The Velvet Underground

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
(Redirecionado de Velvet Underground)
Ir para: navegação, pesquisa

Arband.jpg

Este artigo é sobre um(a) artista, grupo musical ou uma banda.
Certamente, fãs idiotas alienados odiarão este artigo!!

The Velvet Underground
Velvet-underground-and-nico.jpg
Olhe para essa turma e adivinhe que tipo de música eles tocam. Sim, é o que você está pensando
Origem Nú Iórque
País Bandeira dos Estados Unidos Estados Unidos
Período 1965 - 1973
1990
1992 - 1994
1996
Gênero(s) Esculturismo
Indie
Protopunk
Pedra no rim
Rock psicadélico
Gravadora(s) Verve, Warner Bros., Atlantic, Polydor, Mercury
Integrante(s)
Ex-integrante(s) Lou Reed
John Cale
Sterling Morrison
Angus MacLise
Maureen Tucker
Nico
Doug Yule
Walter Powers
Willie Alexander
Site oficial http://www.thevelvetunderground.co.uk/


Babel fish.gifTraduzindo: O Veludo Subterrâneo
Babel Fish sobre The Velvet Underground
Cquote1.png O Metrô Veludo seu energúmeno Cquote2.png
Nosso amigo britânico corrigindo o Babel Fish

The Velvet Underground foi a primeira banda indie do mundo, formada, originalmente, por Lou Reed, Sterling Morrison, John Cale e Angus MacAlise. Depois os integrantes se cansaram do fracasso da banda e se mandaram. Depois de saídas, entradas e desilusões a banda acabou com nenhum integrante original. Dentre todos os loucos que já passaram por ela, destacaram-se Doug Yule, Nico e Maureen Tucker.

História[editar]

The Velvet Underground foi uma banda criada em 1964 para renovar o cenário pop e fazer sucesso durante décadas, mas acabou não fazendo sucesso nenhum e criando a idéia de que não vender discos deixa uma banda mais cool. Por isso, hoje ela é adorada por indies e rockeiros alternativos e desconhecida pelo resto do mundo.
A banda era caracterizada por um estilo experimental assim como qualquer outro músico dessa época. Esse experimentalismo vinha da união da banda com o artista plástico Andy Warhol, que já estava cansado da pintura e entrou na música para tentar se tornar um popstar, já que pintura não dá dinheiro. Ele se metia em tudo que a banda tentava fazer e adicionou Nico (uma atriz, modelo, cantora, compositora e tudo que aparecesse na mídia) para cantar na banda, apesar de os membros serem xenofóbicos e não gostarem dela por ser alemã, mas como estavam sem o que comer a aceitaram acreditando que ela ajudasse a fazer sucesso. Em 1967,o primeiro disco foi lançado com o nome de "The Velvet Underground & Nico" para todo mundo saber que aquela branquela não era da banda. Depois que o primeiro disco vendeu tanto quanto o disco do Roberto Justus, Nico e Andy Warhol foram chutados da banda e amaldiçoados pelos membros por serem considerados a causa da falência. Na verdade o motivo foram as letras estranhas de Lou Reed.

Nova fase[editar]

Agora começaria uma nova fase, sem as idéias loucas de Andy Warhol, a banda estava pronta para recomeçar do zero e conseguir conquistar o público, aparecendo no rádio, na TV e lotando estádios em seus shows. Pena que o segundo disco vendeu menos ainda que o primeiro. Ele se chamava "White Light/White Heat" e por causa desse disco o John Cale saiu da banda e tentou uma carreira solo. Depois disso nunca mais se ouviu falar dele.
Lou Reed agora estava sem saber como continuar, já que Cale era quem tinha as idéias experimentais. Reed fez um album apenas com canções bonitinhas e o chamou simplismente de "The Velvet Underground", pra tentar se livrar da zica dos discos anteriores parecendo que era o primeiro album da banda. Tente adivinhar quanto que o album vendeu!
Depois que nada fazia o Velvet vender, nem propaganda, nem capas chamativas, nem figurinha do dragon ball que vinha de brinde, nem o pacto com o capeta tinham funcionado, o jeito era apelar. No quarto disco Reed fez uma reforma na banda, retirando do repertório músicas estranhas deixando apenas as aceitáveis, parando de cantar e colocando Doug Yule no vocal deixando as músicas meio chorosas e melosas. Assim a banda se tornou pop. O nome do disco é "Loaded" para dar a entender que ele estava "carregado" de hits. Provavelmente tua mãe ou tua avó gostaria das músicas desse disco se ele tivesse tocado em alguma rádio.
Lou Reed, Sterling Morrison e Maureen Tucker sairam da banda depois de quatro fracassos seguidos deixando Doug Yule sozinho, mas com a chance de mostrar as suas abilidades artísticas no próximo disco entitulado "Squeeze". Muitos fãs da banda preferem ouvir um disco da Tati Quebra-Barraco do que ouvir esse album que, de tão ruim e fracassado como os antecessores, fez Doug Yule terminar a banda.

Legado[editar]

O principal motivo da banda não ter vendido na época que estava na ativa e hoje ser adorada é que seus fãs nasceram duas décadas depois da banda ter acabado. Todo indie que se preste gosta dessa banda e toca a sua música tentando fazer o mesmo sucesso que ela, mas eles sempre falham e acabam fazendo mais. Procure no google o nome de 20 bandas indies atuais e pode ter certeza que todos eles tentam imitar o velvet, ou seja, foram eles que criaram, sem querer, essa turma que se acha extremamente culta. Legou um tipo de esquizofrenia intelectual peculiar também em aspirantes a críticos e historiadores do rock, que mesmo quando desejam desciclopedizar a banda se mostram mais entendidos, extensos e pernósticos que os ouvintes ou indiezinhos diluidores. Lou Reed se arrepende até hoje. E muitos que ouviram contextualizando os primeiros discos, hoje evitam conversar ou mesmo se aproximar desse povo esquisito.

Fiascos Discografia[editar]

Devido as baixas vendas de seus discos, os integrantes tiveram que trabalhar de figurantes do seriado Chaves
  • Subterrâneo Veludo e Nícolas - De 1967, é o album que foi banido de todas rádios e lojas por ter muito experimentalismo e letras polêmicas como Drogas, Sadomasoquismo, Prostituíção, pacto com o capeta, mais drogas, Ocultismo e por as autoridades saberem que isso poderia prejudicar os jovens daquela geração. Mas o disco acabou prejudicando jovens de 4 gerações posteriores. A capa do disco é uma banana desenhada por Andy Warhol que poderia ser descascada (é sério) revelando uma nova banana cor de carne.O autor fez de tudo para não fazer piada disso. Mas com certeza você fez na sua cabeça
  • Luz Ariana, Calor Ariano - De 1968, foi lançado depois de uma turnê em que os integrantes improvisaram qualquer coisa no palco metralhando os instrumentos e decepcionando o público. As melhores improvisações foram gravadas e colocadas nesse album. As letra sobre drogas e sexo bizarro estão de volta. Na capa é possíver ver um Mindfuck já que há desenhado uma tatuagem de caveira preta em um fundo preto-claro.
  • Sem Nome - De 1969, o disco mostra um lado menos punk da banda, mais voltado para as velharias Folk e Blues e letras mais corretas. Tem até uma música cristã chamada "Jesus". Apesar disso, na capa aparecem os integrantes em uma festa puxando um Beck.
  • Noção Nadavê - disco perdido dos home, que várias músicas foram recicladas pelo Lúcio Vermleho em discos dele, aquele preguiçoso
  • De Saco Cheio - De 1970, é um disco menos agressivo, politicamente correto, suave e sem graça. É lotado de possíveis hits mas nenhum fez sucesso. Na capa aparece uma fumaça rosa saindo da entrada de um metrô.
  • Apertando (As Bolas dos Outros) - De 1972, é o The Final Cut do velvet underground, já que apenas Doug Yule participou das composições e gravações, alem de possuír uma qualidade bem duvidosa. Fãs da banda não têm dúvida: é uma bosta.
Freeza está atacando este artigo.
Solte um Kame Hame Ha para defender este artigo!