Vilhena

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Gaúchos rondonienses Cquote2.png
Google sobre Vilhena
Cquote1.png Vilhena é a melhor cidade de Rondônia. Cquote2.png
Vilhenense sobre Vilhena
Cquote1.png Melhor, mas MENOR! Cquote2.png
Ji-Paranaense para vilhenense
Cquote1.png Ai, me empresta esse batom?! Cquote2.png
Vilhenense antes de sair com sua namorada.
Cquote1.png Não! Já disse que só um exame basta! Cquote2.png
Proctologista sobre exame de próstata em Vilhena.

Vilhena é a quarta (porto-velhenses, ji-paranaenses, ariquemenses rindo alto!) maior cidade do estado de Rondônia. É uma colônia gaúcha de Pelotas em plena amazônia e seus habitantes se consideram, por algum motivo, a melhor cidade de Rondônia.

História[editar]

Para entendermos a história de Vilhena, devemos retornar aos porões da ditadura brasileira. Naquela época, os gays habitantes de Pelotas se viam cercados por todos os lados por gostosos soldados armados até os dentes e loucos para acabar com a Revolução Homossexual de Pelotas. Não tendo outra alternativa, as florzinhas pelotenses acabaram por fugir para a Amazônia e fundaram a República Federativa de Vilhena, de onde desde então lutam pelo ideal separatista, já que Vilhena, assim como o sul do país, não podem estar unidos ao "resto" do país, sendo normal ver vilhenenses negando ser rondoniense mas ao mesmo tempo dizendo que seria pior ainda serem mato-grossenses, desejando de fato serem um estado a parte.

Geografia[editar]

Cadê a floresta que estava aqui?

Há muito tempo atrás existia ali uma esplendorosa floresta amazônica, mas se você olhar agora qualquer mapa de satélite, verá apenas uma enorme clareira. Afinal, os gaúchos que ali colonizaram não se contentaram em levar apenas sua sexualidade duvidosa, levaram também seus pampas, o ecossistema mais pobre do Brasil, fazendo questão de desmatar até a última árvore amazônica da região para deixar no lugar apenas vastos pastos e plantações de soja.

Clima[editar]

O vilhenense, assim como os gaúchos, sofrem de síndrome de superioridade. Acham que só o deles presta e simplesmente ignoram os outros. Com o clima eles também são bairristas e garantem que o deles é o melhor, embora o eletrodoméstico mais vendido em Vilhena, depois dos vibradores, seja os aparelhos de ar condicionado.

Além do calor e da secura, há uma grossa camada de fumaça no ar, interrompendo inclusive o pouso dos centenários e de caríssimas passagens turbohélices da Trip no campo de pouso municipal.

Economia[editar]

Exemplo de uma rua de Vilhena, a auto-proclamada melhor cidade de Rondônia.

A economia em Vilhena gira na confecção de camisinhas nas cores rosa, rosa choque, arco-íris e violeta. Outra grande fonte de renda da população, é extorquindo caminhoneiros e praticantes de capoeira de gaúcho em locais como BR 364, Grilo e postos de gasolina.

O vilhenense alega que sem Vilhena, o estado de Rondônia não seria nada, pois tudo o que se compra fora, passa pelo posto fiscal de Vilhena. Isso infelizmente é verdade até o dia que o Brasil conquistar a Bolívia e fizerem uma estrada decente para as mercadorias advindas de São Paulo e passando por Mato Grosso do Sul e Bolívia e chegando direto até Porto Velho e de lá para Rio Branco e Manaus (uma economia que seria de mais de 1.000 Km).

Dizem que na cidade há um Shopping, mas na verdade é apenas um supermercado, onde os preços praticados são pelo menos 100% maiores que em qualquer outro canto do país.

Só existe um prédio na cidade, pintado de rosa. Qualquer foto da cidade exibirá este único prédio, pois exibi-lo é a forma que os rondonienses encontraram para fingir que estão em um meio urbano.

Outro destaque econômico tem que ser dado para a quantidade de farmácias na cidade, que não se deve unicamente a uma das maiores quantidades de aidéticos do país, perdendo apenas para o porto de Santos/SP, mas sim ao desvio de produtos químicos essenciais ao refino de cocaína.

A sociedade vilhenense ostenta um ótimo padrão. A elite é composta de truculentos traficantes de drogas, empresários extratores de diamantes na reserva Roosevelt, madeireiros ilegais e agricultores incendiários.

Educação[editar]

A educação em Vilhena está passando por momentos turbulentos. A tradição gaúcha de levar umbigada na testa está fazendo com que o número de óbitos e feridos nas escolas vilhenenses aumentem consideravelmente. É muito comum ver jovens cidadãos em processo de acasalamento, o que aumenta ainda mais as rixas, já que alguns jovens não conseguem seus machos e, pra não ficar sem agasalhar o croquete, se veem na condição de disputar pau a pau pelos machos alheios.

Gastronomia[editar]

Em Vilhena, há grande consumo de carne, canjica, manjeiricão, torresmo, frutos do mar, pepino e cenoura. Mas o prato predileto é linguiça com ovos, que é servido quatro vezes ao dia.

Esporte[editar]

Em Vilhena, o esporte é amplo e complexo. Dentre a enorme quantidade de esportes praticados, podemos destacar o futebol, no qual vemos a existência do Vilhena Esporte Clube. A equipe vilhenense é considerada a melhor equipe do estado de Rondônia, adepta do ideal do Vasco, já que sempre nada, nada e nada! morre na praia. É uma equipe razoavelmente nova. E em seus 5 anos de fundação, conseguiu o feito de ganhar um estadual e jogar contra a capenga equipe do Fortaleza, Ponte Preta e o forte time do Juventude.

Seus torcedores são simpatizantes do Brasil de Pelotas.

As faixas exibidas na parada gay de Vilhena demonstram claramente o ódio aos times de Ji-Paraná, talvez pelo fato de sempre levarem sacolejo das equipes de lá. Na última temporada, o VEC levou, dentro de seus domínios, 90x0 (um gol por minuto!), da Ulbra de Ji-Paraná, deixando a torcida rosa vilhenense completamente desanimada. Além disso o Vilhena Esporte Clube em 2015 conseguiu o feito de perder para a maior vergonha do estado o campeonato de bairro (rondoniense) quando o Esporte Clube do Genus, a maior merda do estado, ganhou no anal da amazônia, deixando todas as flores da torcida homossexual do Vilhena com vontade de sair do armário.