Tomb Raider: Legend

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Virtualgame.jpg Tomb Raider: Legend é um jogo virtual (game).

Enquanto isso, mais um hentai de Dead or Alive está sendo produzido.


Tomb Raider A Lenda da Puta
Tomb Raider Legend.png

Capa da versão original para PS2

Informações
Desenvolvedor Crystal Dynamics
Publicador Eidos Interactive
Ano 2006
Gênero Simulador de exploração do Acre
Plataformas Um monte de tranqueira
Avaliação Bom se não liga para bugs eventuais
Idade para jogar Livre para adolescentes punheteiros

Tomb Raider: Legend é o primeiro reboot da série Tomb Raider, lançado em 2006 para PS2, mas com gráficos tão podres que pode ser adaptado posteriormente até para Nintendo DS, foi o primeiro jogo da série criado pela Crystal Dynamics que não sentiu nenhum remorso em transformar a Lara Croft numa putona altamente sexualizada, para a alegria dos fãs.

Desenvolvimento[editar]

Após a falência da Core Design quando em seu último suspiro lançou uma bomba em forma de jogo de videogame, o Tomb Raider: The Angel of Darkness, ficou claro que os antigos desenvolvedores já estavam de saco cheio daquilo. Tentaram matar a Lara, mas mesmo assim a Eidos Interactive continuava pedindo mais jogos. Como as pessoas baixam hentai de graça na internet e assistem pornô de cosplay da Lara Croft também de graça, a Core Design jamais lucrou propriamente com os seus jogos merdas, precisando então vender os direitos da franquia para a Crystal Dynamics.

Os executivos da Crystal Dynamics, numa ação visionária que revolucionaria o mercado, decidiram ousar e lançar o primeiro eroge da história da famosa plataforma PlayStation 2, criando o primeiro reboot da série Tomb Raider. A ideia era usar o máximo da tecnologia disponível para fazer uma Lara Croft o mais sexualizada possível, como se uma personagem de hentai tivesse ganhado seu jogo de aventura, então não foram poupadas roupas justíssimas, litros de silicone para turbinar a protagonista e uma jogabilidade que insiste que o ângulo da câmera sempre foque na bunda da nossa querida heroína. O jogo obviamente foi um estrondoso sucesso.

Enredo[editar]

O jogo começa com um flashback de Lara Croft, relembrando seus tempos áureos quando tinha apenas 9 anos de idade e era só uma guria retardada que não estava sendo gratuitamente sexualizada para sanar as frustrações de algum gamer punheteiro. Ela lembra que estava indo de jatinho particular com a mãe para o Himalaia quando o avião sofre uma pane, todo mundo morre e só ela sobrevive. Isso serve para explicar o trauma que a transformou nessa pessoa que só gosta de visitar locais desolados.

Por isso, quando o jogo começa estamos vendo a Lara Croft investigando o Acre, provavelmente em busca da bota de Judas. Sabemos que é o Acre pelas condições de acesso e os animais ali avistados, como onças habitando o interior de templos maias. Lara Croft não encontra as botas de Judas, mas encontra um fragmento do que acredita ser um dildo sagrado, já se interessando naquilo.

Lara Croft subindo num pau no Peru.

Assim chegamos na cidade de Rio Branco, fielmente retratada no jogo pelas suas casas de pau a pique e ruas esburacadas, infestada de agentes da CIA também a procura do tal dildo sagrado que seria capaz de revolucionar a indústria do cinema pornô. Pegamos uma moto começamos a dirigir na Rodovia Transamazônica que também é um espetáculo de realismo, repleto de motoqueiros barbeiros e caminhões ocupando toda a pista nos impedindo a ultrapassagem, uma experiência muito real, tudo até chegarmos na Serra Pelada onde Lara tem mais um flashback da época em que ela e seus amigos chegaram ali em busca de ouro na década de 1980, mas foram todos estuprados e mortos por um ator pornô furioso, inclusive a melhor amiga Amanda que morreu afogada em sêmen, sendo que Lara foi a única sobrevivente da tragédia, o que explica suas habilidades e resistência sexuais no presente. É lá que encontra mais um pedaço de um dildo sagrado cujo apelido nas Crônicas de Avalon era Excalibur, capaz de curar até cornidão.

Lara então vai para uma boate trabalhar, afinal precisa de sustento para bancar tantas viagens ao Acre, mas lá encontra um velho vilão, o famigerado Velhinho que comeu e não pagou, e somos surpreendidos ao saber que ele é líder da Yakuzae não apenas isso, que detém um dos pedaços do dildo sagrado. Após subirmos em seu prédio escalando canos pelo lado de fora, porque a Lara sempre foi prática assim esse velho nojento começa a soltar peidos em cima de Lara e precisamos esquivar dessas bufas para finalmente derrotá-lo e ficar com o pedaço da Excalibur.

Escutando rádio-polícia pirata, Lara descobre que alguns trafica estavam em posse de outro pedaço da Excalibur, mas que desovaram o material na floresta quando foram abordados pelos tira. Lara então viaja para a Floresta da Tijuca em busca desse pedaço perdido, claro que vai precisar lidar com o BOPE, além de escalar muitas estruturas indígenas antigas para fazer armadilhas funcionarem. Até conseguirmos mais um pedaço.

Em seguida Lara decide fazer uma visita a um laboratório secreto no Cazaquistão, afinal onde você acha que ela compra o seu estoque de próteses de silicone que deixam o seu corpo como de uma bimbo estúpida boneca sexual? Só no mercado negro do Cazaquistão mesmo. Porém ela não encontra o Dr. Rey, apenas o escudo de Lancelot e cientistas soviéticos muito fãs do Tesla que criaram um canhão com o poder de soltar peidos. É ali que encontra Amanda, sua amiga que achou que havia morrido no Acre, mas que sobreviveu porque fez um pacto com o demônio. Ela obviamente tornou-se uma gótica porque após escapar da morte e ser salvo pelo capeta qualquer um oxigenaria os cabelos e vestiria coturnos.

Em busca do último fragmento da Excalibur, vamos ao local mais óbvio agora, é claro, o bairro de Avalon em Londres. Invadimos um museu a noite, afinal todo o dinheiro foi gasto com tantas passagens de avião, então melhor economizar na entrada ao museu. Perambulamos pelo subsolo da estrutura até encontrarmos a tumba do Rei Artur, onde finalmente reunimos todos pedaços da Excalibur. É nesse momento que uma piroca gigante de 5 metros de altura surge para tentar obrigar Lara Croft a se submeter a um daqueles hentai grotescos de exageros, mas após colocarmos 4 camisinhas de ferro nessa piroca gigante, ela murcha e conseguimos escapar desse porão. A polícia até foi chamada, afinal havia alguém invadindo um museu sem permissão, mas matamos todo mundo e vamos embora.

Com todos os pedaços do dildo sagrado reunidos, percebemos que nem Super Bonder cola as peças. É nesse momento que ao ver um retrato de sua falecida mãe que Lara lembra que nesses 10 anos havia se esquecido de fazer um funeral para a sua velha. Ela então viaja para o Meu Pau no Himalaia onde o avião da Gol caiu, já sabendo que mesmo após anos as autoridades daquele país jamais recolheriam os destroços e cadáveres do acidente. Infelizmente, ao chegar nos destroços do avião, Lara não encontra a mãe, apenas um leopardo-das-neves que havia acabado de comer o cadáver da mãe. Em revanche Lara mata a tiros as 3 últimas espécies desse raro animal levando-o a extinção, mas pelo menos consegue um broche de sua falecida mãe que tinha a mágica de reunir os pedaços da Excalibur que agora estava remontada e com todo seu poder!

Por fim voltamos para o Acre, sabendo que a Excalibur tem o poder de abrir um portal para outra dimensão ali, só que a vilã Amanda já estava nos esperando e ela insistente tenta transformar Lara em gótica, até invocando o capeta, mas sem sucesso. Numa reviravolta inesperada, Lara Croft destrói o dildo sagrado, porque é isso que arqueólogos fazem, destroem relíquias milenares sem mais nem menos, e vai embora, dando o gancho para Tomb Raider: Underworld.

Jogabilidade[editar]

Um tipo de roupa desbloqueável no jogo.

Tomb Raider: Legend apresenta diversas melhorias em relação aos jogos anteriores da série pois agora Lara Croft, após boas aulas de Kama Sutra, é capaz de performar as mais diversas posições e poses. O movimento é fluído e nos sentimos realmente controlando uma boneca inflável hiper-sexualizada, porém o que mais agrada é o controle da câmera que agora pode focar nos peitos exagerados ou na bunda da Lara sem nenhum esforço. Outra novidade que agradou muito é que agora podemos desbloquear várias roupas para Lara, uma mais indecente que a outra, embora algumas mais chiques e outras mais vulgares, agradando assim um amplo leque de fãs.

Além disso temos a nossos dispor um par de pistolas com munição infinita as quais usamos para matar estupradores e para dizimar a fauna dos locais exóticos que visitamos.

Um item novo e interessante que Lara carrega é uma corda com um ímã na ponta que desafia todas as leis já descobertas do eletromagnetismo. Originalmente usada para bondage, essa corda pode ser arremessada para se grudar em objetos de metal como se tivesse sido colado com super bonder, e assim puxá-los. Muito útil para resolver 100% dos puzzles do jogo. Seja lá quem criou os calabouços por onde Lara anda, era praticante de ginástica artística, porque é sempre obrigatório fazer barras assimétricas para desvendar os enigmas e destravar as portas.

v d e h
Tomb Raider logo.png