Tiro e Queda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Rede Record.jpg Este artigo é propriedade de Edir Macedo, assim como a Rede Record e a Universal, e ele fará de tudo para que você seja roubado pague o dízimo!

Igreja universal.jpg
Conheça seus outros planos de dominação mundial clicando aqui.


Logo superoriginal tirado de algum disco do Guns'n Roses.

Cquote1.png Sua intenção era pesquisar: Imitação barata de A Próxima Vítima Cquote2.png
Google dando uma de adivinho com a pesquisa de Tiro e Queda

Tiro e Queda (mais QUEDA do que TIRO) foi uma telenovela da Emissora Universal do Reino de Deoz que passou entre 1999 e 2000, sendo um sucesso relativo no ano de 1999, mas em 2000 sendo sublimada, talvez por culpa do Bug do Milênio. No fim das contas, foi uma daquelas novelas do gênero "Quem Matou?", sendo a segunda do Brasil a seguir a linha serial killer da história. Obviamente, como tudo que surge na Record desde que o Macedão comprou a mesma, a novelinha não passava de um plágio descarado de uma outra novela da TV From Hell, só que "melhorada" (ou não).

História[editar]

Tudo começava num jantar com diversas pessoas diferentes (mesmo) diante de um puta milionário, Raul Amarante, e seus nove convidados: sua esposa, sete outros convidados (incluindo ai uma amante, um bibliotecário irmão do Doutor Vítor e seu gato/gata de estimação) e um garçom português (esse último não era convidado, era papagaio-de-pirata, ou nem tanto assim). Raul descobre ser portador da doença do pau na boca e irá morrer logo logo por causa dessa doença, e assim convoca o jantar para anunciar seu testamento, no qual todos SE INTERESSAM DE IMEDIATO (menos o garçom, claro, garçom não ganha porra nenhuma a não ser a gorjeta).

O teor do testamento, porém, deixa todo mundo putinho: os bens do empresário irão permanecer indisponíveis durante sete anos. Após este período, a segunda parte do documento, que alguém da confiança do milionário guarda a sete chaves, será revelada (ou seja, o nome do sortudo ou sortuda que vai ganhar a porra toda). Durante esse período, os bens ficariam com a esposa Isabel e o seu sócio Júlio (que estavam lá, claro), só que eles não podiam gastar porra nenhuma, tinham que cuidar justamente pro sortudo pegar isso bem depois... claro que isso deixou os 8 convidados com alguma moral pra ganhar a grana bem ressabiados uns com os outros...

No fim do jantar, todo mundo vai pra sala de jantar tomar licor, quando DE REPENTE (previsível) as luzes se apagam e pre-pa-ra que agora é hora do Show das Poderosas! se ouve um tiro (pelo menos parece um). Quando as luzes voltam magicamente (deve ser aquelas lâmpadas que acendem e apagam batendo palmas), o milionário está deitado, morto, com um tiro no peito, falecido, com a arma envolta em um lenço no peito e defunto. Todos se olham, claro, acreditando que um ali com certeza fez a malícia de mandar o Raul pro colo do capeta.

Naquele superrelógio de novelas, passam-se mais de seis anos, faltando pouquinho tempo pra enfim o testamento ser revelado. Ah sim, a Wikipédia me lembrou bem na hora: o Raul deixou uma filhota chamada Daniela, e claro que todo mundo quer casar com ela, porque ela é bonita, gostosa, por ser a Mylla Christie e pra dar o golpe do baú, lógico! Ela acaba no final ficando é com o Toninho do Diabo, mecânico da favela e filho do tal garçom que eu ainda não descobri o nome, só sei que é portuga. Claro que todo mundo acha que o maluco quer é catar a grana dela...

O garçom, Neco (enfim descobri o nome do sujeito) é um mané metido a detetive que tenta descobrir quem matou o Raul, e depois quem está matando todo mundo por aí, além de matar diversos pés de roseira arrancando suas rosas para jogar nos cadáveres. Além de ficar dando em cima da viúva do milionário (safadinho!).

Os mortos[editar]

Neco, o primeiro gajo português inteligente do mundo, descobriu o assassino, casou com a esposa do milionário e ficou ricaço, podendo enfim fechar a padaria! Tá, com essa cara nem parece, eu sei...
  • Raul Amarante (John Herbert) - Já disse como foi, porra;
  • Rogério (Reynaldo Gonzaga) - Marido de uma ex-amante do Raul, Lúcia (Angelina Muniz), eletrocutado na banheira;
  • Paula (Rosana Muniz), secretária (HUM...) e amante de Raul (mais uma...), enforcada por uma anaconda (sério!);
  • Napoleão (Gato Félix), gato persa de estimação do Dr. Belarmino Aranha, após comer ração envenenada (sim, o assassino tentou matar o gato por achar que ele poderia ser um dos herdeiros). Entretanto, o gato sobreviveu ao ataque, mas acabou sofrendo uma mudança de sexo estranha e virou uma gatinha;
  • Gabriel (Fausto Maule), então namorado da filha de Raul (tadinha dela), morto por engano dentro de um carro conversível com um tiro de AR-15 na cabeça (a vítima real era o pai dele, Júlio Bellini, mas ele tinha os poderes do Homem-Aranha, como o sensor-aranha, e abaixou antes do tiro, deixando o filho inútil se foder no lugar dele);
  • Cláudia (A esposa chata do Wagner Montes), irmã de Raul, morta ao comer um sanduíche-íche com valor nutri-tri-triu-cional não muito adequado;
  • Vítor (Denis Derkian), marido de Cláudia, atropelado por um jegue.

O assassino[editar]

Esse foi o ponto mais fodido da novela: o assassino. No final o Neco descobre que na verdade foi a Carolina, personagem de Karla Muga (ninguém mais lembra dessa ruiva, pena), que se vingou da família Amarante por ter sido sempre chamada de feia pra caralho (nem era) e por ser a filha do motorista Alfredo (Laerte Morrone). Só quero imaginar como essa mina conseguiu matar tanta gente com tantos requintes de crueldade e ainda conseguiu roubar uma anaconda do Instituto Butantã. A Record gravou outros dois finais, um com o Aranha (Cláudio Mamberti), como um plano de gênio para um romance policial; e Alfredo, já que o mordomo sempre é o culpado.

A Trilha Sonora "Nacional"[editar]

Uma tralha inútil pra cacete que daria um belíssimo calço de mesa de snooker. Apenas Quero Viver e O Espantalho tiveram trilhas sonoras de verdade lançadas. Por sua conta e risco:

  1. tema de abridura
  2. Te Quero Bem Longe de Mim - Maurício Manieri, em uma época em que não existia nem mesmo Orkut. VIVA OS NOVOS TEMPOS!
  3. A Estrada para a Ribanceira - Cidade Negra
  4. Faveladinho da zona cu - Grupo Molejo (que nojo!)
  5. Primavera Sem Flores - Jane do Bope
  6. Uma História de Amor - Fábio Jr. (bem coisa de domééééésticaaaaaaa... mesmo)
  7. Sexta-feira 13 de Agosto - Laia Vunje (que caralho de nome é esse?)
  8. Mágico Amor - Marcelo Augusto (um cara que fazia A Turma do Pipi que ninguém mais conhece)
  9. No Compasso Faço um Círculo não, um triângulo escaleno Caxinguelê (outra bosta pisada do passado que FELIZMENTE acabou)
  10. Vaidade, Inveja, Gula, Avareza, Luxúria, Preguiça e Ira - a banda do Agora É Tarde com Rafinha Bastos
  11. Sem Você (O Sol no Cu Não Bate) - Tasca Cuspe
  12. Coração de Bolero - Tânia Alves (outra tiazinha que nessuno mais conhece)
  13. Quero Ouvir a Tua Voz Dizendo: Por Favor, Abaixa Essa Arma! - Bala de Carqueja, Bombom de Chuchu e Chocolate sabor Aspargo
  14. Sozinho (e assim quero permanecer) - O Síndico


como podemos ver, um CD de merda cheio de artistazinhos da época que hoje se dedicam de corpo e alma ao ostracismo e músicas ridículas que qualquer um com o mínimo de massa cinzenta NÃO compraria. Economize seu $$$; quem guarda, tem. A Desciclopédia agradece.

O sucesso[editar]

Er...


Quando você encontrar com ele, me avisa, porque ainda não achei.