Trono de Vidro

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Piroca de Vidro
Série Trono de Vidro.jpg
Coleção dos livros
Trono de Vidro
Coroa da Meia-Noite
A Lâmina da Assassina
Herdeira do Fogo
Rainha das Sombras
Império de Tempestades
Torre do Alovorecer
Reino de Cinzas

Autor Sarah J. Maas
País Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Gênero Livro pra garotinhas
Editora Galeteria
Publicado entre 2014-2018


Trono de Vidro é uma série de livros direcionado a um público de garotinhas juvenis e virgens que traz belas moças protagonistas rodeadas por machos sarados e belíssimos todos prontos para comer essas donzelas todas e fazê-las gozar maravilhosamente, e é exatamente o que fazem. Estes livros são portanto Senhor dos Anéis para garotinhas, todos com putarias ocasionais, péssimas descrições de cenas de ação e uma protagonista que constantemente se aproveita da burrice dos outros para se dar muito bem.

Livros[editar]

  • Trono de Vidro - O primeiro livro da série nada mais é do que uma fanfic de Sarah J. Maas que foi acabou virando livro porque uma editora achou, acertadamente, que haveria sucesso num livro mal escrito, repleto de furos no roteiro e que misturasse fantasia-medieval com objetos anacrônicos como bolo de chocolate e mesa de bilhar. Neste livro a protagonista é uma ex-presidiária conhecida como Celaena Sardothien que foi adotada pelo príncipe Dorian do reino malvado para lutar num torneio sombrio. É tipo um Harry Potter, mas no lugar de competições de magias são competições de porradaria. O livro tem leves momentos de putaria, mas sabemos que Dorian comeu Celaena. No final de tudo Celaena vence o torneio, muito graças à ajuda de uma mulher negra e empoderada chamada Nehemia, e assim Celaena se torna a Puta das Putas.
  • Coroa da Meia-Noite - Agora trabalhando como Prostituta oficial do rei, Celaena deve visitar o quarto de diversos nobres, mas ao invés de agir conforme sua profissão, ela apenas os manda embora sob a ameaça de cortar seus pênis caso não o façam, fingindo que passou a noite com eles. Como é uma vadia mulher forte e independente, ela simplesmente troca o príncipe Dorian por Chaol, transando agora com o chefe da guarda, um namoro que não dura nem meio-livro, depois que Nehemia é cruelmente assassinada e Celaena decide fazer greve de sexo e depois virar lésbica, passando o resto do livro caçando os responsáveis pela morte da amiga.
  • A Lâmina da Assassina - Spin-off lançado em 2014 onde Sarah J. Maas reuniu diversas fanfics antigas num livro só para contar as aventuras e origens da jovem Celaena e sobre como ela perdeu a virgindade e se tornou uma vadia mulher forte e independente.
  • Herdeira do Fogo - Celaena neste livro viaja para o Acre em busca de assassinar o primo, mas ela acaba é fisgada pela Rainha da Cocada Preta, a Rainha Feérica Maeve, que envia um dos seus machos chamado Rowan para treinar Celaena e transformá-la na puta masoquista perfeita, por isso o macho não dosa esforços em surrar, humilhar, mijar em cima, morder e queimar Celaena (e sim, Maeve é uma renomada ex-atriz pornô que coleciona machos bombados, os quais escraviza e dá ordens ridículas), mas o que Maeve não contava (e que na verdade no sexto livro ela diz que já sabia que isso ia acontecer) era que Celaena após apanhar tanto fosse se apaixonar perdidamente por Rowan, que mulher nunca se apaixonou por um homem que a agride constantemente? E assim ambos viram um casal e Aelin rouba Rowan de Maeve no final. Enquanto Aelin faz crescer uma galhada na cabeça de Chaol ao transar com Rowan (sem penetração ainda, só sarradas), Chaol e seu amigo Dorian quando aparecem nesse livro é só para estreitar seu bromance, nunca eles fazendo algo de útil. É também neste livro que conhecemos Mano Bico Negro, uma bruxa de 100 anos de idade mas corpo da Margot Robbie que por enquanto é só uma frígida tentando curar sua falta de apetite sexual, e sua participação é uma espécie de Harry Potter misturado com Como Treinar o Seu Dragão, quando ela e suas 12 seguidoras lésbicas passam a treinar montaria em serpentes aladas e Manon descobre Abraxos, seu dragãozinho de estimação a partir de então.
  • Rainha das Sombras - Livro que deu o primeiro desfecho da saga, é considerado também o mais depressivo da série, pois Aelin não transa nenhuma vez. E sim, fica revelado que Celaena na verdade é a Rainha Aelin Galináceos de Terrasen. Ela age e reina nas sombras, e qualquer problema que ela possa ter ela vai solucionar com uma coleção de bijuterias falsificadas e sem poder mágico, todo mundo vai cair nesse truque barato. Enquanto nos três primeiros livros era uma promiscuidade só, é só a partir desse livro que os casais vão realmente se formando pra ficar, toda vadia vai conquistando seu respectivo boy-magia. Aelin domina o poder de explodir castelos inteiros com magia de fogo, e é isso que faz no final, matando o vilão e livrando todos de seu reinado sombrio.
  • Império de Tempestades - Um livro que foi lançado em dois livros, um branco e outro azul claro, só pra fazer mais dinheiro mesmo. Apesar do final feliz do livro anterior, neste aqui só acontece merda. O Rei Malvadão de Adarlan na verdade nunca foi o principal culpado por todos os problemas que vinham acontecendo, pois em Morath que estava o verdadeiro mal, uma entidade maligna e milenar chamada Erawan, que como bom vilão não sai de seu covil, onde permanece apenas coçando o saco.
  • Torre do Alovorecer - Ciente de que o personagem Chaol Westfall era totalmente impopular e sem graça, pois as leitoras gostam é dos homens bombados e fogosos como o Rowan, ou charmosos, cafajestes e comedores como o Dorian, a autora o deixou o tal Chaol completamente de fora do livro Império de Tempestades e dedicou um livro em especial para ele e sua saga sem graça na Cochinchina para tentar curar sua tetraplegia, onde acabou se apaixonando por uma feminista chamada Yrene, que curou ele de tanto usar o cintaralho naquele bumbum até Chaol finalmente mover a cintura. Nesryn, que até então parecia apenas uma frígida, na verdade descobrimos que ela é tão fogosa quanto qualquer outra mulher dessa série, ela apenas achava Chaol sem graça, mas ao encontrar o seu príncipe ela é mais uma que é comida torridamente.
  • Reino de Cinzas - O último livro da saga e desfecho de toda aventura, é também o livro mais grossão de todos. Nele todo mundo sofre, tem muitas guerras supostamente épicas (todas mal escritas), mas no final das contas ninguém morre, todos atravessam uma guerra de proporções epicamente sanguinárias e simplesmente sobrevivem. Só morre um idoso de importância terciária chamado Murthaug e também o Gavriel e de maneira burra. E só. Final feliz, demônios vencidos, Aelin coroada rainha e todos os shippings se casando.

Nações[editar]

Seja lá quem criou o mapa desse mundo fictício, é alguém que não entende nada de geografia ou geopolítica, porque é um mundo pobre, vazio, repleto de desertos e espaços em brancos, onde existem apenas um punhado de reinos o que torna completamente sem sentido várias situações políticas. Para tornar as coisas um pouco mais críveis você precisa imaginar o continente de Erileia como sendo algo mais ou menos como a Bulgária, em tamanho e em geografia insossa.

  • Terrasen - Um reino fudido de pobres coitados que sós erve para ser invadido de novo e de novo, é tipo a Polônia desse mundo de fantasia, primeiro foi invadida por nazistas e depois invadida por comunistas, ninguém deixa Terrasen em paz. É o Reino de Aelin, e como o último livro da saga já diz, um reino de cinzas. Em nenhum momento do livro é deixado muito claro porque os cidadãos lutam tanto para proteger esse reino falido e nem porque bruxas, assassinos, piratas, beduínos, mongóis, galinhas voadoras gigantes e lobos gigantes decidiram ajudar a defender esse reino na invasão final.
  • Adarlan - O reino mais influente do continente, o que aparentemente não parece ser difícil quando praticamente só existem outros dois reinos e um deles está a beira da falência. Dominado por nazistas e góticos, estão todos ali sempre de preto e sempre encoleirados (fetiche gótico) e o passatempo de seus habitantes é cometer maldades. Apesar do rei ser um malvadão, o seu filho Dorian é um mauricinho que não deseja ser malvado como o pai e traz toda uma ruína para Adarlan, inclusive destruindo o tal "Trono de Vidro" já no final do quarto livro, a série no final das contas nunca foi sobre esse tal trono de vidro, mas sim sobre as peripécias sexuais de Aelin.
  • Eyllwe - Tipo uma África, só que rica e sofrendo nas mãos da invasores nazistas. Quase não aparece no livro, só os refugiados que vem de lá.
  • Deserto das Bruxas - Nunca é visitado nos livros, apenas mencionado como um lugar onde as bruxas não podem menstruar, portanto amaldiçoado e portanto também uma região onde é impossível ter filhos.
  • Dorandelle - Região num outro continente onde vive a Rainha Meave e os feéricos (elfos da Sarah J. Maas). É aquele típico lugar bonito mas cheio de hipocrisia e gente chata.

Raças[editar]

  • Humanos - A raça mais abundante. Nada do que você já não conheça do que pode ser um ser humano. Mesquinhos, egoístas, chatos, egocêntricos e só pensam em sexo. Neste mundo em especial, os humanos do sexo feminino, as mulheres, conseguem realizar os mesmos feitos de qualquer homem bombados, aliás, sendo perfeitamente normal uma garota magrinhas conseguir nocautear um lutador de MMA com apenas um chute no nariz. Os homens, por sua vez, continuam o que normalmente são no mundo real, apenas um bando de escravoceta.
  • Feéricos - A mesmíssima coisa de um "elfo", mas por direitos autorais do Tolkien, a autora Sarah J. Maas precisou utilizar esse outro nome para definir essa raça. São seres capazes de viver milênios, imortais e grandiosos, mas todos aparentemente uns estúpidos e igualmente os homens humanos, também um bando de escravoceta que não pensam duas vezes em rebaixar a sua imortalidade só para conseguir uma biscate. Não é raro, portanto, você ver machos feéricos se portando como adolescentes de 15 anos de idade sofrendo após alguma rejeição amorosa ou simplesmente se apaixonando perdidamente por alguma humana. Cada feérico tem o poder de se transformar num bicho, mas não espere nada espetacular sobre essa habilidade.
  • Bruxas - Mais seres imortais e mais seres que se comportam como adolescentes frescas. As bruxas dividem-se em quatro clãs: As Bico Negro que são todas jovens e belas gostosas que precisam lutar contra o constante cio; As Pernas-Amarelas que são um bando de idosa nojenta daquelas que deixa o pão cair no chão com a manteiga virada pra baixo e mesmo assim come; As Sangue-Azul, que são as bruxas afro-descentes; E as Crochan, que são as bruxas boazinhas que se vestem como Chapeuzinho Vermelho.
  • Valg - A raça dos grandes vilões da saga, são seres que vieram de outro mundo e são puro mal e se alimentam de desespero. Como ser imortal nessa saga é sinõnimo de ser burro pra caralho, os valgs são burros e caem todos nos truques mais idiotas da protagonista.
  • Metamorfo - Na verdade só uma metamorfa é apresentada, uma ex-prostituta chamada Lysandra, talvez a personagem que melhor sabe usar seus poderes em toda saga porque ela não para de se transformar e sempre nas figuras mais úteis, como dragões voadores, serpentes marinhas ou tigres-dentes-de-sabre-albinos.
  • Povo pequenino - Espécie de gnomos misteriosos que não sabem falar, mas como todo ser masculino do livro, eles também são uns escravocetas do caralho, continuamente ajudando Aelin por motivo nenhum.
  • Fantasmas - Não são tantos, mas volta e meia surgem fantasmas de reis e rainhas importantes de séculos passados para encher o saco com frases enigmáticas e pedidos mais enigmáticos ainda.