Universidade Federal de Goiás

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Ufg)
Ir para: navegação, pesquisa
Tapa na pantera.jpg Universidade Federal de Goiás dá um tapa na pantera!

Por isso ninguém entende o que ele(a) diz!

Clique aqui se você quiser dar um tapa também.

Galinhacaipira.jpg Enxada-2.pngEsti artigu é caipira, sô!!Enxada-1.png

Este tar di artigu pareci caipira, foi escritu purum caipira, ô ele é de fato
CAIPIIIIRRA!!!

Num istraga eli naum, si não nóis crava a inxada pra riba docê!

Banner irreal.jpg
Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Universidade Federal de Goiás.
A própria.

Cquote1.png Atenção: Você não se encontra autenticado. O seu endereço de IP será registrado no histórico de edições desta página. Cquote2.png
Desciclopédia sobre Eu quando vim editar esse artigo

Cquote1.png Você quis dizer: UFMG Cquote2.png
Google sobre a UFG

Cquote1.png A segunda melhor faculdade de medicina do país! Cquote2.png
Calouro burro e empolgado de medicina que fez 5 anos de cursinho achando que o ENADE avalia alguma coisa

Cquote1.png Os meteoros não são parte da historia, somente se eles matarem um humano! Cquote2.png
Turma de historia do primeiro período descobrindo o sentido da vida na mesa da turma.

Cquote1.png Os vasos de cerâmica feitos pelos índios Ava-Canoero não eram rústicos, era tecnologia... Cquote2.png
Alex Rattz, professor de Teoria e Metodologia de Geografia, desviando mais uma vez do assunto, para falar de índio de novo!

Cquote1.png Porque os estudantes do IESA são os que mais deixam pistas sobre quem edita esse artigo? Cquote2.png
Estudante da Geografia refletindo metalínguisticamente sobre a própria inteligência e a de seus colegas de curso.

Cquote1.png Para! Para motorista, para! Eu tô atrasado, por favor páaaaaarraaaa... Cquote2.png
Estudante do Campus II, perdendo o ônibus da linha Itatiaia

Cquote1.png Não podemos desprezar a Federal do Goiás Cquote2.png
Donizete sobre UFG

Cquote1.png Enquanto não consigo manifestar meu lado gay reprimido, eu chamo os veteranos de gay, pra não levantar suspeitas. Cquote2.png
Calouro Alexandre Xandy Maçã do Amor, O Grande homossexual, em conclusão sobre si mesmo

Cquote1.png É pra bater nesses arruaceiros aí. Cquote2.png
Marconi Perillo sobre estudantes da UFG

Cquote1.png Agora eu entro! Cquote2.png
Cotista-preguiçoso-de-escola-pública que passou pra 2ª fase de medicina fazendo 40 pontos (Corte 67,4) depois de 4 anos de cursinho no WR, sobre UFG .


A UFG, Universidade Federal de Goiás, é uma pocilga longe pra KCT instituição de ensino superior localizada no raio que o parta na região norte de Goiânia e que muito se aproxima de uma fazenda, inclusive o reitor, o Excelentíssimo Edward Mãos-de-tesoura Grana do Reuni Brazil, é um agrônomo. O que poderia se esperar além de infinitos pastos, vacas e um milharal plantado perto da Reitoria?

Mas com certeza a maior peculiaridade é uma infinidade de macacos que ninguém sabe ao certo de onde surgiram (há muitas hipóteses). Porém, é dos macacos a maior produção cientifica da universidade, até mesmo de artigos como este, e são os macacos os alunos mais aplicados e interessados da universidade e, sem dúvida, são os que mais assistem as aulas (de fato, comprovou-se certa vez que um mico prego que morreu eletrocutado era estudante do 3° ano de Biblioteconomia. Era um garoto muito bom...). Há boatos de que alguns professores da universidade são macacos com livros e carrões, incluindo o Mad Max, o mais forte deles, líder da Máfia do Cegraf.

A UFG possui dois campi (embora o site da instituição tenha adotado a grafia "campus" mesmo no pural; fica a dúvida se não deveria se "Campuses" então): um, em Goiânia, destinado aos cursos que tem algum respeito e status para sociedade (medicina,odontologia, direito, engenharia, farmácia, exceto enfermagem, nutrição e pedagogia) e o outro campus, que esta longe de qualquer coisa, numa região erma e inóspita, estão os cursos que não possuem nenhum status e são sem utilidade mesmo(geografia, letras, história, [[matemática, Filosofia etc) Os únicos cursos de status no samambaia são:(Economia e Ciências Contábeis)

No campus II é que habitam a maior quantidade de cursos e um único buteco, que na verdade é uma pamonharia, sem vender uma pamonha, ou um restaurante, chamado algumas vezes de Gurupi. Bem, sei lá o que é aquela porra, o que interessa é que lá se vende cerveja e é a tapera mais próxima daquela roça universidade.

Índice

Celebridades[editar]

Macacos[editar]

Calouro da UFG após uma disputa por comida contra um macaco do Campus II .
Retrato-falado do agressor feito por uma estudante do curso de Artes Plásticas.

Os macacos eram os únicos moradores da área conhecida atualmente como Campus II até a chegada de colonizadores da UFG vindos em lombo de jegues do Setor Universitário. Sim, pois na época, década 1960, Goiânia era uma fazenda asfaltada, ou nem isso, pois asfalto era luxo nessa cidade. Logo carro não chegava onde está o Campus II.

Antes da invasão dos colonizadores da UFG os macacos viviam felizes pulando de galhos em galhos. A vida deles resumia a viver de forma sustentável, isto é, fazendo coco no chão para adubar as árvores que em troca lhe davam frutinhas deliciosas, tecendo a grande teia da vida. Resumia-se também a fazer e criar os bebês macacos e a adorar o Deus Macaco, pai e criador de todos os macacos a sua imagem e semelhança.

Porém, com a chegada das armas, germes e da guerra dos lacaios da UFG a sociedade macaca começou a ser dizimada por aqueles que se denominavam proprietários da ciência. Os macacos passaram a ser perseguidos, reprimidos e suprimidos. Houve boates de tortura a militantes da causa primata e frustração das tentativas de se criar um parada do orgulho macaco.

Logo os macacos entraram em colapso, suas árvores cederam lugar para gramados posseiros e a quantidade de macacos desabrigados cresceu exponencialmente. Também cresceu e muito a quantidade de macacos famintos que não torna raras as cenas em que eles reviram o lixo da UFG procurando comida para seus filhos e narcóticos como bitucas de cigarro, maconha dos estudantes das humanas e garrafas vazias para vender para reciclagem que lhe façam esquecer o mundo em que vivem.

Atitudes mais extremas também acontecem, algumas vezes os macacos iniciam disputas corporais por alimentos e chegam inclusive a roubar o lanche e bater carteiras de estudantes, geralmente calouros. Não raro, gangues de símios tem atacado alunos nas lanchonetes. De início, trabalhadores da lanchonete da EMAC empreenderam tiroteios contra essas turbas de macacos, até mesmo usando equipamento bélico pesado, como granadas e armas de alto calibre. Hoje, se desconfia de que os animais (os macacos) tenham aceito um acordo com os donos das lanchonetes, roubando lanches de calouros e revendendo mais barato aos estabelecimentos, em troca de drogas. No último caso alunos burgueses, reacionários começaram a defender mudanças radicais nas leis de execuções penais, não descartando inclusive a pena de morte aos primatas.

Na verdade eles se recusam a saber que os macacos vivem à margem do sistema, pois nem computador possuem, o que dirá sistema operacional e UFGNet, e são vítimas. A verdade é que a grande massa é incapaz de pedir mudanças sociais que possibilitem igualdade de condições aos macacos já que para eles é mais cômodo deixar os macacos na situação que estão.

Mas o mais preocupante nisso é o oportunismo. Em função das condições sociais extremas, os macacos menos instruídos tem apoiado, inclusive votando maciçamente, em representantes de seu povo como o macaco aranha Chicão Morales, considerado arqui rival dos tucanos, embora ao contrário do que muitos pensam a UFG adora tucanos, principalmente nos cursos mais concorridos.

Algumas entidades com um respeito maior como a Livraria da UFG vende souvernis como camisetas, botons, bonés, adesivos com frases do tipo “Visite a UFG”, “Eu Amo a UFG”, “Eu já fui a UFG”, "A UFG é mara", "Eu fui a UFG... e voltei!!!", "Já fui assaltado pelos macacos da UFG", "Ih foi mal, a minha é Federal!" onde são utilizados imagens dos macacos, em especial os menores. A Livraria da UFG tem uma arrecadação que ultrapassa os bilhões de reais, inclusive suas ações são negociadas na Bovespa só na venda desses souvernis sem se quer repassar parte dos dividendos a projetos que visem a inserção dos macacos na sociedade acadêmica.

Segurança-Herói[editar]

O Segurança-Heroi é um destemido guardião da Justiça, da Paz, do bem-estar, dos bons costumes, da moral, da tradição, da família, da propriedade, das pessoas tementes a Deus da Universidade Federal de Goiás.

Segurança-Herói em seu local de trabalho.

A maior prova disso aconteceu no Festival de Cinema Perro Louco. Um estudante, com certeza da Filosofia ou da Ciências Sociais que ninguém conhece estava perambulando pelas dependências da UFG portando os mais diversos tipos de entorpecentes, ilícitos, narcóticos, tais como campim santo, cocaína, LSD, entre outros na sua mochila.

Ao ser abordado pelo nosso destemido guerreiro, o Segurança-Herói, o estudante reagiu violentamente negando que aquilo era o que parecia ser. Ciente do risco a comunidade acadêmica o Segurança-Herói desferiu o que mais tarde o Lindomar aperfeiçoou e chamou de LAI contra o larápio estudante.

Com o enérgico encontro do estudante ao chão, o latossolo vermelho da UFG balançou colocando em xeque a segurança de todos os presentes. Irritado e indignado com a audácia do meliante, o Segurança-Herói imobilizou aquele marginal com seu KCT Mágico do Conhecimento e começou com o mesmo a agredir o estudante até o ponto em que ele não oferecesse mais risco a sociedade acadêmica.

Após a reviravolta fatos importantes aconteceram.

Após o acontecimento, estudantes comunistas subversores do curso de Direito começaram a fazer uma intensa demagogia pedindo a imediata desmilitarização da UFG e solicitando a ONU intervenção dos boinas azuis. Alegaram que o estudante era uma vítima da decadência da família perpetrada pelas política neo-liberais de Lula e FHC que visam achatar o poder de compra da classe proletária trabalhadora brasileira e que o Segurança-Herói era um risco a liberdade da comunidade acadêmica. Felizmente, não se sabe quem, rejeitou a proposta dos meliantes marxistas e o emprego do Segurança-Herói foi mantida, assim também como o segredo de sua identidade, CPF, CNH, e CTPS. Recentemente 2013, com a onda de carros roubados na UFG e o impedimento legal da PM não entrar no campus o reitor EDWARDY F.D.P. Madurovsky aumentou para 3 o numero de Seguranca-Heroi para VIGIAR A UFG INTEIRA NAQUELAS MOTOS! É PORQUE NAO ROUBARAM O SOM DESSE CARA! TENHO VERGONHA DESSA MERDA DE FACULDADE!!!

Principais Forças e Personalidades Treinadas Pelo Segurança-Herói[editar]

  1. BOPE
  2. ROTAM
  3. Guarda Municipal Metropolitana
  4. Gaviões da Fiel
  5. Lindomar
  6. Chuck Norris
  7. Exército Americano
  8. KGB
  9. FARC
  10. ETA
  11. IRA e Pitty.

Campus I[editar]

Carro de candango estacionado próximo a praça Universitária, Campus I.

No campus I, ficam os cursos chamados elitistas.

Ao que tudo indica, o curso de medicina é também o mais desenvolvido por ter auxílio da ONU, que destina cerca de 0,0001% da renda adquirida por venda de armas biológicas aos EUA para a compra de cadáveres chineses (tudo isso por debaixo dos panos, lógico) e incentivo financeiro também para compra de novos 'lotes' vivos de macacos para pesquisas científicas na área da saúde, conseguindo os alunos dessa maneira, nota máxima no ENADE, sem ao menos saber aferir pressão arterial e fazer uma massagem cardíaca sem fraturar no mínimo 6 costelas de qualquer criatura. É muito comum, também, os alunos da medicina passearem pela praça universitária vestindo seus jalecos e promovendo assim, a infecção hospitalar, prejudicando ainda mais o 'coitado' sistema único de saúde.

As ligas acadêmicas, também oriundas da medicina, são formadas por uma diretoria de quase sempre 6 alunos puxa-sacos (também chamados de 'aluno tira-leite' de professor) que querem mostrar que a área da saúde é muito caridosa e destinam-se ao treinamento de macacos recém-formados em medicina para que estes um dia, possam ser excelentes cardiologistas ou pediatras.

O segundo curso elitista do campus I, seria o de direito, mas, ao que tudo indica, o curso está sem moral com o presidente da ONU, não recebe verba desde 2001 nem para a limpeza da faculdade, uma vez que os banheiros estão sempre fedidos e sua estrutura não melhorou muito nas últimas décadas. Existe uma outra teoria para o mal cheiro dos banheiros do direito, é a de que os estudantes têm problemas de flatulência congênita infinita, uma doença rara, antes conhecida somente entre os acadêmicos de nutrição (já que fazem experimentos com alimentos fora do prazo de validade ou restos doados pelo programa Fome Zero).

O terceiro curso elitista do campus I é o curso de Engenharia, mas o curso tem uma dívida milionária com o presidente da ONU e teve que vender todos os bebedores em um raio de 100km para tentar quitar a dívida. Para enganar o alunos, colocaram "pseudo-sabonete-líquido-em-garafas-de-água" nos banheiros para pensarem que é prevenção contra a gripe suína. Outra possível teoria para o desaparecimento dos bebedores é que a Escola de Engenharia fez um pacto de sangue com o tio da cantina, que agora está ganhando milhões vendendo água para os estudantes sedentos. Porém esse pacto fora destruído com sucesso por baratas espiãs oriundas das aulas de açougueiro de anatomia que para completar suas missões se alojavam dentro de salgados para serem descobertas após as primeiras mordidas famintas. Por fim, os futuros desistentes engenheiros tiveram que aderiram o nomadismo na busca de água potável e alimentos, decentes.

Os outros cursos, aparentemente, não apresentam nenhum problema.

Campus II[editar]

Famoso por obter macacos extremamente pertubadores ao lado das salas onde são realizadas as provas de vestibulares, ao qual muitos dizem que os mesmos (macacos) são na verdade, espiões da CIA ou fiscais disfarçados, ou apenas um macaco ordinário que não dá um pingo de valor no ser humano que se mata anos e anos comendo livros pra passar na roça da UFG, ou mesmo pra tirar fotos de "trotes" e colocar no orkut facebook pra todo mundo ver e achar ele "o cara" (a).

Estava esquecendo de falar sobre o 'Seu Raimundo', é que até me esqueço que chamam aquilo de bar. Seu Raimundo na verdade é o nome do dono do bar, o nome do bar é inutil(Canarana's Chopp) e nao serviria de referencia pra ninguem achar o local. Um pouco depois do campus II ( sim, acredite, o campus II não é o fim do mundo, existem coisas depois dele!), o bar é domínio de aspirantes de veterinarios e Agronomos e conclui-se que só toca um estilo musical no local: sertanojo! ótimo lugar para exibição dos carrões ganhados dos pais, ja que ninguem tem pique de ir a pé para o local ( só os alunos de educação fisica, que são proibidos de ir la!).

Cursos como medicina,odontologia, farmacia e nutrição também aparecem por la. Esses cursos são os responsaveis por levar as mulheres, já que os cursos dominantes só são compostos por peÕes! Com uma unica mesa de sinuca, algumas mesas em baixo das arvores e varias geladeiras de cerveja, o bar atende alunos vagabundos o dia todo. 2 vezes ao ano o bar 'bomba' como dizem os proprios alunos. Todo primeiro dia de aula do semestre alunos de todos os cantos possiveis se unem no local ao som (sertanejo, claro ) de carros turbinados e bebem das 8 da manha as 8 da noite. Tornando o lugar insuportavelmente cheio ( de peões e piriguetes ).

Centro de Aulas[editar]

O Centro de Aulas é uma prova da gestão preocupada com a justiça social pela qual a UFG está passando. O Instituto de Matemática, além de formar pessoas sem noção de amor ao próximo que pauta por um comportamento injustificável que o massacre de tornar seres humanos máquinas de calcular, possuia um prédio só seu. Porém o prédio era subutilizado em rituais matemáticos funestos enquanto que muitos cursos ficavam pela Universidade marginalizados a procura de salas de aulas.

Diante desses fatores prejudiciais ao desenvolvimento da Universidade, o Magnifico Reitor Edward Mãos de Tesoura, um craque pois é agrônomo, promoveu a reforma agrária na UFG ao tirar aqueles larápios de infâncias formados e formadores do IME daquele prédio e no lugar construir outro mais moderno e imponente.

Atualmente no Centro de Aulas foram instalados cursos sem prédios, sem institutos e o principal, sem salas próprias como administração,economia e etecetera. Também foram instalados cursos oriundos de prédios construídos com peças de lego como a geografia, a física, a própria matemática, o jornalismo e etecetera.

O Centro de Aulas tem a qualidade (que não é lá essas coisas), o vestibular (fudido) de universidade federal e a infra-estrutura de uma privada como a UNIP. O prédio conta com aparelhos de ar-condicionado acionados por comando de voz, data show com detector de luminosidade, internet sem fio (quando você contratar o Vivo Zap), cadeiras de plástico desenvolvido pela NASA de largura e resistência para agüentar antílopes.

Centro de Aulas 2[editar]

Uma versão zuada do Centro de Aulas. Fica fora das fronteiras da UFG, de Goiânia e do Planeta Terra. Teoricamente, tem os mesmos padrões e vantagens do Centro de Aulas 1. Mas só teoricamente mesmo... O prédio ainda está em construção, mas já abriga aulas, em geral, de Agronomia, História, Engenharia de Alimentos, Ecologia e Análise Ambiental e outros que foram tirados do Centro de Aulas 1 contra a vontade e jogados no Centro de Aulas 2.

As britadeiras e betoneiras trabalham a todo vapor, enquanto os alunos tentam ouvir seus próprios pensamentos. Os banheiros são réplicas exatas dos banheiros do Terminal do Dergo, incluindo o cheiro, a sujeira e as pichações de "quero homem, 18 a 22 anos..." etc...

As salas de aulas tem cadeiras acolchoadas, de qualidade e padrão desenvolvidos pela NASA, mas não há mesas e nem apoio. As os alunos fazem provas apoiando a folha nas costas do colega da frente. No fundo da sala há fiações e fios desempacados em geral.

Existem aparelhos de ar-condicionado mas são apenas de enfeite, pra que os alunos se sintam menos excluídos, suportando o calor infernal durante as aulas.O data show é projetado na parede por que o suporte para o aparelho ainda não é conectado e não serve pra nada,sem falar da tela que foi inutilmente clocada em uma posição impossível de ser visualizada por toda a sala

Bosque[editar]

Vândalos. Olha as caras desses marginais!

O bosque no ponto de vista ambiental é muito importante para o campus II. Ele serve como um radiador gigante, notado principalmente quando você está desidratando nos 37,5° do Centro de Goiânia e ao chegar no campus sente apenas 37,4º. Também é um grande criatório de muriçocas, mosquitos como o da dengue e febre amarela, que já matou um guarda por lá, entre outros insetos que chupam sangue e faz você se arrepender de cortar as unhas. Além de criatório de insetos, é também criatório de primatas. Exemplos: os macacos e os estudantes da UFG, principalmente os do noturno. Tanto é que o bosque foi dividido em duas partes, o matel que é a zona, não a Zona, de reprodução e o fumódromo.

Alunos bastante atentos a aula de medicina.

O fumódromo foi colocado ali para os estudantes fazerem usos de suas drogas ílicitas sem poluir o meio-ambiente, pois imediatamente a fumança é filtrada no processo de fotossíntese, sem interferência do Segurança-Herói. Várias coisas inusitadas aconteceram no bosque, pessoas viram Bob Marley, Raul Seixas entre outros maconheiros. Também é discoporto, e ets de várias constelaçãos intergaláticas já pousaram alí.

O que mais chama atenção é a trilha principal que corta o bosque partindo do IM, Instituto de Matemática, e vai para o pasto ao lado da Biblioteca Central. No meio do caminho existe uma encruzilhada, onde o pedestre pode escolher se vai em frente, rumo ao conhecimento, ou vira para alguns dos lados em direção ao matel ou ao fumódromo. Geralmente a encruzilhada é utilizada para rituais em segundas-feiras de lua cheia, onde estudantes ex-pseudos-góticos desenham no chão pentagramas, acendem velas, bebem vinho e se banham com sangue de pombas.

Biblioteca Central[editar]

Que doravante autodenomina-se BC, Banco Central, guarda todo acervo pertencente a UFG. Encontra-se ali livros, jornais, revistas, periódicos, monografias e um tando de outros documentos que o discente, estudante, quase nunca pode pegar, ou se pode tem que devolver imediatamente, ou em último caso, nem se interessa. Existem 100 exemplares de um mesmo título para cada um... mil estudantes. O acervo é sempre novo em papiro folha e é sempre possível pegar livros, pois os títulos que você quer ler são poucos populares, quase ninguém gosta de best sellers tais como Oscar Wilde, Adous Huxley etc. Outro aspecto importante da BC é o sistema eficiente e intuitivo de busca e localização dos livros. Todo mundo aprende facilmente a encontrar livros usando esse método e de tão fácil que é, ninguém explica para ninguém como faz. Na verdade eu não vou te enganar não, o sistema é muito complicado e todo mundo finge que sabe procurar. Só que quando alguém aprende para se sentir superior, não revela o segredo.

Loja do Diretório Central dos Estudantes.[editar]

Esquema simples do DCE.

Também chamado de DCE, é muito freqüentado pelos estudantes politizados que querem admirar aqueles quadros da Revolução Russa e do Che Guevara enquanto jogam sinuca. Existem serviços importantes como acesso sem bloqueios e sem vírus por preço simbólico ao MSN, OrkutFacebooK. O DCE distribui gratuitamente salgados deliciosos fartos em recheios e paras as estudantes que estavam no matel modes e vende por preços econômicos mercadorias extremamente procuradas em toda a cidade como maconha, hachiche, skank, benzocaina, lança perfume, entre outros. Mas o destaque fica mesmo com a canabis considerada pelo Departamento de Química de altíssima qualidade e, por isso chamada pelos goianienses de canadense.No momento estuda-se o aprofundamento das relaçoes entre o DCE e o Departamento de Química para a criação de feiras para exposição dessas substâncias que já atraem o interesse de turistas.

No DCE tambem é onde acontecem as famosas chopadas que tem data marcada em todas as quintas apartir das cinco da tarde, em que é possível assistir a brigas violentas, todo mundo se pegando depois de certo horário (sete da noite)e alunos completamente bêbados quando se tem promoções como por exemplo pinga free.

Com a nova diretriz do DCE, o espaco perdeu a graca ganhou mais vida. Agora sem mesas de sinuca está um ambiente inutil agradável semelhante a area nobre da faculdade: CC.

Centro de Convivência[editar]

Lá estão as agências dos principais bancos internacionais como o BIRD, BID, FMI, entre outros bancos superpopulares como o [[Banco RealSantander]]. Devido à pouca viabilidade e à baixa procura, a agência da Caixa Econômica Federal, que não fica lá no Centro de Convivência e sim do lado da loja do DCE, fecha as 18h – ignorando os estudantes do noturno que pegam aula sábado –, e a da Banco do Brasil pouca fila tem. O Bradesco mais proximo do campus 2 fica situado no Centro (rua 4 esquina com Goias). O Estudante que possui Conta Universitaria Bradesco cartao bradesco pode fazer um rapido debito automatico em lugar algum . Não podemos desprezar o megacentro de logística e distribuição dos Correios que vai até o Matel entregar correspondências aos estudantes. Lá existe um restaurante que também fecha à noite. Aliás, estudante do noturno não é gente. Esse restaurante vende Coca-Cola a R$ 4,00 (a lata!). Quer assaltar, assalta lá fora – mas dentro da universidade? O quilo da refeição é R$ 0,50 mais barato do que o Restaurante Executivo. Agora, além dos preços absurdos, o Centro de Convivência oferece por apenas R$ 1,75 R$ 2,00 R$ 2,25 uma nojenta deliciosa coxinha com recheio congelado, que embrulha o estômago de qualquer estudante desavisado que se ilude pelo tamanho dela, mas que o traumatiza no finalzinho, quando ele sente o gostinho do gelo e começa a ter crises de vômito. É também um ambiente de recreação para os macacos da UFG, que sempre estão entrando pelos buracos do teto ou no telhado mostrando apenas a cabeça e roubando a comida dos calouros ou alunos distraídos.

Brioche[editar]

A lanchonete (se é que isso é uma lanchonete) Brioche se localiza no pátio comum da FACOMB, FCHF, IME e InF e é geralmente frequentada por suicidas alunos destes prédios que, na hora do intervalo, ficam com preguiça de ir ao Centro de Convivência comer algo diferente de salgados reciclados, sucos estilo Chaves e outros alimentos de origem duvidosa. Diz-se que quem vai até lá lanchar não volta, ou pelo calor infernal (o que se espera de um lugar subterrâneo) ou por ter ingerido os alimentos duvidosos lá fabricados. Além dos suicidas preguiçosos, a Brioche também é frequentada pelas alunas frescas vaidosas da FACOMB que descem a metade da escadinha para conferir o visual no espelho enorme que tem lá e pelos alunos usuários de ônibus que vão até lá na esperança de recarregar suas carteirinhas, mas na maioria das vezes a mulher mal-comida mal-humorada que fica no balcão diz que a máquina estragou ou acabaram as viagens. Portanto, nunca coma na Brioche! O risco de você morrer por lá mesmo é muito grande. Recentemente (2010/02) a vigilancia sanitaria fez um baixa lá e fexou a bagaça, pois o padrao alimenticio era muito superior para alunos de faculdade publica.

Com o fechamento do Brioche abriu ali ao lado da Faculdade de Ciências sociais a Cantina UFG que aparentemente e um local mais higienico e organizado do que o Brioche, mas ja existem grupos especializados que estão investigando a qualidade do estabelecimento e da comida oferecida. Entretanto, descobriu-se que os administradores do restaurante CantinaUFG eram, na realidade, a Dona Florinda e alguns macacos pregos. Por causa disso o restaurante está fechado, não dando outra opção aos universitários folgados da FACOMB, FCHF, IME e INF andarem quilômetros até o CC ou morrer de fome.



A VOLTA DO GALINHEIRO[editar]

Em 2012, indo contra todas as propostas de fim do mundo (financiadas pelo Carlinhos Cachoeira e desarmadas na operação de nome engraçado), um novo muquifo uma nova lanchonete surgiu no lugar da antiga substituta da Brioche. E diz-se: "Delícias do Campus".

A ideia foi apresentada como falha porque, depois de alimentar-se com a comida de lá, um aluno foi encontrado morto, com pedaços de carne de macaco, alface radioativa e parafusos enferrujados no estômago.

Há um salgado, a provável causa da morte do aluno, que, segundo estudos, apresenta carne de gente, coliformes fecais, medo de escuro e queixadinhas. Além desses desagrados (e desarranjos), a lanchonete ainda conta com uma estufa (para deixar qualquer aluno bem cozido ao bafo), uma máquina de café comedora de notas de cinco reais, uma réplica do Seu madruga e professores atuantes, que impedem os alunos no processo sofisticado de cabulamento de aula.

Restaurante Universitário[editar]

O RU ou Restaurante Universitário há muito alimenta os desprovidos socialmente da UFG com um amplo cardapio baseado na famosa fórmula gastronômica SNI (sabor não identificável), que promove reações químicas e radioativas (comparadas às do Césio 137), causando mutação inclusive nas formigas do local, algumas do tamanho de ratos. Dizem que os sucos de lá são feitos por nada mais nada menos que o próprio Chaves: sua especialidade é o suco de abacaxi com gosto de laranja e cor de morango. O suco é feito utilizando-se água da chuva, e com tecnologia PPM (partes por milhão) que permite diluir um kisuko em uma caixa d'água. E o suco é natural. Pelo menos a temperatura...

Com cadeiras desconfortáveis, mesas enormes e muita gente o RU é a única opção para quem deseja com 3 reais comer arroz ou qualquer massa branca parecida com isso, comer alguma coisa pra encher a barriga(por que a comida de lá não é pra saborear) e conseguir aguentar a aula durante a tarde, geralmente é frequentado por estudantes que não tem vida e vivem em função da UFG e passam o dia todo por lá. A refeição do RU como em nenhum outro restaurante universitário é rica em brindes, insetos e pedaços de madeira em geral são facilmente encontrados e classificados como a dieta saudável de estudantes e macacos.Depois de longos períodos, o R.U recebeu um novo local, para que seus alunos venham almoçar com maior comodidade.Um local arejado, ventilado, mas a comida do mesmo jeito e o suco também. Inclusive no dia da inauguração, o Magnífico Reitor e os membros da Reitoria esteve presentes, deliciando a gororoba, que é consumidas pelos estudantes do campus II.Até alguns alunos "ricos", passaram a almoçar lá.

Graças a isso, a fila está um pouco maior. Há dias que chega a alcançar o Campus I, vez por outra, quem está procurando o fim da fila resolve almoçar em casa mesmo, já que está no caminho. Foi feita ainda um curral cercado para minimizar o comprimento da fila, mas o gado é selvagem, e preferem ignorar essa estrutura.

Enquanto almoçam no RU os alunos tem a opção de encenações feitas de graça por etudantes da FAV como por exemplo alunos se lambrecando de chocolate em cima da mesa e apenas de cueca, dentre coisas do gênero passar o seu aniverssario no RU é sempre uma ocasião especial, voce ve milhões de pessoas sem noção e maria vai com as outras que voce nem conhece cantando parabéns pra voce, um aniverssario assim voce só tem la.

Restaurante Executivo[editar]

Ao lado do RU ( vulgar restaurante universitário ) encontra-se o RE ou Restaurante Executivo. Com melhor estrutura o RE apresenta ar-condicionado, mesas limpas, cadeiras confortáveis e um carinha sorridente na porta pra lhe desejar bom dia. Apesar do preço a refeição servida no RE sai da mesma cozinha que a porca refeição servida no RU, deixando claro o descaso para com os estudantes pobres e macacos do Campus II. O RE é frequentado por professores e alunos exibidos, ricos que não desejam se misturar com a parte animal e pobre da universidade. Por fim o RE é um divisor social, separando os ricos, pobres animais e vegetais. No RE não é permitida a entrada de pobres, macacos, bêbados, cabeludos, estudantes de Geografia, Ciências Sociais,Filosofia, História, Química, Física, estudantes do C.e.P.A.E ( desconhecidamente conhecido como Aplicação, localizado abaixo da matinha maior do Campus II)...e por fim todos exceto alguns playboys estudantes de Agaynonomia.E agora, passou para um novo local, vai ver que é melhor do que o do R.U. Apesar de ser encostado no R.U, ele irá mostrar a separação da classe social: de um lado os alunos ricos e de outro os alunos excluidos.


Reitoria[editar]

Alunos da UFG indo para trabalho de campo no Maranhão.

A Reitoria da UFG foi construída em tempos longínquos, aproximadamente em 1200-e-coca-de-vidro. Estima-se que o prédio tenha sido construído a mando da Faraoa Milka (TM) Morte e Vida Severino.

Se olhada do espaço sideral, é possível ver que a Reitoria possui um formato de Milka, ninguém sabe porque (será mesmo?).

A Reitoria da UFG é composta de:

- Gabinete da Reitoria - Formado pela chefia de gabinete (ou seja, quem mande nessa j****, a Assessoria de Comunicação (ASCOM, local onde trabalha aquele menino que tem a voz legal e conduz todas as colações de grau; é onde ficam os estagiários de jornalismo são contratados para fazer o trabalho de responsabilidade de efetivos da administração da Universidade) setor de convênios e contratos (hein?), setor de correspondências e serviço de copa (tia da limpeza e tia do café).

- Centro Editorial Gráfico (CEGRAF)- Onde começam e terminam todas as greves da Universidade. Na verdade, os membros do Cegraf formam uma máfia que controla as impressões e publicações diversas dentro da UFG: só que é amiginho ou paga um por fora é bem tratado e recebe material em dia.

- Comissão de Processo Administrativo Disciplinar (CPAD) - Pessoal que estrepa a galera que é jubilada da Universidade.

- Coordenadoria de Assuntos Internacionais (CAI)- Pessoas que mandam estudantes entediados com a própria via/pais/aulas/namorados para respirar ares europeus por uns meses.


- Procuradoria Jurídica (PROJUR) - Acuma?

- Pró-Reitorias - Setores que tem funções de executar atividades que implementam subsídios para que a instituição esteja sempre atuando no sentido de contemplar as mas diversas demandas geradas por docentes e discentes. Entendeu?

Reitores (a) da UFG[editar]

Do mais recente ao mais antigo.

Orlando Montgomery Afonso Valle do Amaral Burns[editar]

Orlando Alves, mais conhecido como Mr. Burns foi eleito reitor da UFG com a díficil missão de continuar os avanços da gestão anterior, tarefa que foi sabotada pela então presidente Dilma Rouseff e sua famosa frase "ACABOU O DINHEIRO". O careca mais azarado da UFG teve que lidar com constantes atrasos de repasses de verba e corte da mesma durante o seu mandato.

O que não se pode negar é o aumento da divulgação da faculdade na mídia, mesmo que pelos motivos errados (falso estupro, explosão de caixas eletrônicos e lista fajuta do Interxxx) e também pela integração entre reitoria e comunidade acadêmica, pois durante sua gestão a reitoria foi alvo constante de invasões e panelaços.

Uma vez perdidos todos os cabelos que lhe restaram e pago todos os pecados na Terra durante sua gestão, Mr. Burns foi descansar após passar por um dos períodos mais conturbados da história da UFG.

Edward Mãos de Tesoura Madeira de Pau Brasil[editar]

Edward Mãos de Tesoura Madeira de Pau Brasil foi eleito reitor da UFG tendo como promessa algo importante, que eu não sei porque na época ainda não estudava lá. O que sei é Edward Mãos de Tesoura de Pau Brasil foi reeleito, se bem que ele era candidato único e eu votei nele sem saber o que dessa vez ele prometeu. Bem, é costume entre os estudantes dizer que o Magnifico Reitor fica horas usando o computador de seu gabinete para jogar Age Of Empires Reuni Edition, que tem um alto grau de realismo.

O que é sabido é que o Edward, enquanto joga Age Of Empires, provoca uns comportamentos estranhos. Para começar a lamentação dos estudantes da agronomia, pois os prédios destroem a grama que eles pastam. Mas o principal é o luto provocado em uma professora do IESA que conversa com árvores, baleias e focas, pois para cada prédio novo, árvores são cortadas e isso provoca nela, na professora, lamúrias em virtude do luto provocado pelas suas amigas de dossel. Não sabe o que é dossel? Azar seu.

Bem, é isso, ficou bonitinho? Então faz melhor.

Milca Severino[editar]

Milca trabalhava nas fábricas de sorvete da Kibom e Lacta (sim, jornada dupla) no ano 26.d.c. Milca revoltou-se contra a situação de exploração da mais valia advinda de sua força de trabalho e resolveu fazer uma facul de enfermagem, porque medicina era difícil e naquela época não havia preparatório pré-vestibular. Morte e Vida Severino descobriu que as enfermeiras de todo o mundo também eram exploradas em injustas jornadas de trabalho, revoltou-se (de novo) e resolveu que a única saída era largar o marxismo, parar de fumar maconha no bosque e virar professora da UFG, pois naquela época professor que tinha doutorado não era mandado embora para cortar custos. Não demorou muito para que ela se tornasse reitora da Universidade, por 523 anos (não foi todo esse tempo na verdade, essa é uma medida subjetiva de quanto tempo pareceu que ela ficou por lá, ou por aqui, ou... tanto faz).

Órgãos da UFG[editar]

Hospital das Clínicas (HC)[editar]

Eita, pessoalzim que trabalha esse! Ou não.

Planetário[editar]

Onde os alunos vão para pegar um crédito facil e tirar umas sonecas enquanto ouvem falar sobre estrelas, asteroides, gatinhos e etecetera.

Rádio Universitária[editar]

Onde os estagiários de jornalismo realmente aprendem alguma coisa sobre a profissão e, segundo relatos, pegam verdadeira noção da latada em que se enfiaram.

TV Universitária[editar]

Todo mês que vem ela entra no ar se Deus quiser.

Centro de Línguas[editar]

Curso de línguas da Faculdade de Letras onde alunos idiotas de outros cursos, que mal sabem falar português corretamente, tentam aprender línguas estrangeiras para pagar uma de 'pseudo-poliglota'.

Editora UFG[editar]

Órgão fachada, usado para lavar o dinheiro da máfia do Cegraf.

Cine UFG[editar]

Cartão de assinantes de O Popular paga a mesma coisa.


Lanchonete da tia - melhor torta de frango dos campi; vale a pena conferir.[editar]

Faculdades e Institutos[editar]

Ala Nobre (ou "Mauricinhos e Patricinhas")[editar]

Instituto de Ciências Biológicas (criadores de macacos geneticamente modificados e medicos a lá Caron). A Biologia e Ecologia tem um poder de atrair belas mulheres, são as melhores porque elas não têm medo de bichos, pegam nas cobras que é uma beleza. Mas também tem a capacidade de atrair um monte de veados também conhecidos com boiologos,que atribuem toda tragetoria do curso a praticas anormais como caçar borboletas é saltitar no meio do matos em grupos,comportamentos de biologos. Militantes do PETA se matriculam só porque gostam de seus yorkshires. Dizem-se contra a poluição, mas esquecem que sua tintura loira, seus esmaltes vermelhos e seus tamancos de madeira desmatada da Amazônia fazem mal ao planeta. A porcentagem de alternativos, vegetarianos bitolados e ex-vestibulandos de medicina frustados ( esses últimos tendem a optar pela bioMEDICINA, que quando fazem camiseta do curso por obra do acaso sempre destacam a 2ª parte da palavra) também é grande, tornando o curso um dos mais heterogênios.

O banheiro do ICB 4 é uma réplica exata do cenário do filme Jogos Mortais, com direito a banheira e a cegueta, para cortar a perna, se preciso, sem falar no cheiro mais agradável da Universidade que exala do laboratório de anatomia animal e no ICB 3 de anatomia humana.

As antigas gerações de geógrafos da UFG veneravam Milton Santos, os calouros de 2009 estão mais antenados em outro advogado renomado...

Faculdade de Administração (eternos estagiários), Contabilidade e Economia é habitada por estudantes que têm um ego enorme. Eles se acham os donos do capitalismo moderno, e tem a certeza que um dia serão o Eike Batista do país. Existem três categorias de alunos: Os Ricos, que ao formar vão trabalhar nas empresas dos pais. A Classe Média (chamada de pobre pelos ricos e de rica pelos pobres), que ao formar serão diretores em empresas importantes. E os Pobres (chamados de pobres pela Classe Média e paupérrimos pelos Ricos), que ao formar serão assistentes admistrativos das classes domoninantes.

A maioria não tem dinheiro porra nenhuma mas fazem questão de gastar todo o centavo no restaurante executivo (pra dar um ar de "filhinho de papai"). Como os filhos da elite goiana não via razão pra estudar na federal, já que existe a PUC, nunca fizeram questão de se ter uma faculdade de finanças na UFG (talvés por isso Goiás esteja afundado em dívidas). E quando foi criado a FACE ...ohhh... não existia prédio pra abrigar o curso ...ohhh... Durante longos anos, tiveram que ter aulas com o pessoal da agronomia. Foram dias difíceis... sertanejo o dia todo e muita lama na bota. E até hoje não há prédio para abrigar faculdade ...ohhh... os pseudos-milionários da UFG assistem aula no Centro de Aulas B, um depósito de estudantes de vários cursos que vão ter aula lá com a promessa de um prédio projetado pela NASA. (NOVIDADE: Depois de uma intervenção da NASA, Dilma resolve liberar uma grana para a construção do novo prédio da Face.

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA[editar]

Aluna de Geografia, ativista de movimentos de minorias.

Também conhecido como Instituto de Estudos Socio-Ambientais, o IESA abriga o conceituado(sic) curso de Geografia. Povoado por semi-analfabetos, pseudo-comunistas e mulheres de bigode,professores terroristas, homens-bomba e pistoleiros,não só os professores,( os alunos também), o IESA é responsavel pela maior formação de hippies na província goiana.

Aluno do IESA.

Os professores do IESA são formados em qualquer coisa, exceto em Geografia. Claramente, estão seguindo o exemplo de seu mestre, Milton Santos, conhecido pela alcunha de "O Advogado".

Os hippies da Geografia são conhecidos como grandes empresários pela habilidade em vendas, conseguindo vender aneis de côco por 10 reais. Geralmente são candangos que não passaram na UnB.

A síntese é que o curso de Geografia tem Professores PTistas, Veteranos Comunistas e Calouros Anarquistas. Para os banheiros do IESA, inúmeros alunos de outros cursos vão passar fax, e não encontram papel higiênico (que só é reposto durante a Semana Nacional da Geografia). E vez por outra, usam peças de roupa, meias e cuecas, para se limpar.

Os alunos ingressados no ano de 2009 lançaram uma esperança nos corações de todos aqueles que gostam de geografia e ao mesmo tempo têm bom senso (se é que isso existe). Apesar de ter alta concentração de crentes, nerds e vegetarianos, apresentam uma uma galerinha do barulho, que apronta todas, que até João de Deus duvida!!! conhecidos como a turma do Awey. Por todo o carisma e a boa reputação do Professor/Doutor Gilmar, advogado muito conceituado na OAB, entre os professores do instituto, esses alunos acabam sendo expulsos de sala com freqüência, deixando a sala por vontade própria, chegando algumas horas atrasados nas aulas ou até mesmo faltando a elas (desde que alguém assine a lista de chamada em seu lugar). Ainda assim, alguns deles tiram notas surpreendentes com alguns professores extremamente exigentes, mostrando a genialidade desses alunos que sequer levam cadernos para as aulas.

Aulas essas que têm uma gama quase infinita de temas, desde "O Efeito do Aquecimento Global sobre a vida Indígena" até "Demografia e Democracia Indígena", passando por cursos como "Formação do Espaço e Território Pré-Colombiano", "A Indústria Nativa Pré-Cabraliana" e "Glorioso Trabalho, Valor e Papel Indígena na Sociedade". Devemos falar das disputas, inclusive corporais, entre professores (e até mesmo entre os alunos) da geografia humana com a geografia físicae sem contar com a famosa" disciplina Conexão com mãe Terra." Nas reuniões do conselho diretor é um arranca-rabo só, que resulta em pancadaria, assassinatos e até mesmo chacinas. A área humana não fala de outra coisa, senão Milton Santos (que nem Geógrafo foi); enquanto a área física promove passeios trabalhos de campo (11 em cada 10 para Pirenópolis). Se não gostou, com certeza vai pro inferno, pois o diretor do IESA é ninguém menos que Deus. João de Deus. Se está desse jeito foi por que Deus quis assim.

A turma ingressada em 2010 não tem o mesmo carísma que a de 2009. Mas, quem liga para carísma, se eles têm mais mulheres? Já a turma de 2011 tem muito mais mulheres. Foda-se o carisma.

O CA (Centro acadêmico) do IESA é um salão com TV e assentos. Sua área de 2 metros por 1 abriga um sofá velho, um banco de praça e uma TV 14" (COLORIDA!!!) que pega até 2 canais. Apesar desse CA ser de Geografia e Ciências Geoambientais, alunos de outros cursos vão para lá em pleno horário de aulas e ocupam sua extensa área, e a TV. Não raro, alunos do IESA vão para lá assistir TV ou instalar e jogar PS2 e se deparam com elementos dos cursos de Engenharia Elétrica e afins, dormindo, babando enquanto a tv está na Globo (?? geógrafo sabe que não se sintoniza tv na globo). O mais notável é que, você pensa que eles estão dormindo, e quando você ameaça mudar de canal, um acorda e diz, em pleno horário de almoço: "A gente vai assistir Jornal Nacional ainda né?" (???).Isso sem contar, a superlotação que depois de duas turmas ( a de 2010 e 2011), terem entrado, ocasionam a maior algazarra. Há tanta gente num mesmo lugar que o espaço fica destorcido devido ao acumulo de massa, e satélites de pequeno porte (Fobos e Deimos, desviados da órbita de Marte) já orbitam o CA de Geografia, que se tornou o centro de gravidade do sistema Terra-Lua.

O novo prédio do IESA está em construção (desde 1985) e deve ficar pronto juntamente com as obras da Copa do Mundo de 2014.

- Você jura que não quis dizer: "Ciências Ambientais"? O IESA possui esse curso desde 2009. Agora só tem uma questão, ninguém sabe, professores, vestibulandos, intelectuais, para que serve esse curso. O que sabemos é que, se o curso de Geografia já dispunha de um número vantajoso de mulheres (15 homens para cada mulher) o curso de Geoambientais veio para levar as mulheres da Geografia. Hoje, o curso de Geografia apresenta uma proporção de, aproximadamente, 5 homens para cada rapaz.

As instalações do IESA (diferente dos demais institutos, que têm cada um, um prédio com térreo e 1° andar) são um "gigantesco" corredor (com 25 metros de comprimento por 1,5 de largura) e algumas salas construídas em Lego e madeirite. Enquanto o IQ ocupa, além de seu próprio prédio, o 1° andar que seria do IESA e mais metade das salas de Lego de seu humilde corredor.

Uma Oca está sendo construida ao lado do novo prédio de Geografia (término previsto para 2014), e deve abrigar as aulas dessa matéria. Na realidade, há uma sucessão de fatos futuros: caso as 4 usinas nucleares do Japão entrem em colapso e o Japão se desintegre, ele vai ser reconstruído antes dos estádios da copa do mundo do Brasil, que sairão do papel antes dos novos prédios da UFG.

Ala Média (ou "Somos legais... falem com a gente...")[editar]

Isso é o sonho de todo quase todo aluno do da Ala média (exceto da FAV e Letras). Quanto a Ala Pobre, nem sabem o que é isso...

Instituto de Química (revendedores de produtos ilicitos e testes inúteis). Se fazem química, já sabe-se, são loucos. Produzem e revendem diversas espécies de narcóticos e substâncias semi-lícitas (no bosque não são proibidas).

Esse curso apresenta uma taxa de crescimento assombrosa, tomando laboratórios e salas de aulas em um raio de quilômetros. É o segundo maior "câncer" da UFG, e já tomou o Instituto de Geografia e o de Física, mas não para de crescer.

Instituto de Física onde está sendo desenvolvido um freador de partículas.

  • FACOMB

Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia (semi-playboys e proto-intelectuais). Abriga quatro cursos: Jornalismo (jornal), Publicidade e Propaganda (PP), Relações Públicas (RP)e Biblioteconomia, que brigam entre si por cadeiras e salas de aula, que são insuficientes para todos. Além disso, costumam brigar pelo título de descolados, sempre conferido ao curso com o gay mais caricato. Acreditava-se que o curso predominante na FALOKACOMB era o de Jornalismo, mas pesquisas recentes(de 1943) indicam que o grupo de indies, patricinhas, pseudo-lésbicas e filhotes de cruz credo fizeram com que a qualidade do curso caísse de 0 pra -2. Com um laboratório fotográfico bem equipado(duas câmeras analógicas descartáveis de 36 poses), um laboratório de informática equipado com máquinas de escrever e professores excelentes mas que nunca comparecem, a FACOMB forma novos jornalistas, publicitários e RPs que vão ser o futuro do mercado midiático goiano. O pessoal de Jornalismo trava guerra com o pessoal de PP e RP e sempre se acharam os donos do mundo, mas acabam tendo que dar uma de nordestino e ir para São Paulo tentar a sorte grande, pois o mercado goiano tem 80 jornalistas pra 1/2 vaga, e acabam se tornando, em sua maioria, escritores de jornalzinho de igreja evangélica, mendicante ou vendedor de sacolé. O pessoal de Publicidade e Propaganda é o orgulho da FACOMB, criando propagandas de qualidade como as da Star Chic. Não sabem nada de computação gráfica e têm o maior índice de homossexualismo do prédio. Conseguem fazer com que a purpurina do campus inteiro seja direcionada para o prédio onde estiverem. Além de ter os maiores gays, a FACOMB também é conhecida por ter as mais gatas da área de comunicação (e leia isso como: mulheres que são mais bonitas que a Hebe). Ninguém sabe o que o pessoal de RP faz, além de murais iguais os de 3ª série e colagens. Nunca foi visto o pessoal de Biblioteconomia frequentando os corredores facombianos, mas acreditam-se que sejam só garotas feias que estudam 4 anos pra trabalhar atrás de um balcão de biblioteca.

Em se tratando de FACOMB, é bom deixar claro que os homens não estão em extinção (Pode se ver alguns gays que (ainda) não atingiram o glamour e o fashionismo dos alunos da FAV e também alguns malucos fãs de sertanejo e putarias em geral). Vale lembrar que, nos mesmos estudos de 1943, foi constatado que a FACOMB tem uma lei de incentivo ao lesbianismo, fazendo questão de abrigar os maiores números de sapatos femininos do campus todo.

A Faculdade de Letras é a parte mais colorida da UFG e também é conhecida por abrigar a maior quantidade de pseudo-intelectuais-odiadores-de-paulo-coelho, gays, mulheres casadas e mais gays por metro quadrado. Lá são formados os futuros críticos literários e professores de português, línguas estrangeiras e literatura que serão forçados a trabalhar arduamente (leia-se: "como escravos da rede pública e/ou particluar de ensino") recebendo um salário fuleiro para tentar inutilmente dar ao menos um pouco de educação às pestes dos filhos dos outros.

  • FEF

Faculdade de Educação Física. É o local onde a galiere se reune para "bater uma bolinha" (além do bosque). Os prédios do instituto não tem paredes.Por isso, constantemente, partes dos prédios caem sobre os alunos.

Os banheiros não tem água quente ou morna (e muitas vezes, nem fria também). As piscinas são verdadeiros criadouros de Aedes Aegipt, e os campos de terra batida lembram muito os de Aparecida de Goiânia. Na quadra coberta, chove mais dentro do que de fora.

Reduto dos Candangos Bombados, que imaginam que jogam melhor que os Goianos. (nota-se pela posição do Gama e do Brasiliense em relação ao Goiás,Vila Nova e Atlético Goianiense).

Ala Pobre (ou "Bizonhos e Desgraçados do Universo Acadêmico")[editar]

Nas aulas do curso de matemática nota-se a disponibilidade de recursos.
Típico aluno de filosofia relaxando em sua casa: o mundo.
  • IME

Instituto de Matemática e Estatística (nerds e loucos psicopatas destruídores de infância que escolheram esse curso porque a nota de corte é baixa). Também conhecido como Instituto de Mulheres Estranhas, tendo como matriarcas as alunas da turma 2012/1.


  • INF

A sigla original se refere a Instituto de Informatica, mas quando se entra lá você passa a chamar de INFerno. Enquanto os alunos da história e geografia pitam maconha, da letras ficam lendo istorinhas, da FAV ficam desenhando ou brincando de showzinho, da Quimica fica fazendo bombons com cor de bosta doce de leite. Os alunos do INFerno são torturandos pelos carrascos professores. Os professores descontam o bullying sofrido na infância nos alunos que também sofreram bullying. O INF também é conhecido por ter a maior quantidade de nerds por metro quadrado. Lá você encontra o maior numero de mulheres feias por metro quadrado. São aquelas nerds que passaram a vida estudando e esqueceram de aprender a passar maquiagem e a se depilar. Nota-se que todos são sedentários, ja que vivem na frente de um PC, bebendo coca-cola e comendo um pacote de passa-tempo. Sabendo o baixíssimo nivel de interação social(no mundo real) dos alunos desse instituto, percebe-se que todos sao virgens, afinal, nao encontraram aonde fica uma vagina. O prédio INF é o mesmo do IME que teve a bondade de ceder esse espaço para tortura. No INF se passa 20 anos estudando, mas vale a pena depois porque as possibilidades de trabalho são infinitas: Operador de caixa de supermecado, Monitor de curso computação, digitador e telefonista.

No inf temos varios cursos: Ciência da Computação: Pecou muito na vida? Venha para cá. Você estará pagando todos seus pecados ainda em vida! Tempo para se formar: 20 anos. Engenharia de Software: Você quer Ciência da computação, mas não tem capacidade. Vem para cá! Tempo para se formar: 6 anos. Sistema de Informação: Não sabe Word, Excel e PowerPoint? Venha para cá! Tempo para se formar: 5 anos. Gestão da informação: Não sabe nem ligar o computador? Aqui é o seu lugar! Esse é o curso que a UFG criou para diminuir o analfabetismo .digital e promover a inclusão digital. Tempo para se formar: 4 anos.

Aluna de História.
Aluno de Hiscórica.
Mais um talento da arte é revelado na FAV.

Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia. Ciências Sociais, Hiscória e Filosofia. As Ciências Sociais são, basicamente, o falido curso de Estudos Sociais do primário. Sobre Filosofia, citarei o que já se sabe: Os estudantes dividem-se entre alguns espécimes tais como os desistentes, os pretensos literatos, hippies, os homossexuais, os "era-o-curso-com-menos-candidato/vaga", as bruxas, os engajados políticos, as professoras do interior, os velhos em crise existencial, os punks, celebridades de nível municipal, seminaristas, jogadores de RPG e maníacos sexuais. Dependendo do espécime do aluno, ele pode sair com os seguintes conhecimentos: obter/manusear/usufruir de substâncias como: pinga, maconha, tiner, cola de sapateiro, gatinho e todas as outras substâncias possíveis. Enviadar de vez, tanto os machos quanto os alunos fêmeas. O aluno também poderá aprender algumas normas da ABNT e recitar pedaços de livro. Pode se graduar em ser dependente dos pais, rebelar-se e se tornar caixa de padaria. No mais, o curso básico fica só na vadiagem mesmo. Mas o foco central do FCHF é a Hiscória! Se o instituto de química produz todo tipo de substâncias alucinógenas e entorpecentes, isso de nada valeria se não houvessem os alunos (e professores) da História para consumi-las. São rebeldes sem causa, metidos a intelectuais e extranhos. O curso de história é normalmente frequentado por comunistas que nunca leram Marx, cults, ateus, pseudo-intelectuais, esquerdistas, crentes, metaleiros, católicos e até freiras e simpatizantes de doutrinas como bruxaria e hinduísmo. Ah, e agora tem o curso de relações internacionais formado por estudantes que não conseguiram passar para direito. O curso é composto basicamente de mulheres e veados. Os internacionalistas são odiados pelo resto da FCHF por causa da sua composição elitista. A maioria dos estudantes escolheram o curso pois, queria conhecer outras culturas, adora aprender outras línguas, quer se prostituir, virar diplomata ou por falta de opção mesmo.


Faculdade de Artes Visuais (descolados, estranhos e mal-vestidos; e entreposto comercial com a Reitoria). Você pode encontrar aqui pessoas se pegando, homens vestidos de noiva, esculturas que utilizaram como matéria prima galhos e todo tipo de detritos e lixo, e isso ao ar livre; emos, indies, posers, e todo tipo de gente estranha. Você só não encontrará aqui pessoas a paisana. Aqui também se encontra uma das lanchonetes do Campus, a que tem mais macacos, para ser mais exato.

Escola de Música e Artes Cênicas (excluída social por motivos óbvios)

Ala Rural (ou "Orgulho de ser goiano")[editar]

  • EA

Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos

Turma de 2009 de Engenharia de Alimentos.
Turma de 2009 de Agronomia.

Esse é o maior câncer da região Centro-Oeste, se expandindo numa velocidade assustadora, engolindo prédios e pastos em toda a região norte de Goiânia. Especialistas afirmam que esse se encontrará com o Câncer do IQ em 2012.

-O Instituto mais movimentado da UFG por possuir um restaurante que serve comida semelhante a da mamãe e também procuradíssimo pelas mulheres por abrigar os homens mais roceiros da Universidade.

Os estudantes de Agronomia tem o peculiar costume de não fazerem camisetas do curso, e sim Chapéus e Botinas. A cada ano muda o modelo de Chapéu e a marca da Botina. Claro, combinando com o Violão e a Camisa xadrez.

Em Engenharia de Alimentos se aprende a fazer bolo de andar, para casamentos.

  • FV

Faculdade de Veterinária (Pet-shop) Vacas com buraco na barriga. Até os macacos têm medo desse departamento.

Linhas de Ônibus (Campus II)[editar]

302 - Pc Campus/Marista/Universitário[editar]

De todas é a menos problemática, e menos necessária também. Passa regularmente e tem mais veículos que todas as outras linhas juntas. Conseqüentemente, nunca lota. É responsável por levar ao Campus II os alunos cujos pais têm carro, mas não liberam para seus confiáveis filhos irem para a Universidade. Também leva alunos de um Campus para outro, pois, é a unica linha que passa nos dois.

263 - Term. Pça da Bíblia/Cj. Itatiaia ║ (PC Campus/T. Bíblia)[editar]

Ônibus da linha 263.

A linha utiliza ônibus moderníssimos. Equipados com potentes e silenciosos motores que são capazes de desenvolverem velocidades incalculáveis para quem está dentro do ônibus. A suspensão faz com que o interior do veículo seja tão tranqüilo quanto o interior de um Airbus A-320. A iluminação é propícia para revisão das materias. No embarque existe sempre filas nas quais as pessoas entram civilizadamente com muita discrição, também há sempre um praça do exército indo de manhã para o quartel que acha que porque está com aquele uniforme de azeitona é melhor do que todo mundo. Os motoristas sempre param nos pontos do Campus II. Incrivelmente a grande maioria das pessoas que descem na praça das Bibas pega os ônibus Bandeiras (027, 028) e Cruzeiro (019, 020), que conseguem ser mais lotados ainda. Ultimamente, entrou na pilha das demais linhas, dando voltas gigantescas entre o terminal e o Campus. E também é a linha da terceira idade, ao longo dos pontos quase que só entra velho naquela joça!

268 - Pc Campus/Centro (via Criméia Leste)[editar]

É o ônibus mais eficiente para ir para o Câmpus, dá menos voltas. Porém, ele segue uma regra muito peculiar, só passa de três em três. Quem está na praça cívica fica angustiadamente 40 minutos esperando e de repente eis os três Campus Centro.

174 - Campinas/Fama/Campus[editar]

Ponto final da linha 174.

O famoso ônibus do sequestro.Utilizado por maconheiros torcedores do vilanova do Itatiaia e de Campinas, que freguentemente estão em cima do ônibus declarando poesias às pessoas da rua. Passa regularmente, mas não chega ao destino final. Após a ultima mudança na rota, essa se tornou a linha de coletivo mais longa do mundo, com pouco mais de 250 km, passando por lugares desconhecidos pela maior parte de seus passageiros, como Goiânia 2, Criméia Oeste, Fama, Arisco, Aparecida de Goiânia e Ponta Grossa. A linha possui veículos jovens e de meia idade (entre 20 e 40 anos de uso), e não raro, os motoristas se perdem nas voltas da rota. Demora por volta de 10 horas para percorrer a rota toda. Reza a lenda que seus passageiros não vão para casa, eles dormem no ônibus, que chega na Universidade no dia seguinte. Muitas pessoas dizem ter visto o espírito do Senhor Lâu e de suas três filhas, que morreram em 1968 tentando chegar ao Campus, por esse motivo é conhecido também como ônibus fantasma.

270 - Pc Campus/Centro (via Criméia Oeste)[editar]

Ônibus de propriedade da UFG disponível para trabalhos de campo.
Rota do 270.

A não ser que você seja idiota o suficiente para não querer ir ao campus no 268 (vide acima) ou mesmo morar no c* do mundo, esse é o ônibus certo para você. Tem uma rota de aproximadamente 47 km. Famoso por demorar uma eternidade e dar voltas épicas e demoradas pela região norte da cidade antes de chegar ao campus, essa linha de ônibus possui motoristas que também costumam desconhecer sua rota e vivem constantemente pedindo pela orientação dos próprios passageiros, isso se deve ao fato dos motoristas veteranos saberem que essa linha na verdade é um verdadeiro pé no saco e, por isso, eles mandam os novatos fazerem o serviço.

105 - Terminal da Praça"A"/PC Campus (Eixo Bernardo Sayão)- Expresso Sedução[editar]

Cena comum no dia a dia do 105.

Popularmente desconhecido como Linha da miséria o ônibus 105 é externamente lotado - a sua plataforma de embarque - e internamente super lotado, possuindo a mais vasta diversidade étnica, cultural e social.

Basta entrar no veículo para encochar e ser encochado, simultaneamente, mesmo por que, mal cabe 200 pessoas num ônibus, mas esse carrega centenas.

Onibus-duelo pois, você tem que duelar no mano a mano com os trabalhadores da Bernardo Sayão para poder entrar no onibus. Sentar? É para poucos. Na teoria, ele sai do terminal de meia em meia hora, mas pela manhã esse horario se estende por ate 50 minutos. Sinta-se um guerreiro se conseguir entrar no onibus nos horarios de pico. Quem fica na plataforma do Eixo Anhanguera pode assistir o povão dançando "Ah Muleke" para tentar entrar no onibus, porque fica uma muvuca na frente da porta de um lado para o outro e acaba que ninguem entra, até que uma pressao de tras empurra alguem pra dentro que geralmente sai catando mamona. Há casos de perca de chinelo, sandalias e afins; arranhoes; passagem de maos nos bolsos; cabelos bagunçados e muito pobre reclamando.

Durante as viagens noturnas do 105, o ônibus se torna um verdadeira balada sobre rodas, onde você encontra muitas opções de entretenimento: jogar truco nos assentos , bater um papo intelectual com os nerds , chingar prostitutas e bêbados que surgem na rua, beijar na boca(para muitos o veiculo já virou motel),beber pinga no fundão ou cantar de forma desafinada e descoordenada modões sertanejos que de tão antigos, fedem a mofo. As vezes o motorista oferece doses extras de adrenalina, realizando curvas perigosas em alta velocidade, e fechando as portas antes dos passageiros desembarcarem.


A situação já é ruim quando você chega no Terminal. Para embarcar é na plataforma das linhas santas: Santa Helena, Santo Antônio e o Campus, que sinceramente, é a Santa Paciência que não te deixa nervoso (Mas ainda bem que este foi para o Terminal do Dergo). Tem uma lotação média de 112 passageiros - isso era antes da linha do 174 mudar, agora o número de passageiros beira a casa dos 300 - fora que o ônibus demora 25 min.(?) em horário de pico, e 1 hora em horário normal. Ou seja, se você perdê-lo, no dia daquela prova, a casa caiu mané! Outros fatos interessantes: Até o Itanhangá (que ninguém sabe onde fica), roda até meia noite. O 105 roda até as 22:30 hrs. e olhe lá. Dia de sábado até as 15:00hrs., e se você for fazer algum concurso ou vestibular no Campus, não pegue o 105 no domingo! Até porque domingo ele nem roda mesmo...

725 - Circular Campus (Pc Campus/Campus/via Campus)[editar]

A unica linha em Goiânia que é de graça!!! Os passageiros podem entrar pelas portas de trás (pra quem não conhece, em Goiânia os passageiros entram pela porta da frente do ônibus, onde pagam a passagem, e descem pela porta de trás). Serve apenas para levar e trazer alunos do Campus em si para os cursos da Ala Rural, apenas para não andarem alguns metros.

132 - PC Campus/Itanhangá (Via Acre)[editar]

Somente o Google Earth (ou nem mesmo ele) é capaz de explicar. Simplesmente lendária, essa linha liga o Campus Samambaia a um bairro goianiense chamado Itanhangá. Dizem (não, eu nunca me arrisquei a entrar nesse ônibus) que essa linha atravessa regiões ermas e desconhecidas do Brasil, como desertos e florestas temperadas, passando inclusive no Acre. Claro que isso pode ser simples lenda urbana (ou não). Para não restar duvida sobre o fato de entrarmos pelas portas traseiras do PC/Campus/Itanhagá: Durante muitos anos os estudantes da UFG ao entrarem pela porta dianteira foram mordidos por motoristas raivosos e inexperientes. Para evitar esse tipo de constrangimento ao motorista a empresa de ônibus resolveu armá-los com lança chamas e armas de longo alcance, assim se você entra no ônibus e reclama, ele, o motorista é capaz de alvejar o reclamante sem grande esforço.

721 – PC Campus/Shangri-lá (???)[editar]

Liga o Campus II a um fictício "Jardim Shangri-lá (???)", visto que esse bairro não aparece em mapa nenhum, nem de Goiânia e nem de nenhum lugar do mundo. Dizem que essa linha era utilizada por Shaka de Virgem no Círculo das seis existências para mandar seus oponentes para o Paraíso (Asuras) ou então para o próprio Nirvana.

722 - PC Campus/Itatiaia/Nossa Morada[editar]

Sabemos apenas que ele passa pelo Itatiaia. Esse Nossa Morara ninguém nunca viu. Coincidentemente, ninguém nunca viu algum onibus dessa linha, mas se você olhar no site da CMTC, tá lá o 722.

Tentativas de Protesto por Transporte de Qualidade[editar]

  • Pulação de catracas

Foi uma manifestação pacífica, promovida por alunos provindos do FCHF. Visava que o preço da passagem de coletivo urbano em Goiânia não subisse ainda mais. Centenas de alunos foram chamados. 4 foram.

Resultado: Os alunos entraram num onibus e pularam a catraca, entrando sem pagar. O onibus estava vazio, então, o motorista bateu o pé, e disse que não iria dirigir enquanto eles não saíssem do veículo. FAIL.

  • Apanhando na Praça Cívica

Uma manifestação, um pouco menos pacífica, e pelo mesmo motivo. Dessa vez, centenas de alunos compareceram à Praça Cívica, no centro da cidade, fazendo barulho e protestando por seus direitos, parando o trânsito.

Resultado: A polícia militar foi acionada, e todos os estudantes apanharam. ÉPIC FAIL.

  • Queima do pneu

Traumatizados pelo resultado da ultima manifestação, os integrantes do DCE decidiram optar por 2 novas táticas: 1º - Não quebrar nada que fosse de outra pessoa. 2º - Fazer a manifestação dentro da Universidade, onde a polícia militar é proibida de entrar. Queimaram então 1 pneu em frente a um ônibus que passava no local. O veículo estava vazio, e o pneu foi comprado pelos próprios universitários.

Resultado: Ninguém viu. Ninguém ficou sabendo da manifestação, além dos próprios participantes. Uma semana depois, a passagem subiu. ÉPIC FAIL COMBO.

Campus Jataí[editar]

É uma extensão da já fudida UFG na cidade fudida de Jataí. Possui dois campi por incrivel que pareça, cada um mais bem estruturado que o outro.


Faculdades e Institutos[editar]

Riachuelo[editar]

É onde ficam as mulheres feias, e os homens que acham que entendem alguma coisa de política. O prédio maior do campus é uma casa onde mora o diretor da unidade, e aloja gratuitamente os filhinhos de papai da medicina que vem estagiar na cidade. O prédio menor abriga as salas de aula, os laboratorios, a biblioteca, a lanchonete e algumas coisas mais dos cursos de Letras, Geografia, Pedagogia, Psicologia, Historia e mais alguns cursos que sem ninguém perceber abrem quase que sem querer. Localização protegida por senha.


BR, ou Jatobá[editar]

Recém formados no curso de Merdicina veterinária do Campus Jataí.

É onde fica a galera que não passou em Goiânia (usando geralmente a desculpa de que não gosta de cidade grande, principalmente os que cursam ciências agrárias, para esconder sua frustração). Abriga os cursos de Agronomia, Merdicina veterinária, boiologia, ki-mico, madremática, fíasco, biomerdicina, zoo-té-qui-mia, Esquerdo (nehumx dxs estudantxs de Direitx se sente contempladx pela ideologia binária de gênero), capinologia, e anatomia de partes retalhadas aplicada, esta última ministrada por um gay que anda toda metida na sua Pajero.

A unidade que abriga a nata dos metidos a intelectual do Brasil, pseudo-sertanejos e a maior concentração de botas que já se teve notícia. Diga-se de passagem que este assessório, típico das espécies Agrolopithecus e Vetecanthropus Erectus, é também encontrado nos pés que frequentam os cursos de bioMEDICINA, enfermagem e fisioterapia. Possui uma estrutura com alguns prédios cheios de laboratórios que ninguém sabe usar. Uma lanchonete que vende salgados altamente estranhos, mas a grande sacada da lanchonete é o catupiri... Salgado de catupiri com frango e calabresa, doritos sabor catupiri, sanduíche natural de catupiri, picolé de catupiri, suco de catupiri com laranja. Estando este alimento no topo da cadeia alimentar do estudante do campi de Jataí.

As aulas do curso de quimica são inovadoras no Brasil utilizando somente reagentes do século passado doados pelos instituto pasteur da Europa.

Conclusão do Artigo[editar]

Não fugindo da regra das outras UFs do país (desculpa que os frustrados que estudam nas não-públicas usam para falar que são superiores, quando, na verdade e na grande maioria das vezes, pegaram a sobra das melhores instituições de ensino superior do país) a cozinha do restaurante universitário, que como não poderia deixar de ser, faz experiências com a comida e a transforma na pior gororoba que se tem notícia, e isto sem comentar o suco de cores que é oferecido para ajudar a empurrar aqueles experimentos mal sucedidos pra dentro dos estudantes, inclusive é deste fato que se onera a melhor explicação para a grande população de macacos no campus. Dizem que os macacos são estudante que comeram durante toda sua graduação no R.U.im. e acabaram sofrendo mutações genéticas. Mas mesmo com tudo isso todos que estudam lá dão graças aos cursinhos, por estar se graduando lá e não a Univercidade da Padaria do Seu Jãum.