessa parte chata, ou massacramos o botão pra pular tanto falatório).

Link e Midna entram novamente no Paredão Preto, para lá Midna ensinar a Link como fazer um campo de energia para matar muitos monstros ao mesmo tempo, recurso com apenas uma utilidade e nem funciona direito! Depois, Link irá falar com mais um Pokémon da luz para receber a missão de matar insetos emos para coletar suas lágrimas. Durante a busca pelos insetos, Link descobre que uma zona de Faron Woods está coberta por uma névoa tóxica, afinal foi dominada pelo tráfico e os maconheirozinhos. Ao conseguir coletar todas as bitucas de cigarro espalhadas no local, Link vira novamente um humano e poderá ir para o Forest Temple, é lá que você conhece Oocca.

Forest Temple (de novo?)[editar]

Chefão de Twilight Princess tentando imitar Resident Evil 4.

Nesse templo de nome repetido, Link tem que salvar os macacos que tinha feito ele sofrer uns minutos antes. Ele descobre, que embora sejam degenerados drogados, eles eram vítimas da sociedade e não praticavam suas arruaças por querer, então simpatizando com a sua causa, Link decide arriscar sua vida para resgatar toda a família de macacos. Descobre ainda que nem todos macacos são do mal, e que os macacos agressivos são na verdade apenas aqueles que estão sofrendo de hemorroidas, das brabas, identificáveis pelo tamanho de seus glúteos inflamados e avermelhados.

É nesse templo que Link consegue o Gale Boomerang, uma versão com upgrade dos bumerangues teleguiados encontrados em todos jogos de Zelda, pois este além de ser teleguiado, ainda faz um ventinho para quando estiver calor.

É só depois de resgatar todos macaquinhos que Link pode ir para a sala do chefão, usando os macacos como uma corda-viva, provando que no final das contas Link só salvou aquelas pestes por puro interesse. O chefão é o Diababa, uma planta tão alucinógena que possui um olho do cu na boca, e seria um chefe ameaçador se não morresse numas três porradas.

Indo pra Hyrule[editar]

Depois de enfrentar o chefão do tão odiado Forest Temple, Link adquire a sua primeira Fused Shadow, que Midna toma dele com todo o carinho. É só então que Link poderá ir para Hyrule Field, mas vai se frustrar em perceber que o jogo não é de mundo aberto, mas sim linear, porque tem uma porra de paredão preto tampando todas saídas, e onde deveria ter uma ponte para o castelo, a ponte sumiu! Link então deve contactar a Odebrecht para tentar compreender p que está havendo no atraso dessa obra, e descobrir que ele próprio é quem deve reconstruir a ponte se está assim tão insatisfeito. Ainda bem que Link pode usar o poder de teletransporte de Midna para levitar uns paralelepípedos gigantes e construir a ponte, para assim chegar na Kakariko Village.

Kakariko Village[editar]

O reino de Hyrule precisava de dinheiro para construir uma Hyrule Castle Town que não fosse só uma pracinha e uma ruela (como em Ocarina of Time), então pararam de repassar verba para Kakariko Village que desde então só empobreceu, transformando-se numa favela fodida, abandonada e decadente. Andando um pouco por ali, Link recebe instruções de um outro Pokémon lendário de luz, um tal de Eldin, que o ordena matar mais insetos emos. É trabalhando como exterminador de pragas em Kakariko Village que eventualmente Link encontra uma casa onde estão todas as crianças perdidas da Ordon Village, Beth, Colin, Malo e Talo, aparentemente traumatizadas após tudo o que sofreram nas mãos dos pedófilos desgraçados que as raptaram. Ao terminar seu serviço de extermínio, Link vira um humano gnomo novamente, e então se vê apto a visitar a Death Montain, depois é claro de dizer (Link não fala) receber "oi" de todas as criancinhas otárias.

Tentando escalar Death Mountain[editar]

Neste momento, pode aumentar o volume de sua TV para aproveitar a ÚNICA música do Twilight Princess que foi realmente composta por pessoas vivas. Depois de escalar o pequeno trecho de uma grade de metal, um Goron estará lá em cima para dar as boas vindas à Link, que recebe com todo carinho a saudação amigável...

AH! É PROIBIDO DUENDES!

Depois de receber o abraço mortal, Link é forçado a regressar para Kakariko Village e receber instruções do pedófilo de nome Ronaldo. Link deve voltar para Ordon Village e avisar a todo mundo que as crianças estão em Kakariko, além de pedir ajuda ao chefe da vila para escalar Death Mountain. Como ir a pé até Ordon Village é um saco, por sorte Epona aparece, mas como está com uma cenoura fincada no ânus, está muito agitada e Link precisa fazer todo um trabalho para domá-la novamente e assim tê-la como montaria novamente.

De volta em Ordon Village, após avisar todo mundo que as crianças estão bem e que vão até abrir um negócio em Kakariko, Link aproveita para falar com o chefe da vila pedindo alguns ensinamentos sobre como lutar sumô, mas sabendo que Link não é apto, apenas entrega para ele as famosas Iron Boots, mais um item reciclado de Ocarina of Time. Usando essas botas é possível emperrar aquele Goron e escalar a Death Mountain.

King Bulblin e a escalada de Death Mountain[editar]

Enquanto isso, em Kakariko Village", o chefe do tráfico de drogas aparece para tentar compreender porque ninguém mais está comprando o seu crack, uns seres chamados de "bulblins". Beth, sendo uma patricinha mimada completamente desmiolada, fica no caminho do mortífero trafica e acaba sendo salva por Colin que é quem sofre as consequências de se meter com um pica do tráfico... Link aparece e começa a perseguir o meliante, devido à ausência de polícia armada na região, bandido este que amarrou Colin num mastro como se fosse uma bandeira.

Cquote1.png Ha Ha! Cquote2.png
Nelson sobre Colin.

Link deve matar o chefão do tráfico da região num duelo na ponte para só então ficar apto a escalar Death Mountain. Montanha, que aliás, não está tão tosca como aquela avistada no Ocarina of Time, mas qualquer geólogo decente é capaz de cortar as bolas para provar que "aquilo" nunca vai ser uma montanha. Mas chegando no topo, Link pode lutar sumô com o chefe dos Gorons: Darunia Gor Coron, para que depois de vencer a disputa, contrariando qualquer lógica das leis da física de ação e reação, força e trabalho, Link poderá ganhar seu passe para visitar a Dodongo's Cavern Goron Mines.

Goron Mines[editar]

Fyrus reclamando da hemorroida.

Caso a Nintendo não tenha cometido a trollada de zoar a cara dos fãs da franquia The Legend of Zelda criando aquela palhaçada chamada Wind Waker, talvez a Dragon Roost Cavern tenha sido uma Goron Mines, porque a lógica é basicamente a mesma, um ambiente o qual Link deve magicamente petrificar lava enquanto constantemente ignora todos princípios de todas as três leis da termodinâmica. Na verdade criando a Lei -1 da Termodinâmica, que diz que um balde de água fria resfria lava incandescente.

As minas dos Gorons são um dos ambientes de trabalho mais perigosos do mundo, tenha dó dos gorons que trabalham nessas minas, e sem nenhum adicional de insalubridade. É nesse local que Link ganha o seu precioso arco e flechas, um item tão mal configurado para ser utilizado que tiveram até que fazer um jogo todo separado, chamado Link's Crossbow Training, forçando o jogador a lidar com a arte de como domar esse arco e flecha nada preciso.

O chefão final da dungeon é o Fyrus, um goron que tocou num pedaço de Sombra Fudida (Fused Shadow, lembra?) e contraiu um câncer no ânus que o deixou furioso e incontrolável num constante estado berserker. Midna já havia alertado que pessoas normais (praticantes de apenas sexo vanilla) não deveriam tocar em seus brinquedos sexuais mágicos justamente sob esse perigo, de não aguentarem os efeitos que o artefato pode causar em seus corpos. Cabe a Link encher esse Goron de porrada até convencê-lo que masoquismo não é bom, e assim exorcizá-lo com uma amoeba preta gigante.

Depois de Goron Mines[editar]

Batalha terminada e Link recebe mais uma Fused Shadow, que é afanada pela Midna como a peça anterior. Gor Coron, agradecido que Link tenha matado aquele balofo flamejante e exorcizado o amigo, decidiu voltar a fazer negócio com Kakariko Village. Após anos mergulhados na pobreza, os habitantes de Kakarikos puderam reabrir suas inúmeras duas lojas de artigos para terroristas, onde Link pode comprar suas preciosas bombas que guarda amarrado ao corpo, e assim Link poderá aproveitar muito bem o São João com muitas bombinhas ir para novas zonas de Hyrule Field onde antes ele só tinha conhecido durante a briga com aquele maldito trafica.

Aquela ponte mal feita feita por Link, tal qual a Linha Vermelha, presencia um furto e a própria ponte é roubada e levada para sei lá onde, e aqueles bichos feios do Paredão Preto aparecem para infernizar o local. Agora Link perambula sem rumo, procurando novos paredões pretos para manter o jogo bem linear. Ainda, se quiser, é possível visitar uma crackolandia que fica na periferia de Kakariko Village, chamada de Hidden Village.

Lake Hylia alaranjada[editar]

Entrando no tão querido próximo Paredão Preto, Link chega no saudoso Lake Hylia(Em português, "Lago Ilha"). Midna afirma que o lago parece seco, mas um fã de Ocarina of Time acharia que o lago está incrivelmente inundado. Um crackudo dos pequenos aparece, mostrando que eles estão mesmo infestando o mundo após a liberação das drogas recreativas. Enquanto fumava seu baseado, ele acaba botando fogo na gasolina que está na ponte, quase torrando Link junto.

Link pula no lago e decide visitar mais um Pokémon lendário, dessa vez o Lanayru, que não informa nada de relevante, como sempre, apenas paga um passeio pelas corredeiras do Hopi Hari e assim Link desce um cânion infinito achando que está competindo de caiaque nas olimpíadas. A água está laranja porque o rompimento de barragem de Mariana despejou toneladas de litros de rejeito na Lake Hylia.

Mas no final da corredeira, O MAIOR MEDO DOS FÃS DE OCARINA OF TIME!!!!!! ZORA'S DOMAIN CONGELADA!!!! NADA DESCONGELOU AQUELA PORRA DESDE A HISTÓRIA DO OCARINA OF TIME!!! Então estava na hora de Link fazer o favor que estava devendo a 100 anos. Ao contrário do jogo de N64, em Twilight Princess há ainda todo um sadismo em exibir os corpos dos zoras congelados, como uma tilápia esquecida no fundo de um freezer de barzinho. Para tirá-los de lá Link volta para a Death Mountain onde consegue pegar, usando os poderes de teleporte da Midna, um enorme empadão esturricado e requentado de uns 10 metros de altura. Arremessando aquele objeto no gelo dos zoras, a Zora's Domain é finalmente descongelada! Percebendo que Link é uma espécie de viciado em fazer favores supérfluos a qualquer um que peça, uma zora-boto-cor-de-rosa fantasmagórica pede para que salve o príncipe dos Zoras, o príncipe Ralis, um zora que se acha um duende e está desaparecido (agora como, mesmo após 100 anos congelados e criogenizados, ela sabe que está faltando um príncipe, isso não tem como saber).

Entrando pelo Ralo[editar]

A nintendo também aprendeu a fazer um Zora decente!

Zora's Domain descongelada e Lake Hylia mais parecida com um lago de verdade, fãs de Ocarina of Time tem um ataque epilético sempre que jogam essa parte do Twilight Princess. O importante é que agora Link pode conhecer o espírito da luz Lanayro e recebe a missão de catar todos os catarros expelidos pelos insetos da região. Acostumando-se ao seu emprego de exterminadr de pragas, Link acaba percebendo que a última barata estará em Hyrule Castle Town, onde Midna aproveita e zomba de Link por estar apaixonado por Ilia mesmo sabendo que aquela guria se amarra numa zoofilia, afinal, quando Link reencontra a sua amiga, ela está junto com o príncipe Ralis e na maior agarração, o príncipe inclusive está desmaiado por não aguentar mais aquela zoofilia com peixes. Mas eles não são importantes no momento, visto que Link está na forma de lobo, e precisa matar o último baratão do mundo para voltar a ser um humano e ir falar com o príncipe Ralis...

Um médico sensato se nega a salvar o pobre Zora por não compactuar com bestialidade. Ilia, Ralis e Telma (A dona do bar em que estavam) não tem como ir para o veterinário em Kakariko Village para salvar o Zora e estavam muito precisando de ajuda, ainda mais porque os guardas corintianos de Hyrule se negam a mover um dedo, mas por sorte Link vai ter entrado no bar na mesma hora, e agora ele tem que ajudar.

Cquote1.png Porra! Eu só queria uma bebida... Cquote2.png
Link sobre a ajuda que terá que dar...

E assim Link começa a ajudar os malditos, momento que acha que Ilia está com amnésia, quando na verdade a guria só está fingindo que não o conhece, por saber que Link é um grande empata-fodas das aventuras zoofílicas de Ilia.

Ilia, Telma e o moribundo Ralis então decidem se acomodar dentro de uma carruagem altamente inflamável junto com um carregamento de gasolina a pedido dos habitantes de Kakariko, enquanto Link fica de guarda em sua égua Epona para matar qualquer trombadinha que apareça no caminho querendo fazer arrastão, e para eventualmente apagar o fogo da carruagem. No trajeto curto e aparentemente simples, irá aparecer nada mais, nada menos que mais de 8000 malditos crackudos, como sinal que Hyrule está numa grave decadência. Mas eventualmente Link e sua comitiva chegam ao veterinário em Kakariko Village, Ralis se hospeda no hotel vagabundo de lá e depois que ele melhora de saúde, como pagamento, entrega uma camisa do Chelsea para Link, que permite o herói entrar em Lakebed Temple, e só sua localização já traz profundas lembranças de tortura para os fãs de Ocarina of Time.

Lakebed Temple[editar]

Link tentando não ser comido por tentáculos japoneses...

Twilight Princess se zera em 50 horas, sendo que 10 delas são dedicadas ao Lakebed Temple. O jogador masoquista que atravessou o Water Temple em Ocarina of Time e depois o Great Bay Temple em Majora's Mask tem um verdadeiro deleite quando chega em Lakebed Temple, porque o local consome tuas energias psicológicas ao forçar o jogador a um entra e sai da água, tira e põe bota de ferro, ativa e desativa engrenagens e gira pra lá e pra cá uma escadaria, além de forçar o uso constante de uma novíssima Water Bomb, nome dado a um baiacu explosivo que Link usa para vandalizar ambientes subaquáticos.

Link encontra um sapo obeso e beiçudo que está com indigestão por ter comido um baú inteiro com tesouro, e claro que o herói está nem aí e assassina o inocente animal afinal de avidamente extrair de sua pança aquele tesouro, momento em que Link ganha o Clawshot, uma versão melhorada do Hookshot porque mermite que Link fique pendurado no teto como se fosse um lustre.

O chefão final é o Morpheel, um animal que sofre preconceito por sua feiura, mas é que é absolutamente inofensivo. Claro que Link está nem aí para os complexos desse peixe que se parece uma piroca gigante e com fimose além de um cu prolapsado, um animal que sente tanta vergonha de sua aparência que está enterrado na areia fingindo ser uma amoeba. Essa mistura de Morpha com Gyorg é assassinado a sangue frio e Link adquire seu coração e a última Fused Shadow.

Midna, não morra![editar]

Mangá canônico demonstrando o motivo de Midna não querer sair de cima de Link, mesmo após livre dessa maldição.

Depois que Link Midna adquire a terceira e ultima Fused Shadow que precisava, o jogador fica feliz da vida achando que finalmente completou o jogo, que agora que tinha todas as Fused Shadows, iria enfrentar Zant e pronto! Achou errado otário!

Esses jogadores se esquecem da mania Nintendista de colocar finais falsos nos jogos de Zelda. Se não for Ganondorf o vilão final, já pode suspeitar que ainda virá mais umas horas de jogatina aí. Ao matar Morpheel, Midna teletransporta Link para a casa de Lanayru, e apesar do silêncio e da aura de paz do lugar, Zant aparece do nada, transforma Link em lobo e toda Hyrule em Paredão Preto de novo!

Cquote1.png Seu filho da puta do caralho! Vai tomar no cu seu imbecil de merda chupa-rola! Cquote2.png
Midna num acesso de Dercy sobre Zant cagando tudo

-"Vai ser por onde, frente ou trás?"

Zant ainda usa telepatia para prender Midna no ar e sodomizá-la livremente, além de roubar as Fused Shadows que ela demorou tanto pra reunir. Como ela se recusa a casar com Zant, pois não tem tesão por emos-góticos e prefere furries, ela é exposta ao poder da luz de Lanayru e se fode por completo, ficando quase sem energias e a beira da morte...

Link e Midna (quase morta) aparecem em Hyrule Field durante uma tempestade e Link, sabendo que a princesa Zelda tem experiência em erguer defuntos, carrega Midna para ela o mais rápido possível... Deve-se destacar que esta cena comovente do Twilight Princess foi o momento crucial para a adoração a Midna surgir, e consequentemente a crianção da versão pornográfica referente a ela. Porém, chegando em Hyrule Castle Town em forma espiritual sems er enxergado por ninguém, Link precisa ir ao bar da Telma para falar com o gato suspeito. Depois é só seguir o jogo novamente como se fosse uma fase de Crash Bandicoot até chegar na Zelda de novo.

A Princesa Zelda, com ciúmes por ver Link se dando bem com outra piranha (a Midna), mas ao mesmo tempo ainda afetada pela frigidez da maldição de Zant, decide num ataque de crise emo cortar os pulsos e suicidar de vez, de modo que por algum milagre isso salvou a vida de Midna, fazendo assim com que Midna virasse um membro do mundo da luz.

Link, todavia, ainda está em sua forma lupina, o que deve fazer é ir para Sacred Grove para pegar uma espada lendária e assim virar um humano novamente, adivinha que espada é essa?!?! Isso mesmo, a Picuri Sword. Essa espada está localizada dentro de uma floresta extremamente parecida com Lost Woods, inclusive o fato de fazer você ficar duas inacabáveis horas perdido procurando pelo caminho certo (Nesse caso, o caminho que um Skull Kid irá "mostrar").

Cquote1.png CARALHOOOOOOOOOOOOOOOOOOO! É A MUSIQUINHA DE LOST WOODS!!!!! Cquote2.png
Fã de Ocarina of Time ao ouvir a musiquinha Saria's Song do Sacred Grove

Após as tais duas horas e o assassinato de um Skull Kid, Link entra numas ruínas abandonadas e lá soluciona um puzzle para continuar o jogo.AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!! Depois que você passar pelo Puzzle, Link poderá usar uma espada de verdade e terá a habilidade de se transformar em lobo quando quiser, além de poder se teleportar o quando quiser.

Aumentando o tempo de jogo[editar]

O jogador então descobre que ainda tem muito mais o que fazer nesse jogo. Por enquanto precisa adivinhar que deve ir ao Lake Hylia falar com um cara desocupado que habita uma torre e ele fala sobre Gerudo Desert, que até agora aparentava não aparecer no Twilight Princess, mas que realmente existe. O cara entrega a Link uma carta e essa pode ser dada para um dos palhaços de Lake Hylia, um primo frustrado do Tingle que infelizmente não apareceu nesse jogo. Esse dá em Link uma "canhãozada" e o envia para o Gerudo Desert. Ao contrário do tema carismático da Gerudo Valley de Ocarina of Time, a música de Twilight Princess é tosca e artificial, então mantenha sua TV no mudo, como está desde o começo do jogo.

Link atravessa o Gerudo Desert inteiro, sem poder usar um cavalo, enquanto eventualmente extingue a fauna nativa já escassa da região. Nem mesmo criaturas já mortas, como esqueletos, escapam da fúria por destruição de Link, que os despedaça por completo todos também. E assim Link chega em Arbiter's Grounds.

Arbiter's Grounds[editar]

O fóssil do bucetossaurus mossexualis, um grande vilão do jogo.

O início dos "Chãos Arbitrários", conhecido por fãs de Ocarina of Time como "Templo da Areia", é igualzinho ao Forest Temple do Ocarina of Time, exceto que é completamente diferente, mas há 4 fantasmas do Ronaldinho Gaúcho (reconhecíveis pela gengiva) para caçar para que abram uma porta. Agora se vira pra pegar a Boss Key que está na sala ao lado.

É neste local que Link adquire uma Beyblade, que por questões de direitos autorais é chamada de "Fidget Spinner", que como sugere o nome, serve para o Link andar de pião-skate e acionar diversos mecanismos ao redor de toda a Hyrule, e principalmente dentro de Arbiter's Grounds, que possuem o encaixe perfeito para esse item.

O chefão local é o fóssil do bucetossaurus mossexualis, um monstro mítico e dado como extinto, mas que é ressuscitado por uma macumba de Zant. Mas apensar do tamanho, mantendo a tradição do jogo, ele é tão fácil e ridículo como os chefões anteriores, apesar de todo seu tamanho e cara de mau. É justamente por ser um enviado do capeta que justamente sua fraqueza são fidget spinners, que quebram a sua coluna vertebral. Ele até tenta um round 2 tornando-se uma cabeça flutuante, porém mais golpes de fidget spinner o nocauteia de vez.

GELAAAAAAAAAAADA![editar]

No topo dos Chãos Arbitrários Link encontra um grupo de 5 velhotes caquéticos que não possuem a capacidade de falar, por terem perdido suas dentadura, mas que conversam via telepatia. Eles que revelam o principal vilão do jogo, que é o Ganondorf. Nossa, que revelação imprevisível para quem nunca jogou um Zelda na vida! Eles revelam que um deles fez aulas a distância de medicina com o Dr. Rey, e que na hora de realizar uma lipoaspiração no Ganondorf, acabou por acidente realizando uma cirurgia de troca de sexo, deixando-o furioso, embora a castração não tenha ocorrido e cirurgia tenha sido parada na hora que o velhote botou os bobs na cabeça do Ganon. Como ele ameaçou processar todos aqueles velhotes no tribunal, eles acharam por bem transformar Ganon nuns pixels e enviá-lo para o Dark World, onde ele vai encontrar Zant e convencer aquele emo que deve virar gótico, e assim começar toda a confusão do jogo, com góticos e crackudos começando a dominar o mundo.

Link também descobre que o espelho, usado na cirurgia mal sucedida de lipoaspiração de Ganondorf e que leva ao mundo do Paredão Preto foi quebrado em três pedaços que devem ser reunidos, mas como ele já explorou Hyrule inteira, deve ir procurar esses pedaços no mundo de Majora's Mask (ou não). O primeiro fragmento então está em Snow Head Temple.

Link então deve virar um lobo e passar a agir como se estivesse num desenho animado da Hannah Barbera, perseguindo o cheiro de peixe no ar para então chegar na Snowpeak Mountain, o mais novo e inesperado lugar de Hyrule. Depois de escalar a montanha gelada, Link verá Yeto, um yeti (-"Isto non exsiste!") bem amigável que o desafia para uma competição de SSX, para que assim cheguem na Snowpeak Ruins, o casebre onde vive um casal de yetis.

Snowpeak Ruins[editar]

Link espancando mais uma mulher sem a menor culpa.

Depois de uma rodada de snowsurf com o Yeto, é hora de Link procurar pela primeira Mirror Shard, que está no quarto mais elevado da mansão dos Yetis, mas a chave para o quarto está escondido no quarto mais difícil de alcançar da mansão. Yeta (a esposa de Yeto), dará a Link duas localizações falsas, já que ela é uma preguiçosa e não estava afim de ir buscar comida para seu marido Yeto.

É nessa dungeon que Link ganha a Ball and Chain, o maior item que Link carrega enfiado no cu, e finalmente, após 20 anos, Link pode usar a arma daquele maldito primeiro subchefe de A Link to the Past. Depois de ficar que nem barata tonta pela mansão dos monstros, Yeta finalmente entrega a localização certa da Bedroom Key, o nome alternativo da Boss Key, e o motivo dela estar enrolando Link fica bem claro quando aquele bicho se transforma em Blizzeta, uma mistura de Blizzard com buceta. Yeta foi possuída pelo capeta de dentro do espelho, precisando apanhar para voltar ao normal. Pelo menos essa Link não assassina a sangue frio, como a maioria dos outros chefões.

Se perdendo de novo...[editar]

Não interessa quantas vezes a mãe de Link fale para ele não entrar na floresta, Link continua entrando. Depois de pegar a primeira Mirror Shard que Yeta estava guardando, Link volta para Lost Woods Sacred Grove, as ruínas abandonadas onde ele pegou a Picuri Sword, mas desta vez ele pode empurrar uma caixa que permite acesso por uma escada destruída, assim ele pode guardar a espada isiota de novo e encontra numa porta que uma estátua guardava e aparentemente não dava em lugar algum, mas depois que Link passa por ela, os fãs de Ocarina of Time tem mais um ataque epilético.

Cquote1.png CARALHOOOOO! É O TEMPLE OF TIME!!!! Cquote2.png
Fã de Ocarina of Time quando vê seu querido Temple of Time...

E assim Link entra no Temple of Time subindo por umas escadas coloridas através de uma cutscene épica que é atrapalhada por um Oocca correndo feito uma louca para entrar no templo antes de você, estragando toda a seriedade da cena.

Temple of Time[editar]

Mais uma grandiosa inovação nos gráficos realistas de Twilight Princess.

Cquote1.png Iiiiiii iiii Iiiiii iiii iiii Iiiii i-i-i-i-i i-i-i-i-i-i... Cquote2.png
Tema do Temple of Time

Apesar de toda nostalgia causada num primeiro impacto, na prática o Temple of Time serve para reciclar tudo o que qualquer um já viu na Tower of Gods de Wind Waker, um joguinho tosco que ninguém tem a menor nostalgia. Mas uma vez chegando ao topo do templo, Link descobre, aterrorizado, que está é em uma boate de go-go-boys, e que deve auxiliar o strip tease de um baita bofe cheio de espadas grossas, mas uma vez matando esse tarado pervertido, Link tem acesso à Domination Rod, que permite enfeitiçar um objeto inanimado para que essa possa se mover livremente, ou seja, apenas um brinquedo sexual da Princesa Zelda.

Agora Link apenas tem que conseguir descer todo o templo com uma estátua incapaz de pular para fazê-la abrir a porta para o chefão do templo, um carinha bem familiar aos fãs de Zelda, o Armogohma, uma aranha cabeluda gigantesca cuja enorme facilidade em matar confunde o jogador em enganá-lo que o final está próximo e não haverá nenhum chefão difícil no jogo.

Mini-Quests e a poluição da atmosfera[editar]

Quando Link sair do templo com sua mais nova Domination Rod ele perceberá que as baterias daquele bastão maldito acabaram, e durante sua busca por baterias novas Link é obrigado a resgatar as memórias de Ilia, afinal não há psicólogos para curar amnésias disponíveis. Na casa em Kakariko Village em que estavam as crianças quando ainda havia Paredão Preto estará Ilia em sua versão retardada, dois Gorons, Renado e um jogador de Tibia no porão, prato cheio para uma suruba.

O tal nerd pedirá a você que ache um monte de estátuas por Hyrule, e como Link nunca questiona, só obedece, começa a perambular por aí apertando o "A" no lugar em que a estátuas estão... mas como Link irá mexe-las? Por mais aleatório que seja, a resposta está em ir para aquela crackolandia perto de Kakariko Village para brincar de cowboy com um monte de crsackudos. Depois disso o nerd que está no porão da casa em Kakariko Village recita um poema em simlish e sua Domination Rod é recarregada de novo, e é com ela que Link irá mover as estátuas.

Depois de juntar aquela coisa que fica guardada debaixo das estátuas, Link retorna para o seu amigo nerd mais uma e mostra o livro de dicas de Tibia o criou para ele, e assim Link poderá abrir um caminho novo e achar um vibrador gigante! O nerd, impressionado com o tamanho do vibrador, irá ficar babando, e só sairá dali quando Link mandar ele parar com toda a viadagem! Midna transporta o vibrador gigantesco para um ponto em Lake Hylia, onde Link deve pagar 300 RUPEES para o palhaço em Lake Hylia consertar aquele vibrador colossal, e assim quem sabe Link restaura a libido perdida da Princesa Zelda. Mas claro, antes de entregar tal vibrador para a princesa, Link decide testar em si para se certificar de sua qualidade, mas acaba gozado lançado aos céus... Depois de voar por alguns instantes junto com Oocca, Link cai num lugar onde NUNCA chove nem fica de noite, a cidade natal dos Oocca! Bem vindo a Bespin.

City in the Sky[editar]

Local arquitetado especialmente por MC Escher (apesar do nome, não é um funkeiro) como uma obra psicodélica chamada Outro Mundo. Já estamos nos 90% finais do jogo e até agora nada de realmente criativo foi avistado, reforçando a tese que Twilight Princess foi feito às pressas após terem cagado tudo com Wind Waker com gráficos para crianças debiloides, e esse templo continua com várias coisas recicladas, mas de Metroid Prime 3, com a única diferença básica que Link não vira uma bola e não atira um canhão, mas que sai se pendurando por aí usando um par de Grapple Lasso da Samus clawshots, adquiridas após uma batalha contra Defense Drone Ghor um lagarto com asas. Como tem dois desses, vende um deles no e-Bay.

O chefão final do local é um urubu gigante e com raiva chamado Argorok. Momento em que finalmente começa a chover no local. Ele talvez seja o chefe mais difício de todo o jogo, mas não porque requira alguma habilidade extraordinária do jogador, mas sim porque ficar usando aquele Grapple Lasso da Samus pra lá e pra cá é um saco e o controle é todo bugado pra isso.

Palace of Twilight[editar]

É inacreditável que o grande vilão de Twilight Princess seja esse fracassado!

Depois de pegar a última Mirror Shards, o Twilight Mirror poderá ser recontruído e utilizável de novo, então Link e Midna entram no Paredão Preto através do portal que foi aberto pelo espelho. Desta vez não há pixels pretos saindo do chão nem aquela maldita coloração alaranjada, mas sim uma coloração azul-esverdeada e uma fumaça preta em vários lugares que te transformam em lobo contra a sua vontade. Este é o Palace of Twilight, onde você pode finalmente correr logo para poder terminar logo esse jogo!

Nesse local zoado Link deve coletar todas as sete esferas do dragão amaldiçoadas para dar um power-up na sua Picuri Sword e se livrar da poluição local que o força a se transformar em lobo, mas cuidado para não deixar a mão sombria pegar nas "suas bolas".

Cquote1.png Isto se chama Sol. É como o Sol do seu mundo... Cquote2.png
Midna sobre esferas do dragão amaldiçoadas.

É nesse momento em que Link finalmente enfrenta o vilão Zant, momento também do maior plot-twist do jogo acontece e descobrimos que aquele gótico com cara de malvado não passa de um retardado palhaço que tem como sonho, na verdade, ser igual ao Tingle, e por isso criou todo esse caos no mundo, só por frustração. É claro que isso incentiva o jogador a bater com ainda mais vontade nesse otário, matando-o no final.

Hyrule Castle[editar]

Uma surpresa do jogo, a Princesa Zelda assume seu caso com Ganondorf e se torna a último chefão.

Link pegou todas as Fused Shadows e todas as Mirror Shards, salvou Zora's Domain e ajudou os Gorons, ajudou e salvou todas as crianças de Ordon Village, brincou com o Skull Kid, ajudou todos os espíritos da luz, pescou um lambari de 20 quilos, recuperou a memória de Ilia, pegou a Picuri Sword, exterminou todos insetos do mundo, matou Zant e todos os chefes e sub-chefes de todos os dungeons. A única coisa que Link não fez foi comer Ilia, mas não é hora pra isso, é hora de ir matar Ganondorf e curar a frigidez da princesa Zelda!

Midna irá usar suas Fused Shadows para se transformar em uma amoeba gigante e destruir o lacre em volta de Hyrule Castle para deixar Link passar pelo último dungeon do jogo! Para garantir umas horinhas a mais de gameplay, é preciso enfrentar novamente muitos chefões re-reciclados, até ter acesso a um livro sagrado, o Kama Sutra, que contém todos os segredos de restaurar a libido perdida de Zelda.

Ao contrário do Hyrule Castle do Ocarina of Time, este castelo tem só 4 andares, já que os arquitetos não quiseram construir de novo os 64 andares de escadarias. Ainda bem pois Link não queria descer ou subir mais nenhum degrau, tanto que para chegar ao 2º andar, você precisa usar o Clawshot.

Mas chegando no quarto da Princesa Zelda, Link tem uma surpresa aterroradora, e descobre que Ganondorf já estava ali há muito tempo dando vários pegas na vadia e curando a frigidez dela com um grosso BBC com muito BDSM, transformando-a, inclusive, em sua escrava sexual com o apelido de "Ganon's Puppet: Zelda". A cena é chocante, e ela inclusive faz algo quer nunca fez, tenta humilhar Link reclamando de seu pênis diminuto e os dois até brigam. Talvez o pênis de duende de Link realmente não seja grandes coisas, mas com um pouco de violência contra a mulher ele espanca a princesa e põe juízo de volta na cabeça dela.

É então que o vilão final aparece em sua forma de Giant Pig Ganon, mas fazendo jus a todos os demais chefões e subchefões do jogo, é o mais fácil Ganondorf de matar de todos os Zeldas. Ele até tenta levar uma batalha de cavalos para tentar se aproveitar do controle do Wii que é péssimo pra controlar a Epona, mas também apanha. Então a luta final e verdadeira contra Ganondorf é um duelo de espadas dentro de um círculo de fogo, que acaba morto com um golpe no bucho.

Os fãs de hentai da Midna vão ao delírio ao descobrir a verdadeira forma dela, que não é apenas uma diabinha cartunizada de 1 metro de altura, mas sim de uma bela mulher de pele azul e cabelos laranjas. Mundo salvo. Princesa Zelda recupera sua libido. Ganondorf morto. Mas não foi dessa vez que Link perdeu sua virgindade.

Depois de zerar[editar]

Como se não bastasse passar 50 horas zerando esse Zelda, há um bando de sidequest cretina que pode ser executada pelos jogadores mais fanáticos, como ir coletar os 60 cus de fantasmas (os poes), achar todos os pedaços de coração para rituais satânicos, melhorar sua aljava, aumentar sua carteira, aumentar sua bolsa de bombas, melhorar seu escudo, conseguir uma máscara de binóculo para voyeurismo, pegar bombas que andam, arranjar uma Magic Armor e todos os quatro potes de vidro! Pensa que vida de gamer profissional é mole?

Cave of Ordeals[editar]

Cquote1.png Agora vai meu rabo Link! Cquote2.png

Um famoso puteiro subterrâneo localizado em Gerudo Desert que funciona como uma espécie de survival onde Link, fase após fase, tem que assassianr todo mundo que encontra pela frente no seu desesperado objetivo de perder a virgindade com uma putinha de topless no final desse desafio. Após tanta expectativa para comer a belíssima Great Fary, tudo o que Link consegue após atravessar esse inferno e fazer um verdadeiro banho de sangue com as vísceras dos seus inimigos, é um pote com um horrível suco de beterraba que dizem que te deixa mais forte, mas cujos efeitos somem mais rápido que a estrelinha do especial do Super Mario. Um estudo aprofundado da engine do jogo mostra que Link pode comer a Great Fary se ele juntar dinheiro suficiente para isso, mas ninguém conseguiu isso até hoje, já que só é possível passar da caverna inteira com a Magic Armor.

Recepção[editar]

Twilight Princess, que costuma ser chamado em fóruns na internet de "TP", que por "coincidência" também é sigla para papel higiênico em inglês. Pode-se dizer que literalmente que você limpa merda com The Legend of Zelda Twilight Princess. Mas como é um remake que reaproveita de tudo dos jogos anteriores da franquia, acabou sendo elogiado. Caso queira jogar um suposto "Twilight Princess 2", jogue Okami.