Deslivros:Um dia como cidadão norte-coreano

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para navegação Ir para pesquisar
Nuvola apps bookcase.png
Este artigo é parte do Deslivros, a sua biblioteca livre de conteúdo.


Acordando[editar]

04h00: Você acorda cedo ao som do alto-falante coletivo localizado em cada esquina de Pyongyang ao som do Hino ao Líder Supremo (lembre-se, se você não está em Pyongyang então nem cidadão você é considerado, o que torna esse Deslivro inútil). São quatro da manhã e é hora de um novo dia no paraíso dos trabalhadores. À sua frente está o enorme retrato do Líder Supremo que olha para você com aprovação, dando-lhe a confiança e inspiração necessárias para vencer mais um dia. Um novo dia começou.

Que dia é? Não importa, de segunda a domingo é tudo a mesma coisa. Que mês é? Não importa também, janeiro e dezembro são a mesma coisa, porque no paraíso socialista a igualdade é importante e até os dias devem ser todos iguais. Sua esposa (selecionada para você quando ambos tinham 5 anos de idade) se levanta com você e vocês dois cumprimentam o Grande Líder juntos com uma longa referência, é a primeira coisa a fazer, e caso você esqueça dessa reverência a sua esposa o denunciará como um inimigo do Estado, sendo a sua obrigação fazer essa denúncia se sua esposa não reverenciar o Líder Supremo. Você e sua mulher não precisam sair direto para o trabalho e têm o direito de tomar o café da manhã com seus filhos pequenos que certamente também cumprimentam o Líder Supremo naquela manhã.

Não há muito o que comer e a fome é excruciante... Espere. Fome? Esse é um pensamento terrorista dissidente! Não há fome. NUNCA na história da Coreia do Norte houve fome. O Estado com E MAIÚSCULO tem submetido a população a uma alimentação adequada para melhorar sua condição física. Comer três vezes ao dia é burguês demais, então esqueça essa necessidade capitalista de café-da-manhã! Não coma! Apenas vá trabalhar.

Indo ao trabalho[editar]

Trabalhadores norte-coreanos durante a pausa para almoço onde cantam o hino do país a plenos pulmões, com genuíno orgulho.

04h01: Sua esposa vai ao armazém-geral do governo esperar quatro horas na fila para recolher a ração diária enquanto você vai trabalhar numa indústria de cadarços de muito bom humor cantando os hinos socialistas, mas cantando-os com fervor devoto jamais cantando-os despretensiosamente, até encontrar seus colegas de trabalho: todos vestidos da mesma forma e todos com o mesmo corte de cabelo.

Você se senta para trabalhar dez horas por dia como é seu dever sagrado, pois deve contribuir para a construção do paraíso socialista com sua força e com sua tenacidade. Após o período de descanso de quinze minutos em que todos juntos cantam hinos e louvores patrióticos ao Grande Líder e recebem a ração diária de comida de 100 gramas de arroz, você pode também relaxar e ler o jornal impresso enquanto toma um café aguado. Na manchete principal o Líder Supremo aparece distribuindo alimentos para crianças órfãs e ajudando a cuidar dos leprosos. Quão generoso é o Líder Supremo! Ele poderia estar em sua mansão vivendo como um rei, mas ao invés disso lá está ele envolvido de corpo e alma em obras de caridade e ainda tem tempo para governar o país. "Que horas você dorme, meu querido Líder Supremo?... Essas fotos parecem montagens de photoshop... SAIAM DA MINHA CABEÇA! Pensamentos subversivos!" você pensa enquanto lê o jornal.

O caderno de esportes só traz orgulho, a Seleção Norte-Coreana se tornou heptacampeã mundial da World Cup of World Football após uma vitória de 7x1 sobre o Brasil no Maracanã. Quando chegar em casa você irá decorar o recinto com mais uma bandeira da Coreia do Norte.

Além das notícias não censuradas sobre o trabalho humanitário do Grande Líder e sobre as vitórias esportivas do seu país, o resto são notícias terríveis. O resto do mundo ao redor da Coreia do Norte está piorando... A Terceira Guerra Mundial ainda não acabou. O grande inimigo imperialista ataca nações indefesas como o Iraque, que não possui armas nucleares. Mas eles nunca ousariam atacar a nossa amada Coreia, porque possuímos armas nucleares e podemos revidar. A luta entre os poderes do Oriente e do Ocidente continua a mesma coisa de sempre com massacres, genocídios, armas biológicas, canibalismo... que coisa horrível. Tudo enquanto os governos de todos os outros países escrevem cada vez mais mentiras sobre a Coreia do Norte: Fox News, CNN, The Guardian, Globo, todos uns vendidos que não se cansam de fazer propaganda capitalista, imparciais sacanas. São estes mesmos países que elogiam a Coreia do Sul, aquele antro de libertinagem e música horrível... A Coreia do Norte é a verdadeira Coreia, a Coreia do Sul é só uma prostituta dos gringos. Os outros países desejam destruir a Coreia do Norte por inveja, não fosse pelo nosso brilhante Líder Supremo ter obtido armas nucleares. Nem mesmo o coronavírus se atreve a nos machucar.

Você então relaxa, satisfeito com todas essas novidades... Mas o que você fez! Você derramou café na foto do Líder Supremo!

"Venha conosco, por favor..." dizem 30 agentes da Polícia de Defesa do Bem-Estar do Povo que estavam por ali. Bem, você teve uma boa vida enquanto durou...

Passando o resto da vida como plantador de arroz[editar]

18h00: Você é uma desgraça e uma desonra, você manchou a figura do seu Líder Supremo, a sua esposa acabou de se divorciar de você, seus filhos mudaram a certidão de nascimento para ter outro pai. Você foi mandado para o interior do país. Tudo bem, você mereceu a punição, 80 anos de trabalho escravo nas plantações de arroz, é um preço justo a se pagar por manchar a foto do líder supremo com café derramado.

Com uma enxada nas mãos e grilhões nos tornozelos, sob o olhar de 5.000 soldados do exército que cercam a plantação, você admira o senso de dever e justiça daqueles belos homens carregando seus fuzis do século passado e que por mais que tenham que economizar sua escassa munição não vão hesitar em sacrificar algumas balas para o bem maior da nação, que no caso seria corrigir um surto de rebeldia de algum agricultor que tentasse fugir dali.

Que sorte eu tenho em ter nascido norte-coreano!