Adílio

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Adílio
Adilio de branco.jpg
Dadinho é o caralho! Meu nome é Adílio, porra!
Apelidos Dadinho
Nascimento 15 de Maio de 1956
Rio de Janeiro
Nacionalidade Bandeira do Brasil Brasil
Altura Menos de 2m
Peso Magro
Posição Terceiro homem do meio de campo, atualmente é um técnico bombeiro
Direito
Clubes Flamengo
Estilo de Jogo Armar, mas não tão bem quanto um camisa 10 clássico, e marcar, mas não tão bem quanto um volante truculento
Gols Nenhum


Cquote1.png Você quis dizer: Treinador tapa-buraco do tapa-buraco Cquote2.png
Google sobre Adílio
Cquote1.png Você quis dizer: Zé Pequeno Cover Cquote2.png
Google sobre Adílio
Cquote1.png gaAnHoO TuUUdUHh rObAaDdUuhH!!!11!!onze! Cquote2.png
Vascaíno sobre Adílio
Cquote1.png Flamengo? Então é favelado! Cquote2.png
Vascaíno sobre Adílio
Cquote1.png Nos mostrou o que é futebol! Cquote2.png
Peruanos sobre sua passagem no Alianza Lima
Cquote1.png Nos mostrou o que é futebol! Cquote2.png
Equatoriano sobre sua passagem no Barcelona de Guayaquil
Cquote1.png Valeu! Cquote2.png
Molecada que sobe pro time de cima do Flamengo sobre Adílio
Cquote1.png Zico, Adílio, Júnior fazendo a bola rolar! Cquote2.png
Marcelo D2 sobre Adílio

ADÍLIO DE OLIVEIRA GONÇALVES, ou só ADÍLIO devido a preguiça extrema das pessoas em falar os nomes completos, era um boleiro jogador de futebol, nascido em 15 de maio de 1956, na cidade do Rio de Janeiro, e que seguiu a tendência de, após a aposentadoria, virar treinador. Era a 3ª potência do meio-de-campo do melhor Flamengo (“Flavela”, “Framengu”, ”Framengo” ou “Flamerda” no dialeto de emos e coloridos), que tinha Zico e Andrade, sim, aquele Flamengo que algum retardado inventou um choro de perdedor infame pra justificar o sucesso.

A infância:[editar]

Assim como 90% dos jogadores de futebol, Adílio não teve uma infância numa família rica que mandava e desmandava nos outros e queria dominar o mundo. Cresceu num simples subúrbio carioca. E seus pais, com medo de que ele tornasse um criminoso, o colocam na escolinha de futebol do Flamengo, sendo o motivo de piada do bairro por parte daqueles que levam suas vidas baseadas em estereótipos, já que, pra evitar o mundo do crime, foi pra uma espécie de “FEBEM” do futebol brasileiro segundo os estereótipos. Passou a infância e a adolescência e viveu todas as “novas experiências” por lá, e, quando o time de base onde jogava subiu todo por falta de jogadores no mercado e de dinheiro, ele foi junto pro time de cima.

No Time de Cima:[editar]

GOOOOOOOOOOOOOOOLLL!

Adílio tinha uma noção do que veria no mundo de cima: sabia que era um puta mundo injusto, onde os outros tentam te bater, te enganar, comerem tua mulher e coisas piores, mas ele se preparou pra isso, aliás, veio do subúrbio, onde as ruas ensinam como ir levando a vida sem se assustar muito, assim sendo o figurante do meio-de-campo do Flamengo (de fato, não dá pra aparecer muito jogando com Zico e Andrade), e teve que esperar muitos anos pra ser campeão, jogando, apanhando do Atlético-MG e do Cobreloa no início das atividades do Clube da Luta na América do Sul na Libertadores de 81, provando que Liverpool só deu os Beatles de bom pro mundo no fim desse ano, foi campeão de novo, e de novo, um babaca inventa as Papeletas Amarelas,e, depois de tudo isso, ele já se destaca tanto quanto o Andrade, enquanto o Zico se mandava pra Itália pra ser caçado nos campos italianos pelos mafiosos que jogam futebol por lá. Chega a Copa União, e, o trio do meio-de-campo volta a jogar junto pra valer. Após um ano bem violento e, com todos querendo exterminar os 3 tenores do meio-de-campo do Mengão, eles vencem o Internacional e se tornam campeões da controversa Copa União, que, segundo torcedores do Sport e do São Paulo, e emos, coloridos e retardados acreditam que o título é do Sport. Como ele já estava ficando velho e, com o contrato acabando, o chutam de lá pros novatos terem uma chance. Era o fim da saga de Adílio no Flamengo.

Fora do Flamengo:[editar]

O Coritiba o procurou pra jogar no time de lá, pra encerrar a carreira, pegar umas gostosas de biótipo incomum no Rio, mas só durou até ele sair com uma mulher já casada, ou seja, uma Maria Chuteira, tendo que sair fodido fugido do Paraná, e se mandando do Brasil, conseguindo assinar um contrato com o Barcelona da Espanha

Sergiomalandro.jpg Haaaaa!!

Pegadinha do Mallandro!!

Você conhece o Mario?

Ele tá aí...

Na verdade, era o do Equador, o Barcelona de Guaiyaquil. O agente dele o tinha enrolado, jurando que o contrato era com o time espanhol que tava na merda na época, com o Michael Laudrup sendo o carregador de piano do time, ou seja, o cara consegue enganar o time também, achando que conseguiriam o jogador com um bom preço. Lá jogou, virou Deus, ganhou uma estátua na praça do centro de Guaiyaquil, e se mandou, estava com saudade da farinha, do feijão e de bares que toquem pagode, e foi jogar no Itumbiara, em Goiás, mas, ficou de saco cheiod as duplas sertanejas que presidiam o clube, e falou mal da música sertaneja, saindo fugido de Goiás, e indo pro Peru, jogando no Alianza Lima, mais um time grande dentro do país e intermediário fora dele, ali ele fez pacto com alguns incas e se identificou com o movimento, morando numa aldeia inca enquanto estava por lá. Após o fim da experiência e do contrato, volta ao Brasil pra terminar a carreira de vez, escondido em times pequenos e aceitando como pagamento só o tanque do carro cheio e as contas pagas só pra mostrar que não estava enrolando.

Vida de Treinador:[editar]

Após se aposentar, entrou no programa de olheiros e treinadores de base do Flamengo, uma espécie de asilo dos jogadores que dominaram o mundo nos anos 80, e se torna treinador do Flamengo nas divisões inferiores, com a missão de ensinar os jogadores como jogar, evitar as Marias Chuteira e os proteger de olheiros europeus e pedófilos em geral. Estreou no time de cima como tapa-buraco do tapa-buraco Andrade, e, com a saída dele, agora ele é o treinador tapa-buraco oficial do Flamengo. Isso foi por um curto período de tempo claro.