Universidade de Coimbra

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Chorao1.jpg Atenção Noob!

Este artigo pode falar mal de uma celebridade, algo famoso ou qualquer merda que você goste, então pare de chorar e fique na sua, pois sempre haverá um Sysop Malvado online para acabar com otários que fodem artigos!

Va-a-merda-porra-(Luiz-Carlos-Alborghetti).gif Este artigo pretende ser ofensivo!
Se não se sentiu ofendido, edite-o até se ofender.
E se você se sentiu ofendido, VÁ A MERDA, PORRA!!!


●Universidade de Coimbra
●Universidade do Putedo e da Vida Loka de Coimbra
●Coimbra

Big-boobs-cleavage.jpg Vinhotinto.jpg
Bandeira Brasão
Lema: Vou ouvir a Serenata no INEM
Hino: Traçadinho
800px-Universidade de Coimbra1.jpg
Capital Coimbra
Maior cidade Pólo I
Língua Português, Grunhidos de estudantes a vomitar na rua e gemidos no Parque Verde do Mondego
Tipo de Governo Anarquia cagativa da Associação Académica e Fascismo da Dura Praxis, Sed Praxis
Dux Um gajo que já devia estar licenciado há anos
Heróis nacionais Quim Barreiros
Independência 1290
Moeda Euro, Bagaço, Vinho carrascão, Traçadinho, Sexo.
Religião Putas e Vinho Verde
População Aproximadamente mais de 21 000 bêbados
Área cerca de 340 mil m² (Rio Mondego 40% de água)
Analfabetismo 90%
PIB per Capita Milhões de euros em propinas. USD/hab.
IDH 0.66
Fuso Horário Bebadeira/Ressaca (Hemisfério Norte)
Clima Temperado com aumentos de temperatura devido ao consumo de álcool.
Site do Governo http://www.uc.pt/
Cquote1.png Você quis dizer: Putedo Cquote2.png
Google sobre Universidade de Coimbra

Cquote1.png Você quis dizer: Bêbados Cquote2.png
Google sobre Universidade de Coimbra
Cquote1.png Bebi pra caralho quando era estudante. Cquote2.png
Camões sobre Universidade de Coimbra
Cquote1.png Subornei os professores e tive as maiores notas. Cquote2.png
Salazar sobre Universidade de Coimbra
Cquote1.png Eu estava presente na inauguração. Cquote2.png
Dercy Gonçalves sobre Universidade de Coimbra
Cquote1.png As belas carninhas das pernas das universitárias, deleitavam Carlos da Maia. Cquote2.png
Eça de Queirós sobre Universidade de Coimbra
Cquote1.png Você não vai ser universitária em Coimbra! Você é moça! Você é moça!. Cquote2.png
Capitão Nascimento sobre Universidade de Coimbra

A Universidade de Coimbra é uma conceituada escola do ensino superior, localizada na cidade de Coimbra, em Portugal.

É a universidade portuguesa com maior prestígio internacional e uma das mais antigas da Europa: toda a sua glória não vem à toa, pois para conseguir ensinar os portugueses são necessárias os mais avançados recursos pedagógicos.

História[editar]

A Universidade de Coimbra foi inicialmente fundada em Lisboa em 1290... mas aí os portugueses viram a cagada que fizeram de terem feito a Universidade de Coimbra em Lisboa, que ao invés de simplesmente mudar o nome, mudaram a universidade inteira para Coimbra em 1308.

Manoel, por sua vez, falou que tanto faz onde a universidade poderia ficar, e o cheiro era melhor em Lisboa, então em 1338, a Universidade voltou para Lisboa. Todavia Joaquim achou isso tudo uma grande burrice e em 1354 levou a universidade novamente para Coimbra. Em 1377 alguém levou novamente a universidade para Lisboa... e finalmente, em 1537, com o Brasil já descoberto, estudantes de intercâmbio brasileiro definitivamente transferiram a Universidade de Coimbra para a cidade de Coimbra, para sempre.

Depois disso muitos arquitetos tentaram cagar frequentemente o visual da Universidade, e conseguiram isso: a sensação do estudante nesta universidade é de estar na época de Salazar.

Geografia da Universidade[editar]

Fazes Bullying com ela, mas, um dia, vai ser tua chefe: isto aplica-se a qualquer mulher feia nerd de qualquer faculdade.

Actualmente, a Universidade de Coimbra é constituída por Três Pólos Universitários:

  • Pólo I - É a jóia da coroa da Universidade de Coimbra, mais frequentado por turistas do que por estudantes sóbrios. Localizado na Alta Universitária, perto das Sés da cidade. Abarca a FDUC, FLUC, os Departamentos de Química, Física, Arquitetura, Matemática, Ciências da Vida e Ciências da Terra da FCTUC, a Faculdade de Psicologia e o que resta da Faculdade de Medicina. A FEUC, apesar de estar localizada nos Olivais, também pertence ao Pólo I.
  • Pólo III - Pólo das Ciências da Saúde, é o Pólo mais recente da UC, com início da sua construção em 2001. É onde ficam localizadas as Faculdades de Medicina e Farmácia, e alguns centros de investigação. Fica em Celas, bem perto (ou não) dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) por razões óbvias.

Estudantes[editar]

Aluna da UC prontíssima para passar naquele cadeirão fodido.

O mais importante na Universidade é o estudo e a preparação para o mercado de trabalho, mas visto os níveis de desemprego na Península Ibérica, a Universidade de Coimbra passou a ser conhecida mais pela Queima das Fitas, com antevisão na Latada.

Os estudantes universitários de Coimbra são reconhecidos pelo seu traje acadêmico igual ao do Harry Potter e pelas fitas coloridas, cuja cor identifica o curso a que pertencem (que vem salientar a sua semelhança com Hogwarts): o traje acadêmico é composto por calças de fato/saias pretas, camisa branca, colete preto, gravata preta, meias pretas, sapatos pretos e uma gigante capa preta, que são obrigado a usar, mesmo sob o calor infernal do verão português. Há ainda a tradição dessa mesma capa nunca ser lavada e tem de ser "benzida" pelo estudante com: cerveja, esperma e vômito, não necessariamente nessa ordem.

Típica aluna de Psicologia da UC.

Os estudantes da Universidade de Coimbra são conhecidos por serem uns escrotos com a puta da mania, que andam trajados todos os dias do ano (incluindo Agosto), apesar de não ser obrigatório. Apesar de faltarem ás aulas e ficarem na tasca a emborcar bagaço, e preocuparem-se mais com a Praxe académica do que com os estudos, os ditos cujos envergam o traje para sublinhar o facto de serem universitários e consequentemente fazerem-se de superiores destacarem-se do resto da população de Coimbra. Os estudantes da Universidade de Coimbra podem ser avistados nas tascas da Alta, junto à Sé Velha, onde há a cerveja mais barata de Coimbra.

Esta obsessão pelo uso diário do traje académico tem vindo a ser estudada pelos sociólogos e antropólogos a nível mundial:

  • Alguns defendem a teoria de que, pelo seu preço excessivo, os estudantes o usam para compensar o dinheiro que gastaram;
  • Outros que serve como afirmação do seu estatuto social enquanto universitário, ou seja, bêbado que não faz um caralho da vida;
  • Enquanto outros afirmam que os estudantes não têm outra roupa para usar no seu dia-a-dia.

Sendo a última teoria a tida como mais válida.

Atualmente é a universidade do mundo mais brasileira fora do Brasil, sendo impossível andar aos pés da universidade sem se deparar com estudantes felizes e barulhentos vindos de todas as Partes do Brasil.

Cursos da UC[editar]

Típica aula de Anatomia da FMUC.

Recentemente o pessoal de Medicina ficou confinado a Celas, isto quando não têm de andar a saltitar do Pólo III para o Pólo I, onde infelizmente se têm de misturar com a plebe. Os estudantes da FMUC são facilmente reconhecidos, devido ao uso abusivo da camisola representativa do curso para exaltar que são de Medicina e superiores aos outros e pelos carros topo de gama. Têm um estranho orgulho no bar do Pólo I e a mascote é um esqueleto chamado Adolfo. São mais avistados na zona de Celas. A cor representativa da FMUC é o amarelo (frequentemente apelidado de "amarelo mijão").

  • Medicina - Nerds e Betos que querem estatuto social (e Lésbicas).
  • Medicina Dentária - Pessoal que não teve média para entrar em Medicina.


Eterna rivalidade com a FMUC pelo pódio da hierarquia da Praxe da UC: invadem a Faculdade de Medicina de tempo a tempo. Os estudantes da FDUC podem ser avistados nos Jardins da AAC e na Praça da República. São facilmente reconhecidos pelas bíblias que carregam debaixo do braço, por estarem a cantar Eu vi uma Francesa..., uma versão adulterada do hino da França, ou por estarem a malhar bagaço no Pintos. É frequente observar as alunas da FDUC vestidas como se tivessem 40 anos, e são famosas por passarem às cadeiras sempre nas orais. A cor representativa da FDUC é o vermelho.

Este artigo é um
Patrimônio Mundial da Humanidade.

Pode ser uma ruína, uma cidade
de merda, um matagal abandonado,
mas está protegido!

World Heritage Site logo.png

Leitura recomendada apenas para
pessoas com cultura.

A UNESCO monitora este artigo.


A Faculdade é um antigo palácio: não é preciso dizer mais nada. Os estudantes da FEUC não são assim tão facilmente reconhecidos, mas o visual Beto e a mota são preferências regionais, talvez pela proximidade com a Escola Secundária José Falcão. Antro de pessoal com convicções políticas de Direita. São mais avistados pela zona dos Olivais, mas, de vez em quando, descem até à Praça da República. As cores representativas da FEUC são o Vermelho e Branco.

  • Economia - Betos ricos de Direita;
  • Gestão - Pessoal com a PDM (Puta da Mania);
  • Relações Internacionais - Pessoal que quer ganhar muito dinheiro no Parlamento Europeu e viajar à custa do dinheiro dos contribuintes
  • Sociologia - Pessoal que não entrou em Psicologia.


São muito amigos com a FMUC, mas quando chegarem ao mercado de trabalho vão andar à porrada. À semelhança dos estudantes de Medicina, os da FFUC também revelam uma grande paixão pelas camisolas do curso, e podem ser, igualmente, avistados na zona de Celas. A cor representativa da Faculdade de Farmácia é o roxo.

  • Farmácia - Pessoal que queria entrar em Medicina e agora fode-se com as disciplinas de Química.
  • Ciências Bioanalíticas - Pessoal que não entrou em Farmácia.


Aluno de Engenharia Informática a trabalhar no Departamento.

Nerds e Festa da Salsicha. Os estudantes da FCTUC são mais de metade da população da UC. Por alguma estranha razão, são o núcleo que mais enverga o traje académico diariamente. Têm uma estranha fixação pela zona da Alta e pela Sé Velha, especialmente com O Moelas e o Bigorna, mas também podem ser encontrados no Noites Longas, na Praça da República. As cores representativas da FCTUC são o Azul-claro e o Branco.

  • Química - Pessoal que vê demasiado Breaking Bad.
  • Física - Nerds que adoram Star Wars e querem ser como o Sheldon Cooper.
  • Matemática - Nerds que ficaram perdidos no tempo e ainda jogam Magic Cards.
  • Engenharias - Desesperados por cona e 2 ou 3 porcas.
  • Bioquímica - Pessoal que não está interessado em fabricar drogas em laboratório.
  • Biologia - Hippies.
  • Antropologia - Pessoal que se confude com o da FLUC.
  • Geologia - Pessoal que gosta de rochedos e de vulcões.
  • Arquitectura - Ermitas 24 horas por dia no departamento a fazer maquetes.
  • Informática - Nerds que se acham engatatões e que querem foder à grande.
  • Design e Multimédia - Pseudo-alternativos que acreditam que vão ser designers um dia.


Típicos alunos da FLUC

Comunas, Anarcas, Feministas e Gays. Os estudantes da FLUC são facilmente reconhecidos pelo visual alternativo-somos-bueda-diferentes-e-bueda-fixes, pelos óculos de aro grosso, pelo livro de algum escritor intelectual debaixo do braço ou pelo charro ao canto da boca. São a nata da rebeldia da UC. Têm uma fixação pelo Café Couraça e pela zona da Sé Velha. A cor representativa da FLUC é o Azul-escuro.

  • Histórias - Ratos de Biblioteca e Gossip Girl.
  • Arqueologia - Necrofilia.
  • Línguas - Pessoal que vai directo para o fundo de desemprego.
  • Estudos "de-muitas-merdas-diferentes" - Pessoal com média de 10.
  • Jornalismo - Gajas boas.
  • Turismo, Lazer e Património - Pessoal que faz da "arte de não fazer nada" o seu objecto de estudo.
  • Filosofia - Pessoal com problemas psicológicos.


Todos sabem que em Psicologia é onde há mais gajas boas. É a Faculdade com a maior concentração de sexo feminino da Universidade de Coimbra, os rapazes contam-se pelos dedos. São reconhecidas pelos sorrisos enormes, uma vez que são as mais cobiçadas da UC. Podem ser avistadas na AAC e, casualmente, pela Praça da República, especialmente no Cartola. A cor representativa da FPCEUC é o Laranja.

  • Psicologia - Putaria (consequentemente: Gajas Boas).
  • Ciências Sociais - Curso para encher chouriços.
  • Serviço Social - Gajas não-assim-tão boas.


Antes da FPCEUC, é a Faculdade com o nome mais fodido de prenunciar. O pessoal que curte andar de calções o ano todo. Os alunos da FCDEFUC são facilmente reconhecidos pelo uso diário de fato-de-treino e pelos músculos esculpidos. Podem ser avistados pela Beira-Rio e pela zona de Santa Clara. As cores representativas da FCDEFUC são o Castanho e o Branco.

  • Ciências do Desporto - Gajos bons, pseudo-atletas e pessoal que não quer pensar muito.

Vida Académica[editar]

AVISO: Não confundir os estudantes universitários da UC com personagens do Harry Potter.

Que quase ninguém estuda na Universidade de Coimbra, já é sabido. Que a vida universitária é uma putaria, também. Que são uns bêbados, igualmente.

Desde o primeiro dia de matrículas, que o novo estudante universitário de Coimbra é introduzido no conceito da "Vida Académica", é desde logo marcado pelos alunos do segundo e terceiro ano do respetivo curso. Aí vai ser questionado se deseja entrar pra Praxe académica ou se vai declarar-se Anti-praxe, ser anti-social e encher as fontes do Jardim Botânico com lixívia, juntamente com os outros anti-praxe numa tentativa de boicotar as celebrações académicas.

A Vida Académica de Coimbra é marcada por muitos jantares e convívios das várias Faculdades, aos quais qualquer estudante pode atender, se bem que há sempre quem olhe de lado porque "Não é do nosso curso!". Elitismo e Arrogância são dois traços que não faltam aos universitários de Coimbra, mesmo que chumbem constantemente.

Na Praxe académica, os vários cursos têm um cancioneiro com músicas que os caloiros têm de saber, para orgulhar o seu curso quando estiverem num confronto com outro curso. Estas músicas estão repletas de obscenidades e falam, resumidamente, de sexo e álcool.

"Eu bem dizia que era grosso e não cabia. 
Era o maior de toda a Academia. 
Passou, passou, passou, passou ao lado. 
Tenha cuidado se não és enrabado."

Claro que os idiotas de Medicina, com a sua mania que são superiores aos outros, tinham de ter a sua própria versão desta música:

"Eu bem dizia que era grosso e não cabia;
Era o maior de toda a Academia.
Passou, passou, passou, passou com vaselina.
O maior era o de Medicina."
Típico aluno de Engenharias quando vai sair à noite e vê uma gaja.
Perspectivas de carreira para muitas alunas da UC.

A bebida acadêmica oficial de Coimbra é o traçadinho (que consiste na mistura de vinho branco com gasosa), mas também há um elevado consumo de cerveja, vinho tinto carrascão e bagaço. Os betos que vêm do Secundário e estão habituados à sua vodka com suminho de laranja, vão ter de aprender que na UC não há lugar para essas merdas. Na verdade não há dinheiro.

O traçadinho (baptizado em honra ao traçar da capa do estudante) tem direito a uma música cantada e tocada pelas Tunas das Faculdades, uma grande homenagem a esse néctar que é o álcool:

"Vejo a lua duas vezes,
E o céu está a abanar...
Que diabo aconteceu?
Como é que aqui vim parar?

As pernas estão a tremer,
Isto agora vai ser bom...
Queria cantar um fadinho,
Mas não acerto com o tom!

Refrão:
Desta vez estou mesmo à rasca!
Vou me pirar de mansinho.
Não volto àquela tasca...
Não bebo mais traçadinho! (2x)

Tenho a guitarra partida...
Esta noite é p'rá desgraça!
Não conheço esta avenida...
Afinal o que se passa?

Esta vida é de loucos!
Esta vida é ir e vir!
Porque um homem bebe uns copos,
Começa logo a cair!"

Tunas Universitárias[editar]

Pode fazer a putaria que quiser, mas D.Dinis está de olho em você, seu merdas.

Cada Faculdade da Universidade de Coimbra pode ter uma ou mais Tunas a representar. Existem Tunas Masculinas, Tunas Mistas e Tunas Femininas. As Tunas consistem num espécie de banda; é um grupo de estudantes a cantar, tocar pandeireta, guitarra conimbricense, a fazer malabarismos. Enfim, a encher chouriços e a ir a concursos de Tunas para honrar a sua Faculdade. Toda a gente sabe que o dia do Sarau de Tunas durante as Festas Académicas é a pior noite do cartaz.

A única Tuna que interessa na Universidade de Coimbra e que aceita homens de qualquer Faculdade é a grande Orxestra Pitagórica, que incorpora o espírito académico de Coimbra melhor do que ninguém. Só aceitam homens nesta grandiosa Tuna porque achavam que era má ideia colocar uma gaja semi-nua em palco. Nós discordamos, mas compreendemos a preocupação.

Repúblicas Universitárias[editar]

As Repúblicas constituem em edifícios degradados onde vivem mais de 8 estudantes universitários, juntamente com seus amigos, suas/seus Namoradas/os, seus engates e, possivelmente, algum sem-abrigo que ninguém repara que não é estudante universitário. É uma casa onde todos os residentes são responsáveis pelas tomadas de decisão e pela gestão: ou seja, dá sempre merda. O objectivo das Repúblicas é que os estudantes da Universidade de Coimbra paguem pouco por alojamento e vivam em comunidade com os outros estudantes, quase como numa comuna. Ou não. O verdadeiro objectivo das Repúblicas são as festas, o sexo, a droga e o álcool.

Ambiente típico numa República da UC.

A Associação Académica de Coimbra está sempre a declarar que se deve fazer mais pelas Repúblicas, como obras de restauro, mas a verdade é que não fazem porra nenhuma... Depois vem o senhorio e despeja os 8 residentes, a cozinheira, os 6 cães e o sem-abrigo todos para a rua.

As Repúblicas têm de ser reconhecidas pelo Conselho de Praxe da Universidade de Coimbra, mesmo que as ditas cujas sejam anti-praxe ou neutras. Mas, mesmo nas Repúblicas Anti-Praxe existe um sistema de Praxe ao novo residente.

Para ser reconhecida como República, um edifício podre necessita:

  • Ser administrada exclusivamente por repúblicos;
  • De ter cozinha própria;
  • De ter um nome e emblema aprovados pelo Conselho de Repúblicas;
  • Ter uma placa com o nome e o emblema da República na fachada do edifício;
  • Ter bandeira com nome e emblema da dita cuja;
  • Ter sido inaugurada com a presença de todos os repúblicos e um representante das outras Repúblicas oficializadas já existentes;
  • Ter um presidente ou um mor.

As Repúblicas também são conhecidas pelas rivalidades mortais entre si, onde vão defecar à porta uns dos outros como método de retaliação, pelo seu tráfico de droga, método de sexo garantido, festas alucinantes e serem frequentadas pelos médicos do INEM, que têm de ir prestar auxílio a algum indivíduo quase em coma alcoólico.

Repúblicas Universitárias de Coimbra[editar]

Acordar numa República depois de uma noite daquelas.
Sé Velha[editar]
  • Real República dos Kágados - Localizada na Rua Joaquim António de Aguiar, é a República mais antiga da cidade, fundada nos anos 20. A campainha não funciona para despistar a bófia.
  • Real República do Prá-Kys-Tão - Localizada na Casa da Nau, na Rua Joaquim António de Aguiar. Era frequentada por Erico Veríssimo. Gostam de fomentar debates políticos.
Sé Nova[editar]
  • República dos Galifões ou Comuna dos Galifões - Localizada na Couraça dos Apóstolos. Eterna rivalidade com a República do lado, dos Corsários das Ilhas. É uma República assumidamente Comunista e militante do Partido Comunista Português.
  • Real República dos Corsários das Ilhas - Vizinhos da República dos Galifões, apreciam defecar à porta dos vizinhos, de vez em quando. Foi fundada por alunos que vieram dos Açores e dão os melhores concertos de Punk e Rock da cidade. É uma República declaradamente anti-praxe.
  • Real República Baco - Localizada na Rua do Loureiro, perto da Sé Nova. É uma República mista desde os anos 80, portanto é um núcleo de putaria. Sempre teve a fama de receber poetas, políticos, artistas e, claro está, bêbados e drogados. É tão afamada, que já foi frequentada por Vinicius de Moraes
  • República do Kuarenta- Localizada na Rua da Matemática. O seu nome vem do número da porta, mas com k.
  • República do 44- Localizada na Rua da Matemática. Conhecida como o anexo da República do Kuarenta.
  • República das Marias de Loureiro - Localizada na Rua do Loureiro. Declaradamente Feministas, Comunistas, Anarquistas, Anti-Praxe e Lésbicas. Só aceitam mulheres na sua residência, sendo a única excepção histórica, o Guilherme, mais conhecido por Gui, o anarco-feminista.
  • Real República do Bota-Abaixo - Localizada na Rua de São Salvador. Fazem crer que o seu nome teve origem quando Salazar mandou demolir a Alta de Coimbra, mas todos sabem que tem conotação de teor alcoólico. Era frequentada por Zeca Afonso e outros comunistas.
  • Real República Rás-Te-Parta - Localizada na Rua da Matemática. O líder do grupo é apelidado de Ditador, o que não é de estranhar que já tenham vivido comunistas na casa. Nos anos 50, Miguel Torga gostava de lá ir jantar. Na sua fachada, pode-se ler: Entra amigo/Se trazes presunto ou vinho/Mas se é a conta que te traz/Saímos à bocadinho.
  • Paços da República dos Inkas - Localizada na Rua da Matemática. Álcool e Festa com fartura. Foram seus padrinhos os Kágados, que aguentam o galho, “já o lá tinham” segundo o grito INKA. Oficializada como república em 23 de janeiro de 1954. Foram grandes divulgadores culturais, e os seus residentes participaram nas Manifestações de 68 contra o regime Salazarista da UC. Albergavam mais pessoal de Medicina, Direito e das Engenharias, atualmente os cursos variam mais. Nos Inkas, rompeu-se com os “avós” e com certa praxe instituída de privilégios. É-se radical quanto se pode. Princípios comuns: a vida em comunidade, a soberania e independência, a unanimidade nas decisões, uma certa continuidade que permite a aprendizagem e avanços.
Seu Cebola resumindo as Repúblicas Universitárias de Coimbra.
Arcos do Jardim[editar]
  • Real República Ay-Ó-Linda - Localizada no Bairro Sousa Pinto, já teve a sua época de glória.
  • Real República Rapó-Taxo - Localizada no Bairro Sousa Pinto, possui duas entradas, que facilitam a entrada de saída de estudantes bêbados quando têm de fugir da polícia por excesso de barulho. Alias, o seu lema explica tudo: Aqueles que por copos volumosos, se vão da lei da sede libertando.
  • Real República dos Fantasmas - Localizada no Bairro Sousa Pinto, é a República mais recente de Coimbra.
  • Real República do Spreit-O-Furo - No caralho mais velho, depois de passar o Jardim Botânico e a Escola Primária João de Deus. Localizada na Ladeira do Seminário desde 1951. Tão punks que metem nojo.
  • Real República dos Symbas- Nascida a 1962 e nunca reconhecida como República continua com a sua praxe sendo chamada de fascista pelas Repúblicas comunas.
Praça da República[editar]
  • Real República da Praça - Localizada na Praça da República. Conhecida por passar música pimba nas alturas, durante o dia.
  • Real República Palácio da Loucura - Localizada, actualmente, na Rua Antero de Quental, perto da Praça da República. O presidente tem o título de Louco-mor o que dá a entender o que se passa no seu interior. Foi frequentada por Miguel Torga. O seu lema é: Nunca Tão Poucos deveram Tanto a Tantos.
Celas[editar]
  • Real República da Boa-Bay-ELa - Localizada na Rua João Pinto Ribeiro, e fundada por alunos de Medicina, que vieram de Aveiro, em 1956. Muito estudo de Anatomia já foi realizado no seu interior.
  • Real República Rosa Luxemburgo - Localizada na Rua Correia Teles. Foi a primeira república feminina de Coimbra, fundada nos anos 70. Tem origens comunas e deu guarida a procurados pela PIDE, durante a Ditadura. São declaradamente Anti-Praxe e não usam traje académico.
  • Real República dos Pyn-Guis - Localizada nas traseiras da Escola Secundária José Falcão, em Celas. Fundada em 1955, teve grande importância nos movimentos estudantis de 68, mas hoje em dia está um bocado parada.
  • República do Farol das Ilhas - Localizada na Rua Teixeira de Carvalho, sempre foi abrigo para estudantes vindos da Ilha da Madeira. Um dos seus fundadores, em 1962, foi Alberto João Jardim, actual Presidente do Governo Regional da Madeira.
Olivais[editar]
  • Solar dos Kapangas - Localizada na Rua da Mãozinha. Os seus residentes apreciam dar uma mãozinha às suas convidadas.

Festas Académicas[editar]

Serenatas[editar]

As Serenatas servem como abertura às Festas Académicas da Universidade de Coimbra, e consistem num bando de estudantes trajados na escadaria das Igrejas mais conhecidas da cidade, a cantar e tocar o tradicional Fado de Coimbra. A Serenata da Latada é realizada na Sé Nova, para dar uma ilusão de grandeza e para os bêbados terem mais espaço para se deitarem e mais caixotes do lixo onde fornicarem. A Serenata da Queima das Fitas é realizada na Sé Velha, onde o espaço reduzido faz com que ninguém se mexa (ou respire) e que as capas do traje universitário sejam benzidas com grego e mijo.

As letras das músicas falam da saudade e da vida académica de Coimbra, cheias de metáforas, porque todos sabem que a verdadeira vida académica está expressa nas canções obscenas da Praxe.

Durante estas cerimónias podem observar-se vários universitários trajados a chorar abraçados uns aos outros, todos muito emocionados, mas é tudo fingido, uma vez que estão demasiado bêbados para perceber as letras que estão a ser cantadas.

Latada[editar]

Um caloiro feliz ao chegar na festa da Latada.

A Festa das Latas e Imposição de Insígnias aka "Latada" é o ritual de boas vindas aos miseráveis caloiros universitários que terão o semestre, a partir do dia das Latadas, a ser constantemente massacrado pelos padrinhos, doutores, trupes de Praxe académica e veteranos, além de ser ridicularizado pelo restante da população conimbricense por caminhar de joelhos pela calçada, por correr e a gritar no meio da Praça da República, ou quando é obrigado a rolar por uma encosta de lama.

Na festa da Latada o caloiro passa a ser humilhado pelos outros. Ninguém quer ser o caloiro; caloiro é o viado, o caloiro é o virgem, o caloiro é o sacrificado. Mas no próximo ano, o caloiro vai deixar de o ser e vai poder fazer aos novos caloiros o que lhe foi feito no ano anterior, criando um clima eterno de revanchismo. Entretanto, sempre pode virar anti-social e ser excluído da vida académica, declarando-se anti-praxe e faltando à Festa das Latas após virar veterano.

Queima das Fitas[editar]

Universitárias do curso de Direito desfilando na Queima das Fitas... ainda sóbrias.
As mesmas universitárias algumas horas depois, na Queima das Fitas.

O que se iniciou na Latada, termina na Queima das Fitas. Época em que a cidade de Coimbra é invadida por um manto preto de estudantes universitários bêbedos. A Queima das Fitas consiste consistia num ritual religioso em que as fitas são benzidas pelo sagrado bispo da cidade e o grelo é queimado. Mas ninguém mais liga para isso e a ideia é criar um enorme puteiro na Coimbra inteira.

O importante na Queima são os concertos, conhecidos como "Noites do Parque", porque são realizados na Praça da Canção, em Santa Clara, do outro lado do rio, no Parque Mondego. É uma semana inteira de cerveja ao preço da chuva, fornicação pelos cantos (ou em cima da relva dos parques), vômito a cobrir a calçada da cidade, bêbados, bêbados e mais bêbados; apadrinhada anualmente pelo Quim Barreiros. Nessa época do ano, os vendedores da Baixa abrem os estabelecimentos mais tarde e fecham-nos mais cedo e os condutores dos autocarros da SMTUC veem o seu ordenado descontado pela presença de um estudante bêbado a dormir no chão do seu autocarro, isto explica as constantes greves da SMTUC.

Há uma invasão aos jardins do Mondego pela madrugada, onde se veem estudantes bêbados a fornicar e a dormir, formando um enorme tapete preto, que algumas pessoas confundem por uma obra de arte, mas não, são apenas universitários bêbados. É impossível caminhar a noite pela cidade e não ser abordado por um conjunto de bêbados vestidos de Harry Potter, que o vão chatear e dizer merda. De manhã, não é raro ver algum estudante a ressacar na porta de algum prédio podre na Baixa da cidade.

O cortejo da Queima das Fitas resume-se a um desfile de carros alegóricos enfeitados com papel higiênico colorido, onde os universitários desfilam bêbados, lançando cerveja sobre eles próprios, os colegas e a multidão que os vê passar, o que se assemelha a uma gigantesca orgia de cerveja (e talvez mais debaixo das capas negras). É igualmente nesta época que a indústria da cerveja se vê com maior lucro, pois o seu consumo aumenta de qual modo que ultrapassa a Alemanha. O que resulta em 99,9% da população estudantil bêbeda. Há também maior incidência de gravidez indesejada nesta altura, felizmente o aborto já foi legalizado na Europa.

Afiliados[editar]


Ocioso 140.jpeg
Pinga.jpg
Universidade de Coimbra possui um refinadíssimo senso de vadiagem.

É procurado pelo emprego e pela dívida, mas foge por estar com calafrios.

Clique aqui pra ver mais gente com vida mansa.