Viviane Bordin

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Esta página se adequa à Nova Política de Conteúdo Sexual.
Conteúdo impróprio para menores de 18 anos! Tirem as crianças da sala! Este artigo tem conteúdo impróprio para menores!
Este artigo pode conter pornografia pesada ou leve. De preferência, leia-o de olhos fechados...

Se ele estiver cometendo uma infração à Política de Conteúdo Sexual, por favor, reporte à moderação.
Viviane Bondinho
Viviane bordin capa.jpg
Viviane Bordin coçando a micose fazendo trabalhos respeitáveis.
Nascimento 17 de fevereiro de 1981
Bandeira do Brasil Brasil - Cascavel
Ocupação Modelo gostosa

Viviane Bordin é uma modelo sulista que tentou seguir os passos de Gisele Bündchen e similares, mas por ter um enorme par de peitos, tinha extrema dificuldade em caber nas roupas minúsculas dos desfiles de moda. Por conta disso, mudou o rumo de sua carreira e começou a posar nua em revistas pornográficas.

Carreira[editar]

A estreia profissional de Viviane Bordin foi competindo no Miss Paraná representando sua cidade natal em 2011. Por muito pouco não venceu o concurso, tendo sido a vice campeã. Aproveitou o dinheiro que recebeu como prêmio de consolação e mudou-se para Balneário Camboriú alegando para sua família que faria um curso de enfermagem por lá, sendo que na verdade ela queria mesmo era ter uma desculpa para ficar andando de biquíni o dia inteiro e se exibindo para os marmanjos na praia. Logo, acabou virando uma maria parafina, variação da famosa maria chuteira que fica dando em cima dos surfistas ao invés dos jogadores de futebol.

Em 2003, enquanto pirigueteava na praia, foi convidada para competir no SuperSurf, um campeonato de surf (ah, vá!), mas não como surfista, e sim como "beach girl", espécie de musa da competição. Por não ter que fazer nada além de exibir o corpão seminu espremido em um biquíni minúsculo, o que já era parte de sua rotina diária, ela não somente aceitou como também acabou ganhando.

Viviane Bordin no serviço.

Naquele mesmo ano, Bordin inscreveu-se no concurso Felina do Ano, muito visado por cafetões de revistas masculinas para selecionar as novas modelos de suas publicações. Embora não tenha sido a vencedora, ela mesmo assim chamou atenção da Playboy, que tratou de logo contratá-la para ser capa da revista, tornando-a uma verdadeira diva para todos os pervertidos brasileiros.

Após ter sido capa da Playboy em 2003, Bordin alegou que pretendia estudar para ser médica. Quando soube que medicina é um dos cursos mais concorridos no vestibular e uma das faculdades mais caras, ela imediatamente perdeu o interesse na profissão e preferiu inscrever-se em uma escolinha de atuação barata, tendo como objetivo tornar-se futuramente uma atriz global.

Sem ter um pingo de talento para atuar, a não ser que fosse em algum pornô, a tentativa de Bordin foi um completo fracasso e fez com que ela sumisse da mídia por um tempo. Retornou um pouco depois posando nua em algumas revistas de menor prestígio que a Playboy, mas igualmente "lidas" pelos mesmos punheteiros.

No ano de 2009, quando a Playboy brasileira vinha enfrentando uma crise por falta de famosas para estampar suas capas, Bordin foi novamente chamada para repetir o feito. Seus ensaios foram exportados para vários outros países, consagrando-na uma puta de fama mundial.