Vírus de Marburg

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Vírus de Marburg
Imagem de microscopia eletrônica do Vírus de Marburg
Imagem de microscopia eletrônica do Vírus de Marburg
Classificação científica
Grupo: V (-)ssARN
Ordem: Mononegavirales
Família: Filoviridae
Gênero: Marburgvirus
Espécie: Vírus do Lago Victoria

Cquote1.png Você quis dizer: Ebola Cquote2.png
Google sobre Vírus de Marburg
Cquote1.png ... Cquote2.png
Macaco sobre Vírus de Marburg
Cquote1.png Eu tenho medo Cquote2.png
Regina Duarte sobre Vírus de Marburg
Cquote1.png Não precisa ter medo. Ele só contamina uma pequena parte da África Cquote2.png
Nerd sobre Vírus de Marburg
Cquote1.png Mas não por muito tempo Cquote2.png
Terrorista sobre comentário acima

O Vírus de Marburg é o primo pobre do CEbola. Assim como seu parente famoso, ele é um vírus (sério?) estranho e desconhecido que mata 11 de cada 10 pessoas azaradas infectadas. Ele é extremamente temido, por causa do risco de uma grande epidemia que acabaria com a humanidade. Porém, ele não oferece risco nenhum já que só ataca em fins de mundo de países no fim da África.

Como ele aparece mais raramente do que um Mico Azul, e ainda quando aparece ele ataca esses lugares, ninguém precisa se preocupar. Porém, alguns anônimos que pregam o Apocalipse dizem o contrário, garantindo que Osama Bin Laden comprou amostras do vírus para atacar os Estados Unidos. Mas ele prefere os homens-bomba, então o vírus de Marburg continuará sendo um primo pobre do Ebola.

O vírus[editar]

Um bando de medrosos observando corpos infectados com o vírus. Se eles fossem corajosos, não usariam essas roupas para se protegerem.

O Marburg, com o Ebola, parece uma minhoca minúscula. Mas diferente do seu primo, ele não é uma minhoquinha alta, magra e com anorexia, já que ele é mais baixo, garantindo maior massa corporal. Ele, quando não ataca humanos, contamina macacos, que são quase humanos [1] e assim eles podem treinar táticas de guerra para quando atacarem pessoas de verdade.

Surgimento[editar]

O nocivo virus de Marburg surgiu quando em algum local da África, o Papai Ebola se reproduzu com a Mamãe Ebola, e o resultado foi um vírus um pouco diferente de seus pais. O pai dele suspeitou que sua esposa lhe traiu com o vírus da AIDS, então abandonou seu filho o filho da mulher dele. Então, o pequeno Vírus de Marburg passou a adolescência vagando pelos confins da África, por falta do que fazer.

Durante uma de suas caminhadas, um macaco fica com pena do vírus e decide fazer amizade com ele. Os dois ficavam sempre juntos, até que caçadores maus capturam o primata para torná-lo uma atração de um circo europeu. Quando ele chegou ao circo onde trabalharia, os funcionários morreram misteriosamente. Por causa das mortes, cientistas, que são muito curiosos (até demais) o levaram a um laboratório para examiná-lo.

O resto da história[editar]

São esses locais os preferidos pelo Vírus de Marburg. Ele tem péssimas escolhas.

Obviamente, todos morreram. Vendo o potencial destrutivo do vírus e do macaco, a Al Qaeda o compra para ser o bichinho de estimação dos terroristas. Depois, ocorrem mais mortes, pois os terroristas usavam o animal para infectar mais gente. Mas o Vírus de Marburg entra em desuso por parte dos terroristas, pois Osama preferia aviões kamikazes, que era um modo de atentado mais emocionante, com explosões e destruição intensas.

Perseguido, ele se refugia na África, onde ele pode matar quem quiser sem que ninguém se preocupe com as mortes. Rapidamente ele causa grandes epidemais em países no interior africano. Porém, o vírus não supera a concorrência com regimes ditadoriais e guerras para ver quem mata mais, e assim ele quase some. As vezes, ele volta junto com o Mico Rosa para causar mais epidemias e matar mais gente.

Infecção e sintomas[editar]

Sendo uma daquelas doenças fodásticas, ele pode ser adquirido de quaisquer formas possíveis. Os especialistas mais apocalípticos garantem que basta você olhar para alguém que o cara é contaminado. Tirando essa forma, existem várias outras maneiras de se contaminar para quem quiser morrer, como viajar para a África e trabalhar em alguma organização destinada a combater a pobereza, ser um furry e fazer sexo com macacos contaminados, entre outros.

Depois que o vírus penetra no seu corpo, ele te ferra das maneiras mais diversas possíveis. Como nenhum médico é Cabra Ôme o bastante para mexer nos corpos das vítimas, não se sabe muito sobre o que ele faz. A única coisa conhecida é que ele invade seu corpo, acaba com seus órgãos e te mata em 3 dias no máximo. Se o paciente sobreviver por mais de 3 dias, ou ele é muito sortudo, ou a doença é outra.

Tratamento e prevenção[editar]

Menino e cachorro iniciando o programa de tratamento da doença. Isso parece um pouco furry.

Cquote1.png Isso non ecziste Cquote2.png
Padre Quevedo sobre Tratamento para o Vírus de Marburg

Simples: Não existe tratamento. Não adianta pesquisar no Google, porque ele não existe. Para o doente sobreviver, ele tem que ser sortudo a ponto de ganhar na loteria 42 vezes seguidas. Ou rezar. Ou fazer uma macumba forte, que talvez dê certo. Mas a melhor opção é aproveitar a vida antes que ela acabe, ou deitar na cama e esperar aquela luz.

Para quem acredita em experimentos mirabolantes, existem outras formas de tratamento, nenhuma delas segura. Para matar o vírus e o infectado junto, recomenda-se aplicar choques elétricos no paciente, até que ele fique curado, ou morto, tanto faz. Também existe a possibilidade de injetar uma vacina com a agulha do tamanho de uma espada, mas quem é macho aguenta sem reclamar.

Para prevenir, só há uma dica: Não vá para a África!! Quem for para lá, além de correr risco de ser morto por ditadores, guerrilheiros, bandidos, traficantes de animais, bichos selvagens e AIDS, ainda pode ser infectado pelo Vírus de Marburg. Para quem mora lá e não tem dinheiro para sair do continente, recomenda-se o uso de roupas de proeção pesadas, desconfortáveis, caras e de má qualidade.

Notas[editar]

  1. Se você acredita no criacionismo e leu isso, problema seu

Ver também[editar]