Tipper Gore

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Joao gordo.jpg Este artigo é IMORAL!

Você deve estar achando que este artigo é uma afronta, uma pouca vergonha, uma baixaria... FODA-SE!!! Vai fazer algo que preste e não foda minha paciência!!

Pinochet.jpg ESTE ARTIGO TRATA DE REPRESSÃO E DITADURA

Você deve aceitar calado(a) o que está escrito aqui sem duvidar de nada,
ou correrá o risco de sumir misteriosamente.

Desciclopédia: ame-a ou deixe-a!
Ditaduratumulo.jpg


AVISO AOS PAIS: Esse artigo contém conteúdo ofensivo demais, segundo a Wikia, e se estivéssemos lá ou iria aparecer um aviso de merda sobre prosseguir lendo, ou iriam apagar. Queremos dizer a todos que porventura se ofenderem com isso aqui (inclusive se a própria Tipper ler), que se fodam. Senão EU fodo vocês! Eu COMO VOCÊS VIVOS e BOTAREI MEU AMOR DENTRO DE VOCÊS, VOU FODER VOCÊS COMO UMA BESTA-FERA e NÃO VOU ACEITAR NADA E VOU TE ESPANCAR!


Ok, é brincadeira. Mas fodam-se mesmo assim. Obrigado e boa leitura!



O livro que Tipper mais se orgulha de ter escrito sobre sua vida. Ignorem o selo de Parental Advisory, o livro é bom!

Cquote1.png Quando eu comi ela foi tão bom! Cquote2.png
Frank Zappa sobre Tipper Gore
Cquote1.png Ela e suas fantasias perversas de sadomasoquismo comigo.. Cquote2.png
Dee Snider sobre Tipper Gore
Cquote1.png Eu sou muito fã de rock, ao contrário do que vocês pensam. Sempre ouvi muito Frank Sinatra e Chimbinha... Cquote2.png
Tipper Gore sobre suas preferências de "rock".

Mary Elizabeth "Tipper" Gore (nascida em 19 de agosto de 1948) é uma ex-vice-primeira-dama, ex-fotógrafa, ex-mulher chata do Al Gore, ex-sogra (esse eu não tenho certeza), ex-autora de livros pornôs, ex-caçadora de artistas, ex-groupie e ex-baterista da banda da filha bastarda Diva Zappa. Acredite, eu falei verdades ai, tente descobrir quais das coisas ai escritas ela realmente é ex. Ela ficou conhecida por ser uma das "boas velhinhas" a criar um comitê chamado Parents Music Resource Center, formado por fãs de Roberto Carlos depois que parou de cantar "Quero que tudo vá pro inferno". Foi depois disso que elas viraram fãs dele e assim perpetuaram esse grupelho para acabar com todas as músicas de porn metal (isso existe?) que viam pela frente (por que não fazem essa porra aqui no Brasil? Só assim pra acabar com esses funks filhos da puta... ah é, esqueci que aqui é a maior putaria...).

História[editar]

Tipper Gore querendo ver a lâmina do Dee Snider.

Uma das futuras "esposas de Washington" e dona de um selo próprio chamado Tipper Stick, ganhou seu apelido já pequena, ao ficar dizendo que era uma "Tippy, Tippy, Tin" (pequena, pequenina, miudinha) pros carinhas com quem ela brincava de médico (zoando com o tamanho da injeção dos seus amiguinhos).

Na adolescência, chegou a fazer uma banda de freiras chamada The Wildcats, que usava várias metáforas para falar da relação delas com os padres. Depois disso foi expulsa do convento e virou fotógrafa da Playboy e da Hustler.

Após uma seção de autógrafos por um livro com fotografias feitas por ela em 1965, ela conheceu o futuro vice-presidente dos EUA Al Gore, e logo namoraram, sempre fazendo perversões bizarras (das quais, pelo menos entre eles, não temos tanto conhecimento, temos mais de alguns amantes dela).

Tipper ia casar logo com o Al, mas como ele ficou enrolando ela por cinco anos, ela nesse período teve um caso com um jovem músico de uma banda que ela era groupie chamada The Mothers of Invention, um bigodudo charmoso e gostoso comentário gay, preciso de uma cura gay urgente chamado Frank Zappa. Só em 1970 Al Gore pagou o dote pra família da Tipper e casou com ela.

Durante anos, foram uma família feliz e sem nenhum problema, seu maridão virou senador fodão e ela ganhando muita grana, muito shopping center e fraldas pras filhas (em especial a Kristin Gore, que é gatinha, mas mijava pra porra) e pro seu filhão.

Um dia, assistindo um filminho chamado Purple Rain, ela sacou a trilha sonora, feita pelo "Artista". Gore ficou maluca ao perceber que a música chamada “Darling Nikki” era uma homenagem àquilo que ela pegava seu marido fazendo no banheiro com ensaios fotográficos que ela clicou. Ela começou então a assistir filmes do John Holmes e do Bengali Boy, todos com trilhas sonoras de bandas de rock, e logo associou Jesus com Genésio das Dores e disse que essa porra tinha que parar (sem duplo sentido, please).

Na sua pesquisa por bandas escrotas de rock, logo ela conheceu Dee Snider, criador de uma canção chamada "Under the Blade" ("Sob Minha Lâmina" - você sabe bem que "lâmina" é essa!), e se apaixonou pela cabeleira de Elba Ramalho dele e pela marca das maquiagens que ele usava. Não imaginava ela que esse casinho dela e com o já citado Zappa iria dar merda...

Chamando três senhoras "muito pudorosas" (e com muita putaria na cabeça), ela fundou o PMRC (já disse a sigla lá em cima o que significa, procure, seu porra!) e criou um estilo próprio de metal que muitos nem imaginavam, chamado Porn Metal, que incluía as seguintes músicas:

Artista Título da Canção Conteúdo das Letras
1 Prince Darling Nikki Sexo / masturbação
2 Sheena Easton Sugar Walls Sexo
3 Judas Priest Eat Me Alive Sexo
4 Vanity Strap on Robbie Baby Sexo
5 Mötley Crüe Bastard Violência
6 AC/DC Let Me Put My Love into You Sexo
7 Twisted Sister We're Not Gonna Take It Violência
8 Madonna Dress You Up Sexo
9 W.A.S.P. Animal (Fuck Like a Beast) Sexo
10 Def Leppard High 'n Dry Consumo de drogas e álcool
11 Mercyful Fate Into the Coven Satanismo
12 Black Sabbath Trashed Consumo de drogas e álcool
13 Mary Jane Girls In My House Sexo
14 Venom Possessed Ocultismo
15 Cyndi Lauper She Bop Sexo / masturbação

Um dia ela conseguiu junto com suas amiguinhas, mexer os pauzinhos para colocar suas propostas insanas no ar. Além do selo Tipper Stick, tentou enfiar mais um monte de bosta na história. E fez um tribunal para que quem sabe os representantes dessa merda se defendessem. Não imaginava ela que seus DOIS AMANTES viriam confrontá-la.

Frank disse pra ela se lembrar dos momentos em que os dois juntos comiam pêssegos em regalia no Rio Sena em Paris; ele sem camisa, ela de topless. Isso deixou ela bem constrangida, mas ela não titubeou (poderia ser pior, seu maior segredo ainda nem tinha sido revelado).

Já Snider disse claramente "a Sra. Gore viu sexo na mesma hora que ouviu 'Under the Blade', eu só dei a ela o que ela queria tanto"... por pouco o Al Gore não tenta asfixia-lo.

Depois disso, ela colocou um monte daqueles negócios lá, mas depois, em 1987 ela e o maridão voltaram atrás e disseram "ah, a gente não era muito a favor daquilo, a gente curtia putaria e panz", não sem antes ter quase colocado um Tipper Stick até no disco INSTRUMENTAL Jazz from Hell do Frank Zappa (eles só desistiram desse último na última hora, quando o Zappa ameaçou publicamente revelar os dois filhos que ele teve com Tipper, Kristin Gore e Diva Zappa).

Em 2010 ela e Al Gore se separaram, depois que ela decidiu assumir publicamente que era bissexual e que ela pagou Gail Zappa pra fingir ser a mãe da Diva Zappa (Gail aceita grana por qualquer merda, todo mundo sabe disso). Atualmente ela trabalha com a banda Warrant, que em sua homenagem, lançou a música Ode to Tipper Gore, com diversas referências às perversões sexuais que a mesma, ainda que já idosa, tinha com os membros da banda inteiros numa única noite todos ao mesmo tempo.