Xutos & Pontapés

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Gatotocandoguitarra.gif

Bono Vox deu sua benção a este artigo!

Obrigado! Este artigo se sente mais forte agora :)

Clique aqui para mais abençoados.

Cquote1.png Você quis dizer: Chutos Cquote2.png
Google sobre Xutos & Pontapés

Cquote1.png Ai, não gosto de violência! Cquote2.png
Carla Perez sobre Xutos & Pontapés
Cquote1.png WTF? Cquote2.png
Você sobre Xutos & Pontapés
Cquote1.png Quero-teeee taaaaaaaaantoooooooo Cquote2.png
Tim olhando para uma barrinha de chocolate
Cquote1.png Já levei muito Cquote2.png
Algum engraçadinho sobre trocadilho feito com a banda


Os Xutos e Pontapés são a única coisa aproximada ao rock surgida em terras lusas de que se tem notícia. Há mais de oito mil trinta anos, a banda é presença garantida em eventos como o Rock In Rio, inaugurações de asilos, bailes de igreja e em presídios.

Origens[editar]

Nhonho Tim, vocalista dos Xutos, e campeão de degustação de doces.

No final dos anos 70, um rapaz meio rechonchudo, de nome Tim Maia, havia aprendido a tocar baixo em um curso por correspondência. Certa feita, foi preso, pelo porte de umas coisinhas, e foi levado para o presídio em Setúbal. Lá, conheceu alguns rapazes, meio mal encarados, chamados Zé Pedro, Kalú e Leonel, que formavam uma gangue de estelionatários famosos na região de Lisboa.

Essa galerinha da pesada começou a aprontar confusões que até Deus duvida, e tocou o terror até conseguir a liberdade. Em 1979, entram para a torcida organizada do Benfica, e recebem a alcunha que os transformou famosos posteriormente, devido ao comportamento que adotavam enquanto torcedores. Banidos permanentemente dos estádios, resolvem procurar outra coisa para descontar toda a sua fúria, e resolvem ingressar no meio (ui!) musical.

De Bragança à Lisboa - A entrada no mundo do rock[editar]

Inicialmente, a banda se chama Delirium Tremens, que é o efeito que o álcool causa depois de uma noite de fogo, o que Anônimo deve conhecer muitíssimo bem. Pois bem, o som inicial tem um certo estilo punk, misturado com fado, o que deveria ser uma maravilha. A coisa andava meio fraca, acontecem algumas reformulações de estilo, e Kalú é expulso, literalmente, à chutos e pontapés do grupo, que, em homenagem a esse momento lindo, passa a readotar o nome de Xutos e Pontapés, e volta à estrada, adotando um estilo mais pesaaaaado.

João Cabelo Cabeleira Cabeludo Descabelado entrou para a putaria em 1983, e a banda não conseguia engrenar. Os shows até que tinham algum público, mas nenhuma gravadora arriscava investir em um grupo com uma imagem tão agressiva. A solução encontrada foi investir em uma ecleticidade, e entra para os Xutos um saxofonista, de nome Gui, o qual, sempre colocando a boca em alguma coisa, demonstraria um incentivo ao respeito ao homossexualidade. Com isso, enfim é lançado o primeiro single, Remar, remar, que acaba morrendo na praia e nada ainda do grupo deslanchar.

Enfim, em 1986, de forma misteriosa, que talvez tenha envolvido certos favores, a banda consegue um contrato profissional, lança um disco decente e se torna ícone no rock português, o que não vale muita coisa.

Nos anos 1990, o lado emo dos membros se manifestou, e uma série de briguinhas fez com que a banda ficasse fora da mídia, enquanto eles partiram para projetos solo. Tim abriu uma pastelaria, o que contribuiu para o aumento de seu peso suas finanças, enquanto os outros membros lançaram discos solo, os quais não deram certo, e voltaram a se preocupar com a banda.

Atualmente, os Xutos vivem do passado, lançando um mol de recompilações, regravações e álbuns ao vivo, visto que seus componentes, pela idade deveras avançada, não conseguem compor e/ou ensaiar algo diferente, pois podem perder o horário dos remédios ou da troca da fralda geriátrica. Em 2009, a banda completou trinta anos de pura perda de tempo, e realizou inúmeras atividades de comemoração, como shows em casas de repouso, autógrafos em escolas de educação infantil e lançamento de suplementos vitamínicos com a marca do grupo.

Ver também[editar]