Artigo escrito pelo Paulo Kogos transcrevendo um vídeo dele falando mal da nova esquerda

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Verdade.
Verdade.
Este artigo contém...

VERDADES!

(pelo menos foi o que a Veja disse)

Material verídico: Use com moderação.
Hammer and sickle.png Este artigo foi aprovado pelo Conselho de Proteção à Moral da Família Soviética como sendo livre de conteúdo subversivo.


(♫♪Tocando hino da URSS de fundo♫♪)

Olá, o meu nome é Paulo Kogos. Eu sou um conservador capitalista extremista e andei pensando: Realmente estupraram deturparam Marx! Deturparam Marx, deturparam Lênin e deturparam Stálin. Eles eram da velha esquerda, eram materialistas, gostavam de riqueza. Não é como essa nova esquerda que gosta de capim e maconha orgânica. Eles nunca pagaram de pobre; eles eram pobres mas queriam riqueza, ainda que de maneira desonesta e criminosa.

Marx até era um burguês, mas ele era um vagabundo assumindo; ele não pagava de trabalhador fazendo estágio em coletivo feminista. Marx, Lênin e Stálin: eles não mandaram o proleotáriotariado reciclar, reduzir e reutilizar, e mas sim produzir para a pátria (batidinha na mesa).

Eles nunca criticaram o capitalismo por produzir demais e fazer dodói na "mãe gaia". Nunca abraçaram árvore; o que eles abraçavam eram foguetes Katyusha. Eles nunca mandaram o campesinato ir de bike. Eles nunca pensaram num soviete sustentável, nunca disseram "Beagles do mundo, uni-vos!". Eles disseram "Proletários do mundo, uni-vos!".

Eles queriam coletivizar as fábricas pra produzir para a União Soviética, e não transformar as fábricas num restaurante vegano concept. Eles queriam matar o patriarcado de Moscou burguês conservador a tiros de Kalashnikov e não de desgosto, fazendo ele chorar no banho. Eles mandaram usar wannabe-bruxas gostosas fictícias baionetas, e não sapatênis feito de material reciclado. Eles matavam alemães nazistas com metralhadoras tequitiraióvi, e não abrindo as portas da Alemanha para a invasão muçulmana. Eles mandaram erguer muros e fuzilar quem tentasse sair, ao invés de escrever plaquinhas escrito "Welcome Rape Refugees".

Ao invés de manifestaçõezinhas regadas a maconha na Paulista, eles bombardearam o palácio de inverno dos Czares usando o cruzador aurora. Eles gostavam de mitz, os caças Mikoy e curevich, e não de Minnies e seus amiguinhos genderfluid.

Ao invés de denunciar machistas por Facebook, eles denunciavam informantes para a Stasi e espiões da OTAN para a KGB. O politiburo vivia em luxuosas cidades cheias de mulheres e tomando vodka e não em repúblicas estudantis cheias de trangêneros e fumando maconha. Eles condecoravam camaradas por matar inimigos no campo de batalha, por matar nazistas, e não por "desconstruir padrões de gênero". Nunca nenhuma medalha "Ordem de Lênin" ou "Hero of the Soviet Union" foi conferida a algum "desconstruído" por ter LACRADO, MIGA!!

Boris Alexandrov e a banda do exército vermelho são muito melhores que Tico Santa Cruz. E os desfiles de caminhões com mísseis balísticos nucleares na Praça Vermelha são muito mais interessantes que "desfile de moda genderfluid com materiais ecológicos cuja renda é vertida pra ONGS".

Eles gostavam de planos quinquenais, indústrias pesadas siderúrgicas, e não de créditos de carbono. Eles fabricavam chapas de aço para os encouraçados da classe Obstuvikaya Revolutsy, e não sacolinhas reutilizáveis carbon free. Eles acusavam os capitalistas de criar um exército de mão-de-obra de reserva, e não de "não ter uma política de inclusão de minorias".

Eles chamavam os fazendeiros ucranianos de KULAKS! Sem frescura e preocupação de respeitar a "diversidade". Para eles, a mulher soviética provava seu valor mostrando o corpão na Playboy e sendo jurada de programas do SBT pegando um caça Yakovlevyak 1, e derrubando os junkers nazistas, na guerra patriótica, e não defecando na rua em cima da foto do Bolsonaro.