Trichoplax adhaerens

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
O animal mais ridículo da Terra
Essa porra não é porra, é um animal
Essa porra não é porra, é um animal
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Placazoa
Classe: Tricoplaca
Ordem: Trichoplacida
Família: Trichoplacidae
Gênero: Triplex
Espécie: triplex lulaenses

Cquote1.png Este daqui é muito mais que um verme insolente. É uma inútil insolente maldita miserável idiota ameba Cquote2.png
Vegeta sobre Placozoa
Cquote1.png ALIENS! Cquote2.png
Giorgio Tsoukalos, explicando a origem do trichoplax adhaerens

Trichoplax adhaerens é o animal mais simples do planeta Terra, apenas uma comprovação de que os biólogos não sabem do que estão falando qualquer instante em que abrem a boca, porque chamam de "animal" algo que claramente é uma ameba, só porque tem células metazoárias, como se uma ameba não pudesse se disfarçar em quatro camadas de células distintas. A escolha do nome da espécie vem do grego, onde "trichoplax" significa "três cocozões", enquanto "adhaerens" significa "aderentes", ficando então "três cocozões aderentes", porque de fato o "animal" é só um pedaço vivo de fita durex. É portanto o animal mais desprezível da Terra, porque mesmo com concorrentes como os corais que querem ser algas, os ortonectídeos que querem ser protozoários, o Limnognathia maerski da Groenlândia que quer ser um fungo, o trichoplax adhaerens superou todos os limites da mesquinharia de como ser um animal menosprezível e é o único animal do universo que é literalmente similar a uma amoeba.

Dizem ser o único animal do filo placozoa (do grego, "placa que zoa", devido ao formato do animal), embora outros biólogos mais sérios afirmem que existam umas 400 espécies desse animal. Mas como todos não passam de amebas achatadas de 2 milímetros, melhor evitar a fadiga e considerar que todos são a mesma espécie mesmo, afinal quem vai contestar? Eu e você que nãos eremos.

É desconhecido e pouco estudado porque por muitos acretiva-se que essas anomalias eram apenas águas-vivas que foram demasiadamente cortadas em fatiador de salame ao ponto de se apresentarem apenas como uma pequena amoeba achatada. Essa tese foi refutada quando alguém percebeu que não havia fatiadores de salames no oceano ou em aquários que estivessem acionados a ponto de cortar águas-vivas. Foi então que descobriu-se que aqueles seres achatados eram na verdade um animal totalmente novo e separado de tudo que se conhece.

Anatomia[editar]

O trichoplax adhaerens é a espécie animal mais estúpida, mais banal e mais ridícula que se tem notícia. Com tamanhos de no máximo 2 milímetros, não possuem sistema digestivo, sistema circulatório, sistema respiratório, sistema endócrino, sistema nervoso e nada do que aprende nas aulas de biologia, ele possui apenas o sistema tegumentar, e na verdade o seu único órgão é a pele, sendo este animal apenas um pedaço de pele viva.

Mas como é possível um mero pedacinho de pele ser um animal vivo? Com bruxaria, é claro. Do mesmo jeito que é possível fazer vassouras voarem (de modo que é mais cômodo e confortável fazer é aviões voarem, por isso não vemos mais tantas vassouras hoje em dia) é também possível dar vida para um pedaço desprezível de pele no fundo do mar. Tanto que o trichoplax adhaerens encontra-se devidamente catalogado no Livro dos Monstros, o mais vendido manual de D&D, embora muitas vezes romantizado com o nome comum de "beholder", foi ainda depois catalogado no códice Animais Fantásticos e Onde Habitam.

Reprodução[editar]

Graças a uma intrincada teoria da conspiração, hoje se sabe que a existência do trichoplax adhaerens comprova a teoria da geração espontânea de Anaximandro de Mileto. Biólogos de toda parte do mundo ignoram a existência do trichoplax adhaerens porque sua existência não foi prevista por Darwin e portanto deve ter sido um erro, afinal este animal refuta completamente a teoria do evolucionismo, afinal que animal de bom sendo escolheria levar milhões de anos para evoluir para um porcaria de um placozoa? Fica mais do que óbvio que os seres vivos não tem escolha de nascer o que nascem, comprovando a geração espontânea (e consequentemente, a existência de Deus e da necessidade das religiões, algo que os biólogos sempre relutarão em reconhecer).