UEFA Euro 2004 (anime)

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Searchtool.svg Se procura pelo jogo da EA consulte UEFA Euro 2004 (jogo).
No Wikipedia.png QUEBRARAM A CARA!

Os espertalhões da Wikipédia NÃO têm um artigo sobre UEFA Euro 2004 (anime).

UEFA EURO 2004
田中と無用10
Leuven Groot Begijnhof northward view from the NW edge of the church.jpg
Sikose to 持ち上げました!
Gênero Esporte, Documentário, Revisionismo histórico, Nacionalismo japonês
Mangá
Autor Artista desconhecido
Divulgação não divulgado por ser uma campanha de doutrinação em massa
Onde sai Indisponível fora do Japão
Primeira publicação 2005
N° de volumes 7
Anime
Dirigido por Artista desconhecido
Estúdio Toei Desanimation
Onde passa Portugal
Primeira exibição {{{primeira exibição}}}
N° de episódios 7
Filmes isto é um filme partido em sete pedaços
OVAs isto é um OVA!


UEFA Euro 2004 (anime) (conhecido no Japão como 田中と無用10) foi um anime toscamente produzido pela Toei Animation, que documenta o título conquistado pela Grécia de acordo com o vivenciado pelos japoneses.


Episódio 1: Grécia contra Portugal: a abertura no Ryu Stadium[editar]

O anime começa com uma demonstração da história de Portugal que mostra naves movidas a energia nuclear entrando no espaço sideral e colonizando planetas desconhecidos, logo após isto o mascote Kinazu-chan dança aleatoriamente e sem a mínima noção de coordenação motora no centro do gramado para encher linguiça enquanto os organizadores montam o palco ultracomplexo para uma apresentação de apenas uma música de Ayumi Hamasaki. Enquanto isso, o técnico português recebe a visita de um misterioso clarividente que conta o que seu futuro lhe reserva. Considerando isto, Big Phillip consulta sua versão 2014 e faz o que ele deveria ter feito contra a Alemanha naquele ano: colocar mais um volante em vez de um meia ofensivo com alegria nas pernas[1]. Enquanto isso, os heróis gregos são apresentados ao público, que, assim como em todo anime, só têm olhos para o protagonista Tanaka, que no máximo é o décimo sétimo melhor jogador em um elenco de 23 (sem contar os jogadores que foram sumariamente excluídos pelo técnico apenas pelo fato de que ele não ia com a cara deles ou porque eram do signo que não batia com o do técnico).

Episódio 2: Rola a bola no gramado verde[editar]

Portugal começa vencendo aos sete minutos com um gol de Luís Figo, que aproveitou que a zaga grega agiu como se estivesse sobre o efeito de um ZA WARUDO para soltar um Flying Madrid Shot [2] no canto do goleiro Matsumoto. Ambos os times passam o primeiro tempo trocando chutes a gol e diálogos sem sentido entre si. No segundo tempo, Cristiano Ronaldo faz pênalti [3] em Kobayashi, que fica furioso a ponto de entrar em processo de combustão espontânea, sem no entanto sofrer queimaduras. Tanaka cobra o mesmo de maneira ridícula [4], porém, como é o protagonista, a bola milagrosamente desce e cai no gol após subir cinco metros em direção aos adeptos e acertar uma gaja que estava tirando uma selfie com os peitos de fora naquele lugar onde os Super Dragões ficam quando o Porto joga. O jogo caminhava empatado até os 44 do segundo tempo, quando Tsuchiya tenta um cruzamento no meio do nada em um escanteio, porém Tanaka consegue saltar seis metros em altura e quinze em distância, cabeceia e faz o gol da vitória grega. O juiz termina o jogo neste exato momento, mesmo faltando vinte segundos para o término do tempo regulamentar e o auxiliar já ter dado três minutos de acréscimos.


Episódio 3: Grécia e Espanha acertam as contas de uma vez por todas[editar]

Na revanche da revanche das Eliminatórias, as duas equipes se encontram mais uma vez, sendo que os espanhóis podem dar adeus ao torneio se perderem. Apesar dos narradores do jogo citarem mais de trinta vezes sobre os confrontos anteriores, nada deles é mostrado. O jogo começa quente, com Tanaka abrindo o placar em um gol em que ele quebrou as duas pernas de Casillas em uma dividida, e Fernando Torres fazendo um gol em que ele literalmente deu um olé em um zagueiro grego, transformando-se em um centauro conforme avançava em direção à área de Matsumoto, finalizando com a frieza de uma churrasqueira controle remoto. Toda a ação do jogo é concentrada nos primeiros vinte minutos, com o resto sendo gasto com os atletas se comunicando telepaticamente e falando por via de pensamentos. Aos 47 do segundo tempo, Xabi Alonso tem a bola do jogo nos pés: uma cobrança de falta perigosa na entrada da área grega. Alonso cobra a falta com maestria, porém o misterioso vento kamikaze lusitano altera a trajetória da bola fazendo com que ela se volte para Alonso, só parando no fundo da rede espanhola. Por alguma razão desconhecida, o gol é creditado a Tanaka, que estava xavecando uma torcedora na arquibancada. Mais tarde é revelado que a torcedora é a mesma que fora atingida pelo pênalti cobrado por ele na abertura.

Episódio 4: Um empate e estamos lá[editar]

Com os resultados da segunda rodada, em que Portugal venceu a Nova União Soviética Rússia, só era necessário que a Grécia empatasse com a Rússia para se classificar para a segunda fase pela primeira vez na história. Na véspera do jogo, é revelado que o técnico da Rússia é um espião da KGB que quer transformar a UEFA em uma organização do governo da Nova União Soviética e dominar a Europa com a quinta Internacional Socialista. Os russos abrem 2-0 no primeiro tempo, mas nos últimos segundos, o juiz assinala um pênalti para os gregos após uma cobrança de tiro de meta de Matsumoto. O goleiro russo é expulso, sem antes se revelar ser um andróide com sistema operacional modificado pela Samsung e 16TB de software proprietário impossível de ser deletado instalados em seu HD cuja função era manipular o governo português para entregar o poder ao PCP, que havia completado o experimento de criar um exército de superguerrilheiros clones de Álvaro Cunhal, assim permitindo aos russos implantarem o conceito do Novo Homem Soviético na Europa com um espalhamento mais rápido devido à presença de turistas de toda a Europa em Portugal. Por castigo por mudar de governo durante a partida, a UEFA determina que a Rússia perderia o jogo por WO. No entanto, após protestos dos jogadores gregos, a partida é resumida. Tanaka cobra o pênalti contra um gol vazio (e ainda quase erra, com a bola batendo nas duas traves antes de entrar), e por alguma razão desconhecida o gol acaba valendo por três na súmula.

Obrigado, plot armor Senhor, pela cagada graça dada de graça porque o autor tem que ganhar dinheiro com essa joça alcançada!

Episódio 5: Tanaka contra Zidane[editar]

Nas quartas-de-final, a Grécia enfrentaria a primeira equipe francesa composta completamente de brancos com nomes obviamente franceses desde a Primeira Guerra Mundial [5]. Mais uma vez a França começa bombardeando o gol grego com uma artilharia jamais vista após a Batalha de Stalingrado, que, assim como a Casa de Pavlov, termina o primeiro tempo com as redes intactas. No começo do segundo tempo, Zidane faz uma jogada encantadora, com pétalas de rosas saindo de suas chuteiras, enquanto citava um poema ao som de uma sinfonia. Após três minutos e meio de brilhância individual, ele arrisca um chute de fora da área que acaba balançando a rede pelo lado de fora. Depois de trinta e cinco minutos de jogadores falando consigo mesmos, Tanaka pega a bola na intermediária, corre para a lateral sem motivo nenhum, acaba chapelando Lizarazu sabe-se lá como, e faz um cruzamento tão alto que, dez segundos depois, ele mesmo cabeceia e faz o único gol da partida. Os próximos dez minutos do jogo são de protestos dos franceses, que queimam um Renault Clio no gramado, indignados pela desobediência geral das leis da Física no anime. O juiz expulsa sete jogadores franceses do gramado após o jogo, como retaliação a eles terem queimado seu carro, porém a súmula aponta vitória grega por 1-0, com gol de Tanaka.

Episódio 6: Um gol de ouro... ou prata... Ah, foda-se[editar]

A semifinal é um enfrentamento sangrento contra a República Tchecoslovaca, que jura vingança pela eliminação dos soviéticos russos [6]. O jogo já começa quentíssimo com os tchecoeslovacos mandando uma bola no travessão, seguido de mais um chute bloqueado no último instante e uma cabeçada em um escanteio que REALMENTE passa tirando tinta da trave. Enquanto isso, Petr Cech, por algum motivo usando o "capacete" de râguebi que ele só começaria a usar no mínimo seis anos após o torneio, é pego pela câmera do estádio vendo um vídeo da Silvia Saint em um telemóvel escondido dentro de sua caneleira esquerda. Vendo este acontecimento, o árbitro parte em direção a Cech, saca seu telemóvel e pede para que o goleiro passe tal vídeo para ele via bluetooth. O segundo tempo e as duas prorrogações são apenas fillers para que o anime chegasse à sua duração de vinte minutos por episódio.

Em uma reviravolta incrível de eventos, no último lance da prorrogação, os gregos ganham um escanteio, no qual é direcionado para Tanaka, cabeceado por Hoshino em uma situação em que não havia nenhum jogador grego num raio de três metros e meio e ainda assim o gol é creditado a Tanaka [7].

Os jogadores gregos comemoram sua classificação para a final

A Final: Revanche contra Portugal no New Light Stadium of Light[editar]

Antes do último capítulo, sem motivo nenhum (poderiam ter feito isso no primeiro capítulo?), a tela passa um flashback das eliminatórias onde a Grécia venceu times como Espanha e Ucrânia para chegar a disputar o torneio. Os melhores momentos da Grécia são reprisados, alternando com a euforia do povo grego com o desempenho de sua equipe. O que se passa atualmente são noventa minutos de diálogos forçados sem sentido nenhum enquanto os jogadores das duas equipas correm sem direção ou motivação através do gramado. Até que aos 90+até o Benfica marcar, Nakajima consegue arranjar um escanteio. Katayama cobra o escanteio, fazendo com que a bola entre em órbita e atinja um satélite de GPS, entre em combustão na reentrada em órbita e pare exatamente na cabeça de Tanaka, que estava mijando no poste da trave do goleiro português, que já estava no banco de reservas, assim como todos os outros vinte jogadores na partida, esperando o juiz começar a prorrogação, em uma velocidade e ângulo perfeitos para pingar no gramado em um ângulo que fizesse a bola entrar no gol em uma velocidade dolorosamente lenta.

A Grécia é campeã da Europa!!

Sequelas Sequências e spin-offs[editar]

O anime ainda teve uma sequência chamada 田中と無用10: 露骨な歴史修正主義, não traduzida em nenhum outro idioma, que conta a vitória italiana na Copa de 2006 de acordo com os olhos dos japoneses. A terceira parte da trilogia já foi adiada quatro vezes devido a ausência de justificativas plausíveis para fazer o Japão voltar a jogar de camisa vermelha, mas com calções azuis ou usar o uniforme do Flamengo quando está fora de casa ou ter um Éder para foder com os franceses na própria casa problemas de captação de recursos via financiamento coletivo no Patreon. UEFA Euro 2004 (anime) também foi o assunto de um documentário chamado UEFA Euro 2004+10 = 10 anos depois, que foca na carreira dos outros jogadores da seleção grega, além dos principais jogadores das seleções enfrentadas pelos gregos.

  1. Coragem, Big Phillip! Estes gregos não estão abusando do plot armor! Jogue com força, como antagonista de anime
  2. Antigamente conhecido como Flying Barcelona Shot. Chamado pelos fãs catalães do anime de Flying Judas Shot
  3. praticamente a única coincidência entre o anime e a história real do evento
  4. pense naquele pênalti do Sergio Ramos em 2012
  5. Por alguma razão, mangakás não conseguem desenhar franceses negros
  6. Detalhe: a eliminação dos soviéticos russos não teve influência de ninguém senão eles próprios. Quem mandou perder pra Espanha e Portugal?
  7. Fato não tão absurdo, já que de acordo com estudos meteorológicos feitos na Universidade Keio, Portugal realmente tem ventos de direção aleatória equivalentes a um furacão categoria 5 durante o verão