Xiloteca

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Boneco de madeira, regente desse artigo e de uma xiloteca escondida no Acre. Observe sua cara de decepção.

Cquote1.png Você quis dizer: Xilofone Cquote2.png
Google sobre Xiloteca
Xiloteca é um tipo de lanchonete especifica para vegetarianos, veganos, biólogos, botânicos, pesquisadores de célula-tronco e seringueiros. Em toda xiloteca existe uma área, tipo biblioteca, que faz com que as pessoas que utilizam o estabelecimento saem de lá com o cérebro maior e não só com a barriga de chopp.

História[editar]

Sabe aquela viagem longa de ônibus de 10 horas em você está na pior situação possível, como: Não poder mijar e ainda estar quase morto de fome porque a porra do ônibus só para no destino final? Então, antigos pesquisadores que adoravam dar uma espiadela na mãe natureza, faziam altas viagens para concluir suas pesquisas, onde muitas vezes passavam por várias cidades só pra criticar. Com o passar dos anos percebeu que a demanda de aventureiros (seguidores de Dora a Aventureira) aumentava cada vez mais, assim foi criada a primeira xiloteca com produtos natureba.

Um menu básico de uma xiloteca.

Hoje em dia, uma xiloteca é igual a um museu, chato pra caralho. Sabe-se que que nesse lugar, fala-se mais de árvores do que qualquer outra coisa, aí você pode pensar que esse é um lugar de loucos, mas eu pergunto, quem em são consciência iria pra uma xiloteca pesquisar troncos de madeira? só loucos mesmo.

Mas afinal, pra que uma xiloteca serve?[editar]

Nesse mundo existe vários tipos de museus, museus de inseto, de gente velha, de osso e também existe museus de madeira com vários tipos de tronco, textura e sabores(?). Uma xiloteca é simplesmente um monte de bosta, é chato, sem graça, não tem nada de interessante a não ser por paus de diferentes tamanhos e cores, além de apenas encher linguiça nas grandes universidades.

Com uma xiloteca, aprendemos que existe mais de 180 mil paus diferentes e você aí achando que só existia 2 paus, da branca e da preta. Todo esse número é de crédito de várias tribos da Indonésia, mas como elas são ariscas, com certeza foram roubadas por biólogos.