The Magic Numbers

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
GuardasInglaterra.jpg GOD SAVE THE DESCIC£OPEDIA!!

The Merlim's Order First Class garante que este artigo é 100% inglês. Ele é industrializado, casto, vitoriano e tem a aprovação de £ewis Hamilton.

Se o artigo for sem graça, é apenas humor britânico.
Willliampre.jpg
Buddy Guy com tres na cama.jpg

Ritchie Blackmore deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.

Arband.jpg Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.

Certamente, seus fãs idiotas alienados o odiarão!

The Magic Numbers
The Magic Numbers.jpg
Espaço é curto, quase um curral...
Origem Ealing
País Bandeira da Inglaterra Inglaterra
Período 2002 - Atualmente
Gênero(s) Indie Rock
Gravadora(s) {{{gravadora}}}
Integrante(s) Romeo Stodart;
Michele Stodart;
Angela Gannon;
Sean Gannon.
Ex-integrante(s) {{{exintegrantes}}}
Site oficial {{{site}}}
NewBouncywikilogo.gif
Para os neo-ateus que preferem acreditar em mentiras, os supostos experts da Wikipédia têm um artigo sobre: The Magic Numbers.

Babel fish.gifTraduzindo: Os Números Mágicos
Babel Fish sobre The Magic Numbers
Cquote1.png Você quis dizer: Fat Family britânico Cquote2.png
Google sobre The Magic Numbers
Cquote1.png Você quis dizer: BTO britânico Cquote2.png
Google sobre The Magic Numbers
Cquote1.png Você quis dizer: Brothers & Sisters Cquote2.png
Google sobre The Magic Numbers
Cquote1.png É a prova que gordinhos podem tocar rock! Cquote2.png
Gordo sobre The Magic Numbers
Cquote1.png Minha banda favorita! Cquote2.png
Gordo sobre The Magic Numbers
Cquote1.png Toca Raul! Cquote2.png
Brasileiro em show do The Magic Numbers
Cquote1.png É emo! Cquote2.png
Guri retardado sobre The Magic Numbers

THE MAGIC NUMBERS é uma banda Indie (pensando bem, com esse nome, era isso que eu esperava deles), ou seja, se você não a conhece, tudo bem: você se surpreenderia ao descobrir que isso de não conhecer bandas Indie é até normal.

Encontraram um nicho no meio do rock: nunca existiu uma banda que fosse só de gordinhos, o mais próximo que existia disso é o BTO, onde só alguns eram gordinhos e o The Gossip, com a vocalista Beth Ditto sendo motivo de orgulho de uma porrada de gente: gordinhos, gays, Indies e em ONGs que juntam gente que venceu a anorexia pra ajudar quem ainda está na luta. E eles queriam manter o legado dos “gordinhos do rock”, criando essa banda, que é a favorita da população acima do peso.

Começando:[editar]

Posando pra foto Indie

Tudo começa quando Romeo Stodart, um luso/escocês nascido em Trinidad e Tobago, ou seja, uma Torre de Babel em pessoa, e que cresceu (em todos os sentidos) nos Esteites, mas saiu de lá pra fugir da tentação dos McDonalds, conhece Juliet Stodart Angela Gannon, uma descendente de Leprechauns, numa aula de matemática, numa história que parece mais o enredo de Mike & Molly, na escola onde estudavam na infância, e, por serem gordinhos, eram logicamente bulinados, mas, se defendiam e partiam pra porrada contra os intimidadores, que diziam que eram bulinados por eles porque estavam em forma e porque eles queriam jogar na cara que venceram a Anorexia, mas nunca convenceram ninguém com isso.

Anos se passaram e a amizade crescia, e começaram a tocar instrumentos e fazerem músicas, já que resolveram responder todas as intimidações com música, e, devido a capacidade dos integrantes na matemática, e o fato de eles conseguirem dar uma enganada na magia chamam a banda de THE MAGIC NUMBERS, e, chamam seus irmãos, Sean Gannon e Michele Stodart, outros gordinhos matemáticos mágicos e que queriam ganhar dinheiro também, pra festa. Começaram cantando na escola onde estudavam mesmo, onde não precisavam pagar pra tocar, e ali esculachando todos os Bullies através de suas letras, assim, recebendo várias ameaças de morte, e, assim, saindo da escola.

A Fama:[editar]

Antes do Estrelato:[editar]

Quando participarem em South Park

Após saírem da escola, começaram tocando em acampamento pra gordinhos, pra lembrá-los de manter a auto estima em casos difíceis, sabendo que eles são as maiores vítimas de Bullying, e se fossem nerds e/ou gays e/ou não tivessem a personalidade de Beth Ditto, a parada ficava complicada pra eles. Queriam arranjar um contrato com uma gravadora, mas, preconceituosas que são, não quiseram assinar com eles, já que procuravam pessoas em forma pra fazer os caras bateram pras cantoras e as mulheres ficarem molhadas ao verem o cantor. Isso foi dito em todas as vezes que visitaram estúdios, que nem sequer quiseram ouvir o som. 3 anos só levando coice das gravadoras e juntando dinheiro pro dia em que ficassem de saco cheio de tantas recusas, eles resolvem lançar seu álbum independentemente mesmo, e ver a merda que daria.

Sabiam que, no Brasil, o Fat Family conseguiu fazer sucesso enfrentando preconceitos, e achariam que conseguiriam fazer sucesso mundial: o CD é bem eclético: vai do Indie mesmo até o Progressivão mesmo, com uma música de 13 minutos, mas, como a galera só tem paciência pra ouvir rock com mais de 10 minutos caso a banda seja legitimamente progressiva, essa música não fez sucesso, mas, em compensação, a “Forever Lost”, que fala de como não se sentir um merda basicamente, fez com que a banda ganhasse fama, vencesse o preconceito e conseguissem um contrato com a EMI, a única gravadora que eles se esqueceram de visitar, ou talvez estivessem envergonhados após mais de 8000 recusas.

Na EMI:[editar]

Mas, iriam ter mais dinheiro e levar uma vida mais rockstar do que eles levavam, mas era tempo pra gravar outro álbum, e aí a banda caiu na Maldição da Globo, ou seja, só toca aqui no Brasil se tocar em alguma coisa que passe no canal, graças a principal música desse álbum, e, assim, o país entra no embalo da banda, e, os ingleses saberiam que, graças ao legado Fat Family, saberiam que seu som seria aceito pelos brasileiros. Após alguns anos afastados, já que a Michele engordou muito estava grávida, e, enquanto mantinham a forma pra não perder os legítimos fãs, resolvem voltar com um 3º álbum, em parceria com nomes como João Gordo, Cee Lo Green, Beth Ditto, Sean Kingston e outros cantores com esse porte físico.

Infos:[editar]

Pesos Pesados:[editar]

  • Romeu Stodart: Vocalista que, assim como 95% dos vocalistas também toca guitarra;
  • Julieta Stodart: Baixista, Tecladista, Backing Vocal, irmã do Romeo e culpada pelo recesso da banda, já que resolveu engravidar só pra não tocar com a banda enquanto estava de mal;
  • Angela Gannondorf: Percursão e um monte de instrumentos desconhecidos;
  • Sean Gannondorf: Baterista e irmão da Angela.

CDs, e, Indies que são, esperem LPs deles também:[editar]

  • O Homônimo: Obrigatório (2005);
  • Os Quebrados: Falam daqueles que os intimidavam e que se ferravam na mão deles (2006);
  • O Fugitivo: Fala da história de um gordinho que fugiu de um Spa, mas, a mensagem desse álbum é mais ou menos essa: seja feliz do seu jeito, independentemente de porte físico (2010);

Músicas:[editar]

Fã curtindo um show
Hamburger.png The Magic Numbers é obeso(a), ou está "acima do peso"

E é viciado em fast-food.

Clique aqui para conhecer outros elefantes, se ainda sobrar espaço...




Slash fuckat.jpg