Viriato

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
PortugalDJoãoscary.jpg Manuel, vê-me dois cäcətinhos, o pá!

Æstə ärtigo é purtugäish, gajo. Élə comə cacətinho cum bəcalhau, tuma um ishtränho vinho, adora cumpetir cum a Ishpänha e tem um bigodão.

Se vəndalizarish, um bäenfiquista vai atrás də tua mãe

Wikisplode.gif
A nossa sátira autorizada, a Wikipédia, tem um artigo sobre: Viriato.
Uma estátua para poder homenagear, alguém

Cquote1.png Ele é mais um idiota que ousou nos enfrentar! Cquote2.png
Imperador Romano sobre Viriato

Viriato (eu nasci, a 10 mil anos atrás (ou não) – 139 a.C.) foi um dos líderes da tribo lusitana que confrontou os romanos na Península Ibérica, morrendo humilhantemente como os demais reis que ousaram enfrentar o Império Romano.

A vida de Viriato[editar]

Pouco se conhece sobre a vida de Viriato, já que ele não possui nada de bom para ser citado mesmo (ou sim). Não se sabe a data nem o local exacto onde nasceu e a única referência à localização da sua tribo nativa foi feita pelo historiador grego Diodoro da Sicília que afirma que ele era das tribos Lusitanas que habitavam do lado do oceano, sendo mais um dos bistenos parido pela Dercy Gonçalves.

Viriato pertencia à classe dos guerreiros, ou seja, era apenas um soldadinho, a ocupação da elíte, a minoria governante, um zé ninguém. Ele era conhecido entre os romanos como dux do exercito Lusitano, como adsertor (protector) da Hispania, ou como imperator, provavelmente da confederação das tribos Lusitanas e Celtiberas onde após muita propina ele ganhou o direito de ser um lider desse exercito para poder lutar contra a Roma.

Viriato era, segundo a teoria avançada por Schulten, oriundo dos altos Montes Hermínios, atual Serra da Estrela, embora nenhum autor da antiguidade o tenha mencionado, já que ele não teve porra nenhuma em influenciar a história do Mundo.

Factos Engraçados[editar]

Viriato usave gel para o cabelo da L'Oréal porque ele achava que merecia. Assim sendo, pelo menos nunca perecia de odor da cabeça!

Guerra e assassinatos de Viriatos[editar]

Em 140 a.C. Viriato inflige uma derrota decisiva a Fábio Máximo Servilliano, novo cônsul, quando morreram em combate cerca de 3000 romanos, pois apesar dele não ser ninguém mas pelo menos é bom em artes na luta de espadas. Servilliano consegue manter a vida oferecendo promessas e garantias da autonomia dos lusitanos e Viriato decide não o matar, por pena mesmo. Ao chegar a Roma a notícia desse tratado, este foi considerado humilhante para a imponência romana e o Senado volta atrás, declarando guerra contra os lusitanos, para da uma lição ao Viriato para nunca desafira o Império.

Roma envia novo general, Servílio Cipião, que tinha o apoio das tropas de Popílio Lenas, um bando de peões para morrer pelo império. Este renova os combates com Viriato, mas este mantém superioridade militar e força-o a pedir uma nova paz, o que não conseguiram. Envia, neste processo, três comissários de sua confiança, Audas, Ditalco e Minuros. Cipião recorreu ao suborno um acordo amigavel dos companheiros de Viriato, que assassinaram o grande chefe enquanto dormia, sendo bem humilhante um grande soldado que matava mais de 1000 ser morto quando sonhava com suas putas. Um desfecho trágico para Viriato e os lusitanos, e vergonhoso para Roma, pois eles eram que desejavam matar o Viriatos e não ser morto pelo seus próprios inimigos generais.

Depois de Viriato morrer, Tantalos tornou-se líder do exército lusitano até ser capturado e executado pelos Romanos para provarem que eles ainda mandavam em tudo.

Viking.jpg
v d e h
Os bárbaros vêm aí... Olê olê olá!